La Decima a gente nunca esquece
Por José Nilton Dalcim
11 de junho de 2017 às 21:10

Claro que a comemoração tem de ser em cima de uma façanha das mais incríveis da história não do tênis, mas do esporte: 10 troféus num mesmo Grand Slam, 10 conquistas em 13 possíveis, e olha que dessas três houve uma delas em que nem foi realmente derrotado.

Mas o que me fez ficar pensando hoje, depois de vermos Rafael Nadal vencer todos os sets disputados com média de cinco games perdidos por partida em Roland Garros, é como o espanhol se reinventou e se reergueu pela terceira vez em sua carreira.

Não é uma coisa fácil de acontecer no esporte de alto rendimento, considerando-se ainda seu estilo que exige tanta doação em quadra. Nadal repete nesta temporada aquilo que vimos em 2010 e 2013, quando renasceu após passar momentos de descrédito e pressão.

A cada vez, achou um caminho. Ora o saque, ora o slice, ora o backhand, trabalhou nos elementos que poderiam agregar e raramente usou discurso negativo nas frustrações. Cansou de dizer que ainda acreditava que poderia reagir, agradeceu porque haveria uma próxima semana. Duvidaram uma vez, duvidaram duas e duvidaram de novo.

A resposta veio. Encerrou 2016 mais cedo para alongar a pré-temporada, contratou Carlos Moyá. Fez um Australian Open surpreendente, em que esteve a três games de um título improvável, engoliu mais dois vices na quadra sintética e aguardou o retorno ao saibro europeu, seu habitat natural e eterno ganha-pão, para enfim rever a glória. E o fez com superlativos crescentes.

Quando chegou ao 10º título em Monte Carlo e encerrou o jejum, se transformou no favorito natural a Roland Garros, ainda mais diante da crise de Novak Djokovic e da queda de Andy Murray. Mais um 10º em Barcelona, o penta em Madri… Não fosse a derrota nas quartas de Roma em que havia muito de esgotamento, ele teria faturado tudo sobre o saibro, e superado até mesmo a série inacreditável de 2010, quando ganhou Paris e os três Masters do saibro.

‘La Decima’ talvez criasse pressão sobre qualquer outro tenista. Para Rafa, pareceu o tempo todo ser acima de tudo motivação. Disputou cada partida com intensa aplicação tática, correu atrás de bolas difíceis mesmo quando o placar lhe dava folga. Na final deste domingo contra Stan Wawrinka, vibrou com punho cerrado no primeiro ponto do jogo! Não dá para imaginar um tenista mais determinado.

Rafa encerra a primeira metade da temporada com 6.915 pontos em 10 torneios jogados. Isso lhe dá não apenas o direito matemático de lutar pelo número 1 do mundo, quem sabe já ao término de Wimbledon, mas o torna o maior candidato à liderança ao final do calendário. Aproveitou o saibro para abrir quase 3 mil pontos sobre Roger Federer. Soma mais do que Wawrinka e Dominic Thiem juntos.

Guardo para amanhã uma lista dos maiores feitos de Nadal em sua fabulosa carreira. Afinal, é preciso de muito espaço para quantificar o tamanho de seu tênis.

P.S.: Não, não esqueci da extraordinária vitória de Jelena Ostapenko no sábado. Mas deixo aqui o direcionamento para o blog de Mário Sérgio Cruz, que fez um texto completíssimo dessa letã de 20 anos e tanto futuro.


Comentários
  1. Eduardo Martins

    Renato, respondendo a um comentário seu mais abaixo, apesar de o Federer estar com mononucleose no início de 2008 na qual ele perdeu a semifinal do AO para o Djokovic por 3 a 0, ele já havia se recuperado antes mesmo de RG. Mas deve ter sido o efeito de uma mononucleose mal curada o motivo pelo qual ele tomou uma surra das mais humilhantes no tennis na final de RG (parciais de 6-1, 6-3, 6-0). E pelo mesmo motivo, mononucleose mal curada, ele perdeu para o Nadal em WB, naquele que é tido como o melhor jogo de todos os tempos pelo Mestre Dalcim, onde todos os sets foram longos, principalmente o 5º set [parciais de 6-4, 6-4, 6-7(5), 6-7(8), 9-7]. Ah, lembrando que em RG e em WB o Nadal estava com bolha nos dois pés. (rs)

    Responder
    1. Gildokson

      Fosse a grama rápida como deve ser, Nadal nunca venceria aquele jogo, que aliás terminou quase que no escuro da noite.
      Grandes feitos do espanhol, que mesmo assim ainda não o tem o tornam maior do que Federer na história do Tênis.

      Responder
  2. Eduardo Martins

    Bruno, respondendo a um comentário seu mais abaixo, eu penso parecido com a Alice e respeito a opinião do Dalcim e dos demais. Não é que o saibro seja um piso inferior aos demais, muito pelo contrário. É um piso difícil porque dá tempo de preparação para cada jogador trabalhar o ponto.

    Vale a pena ler também o Blog Saque e Voleio do Alexandre Cossenza (com o título: Rafael Nadal e o maior feito da terra). “Ou larguemos de vez os números e vejamos as fotos, os vídeos, os rostos dos adversários e constatemos que nunca um tenista foi tão dominante na terra batida, o piso no qual ninguém consegue esconder suas deficiências.”

    Vou dá só alguns exemplos de como eu divirjo da opinião que tenta diminuir o saibro, até mesmo a opinião do Mestre Dalcim: se o calendário mais enxuto realmente impusesse isso ao saibro, o que dizer então da grama né? Pelo contrário, apesar de ser a parte mais curta da temporada (1 mês e meio), a grama é a cereja do bolo na minha opinião. Outro detalhe, novamente trabalhando com o se, é que das 10 conquistas, 4 foram vencidas encima do Federer e 2 contra o Djokovic (sendo que a semifinal de 2013 poderia muito bem valer pela final). Se o espanhol tivesse perdido essas 6 finais para o suíço e o sérvio respectivamente, a maioria dos torcedores do Federer não teria essa implicância toda com o saibro. Meu ponto de vista é exatamente esse e respeito totalmente quem pensa diferente de mim.

    Responder
  3. Rafael

    Não dá para acreditar que gente que faz a barba, tem filhos, responsabilidades, paga contas, impostos, preocupa-se com o futuro, etc, fique postando comparações entre os nos. de comentários da conquista de Federer versus a de Nadal. Se entrar no mérito do ridículo, naquele post, a que certos cidadãos se prestaram, fazendo campanha para postar qualquer m^YT%¨&* a fim de inflar números artificialmente, é infantil e patético, para ser educado em um ambiente majoritariamente de adultos.

    Até a próxima.

    Responder
    1. Mário Fagundes

      Rafael faz parte do 1/3 restante de comentaristas/torcedores de Nadal que postaram “belas mensagens”, muito construtivas e edificantes, após a conquista do Deca do espanhol. Eis o meu reconhecimento. rsrsrsrs.

      Responder
  4. Eduardo Nery

    Viram a declaração do Federer enaltecendo o título do Nadal e dizendo que não teria chance? O cara não é só superior como tenista. Como ser humano também!

    Responder
  5. Leonardo lima

    E quanto ao kyrgios Dalcim , começou muito bem o ano nas quadras duras , mas no saibro foi um desastre
    Ele esta machucado ?
    Vem com tudo em wimbledon ?
    O que esta acontecendo com ele .

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Ele vive com problemas físicos. Não esperava muito no saibro dele por conta disso. Acho que a grama é, no momento, o lugar ideal para ele obter um grande resultado na temporada.

      Responder
  6. Leonardo lima

    Bom dia Dalcim
    E quanto a luta pelo numero 1 no final da temporada
    A temporada de saibro do nadal ja acabou
    A temporada do Federer esta começando com wimbledon , masters dos eua e us open
    Murray e Djoko defendendo um monte de pontos
    O que acha Dalcim , sua visão e opinião quanto a briga pelo numero 1 .

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que respondi ontem, Leonardo. Acho que Nadal virou o grande favorito, mas obviamente temos ainda muito pela frente. A briga só terminaria se Nadal vencesse também Wimbledon, aí ele já assumiria o posto e acredito que a distância seria praticamente impossível de alcançar (pensando nos pontos da temporada, e não na defesa em si). Para Federer, Djokovic e Murray é essencial ir bem em WImbledon, mas principalmente na fase que vai até o US Open.

      Responder
  7. MAISA SANTANA

    Dalcim! Não costumo comentar mas sempre acompanho e me divirto demais lendo os comentários. Mas como é La décima do Rafa não poderia deixar de registrar aqui meu contentamento. Ainda estou hipnotizada por Rafa e suas conquistas. No domingo cantei, pulei, fiz loucuras de tão feliz. Rafa campeão dez vezes….enfim Paris se rendeu, até os franceses sempre tão relutantes queriam o triunfo de Rafa. O mundo do tênis e do esporte reconheceram que este cara é sensacional, monstro (qualquer adjetivo é pouco).
    Rafa vencendo no saibro e jogando muito é a melhor notícia. O esporte precisa de lendas, de feitos gigantescos, de recordes, Rafa Nadal incorpora tudo isso e muito mais, porque sua história é permeada de grandes conquistas. A quantidade de títulos que o cara tem é absurda…só este ano faturou 10 vezes Barcelona e 10 vezes Monte Carlo. Sua vida pessoal e sua personalidade são de se admirar. Num mundo louco que vivemos…ter Rafa e Roger brilhando é tudo o que precisamos. E…queremos mais recordes, queremos as lendas do tênis arrasando.

    Responder
  8. Marcão

    O texto abaixo não é inédito. Foi originalmente publicado em outra margem, por ocasião do segundo renascimento de Rafael Nadal, em 2013, quando eu, estúpido, após derrotas incríveis, contusões mal explicadas e principalmente diante da evidente obsolescência do seu jogo, precipitadamente rascunhei o seu epitáfio. Entretanto, mesmo agora, quando ele venceu RG pela décima vez adicionando novos recursos à fortaleza do seu jogo, o texto me pareceu tão vivo e atual que decidi reenviá-lo, alterando apenas o parágrafo que alude ao infeliz coadjuvante. Com essa tremenda conquista, Rafael Nadal demonstrou ser, disparado, o melhor tenista que já amassou uma quadra de barro e, na minha humilde e imparcial opinião, resultados pesados e repesados, um dos três maiores de todos os tempos. Sim, três. Parabéns, portanto, aos felizes torcedores do espanhol que fazem deste blog um ambiente profícuo e divertido.

    O Brack está certo.Chocalho de cascavéu, casca de aroera, semente de sucupira, garrafada de maistruz, jurema, nó-de-cachorro, valha-me meu São Miguel Arcanjo, foge meu São Longuinho que a besta desembestou!!!

    Quem diria que justamente no primeiro dia do resto da minha vida eu veria o que nunca pensaria ver. Não tenho medo de demônios, fantasmas ou assombrações (mais por míngua de contato do que por descrença absoluta), mas o que aconteceu no domingo em Paris não foi alucinação, não era o Seu Madruga interpretando Mefistófeles, não era mais um gibi do Brasinha. O dedo incandescente, a cauda afilada e o cheiro de enxofre não deixam dúvidas. Era o próprio. Sem intermediários, sem procuradores, sem perdão.

    Sim, era ele. Cego nos zoinhos miúdos, enxergava o invisível; enferrujado nos braços frouxos, não errava nada; coxo da sinistra retorcida, corria mais que notícia ruim.

    Sim, era ele. De roupa nova, mas era ele. Mesmo quebrado em mil pedaços, um espelho vai sempre refletir a mesma imagem. Antes, perverso, se divertia com a fraqueza humana, vibrava com os erros alheios, não passava de um artesão do desacerto. Agora, virtuoso, não espera pela dor, antecipa o golpe, abrevia o fim. Manco, tem pressa. Não quer a alma do adversário, contenta-se com o coração.

    Sim, era ele. Cruel e paciente no retorno vingativo, aguardou o momento certo para revelar diferentes truques aprendidos no seu inferninho particular. O melhor: pá-puft, pá-pá-puft! Buscando a linha, mirando o ponto. (Aperto os olhos para resgatar o sonho…)

    Coitado do infeliz suíço, não aquele, o outro, que lhe topou pela frente. Também ele surpreendeu-se com Woland em traje de gala. Balbuciou na entrevista, corou de vergonha. Mas não havia motivo. Não foi um dia para esquecer, foi um dia para se guardar. A vergonha, se existe, é do próprio anjo caído pela descoberta tardia que das trevas também pode saltar a luz, que do pó também pode brotar o belo.

    Responder
    1. Ziggy Stardust

      Marcão, as usual, memorable.
      Lembraste-me de que não tenho “O mestre e Margarida”, de Mikhail Bulgakov. Então, breve, adquiri-lo-ei.
      Muito obrigada.

      Responder
  9. Fabio F

    Conquista maiúscula desse fenômeno que é Rafa Nadal! Não creio que veremos um tenista tão dominante em uma superfície no curso de nossas existências.
    Com 10 conquistas na terra batida em 15 slams vencidos, inegavelmente, seu legado será intrinsecamente vinculado ao saibro. No entanto, é um atleta imensamente adaptável e, se estiver confiante como agora, pode vencer em qualquer piso, como já sabemos.

    Vamos agora à temporada de grama, um universo bem distinto no circuito. Espero que Murray e Djoko retornem ao seu melhor e que Kyrgios volte a ser o tenista magistral que sempre esperamos. Federer está certamente com muita sede de vencer, deverá atropelar impiedosamente em Stuttgart e chegará voando em Wimbledon. Ele sabe que este é, provavelmente, seu último grande ano no circuito. Deverá jogar ainda por muito tempo em ótimo nível, mas não o vejo disputando títulos de slam a partir de 2018. A conferir.

    Dalcim, sei que esse tema já foi discutido por aqui, mas nunca o entendi completamente. Sendo a grama uma superfície tão tradicional e incensada no circuito, qual seria a razão de haver seis torneios desse nível em quadras duras, três no saibro e nenhum (zero) na grama?

    Responder
  10. Mário Fagundes

    Passando pra fazer a leitura matinal do blog, achando que iria encontrar o espaço abarrotado de comentários após a conquista do Deca do “touro”, e encontro “apenas” um pouco mais de 300 mensagens (2/3 delas de Alice e LF. rsrsrs). Reflexo do que foi o torneio, que não foi tão empolgante. Entretanto, vale o tamanho do feito realizado pelo espanhol. Acho que é algo para netos dos adolescentes do blog. Mas a vida segue. O saibro acabou. E ainda bem que acabou. Mas acabou o saibro, porque Rafael Nadal, ao contrário do que muitos pensam aqui, vai dar muito trabalho no segundo semestre, ao meu ver. É fato que ele vem jogando quase toda semana, chegou em quase todas as finais dos torneios em que disputou. Deve ser o tenista que mais jogou nesta temporada. Mas ao contrário de outros anos, não houve tanto desgaste, nem contusões. E temos de admitir: o cara está voando novamente. É um menino. rsrsrs. Além disso, Djokovic, Murray e Raonic jogando um nível abaixo, certamente coloca o espanhol como um dos favoritos em Wimbledon. Porém, agora a vitrine é Roger Federer. Vamos ver se o planejamento do calendário foi bem definido por ele e sua equipe. Aposto que sim. O cara deve ter treinado muito nesse intervalo. Se tinha alguma contusão, com certeza está curada. Tomara que traga algo novo para a temporada de grama.

    Obs: Gabi, cadê você?

    Responder
    1. Alice

      Com certeza ess RG foi um fracasso total e se depender da vontade que eu tenho de responder os comentários e não passá-lo como recibo, vai ter 50%… é cada uma hein, já foi falado aqui, cada um vê o que consegue ver…rsrs

      Responder
  11. Rubens Leme

    Não sei quem começou a falar de Borg, mas na verdade, a ex-esposa dele na época,disse que os maiores problemas dele eram a cocaína e prostitutas, mesma coisa dita por sua segunda ex-esposa.

    Uma grande pena, pois para mim sempre o ídolo máximo do tênis. Eu quis aprender tênis vendo-o jogar e, o Dalcim, parece ter confessado a mesma coisa aqui.

    http://www.marca.com/en/2015/12/07/en/more_sports/1449521361.html

    “His obsession with cocaine had become irremediable. He had become a danger to society. In Milan, Borg would go out on to the street and ask passers-by for drugs. He needed his fix. He didn’t care about anything, not his reputation or the consequences”, Berté recounts.

    As well as drugs, sex became a problem for the former world number 1: “To rekindle the spark erotically, Bjorn said I should try having sex with him and other people at the same time. He wanted to have an orgy, but the mere thought of it disgusted me”.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não resta menor dúvida que Borg teve muitos problemas extra quadra, que certamente influenciaram sua aposentadoria precoce, mas o que não bate é como Loredana faz essas acusações se os dois se casaram em 1989, sete anos depois do Borg ter encerrado o carreira. Além do que, uma pessoa com o poder aquisitivo do Borg sair às ruas para mendigar drogas? Me parece filme.

      Responder
      1. Rubens Leme

        Bom, a primeira falar isso foi ex-modelo Jannicke Bjorling, com quem teve um caso e um filho enquanto era casado com a Mariana Simionescu.

        Acho que mendigar seria no casode implorar por algo porque não conseguia ou não conhecia algum traficante, embora devemos nos lembrar que ele foi a falência neste período por causa de dívidas com o fisco sueco, entrou em em depressão e teve uma tentativa de suicídio que sempre negou e disse que foi envenenamento de comida, aliás, quando era casado com a italiana.

        Em 2013 ele falou sobre isso e negou ser usuário de drogas.

        O fato é que queria muito vê-lo por mais anos e fiquei muito triste quando deu adeus.

        http://www.tennisplanet.me/blog/2013/07/borg-explains-the-truth-about-his-suicide-attempt.html

        Responder
  12. Luis

    Dalcim Golden State campeao da Nba time legal rs,so’ falta o Wimbledon Federer kkkkkk,beijo Alice obrigado pelo adoro rs,o blog ta divertido rs

    Responder
  13. Eduardo Moura Lima

    Dalcim,

    Sinceramente não consigo mais ver esse jogo “defensivo” que ainda estigmatizam o jogo do Nadal. Desde, no mínimo, início de 2017 (além de 2010 e 2013) eu vejo o Nadal tomando a iniciativa, jogando próxima à linha de base, indo para winners e também fazendo mais winners que seus adversários muitas vezes.
    Acho que depois de 2015 e 16 ele definitivamente entendeu que precisa atacar para se manter competitivo agora mais velho e de fato começou a colocar isso em prática.

    Detalhe: não estou dizendo que Nadal virou um kamikaze ou que está mais agressivo que Federer. Apenas que atualmente eu acho que seu jogo está mais para agressivo do que defensivo.

    Abraço

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Puxa, Eduardo, o Nadal esperou o saque do Stan quatro passos atrás da linha. Ele só jogou perto da linha quando sacou, até porque não dá para recuar rsrs… Mas sem dúvida ele tem sido mais agressivo do que era nos dois últimos anos, principalmente porque tem conseguido bater o backhand mais na subida do que antes.

      Responder
    2. ULISSES GUTIERREZ

      Eduardo,

      não sei se vc viu o mesmo jogo que vi, mas o Nadal devolvia o saque do Stan uns 3 ou 4 metros da linha base. Por lá ficava mandando uma bola alta no fundo da quadra na esquerda do Wawrinka. Quem atacava quase sempre era o suíço, e quando pensava que seria um winner a bola voltava de novo e a correria também. Terminava, na maioria das vezes, com um erro do Stan, ou uma bola vencedora do Nadal em virtude de sobrar uma bola curta. Na grama esse jogo não rola. Vamos esperar para ver.

      Responder
      1. Eduardo Moura Lima

        Bom, como já falei uma vez aqui eu não acho que você jogar atrás quer dizer necessariamente que você está se defendendo. É uma POSTURA defensiva, ok, mas você pode atacar mesmo assim.
        Primeiro eu realmente não acho que o Nadal tem jogado tão atrás assim. Sim, ainda acho que ele recebe os saques muitos atrás, mas, uma vez devolvido, ele avança. Não, não joga como o Federer nem é o jogador que joga mais avançado no circuito, nem nunca será. Mas acho que ele hoje em dia joga BEM mais próximo a linha de base que no passado.
        Segundo que o Nadal como todos sabem sempre teve como diferencial ter muita potência, logo ele consegue agregir mesmo lá de trás. Ser agressivo não é necesssariamente partir pro winner o tempo todo. Ele está batendo as bolas muito fundas, muito fortes e muito anguladas. Não necessariamente os três adjetivos ao mesmo tempo. Agredir pra mim é querer ganhar o ponto ao invés de esperar o adversário errar, como o Murray faz e o próprio Nadal já fez muito. Agredir é também buscar erros FORÇADOS do adversário.
        Terceiro, também achei que o espanhol foi sim mais agressivo que o suíço na final. A diferença é que o Wawrinka errou e o Nadal não. O que é perfeitamente normal visto que a margem de segurança do espanhol é muito maior por suas bolas rotacionarem (top spin) enquanto as do suíço planarem (chapadas) no ar.
        Hoje eu sinceramente acho que o Nadal parte para ganhar o ponto, mesmo que não faça winner. E não acho que eu seja o único. Tenho lido muitas declarações de ex tenistas (consagrados ou não), técnicos e comentaristas que dizem o mesmo.
        Acho sim que o Nadal mudou a forma de jogar, e vai tentar ser cada vez mais agressivo, e não apenas que ele reconquistou confiança.

        Abraço

        Responder
        1. Fabricio

          Que ele está bem mais agressivo é nítido, o próprio Wawrinka disse isso após a final. Os números do jogo também confirmar isso: Nadal fez mais winners e correu menos que o Wawrinka. Mas como já foi ressaltado, Nadal nunca será aquele tenista que parte para a definição já na segunda bola, o que não impede de ser agressivo e tomar o controle dos pontos como fez muito bem nesse Roland Garros.

          Responder
  14. Eduardo Moura Lima

    Dalcim,

    Nos anos de auge do Djoko (2011,15,16) muito se enfatizava (com toda a razão) que o grande mérito do seu jogo era a falta de pontos fracos, buracos, que fazia com que seus adversários não achassem soluções. Isso tudo mesmo com voleios, slices e smashes bem abaixo dos tops.
    Com essa notória evolução do backhand do Nadal a partir do final de 2016, ele agora tapa o único ponto fraco que existia no seu jogo. Visto que seus voleios, slices e smashes são excelentes, vem a pergunta. Nadal supera ou iguala o jogo sem buracos do Djoko ?

    E mais, você ainda vê algum buraco no jogo do Nadal ?

    Abraço

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que, em termos de golpe de base, que é o que importa no tênis moderno, o Djokovic ainda é superior ao Nadal porque consegue jogar muito perto da linha de base e pegar a maior parte das bolas na subida. É bem mais difícil jogar assim do que tendo maior tempo de executar o golpe. O jogo de rede é importante, mas corresponde a um percentual muito baixo numa partida, ainda mais diante de tenistas não agressivos. E não acho que voleios do Djoko estejam muito abaixo dos tops. Ele evoluiu demais nesse quesito. Nadal, com certeza, sempre foi muito bem nos voleios.

      Responder
  15. Marquinhos

    Concordo com o ponto de vista do colega abaixo. Os maiores são aqueles que, entre outras coisas, dominam a maior quantidade de pisos. Nadal é muito maior que Federer no saibro, mas Roger é muito maior que Rafa na grama e nas sintéticas. E olha que as quadras estão mais lentas do que nunca. Como disse o Pessanha: Se fosse como 20 anos atrás……..

    Responder
  16. Marquinhos

    Se temos um número reduzido de jogadores com capacidade de vencer o espanhol no saibro, não podemos dizer o mesmo na grama. Dá pra fazer uma lista com pelo menos uns 20 jogadores com boas chances de vencer ele na grama e uma lista com 6/7 jogadores que seriam favoritos em um confronto contra Rafa no piso.

    Responder
  17. Marquinhos

    Uma caracteristica semelhantes das torcidas de Nadal e Novak: A ilusão. Alguns diziam que Nole dominaria o ranking pelos próximos três anos(kkkkkk) e agora tem Nadalete dizendo que Nadal vencerá RG pelos próximos três anos. Alôoooooo!! Não esqueçam que o espanhol ficou quase três anos sem vencer slam, e tem um vasto histórico de lesões, pelo seu estilo físico de jogo. Com a carga excessiva de jogos esse ano, a chance de lesões é muito grande, ainda mais porque ele não tem mais 25 anos. O tênis é uma montanha russa. Um dia se está por cima, e no outro, por baixo.

    Para não dizerem que eu cai em contradição, por dizer que Federer vencerá tudo até o final do ano. digo que Roger só vencerá se manter o mesmo nível de jogo do começo do ano. Para o ano que vem, sem previsões. Mas lembrando que, diferente de Novak e Nadal, Roger é mais técnico que os dois e depende muito menos do físico.

    Responder
  18. Renato

    César Paula, não existe quase ganhou. Ou ganha, ou perde. Na final do AO, Federer venceu seus sets com muito mais facilidade que Rafa, fez muito mais pontos e winners. Vitória incontestável. Venceu Nishikori, Berdych e Wawrinka, no piso preferido dos adversários e Nadal na final. Já o espanhol, venceu apenas Stan e Thiem como adversários expressivos em RG. Detalhe: Apenas Dominic pode ser considerado um saibrista dos bons, já que Wawrinka prefere as quadras duras.

    Responder
    1. Alice

      Estava indo bem, até falar do Nadal. Pelo comentário da pra entender como o espanhol é um assombro na vida de alguns aqui no blog…rsrs

      Responder
  19. Rodrigo S. Cruz

    As baloetes do espanhol estão em polvorosa.

    Mas a partir de Wimbledon, Nadal será devidamente surrado.

    E eles terão de esperar mais um longo aninho pro espanhol voltar a ganhar alguma coisa que preste.

    Kkkkk

    Responder
    1. Alice

      Será, Rodrigo? Quem te garante que Rafa não voltará aos títulos nas quadras rápidas? Já sabe os 6 números da mega da virada? Tem mais alguns meses, com essa fricção de garantias, talvez você consiga descobrir as dezenas… rsrs

      Responder
  20. Urameshi

    Fiquei muito feliz pelo título do Rafa, mas um lamentei tb pelo Stan, que é meu jogador preferido depois do Rafa. Embora Stan tenha vencido Rafa na final do AO, as maiores vitórias da carreira do Stan foram contra djokovic: quartas do AO e finais de RG e US Open. Atuações antológicas. Seria legal mesmo vê-lo ganhando wimbledom e fechando o careem slam, mas acho q ele n se dá muito bem por lá. Quem sabe ele n ganha de novo na austrália ou no us open, ganhando do nadal num jogo bom (já que a final do AO foi chata por causa da contusão) ou do federer q ele ainda n bateu na hard. Já falando do Rafa…acho até graça alguns falando que ele vai ter q esperar o saibro em 2018. Esqueceram que esse ano se n fosse pelo Federer…Rafa teria vencido AO, IW e Miami. E agora a confiança dele tá lá em cima, vai estar bem mais perigoso que nos primeiros meses do ano. É incrível pensar que quando Federer venceu o AO em 2010, muitos encaravam apenas como um título pra abrir mais em relação ao Sampras, sem saber que na verdade sair dos 15 era essencial pra manter o recorde, já que Nadal chegou aos 15 também. Acho que se Federer ganhar wimbledon, o recorde dele fica bem protegido. Mas se outro jogador ganhar, a diferença fica em 3, e embora n acredite muito no nadal em wimbledon, acho que ele tem boas chances de ganhar o 16º na hard, e aí encostar de vez. Mas pra falar a verdade, eu como torcedor do Nadal torço mais pro Nadal não ser alcançado pelo djokovic do que pra alcançar o federer. Federer é mesmo o melhor de todos, e merece ficar com o recorde.

    Responder
  21. Marquinhos

    Parabéns a parte civilizada da torcida do espanhol. Hj não farei provocações, até porque eu sei como é chato quando as pessoas tentam desmerecer um tenista em um momento de glória. O cara foi lá, venceu e ponto!

    Apenas lembrando os colegas que a partir de agora a velocidade das quadras tendem a aumentar até o final do ano. Se jogar o que jogou no começo do ano, Federer será o principal favorito na maioria dos torneios até o final da temporada.

    E que maravilha, a temporada de grama já começou!

    Dalcim, qual dia Federer joga? Abs!

    Responder
  22. João ando

    A técnica da ostapenko e a anabel Medina que esta machucada e ainda nao se aposentou….acho isso interessante ter uma técnica que até pouco tempo estava jogando o circuito.acho que isso ajudou muito a Jelena.

    Responder
    1. Alice

      Sim, eu acredito que tenha ajudado. Pelo que percebi, a Ostapenko tem essa mania de definir tudo na primeira bola, não pensa em dar um pouco de tempo para pegar o ritmo das suas adversárias, ela quer acabar com o ponto da forma mais rápida possível. Foi nesse ponto que ela deve ter ajudado, fazendo com que a letã trocasse um pouco mais de bola, definindo quando tivesse um pouco mais de chances de definir com Winners, de qualquer forma acho que ajudou também no emocional/mental, já que a Jelena não se abalava em quadra, pelo contrário estava muito feliz jogando, demonstrava isso jogando um tênis calmo mentalmente e muito agressivo fisicamente! Deve ter sido uma maravilha, ser a dona do jogo, você errou, ponto pra sua adversária, acertou, opa, pontinho seu! HaHaHa

      Responder
  23. Valmir

    Dalcim,

    Apesar do balanço de RG2017 indicar que vendeu 16 mil ingressos a mais que 2016,
    vi muitos jogos do Nadal e do Djoko com um razoável número de lugares vazios (principalmente nas primeiras rodadas)
    Até na final ainda vi alguns lugares sem ocupação (numa tomada aérea, na Band).
    Dá para imaginar como foi em outros jogos… duplas mistas… partidas de altos ranqueados.. etc.

    Esse fato é devido a que ?
    ingressos caros demais ??
    achar que o jogo seria moleza demais ??
    gente que comprou e não foi ??
    ou todos esses fatores e outros mais ??

    Wimbledon tem a fama de lotar todas as quadras, em qualquer jogo.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Resposta difícil, mas talvez sejam os famosos ingressos corporativos que são dados como obrigação e por vezes não levam as pessoas certas às quadras. E mais uma vez: os 16 mil ingressos a mais foram exatamente a sessão a mais criada em 2017, que dividiu as duas semifinais masculinas.

      Responder
  24. Arthur

    Dalcim,

    Antes de mais nada, parabéns ao Luiz Fernando e aos demais torcedores do Nadal. Ninguém apostaria um só centavo no espanhol no começo do ano e aí está ele, com a 10ª taça de RG no bolso.
    Na verdade, esse título já se desenhava desde o começo da temporada européia do saibro. Com Federer fora, Murray e Djoko numa draga sem fim, só mesmo o Stanimal ou o Thiem em dias muito inspirados para roubar o título do Nadal. Mas, como vimos, nenhum dos dois teve 1/10 do mental do espanhol.
    Fico, no entanto, um pouco desanimado com essa reprise de 2007 em 2017. Federer já ganhou o AO, IW e Miami e, ao que tudo indica, será o grande favorito para WB. Nadal ganhou quase tudo no saibro, deixando escapar apenas Roma pelo cansaço.
    Tenho lá minhas dúvidas se essa dualidade de títulos faz bem ao circuito, em que pese as idades atuais do suíço e do espanhol.
    Achava que já tinha acabado o tempo de o Nadal ganhar tudo no saibro e o Federer, tudo no resto.
    Por via das dúvidas, como já escrevi antes, vou torcer pro outro suíço ganhar WB.
    Seria muito engraçado (e improvável) ver o Stan fechando o Career Slam, hehehe…

    Um abraço.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Você não deixa de ter razão, Arthur. É incrível ver Nadal e Federer recuperarem a hegemonia do tênis tanto tempo depois, e temos de enaltecê-los por isso. Porém, ao mesmo tempo, vemos o quanto não surgiu uma nova geração capaz. No momento em que Djokovic se desmotivou e Murray caiu, deveria sobrar espaço para quem vinha imediatamente atrás. Raonic, Dimitrov, Nishikori, Goffin. Que nada, quem arrancou alguma coisa foram Thiem e Zverev, um pouco o Kyrgios, que estão uma geração atrás.

      Responder
      1. Marcelo F

        Pois é Dalcim. Sempre tive a opinião que algum jogador da nova geração “herdará” o posto de número 1. Nenhum teve ou terá a capacidade de “arrancar” esses quatro lá de cima. Me lembro que, há uns três anos, Zverev surgiu bem em Hamburgo e já teve apressado aqui dizendo: “Ficarei muito surpreso se não for número 1 em três anos.” Ou Taylor Fritz o ano passado: “Esse aí termina 2017 fácil no top 30.” Há uns meses atrás foi o Casper Ruud… Thiem é bom, Zverev também, assim como Kyrgios, mas “nunca serão” enquanto ao menos um desses quatro estiver por aí. Ou seja, não serão até 2020. Depois sim, afinal alguém vai ter que ser.

        Responder
    2. Alice

      Não tô te entendendo, está desanimado com a repetição dos fatos e vai torcer para o Federer em Wimbledon? WTF? Deveria torcer assim para Zverev ou Pouille, já que representam duas gerações mais jovens e com reais chances de decolar, depois do Big Four. :/

      Responder
      1. Arthur

        “WTF” digo eu, Alice. Leia o que eu escrevi. Vou torcer para “o outro suíço”.
        E, para não deixar dúvidas, logo depois eu digo quem é “o outro suíço”: o Wawrinka.
        😉

        Responder
    3. Sérgio Ribeiro

      Permita- me discordar , Caro Arthur. A dualidade dificilmente vai ocorrer. Federer sabe que aos 36, WiMBLEDON e’ a meta . E não acredito em milagres de Rafa Nadal na segunda parte da temporada. É verdade que um puxa o outro. Isso tem que servir de exemplo e não mesmice. A espetacular preparação faz parte. Roger abriu mão de alguns recordes , para estar forte no momento certo. Não e’ jogando mais de 20 Torneios que a geração de Raonic ou a de Thiem ira’ chegar lá . Mas respeito quem tenha outra visão . Abs!

      Responder
  25. Ulisses

    Dalcim,

    falando agora de ranking, mais especificamente de briga pelo número 1.
    Pela pontuação do momento, e considerando que a partir de agora (grama e quadra dura) favorável o jogo do Federer. Vc acredita que teremos uma briga direta pelo número 1 até ou após us open polarizada entre os dois? Ou não ainda há tempo de entrar um murray ou mesmo um Djokovic na briga? Ou ainda não haverá briga, pois a distância que o Rafa abriu já e suficiente para somente administrar até o final do ano com bons resultados (tipo semifinal, algumas finais)? O que acha mestre?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Torço para haja briga sim, e das boas. Claro que Nadal aproveitou muito bem o saibro para abrir larga distância e os outros terão de correr atrás agora. Depois de Wimbledon teremos um quadro mais cristalino, porém é evidente que Rafa se tornou o grande candidato.

      Responder
    2. Alice

      Concordo com o Dalcim, primeiro temos que esperar os resultados de Wimbledon! No momento, a única coisa que eu diria, é que Murray e Djokovic teriam que fazer um segundo semestre avassalador pra terem chances de terminar na ponta do ranking, o que cai entre nós, no desenho da temporada, isso não deve acontecer…

      Responder
  26. O JR7

    Dalcim,
    Uma perguntinha meio que retórica.
    Vendo Federer levantar um caneco aos 35/36…
    E Nadal aos 31…
    Será que Borg não sente um pouquinho de arrependimento em ter parado aos 26 anos e praticamente no auge da carreira?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Bom, naquela época os tenistas não tinham os recursos de hoje, então carreira geralmente decaía após os 30 anos. Mas tenho certeza de que ele faria muito ainda. Ele sequer defendeu o título de Roland Garros em 1982, cuja final foi Wilander juvenil contra Vilas veterano. Ele provavelmente teria vencido mais um.

      Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Nunca se soube ao certo. Me parece acima de tudo desmotivação. Ele quis fazer um calendário mais curto a partir de 1982, mas a ATP não permitiu e o obrigou até a jogar qualificatório. Me parece certo que havia muito de problema pessoal, envolvimento com drogas sociais. Seu perfil muito fechado não combinava com o tamanho da sua popularidade. Borg seria hoje facilmente o que Federer e Nadal são em termos de visibilidade.

          Responder
    2. Alice

      Concordo com Dalcim, pois naquele tempo era muito mais difícil se reinventar. Acho que Borg poderia ter conquistado um pouco mais, mas não tanto quanto imaginam, ele também não estava no seu “auge”, pelo contrário já estava tendo uma queda, não conseguia bater seus principais rivais em determinados grandes torneios, fora que estava acumulando mais derrotas frequentes em seu piso predileto, no saibro. Tentou voltar depois, e todos viram, foi um desastre. Porque o tempo parado não perdoou, sendo assim difícil naqueles tempos fazer voltas fulminantes como Nadal e Federer estão fazendo, após os 30, e até Agassi. Só pra ter uma ideia geral, pra efeito de comparação, Nadal e Borg aos 26 anos, tinham numeros parecidos, muito parelho! Só que Rafa conseguiu manter a grande forma, isso se deu também por dois fatos, acredito eu, o primeiro, a padronização das quadras e o segundo o avanços da tecnologia das raquetes e de preparação e recuperação física! 🙂

      Responder
  27. Anderson

    Rei do saibro? Não mais. Deus do saibro. Alcançou um feito inédito entre os homens, que o alçou à um patamar superior. Quantos mais será que ele consegue? Não dá pra duvidar de mais nada desse cara. Parabéns, e que consiga mais um dobradinha RG WB.

    Responder
  28. João ando

    Como disse o próprio dalcim os dois maiores são laver e Federer …ele diz que não sabe a ordem .e no feminino dalcim quem são as duas maiores ? Margareth court e navratilova?ou a Maurren o”connoly …nessa eu posso estar delirando.mas diz ai dalcim qual sua opinião.grato João ando

    Responder
      1. Alice

        Sim, mestre. Ele quis saber quem você considera as duas maiores, no caso você citou só a Navratilova, como a maior. Então, quem seria a outra? No caso, a segunda.

        Acho que você vai dizer Graff, estou correta?

        ^_^

        Responder
          1. Alice

            UAL, muito interessante. Pra mim, as três primeiras, também são Court, Navratilova e Graff. Só que em uma ordem diferente… hehe

  29. Rodrigo S. Cruz

    Impressionante o PARCO número de postagens sobre o décimo título de RG, até agora.

    O que mostra que Nadal não é tão querido, pelo menos por aqui.

    Também, depois da prepotência dele com o árbitro de cadeira português, não dá pra simpatizar muito com ele…

    Quando Federer o derrotou no Australian Open foram mais de 1000 comentários!

    Responder
    1. João ando

      Rodirgo o jogo dele não ajuda embora seja um feito incrível ganhar 10vezes.mas como a grande maiORIA dos espanhóis ele não é muito simpático…talvez seja isso os poucos comentários desse feito inédito.

      Responder
    2. Alice

      Bom, temos ressalvas que merecem serem feitas:
      – Aqui a maioria torce para o suíço!
      – No Twitter Mundial, bombou de torcida para o Nadal.
      – Federer estava quase cinco anos sem ganhar um GS em janeiro!
      – O item anterior, já corrobora com o fato de como aqui existem mais torcedores do suíço, teria mais audiência, fora o fato que muita gente saiu do ‘caixão” em janeiro, devido ao 18. Sem contar que os fãs do suíço, são bem mais assanhados, digo desesperados por grandes títulos do que os de Djokocic e Nadal.
      – E finalizando, não vem ao caso, mas Rafa é o tenista + seguido nas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), só mais de 27 milhões de seguidores!

      😉

      Responder
    3. Anderson P

      O título do Nadal já era esperado, diferente do título do Federer. A final do AO teve muita emoção a mais, por ter a maior rivalidade do tênis na história. Ninguém esperava que o Touro pudesse ser batido pelo freguês =D

      Responder
      1. Alice

        Como não, Anderson? Federer estava jogando mais que o espanhol naquele AO, muitos aqui, também acreditavam! O fato é que + uma vez, ficou provado, que o confronto direto não é de muito valor nessas horas…rsrs

        Responder
        1. Anderson P

          Sim, muitos acreditavam até ele ter que enfrentar o Nadal. Se não estou muito enganado os fãs de ambos daqui do blog já tinham entregue o título pro Touro. Que surpresa não foi o Federer ter ganho o título! E ainda mais que o jogo foi super emocionante.

          Responder
  30. Marcelo-Jacacity

    Fico a imaginar como pode Roland Garros ser tão diminuto e quase insignificante, perto dos demais Majors, como alguns salientam.
    Isso não se sustenta de forma alguma, haja vista, a busca incessante pela conquista, por Roland Garros, durante toda a carreira de Agassi, Federer e Djokovic, feito alcançado finalmente em 1999, 2009 e 2016 respectivamente. A alegria das três lendas deixa clara a real importância e valor do Slam francês:
    https://m.youtube.com/watch?v=zNARLbikYOU
    https://m.youtube.com/watch?v=ngwvJ2j5Yd4
    https://m.youtube.com/watch?v=tJ7MBFs31Bo

    Responder
    1. Ziggy Stardust

      Prezado Jacacity, bom dia.

      É cediço que RG é menos valorizado (não disse “menor”) que WG e US. Contudo, é um GS. Todo jogador de escol, pela capacidade e vaidade que traz consigo, intenta fechar o Career. Assim, qualquer Slam que falte na galeria desses monstros que, por exemplo, citastes é, por certo, absurdamente cobiçado.

      Apenas para ilustrar, Lendl sempre afirmou que trocaria todos seus RGs por um WB.

      Nadal mesmo, certa feita, se não me engano (se estiver errada, corrijam-me), ao ganhar o tradicional torneiro inglês, exaltou-o como o mais importante Slam.

      Abraços a todos e uma ótima semana.

      “Lógico”, querido, felicidades e saúde sempre. Obrigada por postar.

      Responder
  31. Luis

    Dalcim acho que foi a Alice disse que o big 4 chegou nos 30 anos e ate Wawrinka rs,quando vao entrar em queda? rs,parece esse ano esses 5 vao ganhar todos os 4 Slams do ano mais uma vez rs,e a nova geracao vai ficar pra 2018,beijo Alice rs

    Responder
  32. Spencer Santos

    Grande O Lógico! É que o Chetnik (desculpe se errei a ortografia) não gostou da minha “babação de ovo” só nos títulos, então, procurei apenas objetivamente expressar a minha alegria. “Juro que estou tentando ser o bom pastor”. 🙂

    Responder
  33. Eduardo Martins

    Renato, respondendo a um comentário seu mais abaixo, acho que não dá para comparar o pneu que o Nadal tomou do Federer em WB 2006 [6-0, 7-6(5), 6-7(2), 6-3] com o pneu que ele aplicou no suíço em RG 2008 (6-1, 6-3, 6-0), visto que, no primeiro caso, o espanhol não foi humilhado pelo suíço.

    Responder
  34. Robson

    Bom,a organização de RG soltou nota em relação ao público pagante geral com 16 mil ingressos a mais comercializados em relação a edição de 2016,portanto mais uma falácia e bla bla blas de federetes caindo por terra igual manga podre.

    Responder
      1. Alice

        Mas digamos que não teve uma queda, Dalcim. Que muitos estavam querendo pintar, ou melhor, que acontecesse mesmo, devido a falta de Serena e Federer. O que aconteceu, foi uma queda na audiência televisiva! Isso era bem mais provável, mas ninguém citou.

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          É muito difícil ter uma queda, Alice, porque os ingressos de Grand Slam são vendidos com grande antecedência, sem que as pessoas saibam quem vai jogar e muitas vezes nem quando vão jogar.

          Responder
  35. Eduardo Martins

    José Viana, respondendo um comentário seu mais abaixo, acredito que o Nadal por muito pouco, muito pouco mesmo não bateu o Djokovic em seu piso favorito (AO) em 2012. Bateu o sérvio duas vezes no US, mesmo sendo quadra rápida e que favorece mais o jogo do Djokovic, mas lá ainda é a quadra favorita do sérvio como é a da Austrália. O GS dos EUA é favorito do Federer, já que ele tem 5 títulos por lá. Na Austrália existe algum problema que o Nadal não consegue se dá bem por lá. Devia ter ganhado o bi (em 2012, contra o Djokovic), o tri (em 2014, contra o Wawrinka) e o tetra (em 2017, contra o Federer), mas não conseguiu nenhuma outra taça além daquela de 2009 contra o Federer. Para mim, o maior pecado do Nadal foi ter deixado escapar essa de 2017 contra o Federer, já que estava liderando o 5º set. Claro que o se não conta, mas a contagem nos GS estaria 17 a 16 em favor do Federer.

    Responder
    1. Alice

      Eu acho que é devido ao clima/umidade/sol/chuva/vento da Austrália que é diferente dos outros Major, principalmente em relação ao US Open. Concordo que o maior pecado dessas finais do Rafa na Austrália foi ter perdido o quinto set, que liderava, para o Federer. A final de 2014 contra Wawrinka foi uma ‘fatalidade’, mas eu já superei. Enfim, ele perdeu né, os outros (Djokovic, Wawrinka e Federer) souberam lidar com esse ‘pior’ momento dele até a final e ganharam! Quanto os Grand Slans do suíço e do espanhol, acho que devemos ficar feliz, já que o touro conseguiu chegar a uma outra final no AO, e ganhou outro RG depois de três anos sem final! Vamos torcer para que ele continue progredindo em seu jogo, só assim teremos mais felicidades com outras finais de Majors!

      Responder
    2. André Barcellos

      Só discordo que ele tenha deixado algo escapar no quinto ser.
      Federer que arrancou. Partiu para o jogo suicida e entrou tudo.
      Só bola na linha. E pancada.
      Esse AO 17 foi mérito do suíço e não demérito do espanhol.

      Responder
    3. José Viana

      Perfeito, ele estava com esse jogo na mão, com a quebra de saída quinto, mas aí o Federer jogou demais!! Aliás, que jogão!!! Torcendo pra um final Fedex e Nadal em Wimbledon, seria demais!!!!

      Responder
  36. Eduardo Martins

    Alice, respondendo a um comentário seu mais abaixo, pela pontuação o Nadal é sim o único classificado para o ATP Finals. Mas se eu não estou enganado, vencedores de GS também tem sua classificação garantida, sendo assim, acho q tanto o Nadal quanto o Federer já carimbaram seus passaportes para Londres para a semana que começa no dia 12 de novembro.

    Responder
    1. Alice

      Sim, isso eu sei. Eu só quis ressaltar o fato que ele já conseguiu da forma + tradicional se classificar! Mas, de qualquer modo, obrigada por informar, assim outros​ também ficam sabendo! 😉

      Responder
  37. Alice

    Lógico deve tá com uma dor de cabeça horrível, nem Doril resolve…rsrs
    Mas hein, Federer está com um novo estilo de cabelo! O Luis gostou, não posso dizer muito (hehe), só vi uma foto, prefiro ver o ao vivo, quer dizer, na TV…rsrs

    E a sorte da Kerber continua…

    Responder
  38. Luiz Fernando

    Dalcim, creio q Rafa melhorou em vários quesitos mais dois me chamaram mais a atenção: a melhora absurda do backhand e a melhora significativa do serviço. O BH ontem me pareceu fantástico, além de andar muito, praticamente não houve erros nesse golpe, contribuindo para deixar Wawrinka como um para-brisa, correndo de um lado p o outro. Também observei nessa temporada de saibro muito mais variação no serviço, antes muito previsível, posso estar enganado mas nunca o cara fez tantos aces. Claro q o FH também voltou a andar muito, algo também fundamental na recuperação do Nadal, mas como esse golpe ele sempre teve, creio q estava “adormecido”, os outros dois foram desenvolvidos, já q não tinham esse padrão. Qual sua visão? Concorda?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que basicamente foi isso. Na verdade, o primeiro saque contribui muito para desenvolver a ataque com o forehand. Não só dele, mas de 90% dos tenistas do circuito.

      Responder
    2. Roberto Rocha

      Concordo com sua análise, meu caro Luiz Fernando. O backhand está impressionante, especialmente na cruzada. Mas também agride na paralela. A profundidade dos golpes também é notável. E na questão do saque, o que mais chamou minha atenção foram seus números de pontos vencidos com o segundo serviço! Praticamente na faixa de 55, 60%. Esse sempre foi um ponto fraco. Todo mundo metia a mão, agredindo o segundo serviço do espanhol. E seu percentual de pontos vencidos com o primeiro serviço também impressionou, ficando muitas vezes na casa dos 80%.

      Responder
  39. Gilvan

    A final foi bem enfadonha. O jogo só esteve parelho enquanto o Nadal esteve jogando mal, até o 7o game do 1o set, depois foi uma lavada, com um Wawrinka irreconhecível, errando algumas bolas ridículas e exigindo muito pouco do espanhol. Fora o feito do Nadal, foi um torneio para se esquecer.
    Que venha a grama.

    Responder
  40. Marco Dias

    Como sempre se olha apenas resultados: venceu é o melhor de todos; perdeu não vale nada.
    Esse imediatismo é que não concordo. Nem tanto ao céu, nem tanto ao mar…

    O “se”, como sempre dizemos, não existe. Mas me pergunto quantos GS poderia ter vencido o Wawrinka caso ele tivesse virado esse jogador que desafia o BIG4 mais cedo? Óbvio que o BIG4 é o BIG4 também pelo precocidade, mas o problema do Stan sempre fui muito mais mental (de acreditar em si) do que técnico. Mesmo jovem ele já tinha todos os golpes (evoluiu, claro, como todos os demais sempre estão evoluindo). Seus nºs são inferiores aos dos outros 4, porque estes, além de tudo, começaram a vencer bem jovens. É como se o Stan tivesse entrado no circuito apenas em 2013. Nesse período, em Slams, ele não perde tão feio assim pros “nerds do circuito”.

    Responder
  41. Rafael Medeiros

    Mas que é curioso ver o rarefeito número de comentários, é.

    Achei que encontraria uma catarse sem fim com o “feito” (estre aspas por se tratar da chave mais baba de todos os tempos, com os adversários diretos ausentes ou meia-boca) do espanhol, a exemplodo que se viu quando Federer venceu o AO, mas nada.

    No fim, é isso.

    Responder
    1. Alice

      Apesar de algumas informações facultadas, serve pra mostrar que os torcedores do Nadal, não são tão ‘desesperados’ assim. Percebeu nossa educação? Nem pesado blog está, como em alguns dias rotineiros! E olha que foi uns dos fatos mais históricos do esporte, Lá Décima! 😉

      Responder
      1. Rafael Medeiros

        Alice, conheço muito bem a torcida do Nadal. Já sou decano no blog, de modo que sei bem do que falo.

        E educação é algo que passa longe de grande parte da malta torcedora do espanhol. Assim como vemos em outras torcidas também.

        E apesar do feito histórico, tá com um arzinho de desinteresse generalizado, acha não? Nem parece que começou e acabou um Slam.

        Enfim, sintomático.

        Abraço.

        Responder
      1. Rafael Medeiros

        Sofremos, caro Luiz.

        Rapaz, essa coisa de ver esse Siri sem graça jogando bola alta pra cá e pra lá, correndo como se fosse tirar a mãe da forca a cada bola e chegando em todas faz a gente sofrer mesmo.

        Abraço.

        Ps. ia colocar um “kkkkk”, mas me senti meio ridículo quando estava no terceiro “k” e deixei pra lá.

        Responder
    2. suely

      Sr: Rafael Medeiros.Como e triste e patetico quando uma pessoa nao aceita a VITORIA do outro. O que o Nadal fez em RG e algo absurdo…incrivelmente fantastico. Ganhar 1( um ) GS ja e um grande feito, imagina 10 (DEZ) num so torneio.Alem de: ter so 2 terrotas e uma desistencia. Enquanto vs fica com esse Bla..Bla ..Bla e chororo a lenda do tenis o sueco B.Borg disse: Nunca vi ninguem jogar tao bem em uma final em Paris.E o melhor jogador de saibro que ja vi.E esse mesmo por muitos tambem e considerado um dos melhores.Disse Borg NADAL NAO TEM DEFICIENCIA ELE DA 110% de si. Ninguem jogou uma partida melhor em Paris.Terminou dizendo: Nadal segue melhorando o seu reves e o melhor em muitos anos.Em paris estavam todos os melhores jogadores…so o seu (FEDERETE) que nao foi.Nao foi so o Borg que Nadal recebeu elogios outros tantos tenistas ( inclusive femininas ) rasgaram enormes elogios.Com disse JUAN M. DEL POTRO.IRREPITIVEL…IRREAL…..E REI.

      Responder
      1. Rafael Medeiros

        Suely, primeiramente: calma. rs

        Segundamente (rs), se ele é rei do saibro ( e é), muito se deve ao completo desinteresse da grande parte do circuito pelo piso. Não há mais especialistas em saibro senão ele e um par de espanhóis.

        E se não entende isso, ok também.

        Abraço!

        Responder
    3. Mangostin

      “Nadal showed that there is a way to play this sport that no one had tried yet. I’d put Nadal number one, Federer number two. It’s just remarkable to me what he has done, and he has done it all during Federer’s prime. He’s had to deal with Federer, Djokovic and Murray in the golden age of tennis. He has done what he has done and he’s not done yet. To win the French Open once is a herculean performance – he’s trying to win it for a 10th time. It’s just remarkable. He persevered through so much adversity, with people writing him off. I didn’t believe that with the amount of physicality he’s put into his career, he’d ever get his game back to that level. He certainly proved me wrong.”
      – ANDRE AGASSI, winner of eight Grand Slam titles, including Roland-Garros 1999
      “Rafa could potentially win up to 15 times. Two years ago, nobody really thought he would ever win a Grand Slam tournament again, especially Roland-Garros. I thought it would be very hard for him to come back again. He’s proving I was wrong. I think we need to thank him, because he has been a role model. He’s not only an excellent tennis player. He is a wonderful person. He is entirely dedicated to his discipline. You can predict three or four more titles, at least. And he has a chance to become No.1 again, to win, why not? Two or three more years. Rafa’s mentality is that he loves so much the challenge of the impossible that everything is achievable for him. In his mind, there is no impossible. It’s amazing for us that we have been there to see this. I don’t think we can ever see another guy like this. When this can happen again?”
      – GUSTAVO KUERTEN, Roland-Garros winner in 1997, 2000 and 2001
      “Playing Nadal at the French Open is incredibly tiring, as you know he is not going to give you very much at all. You’re probably going to have to win most of the points yourself, and you’re going to have to do that for five sets. What I like best about him, though, is that he has always been so humble, and that is great to see.”
      – BJORN BORG, winner of 11 Grand Slams, including Roland-Garros 1974-75 and 1978-81
      “I’d always thought I could win the French Open. My problem, of course, was Rafa. The guy is unbelievable on clay. Some people don’t want to believe it, but unfortunately that’s the truth. Rafa shattered my dreams many times on clay. He’s got shots that no other one has. When you have that, you are unique and special. Plus he’s got the grit. He’s got the mental and physical ability to sustain a super-high level of play for years and for hours and for weeks. He’s come back from many injuries, time and time again. He made it seem easy, and it’s not. I think he’s been tremendous for the game. I have a lot of respect for him on many levels. I think he made me a better player. For me, the ultimate challenge is always to play against him.”
      – ROGER FEDERER, winner of 18 Grand Slam titles, including Roland-Garros 2009

      Responder
  42. Juscelino Júnior

    Fala Professor!!
    Dalcim, sei que é cedo para previsões, mas dependendo do desempenho de Nadal em Queens, será possível avaliá-lo como um dos favoritos para Wimbledon?
    Vc acha que o Espanhol, a despeito da confiança cada vez mais alta, terá muitos ajustes a fazer se quiser realizar uma boa temporada na grama?
    Abs.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que podemos colocá-lo claro na lista de favoritos, a meu ver não entre os dois principais, mas entre os cinco pelo menos. Tem vasto histórico, chegará confiante e, se pegar uma chave boa, ficará bem perigoso. As adaptações são as tradicionais: melhorar o segundo saque (na grama, saque com slice é muito útil), jogar mais perto da linha de base (a bola quica baixo e irregular, então quanto mais na subida você pegar, melhor) e ser menos defensivo, já que é bem mais difícil ficar apenas esperando o erro adversário. Devido ao fato de a bola quicar baixo, o joelho sofre muito na grama e sabemos que isso é sempre uma preocupação em relação ao Rafa.

      Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Federer e Murray são indiscutíveis, dai podemos colocar alguns nomes com histórico forte na grama, como Djokovic, Nadal e Raonic. Mais atrás, Dimitrov e Tsonga. Ficaria de olho em Zverev e especialmente Kyrgios.

          Responder
          1. José Nilton Dalcim

            Sério que você descarta um tenista com a capacidade técnica do Djokovic? Se ele resolver jogar o que sabe, acho que pode ganhar de qualquer um e em qualquer piso.

    2. Paulo F.

      Pior que descarto, Mestre Dalcim.
      É o ano sabático de Djokovic mesmo, RG era a última esperança.
      Ele continua sem treinador e o Rasputin hablante continua lá no box…

      Responder
  43. Alexandre Maciel

    Meu Big Four: Pearl Jam, Alice in Chains, Nirvana e Stone Temple Pilots. Soudgarden seria o Warinka. Quem conhece sabe do que estou falando…

    Responder
  44. Luis

    Dalcim Federer dizendo não teria chance em Paris contra Nadal rs,mas na grama e’ favorito tomara que o descanso faca voltar bem talvez vai jogar esses torneios antes de Wimbledon pra ta no ritmo e esses fora de serie parecem que conseguem voltar melhor rs,legal o cabelo do Federer rs,beijo Alice,Lindinho voltou Soninha kkk

    Responder
    1. Alice

      Depois dessa, do modo como Nadal voltou a jogar bem no saibro, pra mim, o suíço só volta jogar RG ou a gira de saibro européia, na sua temporada de despedida do circuito. E agora, não vão poder falar em: “Ah se o Federer tivesse jogado”, sim, teria levado uma surra como todos levaram…rsrs! Espero que o suíço jogue bem na grama! 🙂

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        É óbvio que o Craque também levaria um ” surra “. Mas com o nível que está seu Serviço , mataria várias na segunda bola. O Espanhol ficaria mais atrás procurando mandar 500 bolas em seu Backhand. Pegando na subida ( coisa que Stan não fez) , ditaria muitos pontos. E no Final, seria o Oponente mais fraco de Todos. O Velhinho jamais soube jogar no Saibro. Daí a ” Surra ” rs. Abs!

        Responder
        1. André Barcellos

          Caramba. O cara tem 5 finais em Roland Garros, mais uma porção de masters 1000 na terra.
          Ganhou do melhor saibrista de todos os tempos 2 vezes no saibro e “nunca soube jogar na terra batida”?
          Muito razoável…

          Responder
  45. Romário

    Dalcim, não torço pelo Nadal, aliás, detesto o tênis que ele pratica. Mas daí não reconhecer seus números, que são melhores que o do Sampras, me parece não atentar para os fatos. Qual seriam suas razões para não pôr o espanhol na segunda posição dos grandes da história. Lembrando que ele tem título em todos os pisos, coisa que o Peter não conseguiu.

    abraço.

    Responder
    1. André Luiz

      Em muitos números o Rafa está atrás do Sampra, como semanas como número um e temporadas terminadas no topo do ranking.
      Na minha modestíssima opinião, o espanhol está atrás também de Borg na lista dos maiores.
      Os números são limitados pra certas avaliações.

      Responder
  46. Rafael

    Estive trabalhando ontem até alta madrugada, então quis passar por aqui agora e deixar meus parabéns a Luiz Fernando e cia, os que sempre torceram e acreditaram em seu ídolo, mesmo nos piores períodos. Ontem foi um dia histórico para o esporte em geral, com essa conquista absurda de Nadal. Absurdamente fantástica. Felizes tempos esses em que nós, que gostamos do esporte, podemos apreciar o maior e melhor grupo da era aberta jogando juntos, com coberturas de abrangência nunca antes vistas.

    Ainda sobre Nadal, eu fui um dos otários que falou que ele tinha acabado, lá atrás, o que mostra o quanto entendo de verdadeiros campeões. Agora não duvido de mais nada.

    Parabéns a Stan, que venceu todos menos um.

    Dalcim, seu texto está inspiradíssimo. Seus textos tem sempre informação, clareza e concisão, mas em vários deles vc mostra um algo a mais, como nesse, que excelente redação. Lembro do tempo em que comprava jornal impresso e já abria procurando determinadas colunas, pq queria ver a visão DAQUELE jornalista sobre determinados fatos. Na Internet, vc é um desses caras.

    Responder
  47. Alexandre Maciel

    Incrível mesmo o feito do Rafa. Jogou muito agressivo ontem, fiquei surpreso, assim como Wawrinka também deve ter ficado. Rafa em quase todos os pontos atacava antes que o suíço pudesse dominar as trocas.

    Wimbledon promete. Rafa voando, Federer descansadinho e sem lesão. Murray que sempre vai bem no torneio. Djoko vai ser incógnita e quem sabe consiga crescer se chegar bem na segunda semana. Isso sem falar da rapaziada nova. Kyrgios e Zverev podem supreender. Thiem tb pode ir bem na grama.

    Algo me diz que se não der Federer, vai dar um campeão inédito.

    Responder
      1. Alexandre Maciel

        Não custa sonhar. Sei que é difícil, mas as zebras sentem uma atração incontrolável pela grama verdinha de Wimbledon… rsrs

        Responder
  48. Luiz Fernando

    Hoje começou o torneio de Stuttgatt, nada mais do q um challenger turbinado de ATP250. Exceto por Federer, um genio do esporte, os demais participantes não servem nem pra figurantes: o cabeça 2 é o genial Dimitrov, o grande sacador é o irmão mané do Zverev, que baixo nível. Quem viu RG e os masters 1000 prévios se deparar com esse torneio ridículo, que até Rafa em momento péssimo, em 2015, venceu, só pode dar sono. Pelo menos naquele torneio ele enfrentou Cilic e Monfils…

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Esse cidadão acima nunca deve ter pegado numa raquete na vida…

      Despreza torneios de nível ATP como se fossem joguinhos domingueiros do clube aonde é sócio.

      Mas se jogasse tênis, nem para BOLEIRO ele iria servir.

      Responder
    2. Joncio Souza

      Kkkkkk. Mal o espanhol terminou a temporada incrível dele no saibro e as baloetes, ao invés de apenas exaltar seu ídolo, já começam a falar mal da grama, terreno evidentemente com menor percentual de vitórias do mesmo. Talvez pelo fato do que foi falado dos torneios na terra batida, no melhor estilo do Código de Hamurabi. Mas baloetes faz somente um dia que o Nadal ganhou. Já é uma tentativa de se rebaixar os torneios no piso tendo em vista o fraco desempenho do espanhol em Wimbledon, desde seu vice-campeonato em 2011? Ademais, a tentativa de comparar Roland Garros e os Masters 1000 no saibro, com um ATP 250, é patética.

      Responder
  49. André Luiz

    Continuo desconfiado da capacidade de Rafa manter essa intensidade ao longo de toda a temporada. Ele já disputou dez torneios nesse ano, e cinquenta partidas em simples. É muita coisa. Acho que a tendência é dar uma desacelerada, principalmente depois de WB.
    De todo modo, esse ano pode ser o primeiro desde 2011 em que Rafa consiga brilhar no All England Club.
    Meus favoritos pra Wimbledon, no entanto, são Federer e Andy Murray. Candidato a grande surpresa: Kyrgios, que se jogar como nos masters americanos vai se tornar adversário muito difícil de ser batido na grama sagrada.

    Responder
    1. Alice - Com sucesso!

      Acho que Kyrgios ainda estará passando por uma fase turbulenta, se depender da chave, acredito em um bom desempenho do Alexander Zverev. Pouille também pode ir bem. Tô duvidando até de Dimitrov, mas esse eu prefiro fazer que nem o com o Federer, deixar em banho Maria e analisar mais tarde…rsrs

      Responder
  50. André Luiz

    Primeiro, ressalto mais uma vez que o feito de Nadal é absurdo. Não dá pra processar logicamente. O cara tem mais de 50 títulos no saibro. Ok. 92% de aproveitamento no piso. Vá lá. Só perdeu duas partidas em cinco sets na terra batida. Putz! E agora, dez títulos em RG em treze participações. Ah vá!
    E ainda venceu 3 vezes sem perder sets. Desculpe o amigo ”Lógico”, com quem muito me divirto, mas no saibro o Rafa transcende toda e qualquer lógica.

    Responder
    1. Alice

      KKKKKKKKK, verdade! Eu de tanta ‘euforia’ tinha esquecido desse dado de duas derrotas em melhor de 5 sets no saibro, olha aí, mais uma prova da hegemonia do Touro no saibro!

      Responder
    2. O LÓGICO

      kkkkkkk Não transcende não, é super terreno kkkkkkk, ou mundano,kkkk, é na LAJE kkkkk, tudo explicado segundo a mecânica do Newton kkkkkk. TRANSCENDENTE, QUÂNTICO, INEFÁVEL E PLATÔNICO POR SER ARQUETÍPICO, SÓ O TÊNIS DE ROGER FEDERER KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK
      podem entubar essa verdade inconteste NadAlices e afins kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

      Responder
  51. Luis

    Dalcim nesse dia namorados que pra quem e’ solteiro esse dia e’ mais chato que Slam de Paris Brack kkkkkk,queria deixar umas palavras pra pessoa que gosto muito o blog inteiro sabe rs,Vc deixou o blog melhor,beijos Alice rs

    Responder
    1. O LÓGICO

      kkkkkkkkkk sessão KISS ME AND KISS ME KKKKK o Luis deve tá de olho na herança da vovó Alice kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk Golpista 171 kkkkkkkkkkkkk

      Responder
  52. LomeuLima

    Parabéns ao NADAL e seus torcedores lúcidos. Ganhar 10 GS no mesmo piso é façanha ímpar. FEDERER fez muito bem em não jogar RG pois seria dizimado pelo espanhol, como foram outros tenistas. Falar que o GS do saibro francês é inferior aos demais é insano. O que conta na história é o total de GS vencidos. FEDERER e DJOKO que são excepcionais tenistas tem apenas 1 caneco nesse torneio, e caso não tivessem ainda conquistado, fariam de tudo para não encerrar a carreira sem essa lacuna. Quem vence os 4 GS é lembrado sempre como um dos maiores da história. FEDERER disse em entrevista certa vez que no saibro é mais fácil jogar, que não exige muito do tenista; mas então porque o idolatrado suíço tem apenas um título de RG? O melhor de todos os tempos ( para os idólatras) não conseguiu uma fórmula para vencer o limitado tenista espanhol????
    Sobre a grama é um torneio imprevisível , mesmo FEDERER não pode vacilar, pois já foi derrotado por ilustre desconhecido nesse piso. Surpresas acontecerão. Tomara que NOLE acorde e saia do inferno astral. Caso continue nessa tiriça não chega na segunda semana. Vamos aguardar.

    Responder
  53. ANTONIO

    Nadal ratificou ontem a sua imensa superioridade na terra batida, onde o único adversário que ainda podia contrapô-lo anda em baixa e meio perdido, Djokovic. Não há o que dizer, eu não sou fã do estilo de jogo dele, mas reconheço que sua obstinação e vontade de ganhar é espetacular e tenho certeza que sua força mental, que entra inclusive na cabeça do adversário a todo momento, só Djokovic talvez chegue perto desta sua fortaleza mental. Emfim, O Nadal já tem seu nome mais do que nunca cravado na história do esporte de auto nível e agora é esperar pra vermos até onde ele vai e creio que ainda vai muito longe, não sei se até os 35 anos do Federer, mas vai longe ainda. O espanhol é mesmo o Rei do Saibro!

    Responder
  54. Marcos Marinho

    Há um ano quem diria que os donos do circuito seriam Federer e Nadal novamente? Inesperado demais. Sou torcedor apaixonado pelo jogo do suíço, mas hoje é hora de compreender que o momento é do espanhol assim como a temporada havia sido nossa até o saibro. Parabéns ao Nadal. Que venha a grama, local em que as nossas chances (as de Federer) são maiores. Vamos que vamos. Rumo ao 19.

    Responder
  55. José Eduardo Pessanha

    Dalcim, e como fica o Thiem nessa estória toda? Eu acho que esse torneio enterrou quase todas as esperanças de quem torcia pelo jogo dele. Eu não levava muita fé nele, mas muita gente o tinha – e tem – como o futuro Rei do Saibro. Abs.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Como assim enterrou? O rapaz tem 23 anos, jogou apenas sua segunda semifinal de Grand Slam! Acho que ele tem muito a crescer ainda e – eu já havia dito no ano passado – ficarei muito surpreso se algum dia ele não conquistar Roland Garros. E acho que ele progride lentamente nas quadras duras também, o que explica sua permanência no top 10.

      Responder
      1. José Eduardo Pessanha

        Torçamos então, mestre. Acho que o menino tem que mudar esse calendário kamikaze dele, de modo a que ele chegue mais inteiro nos principais torneios. Mudando de assunto, é impressionante como os novatos se machucam. Fritz se machucou um tempinho atrás, Kyrgios se machuca sempre, Kokkinakis passou 1 ano sumido. Parece que o Thiem é uma exceção a esse padrão. Abs.

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Concordo plenamente. O calendário do Thiem é exageradíssimo. E do jeito que ele força o punho para gerar spin no backhand, o risco de uma contusão me parece grande.

          Responder
      2. Arthur

        Pessoal anda muito afobado, Dalcim.
        Precisa lembrar que o próprio Federer só veio a vencer WB em 2003 após a aposentadoria do Sampras.
        Na verdade, salvo uma grande reviravolta, os próximos dois títulos de RG ficarão com Nadal, Djoko ou Murray.
        Federer só teria chance se fizesse do Aberto da França sua meta do ano, como fez em 2009. Do contrário, participaria só pra fazer chave.
        Quanto aos demais, infelizmente (e olha que eu sou defensor da novíssima geração), vão ter que esperar talvez o final da década – e a consequente aposentadoria do Big4 – para poder brilhar nos Majors.

        Um abraço.

        Responder
        1. André Barcellos

          Federer simplesmente não estava maduro para ganhar 7 seguidas. Não teve nada a ver com o Sampas, afinal, da única vez que se enfrentaram, Federer derrotou o Sampras.

          Responder
  56. Ronaldo J J Mendonça

    Boa Tarde senhoras e senhores!!!!
    .
    Já que estão falando em Pneu, Eu acompanho tênis a muito tempo, e tenho excelente memória. não sei se Vocês lembram, más Hamburgo era master mil e em 2007 Feder Foi campeão em cima do Nadal por 2 6 6 2 e 6 0 isso mesmo, 6 0 e no saibro. e em Wimbledon na final sobre o mesmo Nadal foi 6 0 , 7 6 , 6 7 e 6 3, Então no quesito Pneu está 2 1 , sendo que um foi no barro, casa do espanhol. Abraço a todos!!!!

    Responder
  57. Rodrigo S. Cruz

    O feito do Nadal o coloca incontestavelmente como melhor “saibrista” da história, e não como melhor jogador da história.

    Melhor jogador da história é quem tem 302 semanas no topo, 18 títulos de Grand Slam, uma porrada de Master Finals e que joga de uma maneira muito mais bonita do que o LANCE ARMOSTRONG do tênis.

    E também não vamos nos esquecer:

    O Stan não jogou nada na final.

    O espanhol percebeu logo isto e foi jogando cada vez melhor, sem dar chances a ele.

    Stan havia sido campeão de torneio ATP bem na semana que antecedeu RG.

    Tirar o número 1 e o melhor da história de RG, numa semi e depois numa final, seria pedir muito para qualquer jogador.

    Responder
      1. Robson

        Alice, não mesmo, absolutamente não.
        Isso nada mais é,que a máscara caindo aos poucos,isso pra alguns perceberem de uns tempos pra cá,a mim jamais enganou.

        Responder
          1. Alice

            AH, L.F. (¬¬) isso não foi legal! Porque segundo o Lógico, eu sempre fui 171! KKKKKKKK, decidam se…rsrs

        1. Nando

          “”É a máscara caindo aos poucos…””
          Cara, vc tem noção das coisas q fala? Tá se comportando igual a dona Cotinha, tentando arrumar intriga…já é feio mulher fazer isso, mas com ctz homem fazendo isso é pior.

          Responder
    1. Rafael

      Poxa, Rodrigo

      Stan não jogou nada. E isso desmerece em que a vitória do outro? Nenhum torcedor do Federer gostava do papo de entressafra, e o argumento usado sempre foi que vencer um Slam é muito difícil. Maldito seja esse Lance Armstrong e todos que se dopam para obter ganho esportivo; por culpa desse tipo nojento a gente fica sempre com um pé atrás quando vê rendimentos excepcionais. Já disse aqui que se um dia ficar provado que Djokovic usou de qualquer meio ilícito para conquistar o que conquistou, retiro todo e qualquer elogio que já fiz a ele. Até lá, no entanto…

      Parabéns a Federer, Nadal, Sampras e Djokovic, os maiores vencedores da era aberta!!!!

      Responder
      1. Italo Pereira dos Santos

        Nadal grande temporada, porém, em termos de resultado federer também é melhor. Ficou o dobro do tempo inativo e tem 75% de aproveitamento em 2017 contra 40% do Nadal. (Campeão / torneio jogado)

        Responder
  58. Alice - Com sucesso!

    A Lá Décima do Rafa foi um estrondo! Várias capas de revistas/jornais, uma mais legal/interessante que a outra, é CHAMP10N! Rodou o globo, durante a partida, #VamosRafa ficou no topo do Twitter Mundial! Nadal era comentado no Brasil, França, Espanha, sendo primeiro na Suíça! Até a Torre Eiffel ‘comemorou’ a marca histórica do espanhol! Dizem a turminha do contra que ele não tem torcida/fãs, mal sabem eles que Rafa Nadal é o tenista + seguido nas redes sociais (Facebook, Twitter e Instagram), só um pouquinho mais de 27 milhões…

    É um fenômeno! ^_^

    Responder
      1. Alice

        HaHaHa, que maravilha! Quase 500 mil pessoas vão poder dizer que estiveram presente no Major em que Rafa Nadal conseguiu uma das maiores façanhas do esporte mundial! ^_^

        Responder
    1. O LÓGICO

      kkkkkkkkkkkkkkkkkk A maioria adolescente como o MC FARMACÊUTICO kkkkkk e algumas vovós, como a Alice no país das robozetes kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

      Responder
        1. Alice

          L.F, por esse ano ilógico do Rafa, eles não esperavam! Quer dizer nunca quiseram que seus maiores pesadelos noturnos viessem a tona… rsrs

          Responder
    2. Nando

      Pq então ele nunca ganhou aquele prêmio da Atp de “tenista preferido dos fãs” ??????
      Tem um cara aí q ganhou nos últimos 14 anos e sempre com mais de 50% de votos em relação aos outros.

      Responder
  59. André Barcellos

    Não vejo Rafael Nadal como tendo “se reinventado”.
    O que foi foi o estilo dele mesmo, só que bem executado e em forma física.
    O saque não está bom como em 2010.
    Está batendo o backhand com mais firmeza, sempre optando por mais aceleração que spin.
    Mas isso ele também j fazia ou tentava fazer antes.
    Vejo “apenas” que ele calibrou seu poderoso forehand e voltou a ser confiante e rápido.
    Mas não de “reinvenção”

    Responder
    1. Arthur

      Assino embaixo, André.
      Também não vi grandes mudanças no jogo do espanhol.
      A grande “mudança”, por assim dizer, foi a volta da confiança, como você bem frisou.

      Um abraço.

      Responder
  60. Renato

    Quase todos os títulos de slam do espanhol estão concentrados em um único piso, o que prova que ele está longe de ser completo. Ter 10 títulos em um único slam prova duas coisas. Dopadal é um gigante no saibro, mas nada demais na grama e nas sintéticas.

    Responder
    1. Roberto Rocha

      2 US Opens…2 Winbledons…e 1 Aitralian Open…qualquer tenista com esses números seria respeitado no circuito. Guga, por exemplo, um monstro de tenista, não conseguiu isso tudo. Sempre lembrando que Nadal é saibrista…

      Responder
      1. Paulo F.

        Foi um dos grandes erros da carreira do Guga e é o maior viés do tenista latino – achar que só pode jogar no saibro e a aversão aos pisos duros.
        Ah, se Guga tivesse um técnico de país anglófono para poder ter aproveitado seu excelente saque nos pisos duros…
        Elle poderia ter almejado conquistas maiores.

        Responder
    2. Gê Cesar De Paula

      5 finais em Londres é pouco? E lembrando: em uma delas, o jogo lhe escapou pelas mãos. Só nessa reversão, seriam 16 Slams do Nadal contra 17 do Federer. E se neste ano na Austrália, com 3/1 Nadal no 5° set, ocorresse como você – com certeza – esperava, uma vitória do Nadal, seriam 17 Nadal e 16 Federer. Viu como o acaso (que também joga tênis) poderia ter feito uma história diferente?!

      Responder
  61. Renato

    Alice. Federer aplicou mais pneus em Rafa do que o contrário. Se eu não me engano, Federer tem uns dois ou três de vantagem. Inclusive, o suíço meteu um 6/0 6/3 no espanhol no masters finals. O jogo mais rápido entre os dois nos confrontos até agora. Um massacre!

    Responder
    1. André Barcellos

      Federer aplicou pneus em Rafa no saibro, grama e hard coberta.
      Para triste da torcida contra o suíço.

      Mas nós, torcedores do suíço, “temos” tantas desvantagens em relação a retrospecto que é melhor ficar pianhinho (rsrs).
      Se bem que neste ano a coisa deu uma mudada, heim?

      Responder
    1. Ricardo B. de Carvalho

      Voce merece um destaque no blog. Foi o unico categorico já com uma semana de antecedencia, a “mandar entregar a taça pro ogro”. Gostei.

      Responder
  62. Fernando Brack

    Nadal fez o que sabe e o fez muito bem, mas Wawrinka foi um tenista diminuto nesta final, errando muitas bolas que estavam a seu feitio pra liquidar o ponto. Quando isso acontece sucessivamente numa partida, a confiança vai embora, a menos que o cidadão se chame Nadal ou Djokovic. Ou seja, o suíço foi o oposto do que foi em outras grandes partidas dele, como nas finais dos Slams que venceu e naquela final de Monte Carlo contra Federer.
    E, por favor, não me venham com a conversa de que o ogro teve alguma participação nisso. Eu tenho certeza que isso é uma evidente obra do demônio. As evidências se acumulam demonstrando que o contrato foi renovado em 2017. Federer que se cuide em WB. O renascimento do defunto Nadal este ano é coisa pra lá de sobrenatural.

    Responder
  63. Renato Vieira

    Os caras não cansam de falar que Roger Federer e Rafael Nadal estão acabados.

    Os caras não cansam de errar.

    Os caras insistem em não enxergar que esses dois só vão parar de ganhar títulos quando aposentarem as raquetes.

    Fim do ano e eu aposto que eles estarão em N1 e N2. Só não sei qual vai estar aonde. Mas apostaria em Federer como N1, pois agora começa sua parte favorita do ano. Roger vem para a oitava em WB. Torcemos!

    Responder
  64. Kevin Durant

    Bom dia, Dalcim! Acompanho seu blog já há um certo tempo, mas é a primeira vez que posto aqui… Sabendo que o saibro é o “eterno ganha-pão” de Rafa Nadal e isso o obrigue a disputar todos os seus grandes torneios com intensidade e gerando grande desgaste, não seria mais interessante para ele pular a temporada de grama, para se poupar e se recuperar para o restante da temporada? Na idade em que ele se encontra e com vista ao alongamento de sua carreira, ele poderia voltar só no Canadá. Caso ele faça isso, tenho certeza de que ele terminaria forte a temporada e com chances até de vencer o Finals. Porque sem uma pausa, se continuar na toada que se encontra, vai fazer figuração já a partir do US Open e servir de saco de pancada a partir de Pequim… O que achas, mestre?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      É um bom argumento, Kevin, mas é muito difícil um tenista pular Wimbledon. Ainda é o mais importante de todos os torneios e só mesmo um motivo muito forte para isso acontecer. E Rafa já não disputou no ano passado, deve estar com saudades.

      Responder
      1. Renato Vieira

        Eu creio que, tal qual Federer vem inteligentemente fazendo com o saibro, Rafa pode começar a pular essa parte da temporada daqui 2 ou 3 anos. Umas pequenas férias no meio do ano não faz mal a ninguém. Especialmente pra quem se matou no saibro.

        Esse é mais uma “dica” que Roger está dando ao circuito ao tomar conta completamente de seu calendário.

        Ambos descansaram ano passado um bom tempo. Por lesão. Mas no fim foi bom pelo descanso e treinamento. Os resultados vieram rapidamente. Federer não precisa nem de 15 minutos pra ter “ritmo de jogo”. Rafa mesmo no saibro demora umas partidas pra engrenar. Eu acho que cada vez mais veremos os atletas da ponta do ranking mais velhos tomarem essas decisões.

        Responder
  65. Alice

    Agora que me lembrei gente! (hehe). Eu tinha dito que Halep poderia vender seu primeiro GS, bom, quebrei a cara! E garanti que Wawrinka não levaria RG! E nem me toquei nisso durante a final…enfim, não levou…rsrs.
    Agora, também estou apostando que o suíço não levará Wimbledon, assim sem chances de completar o Grand Slam! Como sou má…rsrs! E também estou muito desconfiada do Federer, digo, não sei se vai se dar tão bem assim, digo final ou título, não sei, quero ver como ele vai jogar as primeiras partidas na relva!
    Federer favoritaço! Só uma pressãozinha…rsrs

    Responder
  66. Schuster

    Bom dia Dalcim e amigos !!

    Dalcim , claro que não irá se recordar, mas comentei antes da gira de saibro que meus postulantes ao número 1 seriam Nadal ou Federer no final do ano.
    Agora depois da gira de saibro, estou convencido de que será um dos dois, incrível imaginar eles terminarei como top 1 e 2 depois de dominarem uma década no tênis.

    Torço e aprecio o jogo do Federer, mas o feito do Nadal sobre o saibro beira o inacreditável, parece que sempre estamos pensando que a nova geração chegará, mas cada torneio que passa somos decepcionados. Se olhar o torneio, mesmo o Andy Murray jogando bem abaixo do seu nível chegou a semifinal e na verdade por detalhes não chegou a final.

    Dalcim , o Federer pulou toda gira de saibro e agora vai johar muitos torneios, vc acredita que fisicamente com 35 anos é possível uma sequência grande ou mesmo assim deverá se poupar em alguns, pensando claro que ele deverá chegar longe em todos os torneios.
    Abs….

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Realmente, está pintando isso, Schuster. Acho que a opção do suíço de não ir ao saibro foi justamente para ter fôlego extra para o que virá. De qualquer, após Wimbledon, ele pode ter um descanso até o Canadá ou ir direto para Cincinnati.

      Responder
  67. Carlos Lima

    Não gosto do jogo do Nadal. Na verdade detesto. Mas assumo que pra mim ele é o melhor de todos os tempos. Pelos números. O cara ganhar 10 titulos de um GS é demais. Podem falar em estilo que o Feder é o melhor, eu acho também, mas os números falam por si. Infelismente tenho que admitir que o Toro bombado é o melhor de todos os tempos.

    Responder
    1. Renato

      Carlos ,compreendo o seu ponto de vista porque cada pessoa tem uma forma de analisar e respeito a sua forma de analisar e não está dizendo nada fora do padrão. Eu já tenho uma forma de analisar diferente. Em se tratando de questão estatística, gosto de analisar a regularidade do jogador em cada piso e aquele que for mais regular no maior números de pisos considero o maior no aspecto geral . Vejamos: Saibro: Nadal rei absoluto , disparado o melhor da história. Grama : Nadal no geral até ótimo jogador, mas não está no top 3 da história deste piso e é o seu piso menos bom. Hards: Ótimo jogador de hards, mas analisando friamente os números deste piso tb não está no top 3 da história deste piso. Análise do currículo do Federer: Saibro: Ótimo neste piso em que tem inclusive 5 finais de slam com 1 conquista. Seu piso menos bom, não está nem no top 4 da história de piso, mas também deu o azar de cruzar com o saibrista maia dominante da história ( que goleava todo mundo no saibro). Grama: O maior de todas da grama com uma pequena superioridade ao Sampras. Hards: Aqui é muito claro que é no mínimo top 3 da história neste piso. Cheio de números grandes neste piso. Feitas estas análises dá para perceber que por maioria de pisos o Federer é o maior no aspecto geral ( incluindo todos os pisos), sem contar que domina 80 por cento das principais estatísticas gerais ( semis consecutivas ou não de slans, finais consecutivos ou não de slans , títulos de slans, semanas como número um do mundo consecutivas ou não e etc). Dalcim, em termos estatísticos acha válido ter como parâmetro a teoria da regularidade por piso ( cada um tem uma forma de analisar e imagino que tem outras formas de analisar tb válidas) no sentido de analisar quem foi mais regular no geral ?

      Responder
      1. José Nilton Dalcim

        Sim, pode-se usar isso como parâmetro. Eu insisto em dizer que existem diversas formas de avaliação, muitas delas plenamente válidas. Vai ao gosto do freguês.

        Responder
        1. Renato

          Dalcim, ja reparei que no blog tem mais de uma pessoa que é meu xará,. ahahhaha Pode até dar confusão pensando que é a mesma pessoa comentando. Afinal, no brasil o nome Renato é muito comum.Vou usar algum apelido ou postar meu nome inteiro, para quem ler os meus coments no blog saber qual Renato sou eu . Situação curiosa essa kkkkkkkkkkkk

          Responder
    2. O LÓGICO

      kkkkkkkkkk CARLOS LIMA NADALZETE DISFARÇADA E ACHANDO QUE TODOS SÃO LOUCOS MENOS ELE KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

      Responder
  68. Valmir

    O fato é que o Nadal é muito mais que … “”apenas””… o rei do saibro.

    No saibro, apenas Djokovic lhe deu trabalho (7 vitórias e 15 derrotas),
    derrotando-o em RG 2015, em MonteCarlo, Madri e Roma, além da memorável derrota na semi de 2013.

    Afora Djokovic, o próximo em melhor retrospecto no saibro contra o Nadal é … acreditem… o … Gaudio…
    (3 vitórias, no início de carreira do Nadal)… é mole ???

    Responder
    1. Sergio Ribeiro

      É óbvio que Rafa Nadal e’ muito mais que o Rei do Saibro. Tanto e’ que após a Padronização dos Pisos , venceu 5 SLAM fora do Barro. Contra 17 de Federer, 14 de Sampras , 11 de Novak…Abs !

      Responder
  69. Alison Cordeiro

    Merecida vitória, Rafael Nadal esteve um nível acima dos demais grandes (Murray, Stan, Nole) e dois acima do restante. Jogando com muita vibração, não deu chances para Stan, que tentando entrar no jogo abusou dos erros. Teria sido interessante um duelo alis entre ele e Federer, mas neste nível seria outra derrota do Roger sobre o saibro. O Big 4 continua sem dar chance aos novatos, quando um está em baixa, vem outro dos três e liquida a fatura. Essa fase excepcional do tênis está para acabar, mas ainda não sera nesta temporada que eles largarão o osso. Por ora, parabéns a Nadal (que soube se reinventar) e aos seus torcedores, que sofreram na baixa de seu ídolo mas persistiram acreditando. Por isso o esporte é tão maravilhoso.

    Responder
  70. Marcelo Calmon

    Lógico que o cara é muito superior aos demais no saibro , é deca, não perdeu sets, etc etc etc.
    Mas o jogo dele é muito chato de ver (tem gente que gosta) !!! E além disso o Wawinkra não jogou nada !!
    Nem sou um dos blogueiros que torce apaixonadamente por um tenista (isso só ocorreu com o melhor de todos – Borg – e com o nosso Guga), mas do ‘BIG 4’ ele é o que tem o jogo mais enfadonho. de longe.
    Outra coisa, as duplas realmente não atraem as pessoas, é impressionante a diferença de público.
    Os ingressos são vendidos separados dos jogos de simples (falando das finais) ? Se não forem pior ainda.

    A final feminina deu de 1000 na masculina !!!
    Aliás muita coincidência a Ostapenko ter nascido durante a campanha surpreendente do nosso Guga.
    A Ostapenko foi a pior rankeada a vencer Roland Garros (47ª).
    O Guga foi o pior rankeado (66º) a vencer em Roland Garros ou mesmo um Slam ?

    abs

    PS : A Bia atinge seu melhor ranking: 94º . Jogo maluco o dela, depois de arrasar no 1º set, foi arrasada nos outros dois.
    Orlandinho também bateu na trave. Vice !!

    Responder
    1. André Luiz

      O pior jogo do Big 4, de longe, é o de Andy Murray.
      E considero o Nadal bem mais divertido que Djoko, que é um Murray que jogo mais dentro da quadra.

      Responder
    1. Alice

      Não sei se pode ser considerado “auge”, de qualquer forma foi um ótimo ano, mas não foi o melhor da carreira, nem o segundo, nem o terceiro… rsrs. Só esqueceu de mencionar, que ele deu o troco no Soderling na final do ano seguinte! Só acho que esse sueco era um tanto bom, já que chegou em duas finais seguidas, perdendo pra Federer e Nadal…rsrs

      Responder
    2. Marcelo-Jacacity

      No auge, porém lesionado, conforme dito inúmeras vezes.
      O Cossenza no blog dele, em post da semana passada colocou entrevista do Nadal, em que o espanhol salienta que estava machucado em RG-09.

      Responder
      1. Fábio Souza

        Sim, claro que estava, por isso se “arrastava em quadra”… Veja o vídeo, o cara correu como sempre, só não admite que o adversário jogou melhor, o problema é sempre dele, machucado, cansado, menstruado, picada de abelha, entre outras…

        Responder
  71. Marco Dias

    A missão de Stan era realmente muito difícil. Dependia dele estar “on fire” do primeiro ao último ponto. Ocorreu justamente o contrário: Nadal foi pegando cada vez mais confiança e aí fica quase impossível bater o touro no saibro. Obviamente Wawrinka jogou bem abaixo, mas foi mérito do Nadal que não permitiu que ele entrasse no jogo em nenhum momento. Mas foi uma boa campanha. Tomara que o suíço mantenha o ânimo para WB.

    Responder
    1. Mário Fagundes

      Oi, Gabi! Bem, estive bastante “ocupado” nesse fim de semana. No sábado, “terapia musical” com minha banda; no domingo, niver de um amigo, com direito a desafio de futebol (RexPa) pela manhã (bem na hora que Rafael “Físico Privilegiado” Nadal passeava na final de RG). Depois da surra que meu time aplicou no adversário (6×2), ajudei a turma a secar dois barris de chopp. rsrsrs. E vc, o que tem feito?

      Em tempo: Dalcim deve respirar fundo com essas mensagens. rsrsrs. Querida, pra gente conversar mais, aqui vai meu email: mario_fagundes13@hotmail.com. Abraços!

      Responder
  72. Foguetinha

    Dalcim, você descreveu o conceito de um verdadeiro campeão : “Mas o que me fez ficar pensando hoje, depois de vermos Rafael Nadal vencer todos os sets disputados com média de cinco games perdidos por partida em Roland Garros, é como o espanhol se reinventou e se reergueu pela terceira vez em sua carreira”(…) “Nadal repete nesta temporada aquilo que vimos em 2010 e 2013, quando renasceu após passar momentos de descrédito e pressão. A cada vez, achou um caminho. Ora o saque, ora o slice, ora o backhand, trabalhou nos elementos que poderiam agregar e raramente usou discurso negativo nas frustrações. Cansou de dizer que ainda acreditava que poderia reagir, agradeceu porque haveria uma próxima semana.”

    Campeões detestam ser derrotados, mas mesmo nos momentos difíceis e de baixa na carreira encaram com maturidade, com a certeza de de que devem se reinventar, e claro, o que faz deles campeões…conseguem!!

    Responder
    1. AKC

      A primeira reinvenção do Nadal foi a mais difícil de todas. Quando ainda criança, foi obrigado a virar “canhoto” sendo destro. Isso é pouco falado, mas considero impressionante: Nadal é destro, seu tio o obrigou a trocar de lado para melhorar o backhand. Depois dessa, qualquer “reivenção” é fichinha.

      Responder
  73. Roberto Rocha

    Esse espanhol realizou façanhas incríveis esse ano…dez vezes campeão em 3 torneios diferentes, e um deles, Major! Hoje divide espaço de igual para igual com o mítico Borgh! Reis do saibro!
    Claro que a questão do uso de substâncias proibidas sempre rondará o espanhol até o final da carreira e até depois. Eu mesmo tenho sérias dúvidas a respeito dessa questão. Porém, até que algo seja concretamente comprovado, o espanhol recebe os elogios pelos seus feitos nas quadras, especialmente as de saibro.
    Ontem, ministrou uma verdadeira aula em um adversário absolutamente pasmo diante do que acontecia em quadra. Não sei se alguém concorda comigo, mas Nadal parece fazer menos esforço para executar os golpes, e ao mesmo tempo, seus golpes parecem mais eficientes e precisos, além de profundos. Será que já seria resultado do trabalho de Carlos Moya?
    Aguardo ansioso o início da temporada de grama. Federer retorna; será que Murray e Djokovik se recuperam? Os grandes sacadores conseguirão se impor? Alguém da Nova Geração surpreenderá? O que Nadal pode fazer nessa superfície com seu jogo mais agressivo? Respostas em breve…

    Responder
    1. Luiz Fernando

      Rocha cada um emite a opinião q quiser, mas pq vc também não repete aquelas besteiras q falou do Djoko e do Federer, num dos outros posts, também sugerindo doping desses caras? Lembra, quando vc perguntou ao Chetnik como um cara de 35-36 anos poderia correr daquela forma? Será q é por receio da barulhenta torcida do Federer? Claro q é, não é? Se vc tem dúvidas quanto a isso ou aquilo, não deveria elogiar Nadal. Enquanto vcs fazem essas insinuações estúpidas, o cara ganha 3 decacampeonatos, recebe homenagem com nome de quadra principal em Barcelona, será erigida uma estátua em RG, pensa um pouco antes de postar algo sem nenhuma veracidade e sem nenhuma comprovação. Vc também sabe q algumas das insinuações quanto a doping partiram da França, e não sei se vc viu, mas reparou na homenagem feita ao cara ontem? Será q alguém q saiba de ilícitos, e ele já foi testado em RG várias vezes, faria uma homenagem como aquela? Cai na real, deixe de fazer esse papel ridículo de Maria vai com as outras, critique quando for o caso e elogie sem fazer média com as federetes quando não for p criticar, se não tem de melhor p postar melhor ficar calado…

      Responder
      1. Roberto Rocha

        Meu caro Luiz Fernando, eu respeitosamente venho dizer a você que não tenho nenhum problema com torcedores de Federer, Novack, Murray ou qualquer outro…aos 55 anos, me preocupar com o que pensam torcedores de outros jogadores? Nenhuma chance. Minhas opiniões são claras e racionais. Tento analisar fatos e circunstâncias.
        Sim, as homenagens dos franceses não passaram despercebidas…e realmente, os franceses sempre demonstraram desconfiança com Rafa. O que aconteceu ontem mostra que Nadal conquistou a confiança deles.
        Estou tranqüilo para ter minha confiança reconquistada. Mas no momento, tento comentar o jogo sem entrar demais na questão doping.
        E deixo claro aqui que Nadal é um dos maiores competidores da História de todos os esportes. Independentemente de qualquer coisa.
        Espero ter esclarecido minha opinião. E sempre que desejar, poderemos trocar idéias de forma educada e respeitosa.
        Forte abraço!

        Responder
  74. Rodrigo Campos

    Sempre seco o Nadal, mas ao mesmo tempo sempre fico satisfeito pela justiça feita. Não acho q faça muito sentido ficar torcendo por tenistas de outros países como se fosse times de futebol (não estou querendo dizer tb q devamos chorar pelo Bellucci). Mas acho q seríamos mais felizes se apreciássemos mais as qualidades particulares de cada jogador (como a velocidade, o mental ou as bolas na linha do Nadal) do que torcer gratuitamente contra ele pq ele tem supostamente inúmeros defeitos. Todos tem inúmeros defeitos, a questão é o q queremos ver…

    Responder
    1. Alice

      Bem isso, Rodrigues. Depende do que queremos ver, pois tem gente que fica vidrada só nos defeitos dos outros, eu acho de uma perplexidade enorme, a pessoa só conseguir ver aquilo, um único coisa…kkkk

      Responder
    2. Chileno

      Não é tão simples assim Rodrigo. Existem coisas que incomodam mais umas pessoas e menos outras. Eu por exemplo, não gosto do Nadal por uma série de motivos. Não gosto do tênis que ele pratica, de mandar balão pro outro lado pro oponente errar, acho o forehand dele uma abominação (em que pese sua eficácia), acho bizarros os grunhidos que ele solta ao bater na bola, detesto os TOCs dele, especialmente a mania nojenta de puxar a cueca o tempo todo, e também não gosto da forma como ele faz parecer crer que é dono do esporte, brigando com juízes sem razão e sugerindo mudanças no circuito claramente em seu favor.

      Naturalmente para algumas pessoas, tudo isso que eu expus não significa tanto. Provavelmente acham menos feio o Nadal puxar a cueca e brigar com os juízes do que o Djokovic quebrar raquetes, ou do que o Federer ficar cabisbaixo numa situação adversa. Todos têm defeitos, mas eu particularmente acho os do Nadal muito mais detestáveis do que de outros tenistas, por isso não gosto dele. Importante frisar que isso não impede que eu admita que o cara é um excelente competidor e um dos maiores jogadores da história do tênis.

      Responder
  75. Anderson Kleiner

    Na minha modesta opinião, é pura tolice tirar o favoritismo do Nadal em qualquer torneio no saibro. Qualquer torneio no saibro. Pura tolice. Nadal é favorito sempre, mesmo se perder três jogos seguidos no piso. Sempre favorito. Onde quer que haja saibro. Sempre. Até se aposentar, até os 35 anos de idade ou mais. Tolice não achá-lo favorito. Nunca deixará de ser. Agora na grama volto eu e a grande maioria dos fãs a torcer pelo #19, quem sabe o #20 em setembro pra matar todo mundo do coração.

    Responder
    1. Valmir

      Até mesmo no saibro, Nadal também já teve seu período de baixa, em 2015 e 2016.

      Em 2015, perdeu no saibro para…
      1) Fognini… na semi do Rio Open,
      2) Djokovic… na semi de MonteCarlo,
      3) Fognini… na terceira rodade de Barcelona,
      4) Madri… na final para Murray,
      5) Roma… nas quartas para Wawrinka,
      6) Roland Garros… nas quartas para Djokovic.

      Em 2016… perdeu para
      1) Buenos Aires… na semi para… Thiem,
      2) Rio Open… na semi para Cuevas,
      3) Madri… na semi para Murray
      4) Roma… nas quartas… para Djokovic

      Responder
      1. Anderson

        Claro que ele já teve momentos de baixa. Em 2011 também, perdeu em sets diretos os Masters de Madri e Roma prum Djokovic imbatível até então. Mas nunca perdeu o favoritismo. Mesmo quando Djokovic estava lá pra lhe fazer frente no torneio X ou Y, ele continuava candidatíssimo ao caneco. Como sempre foi e continuará sendo até pendurar os tênis. Mesmo na única partida de RG que perdeu pro Djokovic, na 4ª ou 5ª tentativa, sei lá, Djokovic não era favorito unânime.

        Responder
  76. David S. Pereira

    Ao contrario de algumas pessoas que acharam chato esse ano Roland Garros. Curti muito, teve muitos jogos lindos. Falando do Nadal, lembro no jogo contra Robin Haase, ele o holandês saiu ao final de um game perdido, dizendo: incrível, incrível… tamanha intensidade no jogo do Nadal. Contra Stan na final, Stan tentou comer uma bolinha, quebrou raquete, tentou atrasar o jogo no começo do 2° ou 3° set., mas nada adiantou. Foi muito bonito tio Toni entregando uma replica no tamanho bem parecido com a original, as bandeiras na arquibancada, assim como o vídeo das conquistas do espanhol.

    Responder
  77. Luiz Fernando

    “Stanimal”, “The man”, “cara que nunca perde uma final”, “cara que cresce nos grandes eventos”, enfim nesse RG os alienados, desesperados, recalcados etc, excederam a postagens de baboseiras como nunca. Talvez rafa ainda precise ser testado, pois passou o rodo em todos, no mesmo tempo (em torno de 2 hs, sem perder sets), nivelando da mesma forma o genial e mágico Wawrinka ao não menos genial Basilashivilli kkk. Longe de dizer q o suíço não seja um excelente jogador, mas por esse rapaz no nível de um Rafa, um Federer ou um Djoko é um atentado contra o esporte. No torneio de fato foi um animal, em especial na sexta passada quando cometeu 77 ENF; ontem foi o “man”, o “man” que quebrou raquetes e mordeu a bolinha, na demonstração mais patética de desespero e impotência de um tenista que eu já presenciei. Fazendo uma analogia com a F1, o cara é um Jenson Button, ou seja, excelente piloto, campeão do mundo, mas que jamais pode ser posto no mesmo patamar de um Stewart, de um Prost, de um Senna, de um Schumi, p citar os q eu vi correr. Em especial se atentarmos p o fato q duas das suas 3 conquistas de GS, duas terem sido contra jogadores baleados, q jogaram contundidos em boa parte dos jogos, algo incontestável. E sinceramente, se esse cara tivesse mais títulos de RG do q um Federer, seria algo absurdo e inaceitável. Vamos agora para o próximo teste, em Queens…

    Responder
    1. Alice

      Só acho que assim como Button, que guiava de maneira suave e mais equilibrada que os outros, tanto que conseguia utilizar por mais tempos os pneus, o que demonstra que ele tinha um conhecimento técnico impar e mostrava isso nas suas corridas, o Wawrinka também possui isso, tem suas qualidades que o distingue dos demais, que o tornou o campeão! Com certeza nos números eles foram ‘inferiores’ aos seus adversários, mas em qualidade técnica, acredito que não.

      Responder
    2. Marco Dias

      Isso aí, extravasa… é um momento de êxtase. E, claro, nada melhor que aproveitar este momento sublime para tripudiar em cima do derrotado. O mundo dá voltas!

      Responder
    3. Rodrigo S. Cruz

      Como é que é?

      O Wawrinka só chegou a final porque enfrentou jogadores ” baleados”?

      E quanto ao fato dele ter virado contra o NÚMERO 1 do mundo na semi. Ocara que mais eu vi correr numa partida de tênis na história?

      E quanto ao fato dele ter sido campeão de torneio ATP na semana que antecedeu RG?

      E quanto ao fato do LANCE ARMSTRONG do tênis ter ainda contado com o abandono de Carreno Busta?

      E pra fechar:

      Jenson Button derrotaria Prost ou Senna numa decisão de campeoanto como Stan fez com Djokovic e Nadal?

      CONTA OUTRA!

      Responder
      1. O JR7

        Rodrigo,

        A comparação proposta pela colega pode não ter sido a mais pertinente, mas encare como um singelo ponto de vista. Acho que o momento é de aceitar os feitos do espanhol. Justo assim. Não há o que discutir no momento, acredito. Vamos aproveitar que a grama está vindo e curtir essa temporada… que vc acha?
        Ps.: acho que o RF acabou acertando na decisão de não ir a Paris.. Abraço!

        Responder
    4. Sergio Ribeiro

      Insiste no mesmo papo furado . Todos sabemos que Rafa Nadal e’ o Rei do Saibro. E Stan e’ um grande Tenista . A quebra de raquete não foi diferente dos outros que a fazem . Mas e’ bem menos que ameacar árbitros na frente de todo mundo. O rapaz não larga do pé de Stan desde que esse bateu o Touro na FINAL do AOPEN. Isso é que é recalque. Abs!

      Responder
    5. Sergio Ribeiro

      Federer assinou por dois anos em Stuttgart . Rafa que tinha vencido na última( 2015) optou por Quenns . Vai encontrar o maior vencedor do Torneio ( Tetra) e BI de Wimbledon , Andy Murray. . Sem duvida teremos uma boa ideia do que esperar do confiante Espanhol na gira de grama. Abs!

      Responder
    6. Luigi

      Stan joga muito especialmente contra o Djokovic, o jogo dos dois encaixa desde 2012, quase sempre 5 sets. Agora contra o Nadal é outra historia, só 3 vitorias, a primeira no AO quando o espenhol machucou as costas e as outras duas quando Nadal não estava jogando bem.

      Responder
      1. Marco Dias

        O mais engraçado, Luigi, é que o Stan é que foi a kriptonita do Djoko em 2015, impedindo os 4 Slams no mesmo ano! É o cara do BIG4 com quem ele mais se sente à vontade realmente (com o Murray tb, como prova o H2H mais apertado, embora com o sérvio ele normalmente jogue um nível acima). Mas sobre a final do AO14, é sempre bom frisar que Stan venceu bem o primeiro set e tinha uma quebra no segundo quando o Nadal se “contundiu”. Não podemos afirmar categoricamente que ele perderia aquelo jogo. Pro Federer ele já entra meio derrotado. Mas note que, quando ele começa bem o jogo com esses caras ele sobe de nível (exemplo foi RG/15 quando derrotou o Federer por 3 a 0 sem dar brechas ao compatriota), por isto acho que ele não perderia aquela final de 2014 pro Nadal mesmo se não houvesse a contusão.

        Responder
        1. Zacarias Novais

          A contusão do Nadal não foi durante o jogo e sim no treino antes do jogo. O espanhol já entrou sentindo uma fisgada nas costas. O que ficou claro foi que piorou após o primeiro set. Na época Nadal jamais tinha perdido do Stan.

          Responder
          1. Marco Dias

            Primeira vez que leio alguém dizer que o Nadal já estava contundido antes da final (que, aliás, chegou voando, vencendo inclusive Federer na semi). Claro, nas derrotas sempre tem que se arrumar uma desculpa… sei por fontes confiáveis que Stan também estava machucado na final de RG/17, afinal ele nunca perdeu uma decisão de GS e não perderia se estivesse bem fisicamente. Stan inteiro trucidaria o ogro baloeiro!

    7. Arthur

      Minha nossa, eu não li isso.
      Esse caso do Luiz Fernando com o Wawrinka é patológico, só pode ser.
      Imagino o quanto ele deve ter sofrido na final do AO14.
      E nem me venha falar de “lesão” do Rafa, porque no ano seguinte ele meteu outra surra no espanhol em Roma.

      Responder
    8. Chileno

      Baleados? Ele massacrou o Djokovic duas vezes em plena forma e estava vencendo facilmente o Nadal até a lesão. Quando muito, ele contou com a “sorte” do espanhol ter se lesionado e ter facilitado as coisas pra ele. Não dá pra cravar que ele venceria Nadal se ele não tivesse se lesionado. Mas ele tinha vencido com propriedade o primeiro set, e tinha uma quebra acima no segundo antes da lesão.

      Responder
  78. Chileno

    E Nadal mais uma vez morde o caneco do Slam francês. Pela décima vez. Surpreendente, impressionante, sensacional, espetacular. Uma das maiores façanhas do esporte, sem dúvida nenhuma. Apesar de não gostar de basicamente nada nele, é impossível não admitir o tamanho da soberania do espanhol sobre o saibro. Impressionante.

    Responder
    1. Chileno

      Gostaria de ressaltar que, mais do que o resultado, achei frustrante como o Wawrinka não jogou nada. Esperava ao menos que ele desse trabalho.

      Responder
      1. Sergio Ribeiro

        Sem o Serviço afiado, nem precisa entrar em quadra contra o Rei do Saibro. Somente o empurrando pra trás ( com Moya ele está cada vez mais perto da base após a devolução) e pegando na subida, amigo. Stan não fez nenhuma coisa nem outra. Isso em nada diminue os méritos do Dacacampeao. Abs!

        Responder
      2. O JR7

        Chileno,
        Faço das suas as minhas colocações. Nadal é um fenômeno, sem mais. E sobre a final “apostei” na brincadeira aqui do blog que o suíço faria mais de 60 winners rsrsrs… to até agora procurando essas bolas vencedoras.

        Responder
  79. Renato

    Sampras segue tranquilamente na frente de Rafa nos maiores da história. Tem sete títulos em WB e muito mais tempo como líder do ranking. Nadal mostrou que não tem aquilo roxo, pois não aguenta ficar na liderança por muito tempo. Eterno vice líder! Kkkkkk O nível técnico de RG esse ano foi fraquíssimo. Bom lembrar também que vimos alguns jogos do espanhol com vários espaços vazios. O público parecia c… e a…. para lá décima . Na verdade, infelizmente foram 10 tapas na cara de quem deseja o esporte limpo.

    Responder
    1. Alice

      Ou você é cegou ou se faz né? Porque eu sim, acampanhei todos os jogos do Rafa e a maioria dos jogos dos outros protagonistas das chaves maculinas e femininas, e sendo assim, posso te garantir que em todos os jogos (desde a primeira rodada) do espanhol e dos outros (Djokovic, Murray, Wawrinka, Halep, Pliskova, e etc). As arquibancadas estavam praticamente lotadas, se é que não estavam com 90/95% do público! Apenas ocorreu em duas ocasiões, devido a um imprevisto e ao horário cedo, que no início do jogo de duas partidas principais, o público estava 50/60%, mas antes de terminar, já estava quase lotado de novo! 😉

      Responder
    2. José Viana

      Dalcim, essas pessoas que acusam os outros sem ter provas não deviam ter os comentários restringidos… Isso é crime! Não que eu me importe, pois isso é coisa de quem não tem a mínima responsabilidade, mas rebaixa o nível da discussão. Falar de tênis em sua grandeza!!! Mas, também entendo sua defesa da liberdade de expressão… Sua tarefa aqui não é fácil!!! Mas parabéns!!

      Responder
      1. José Nilton Dalcim

        Se o autor da opinião está claramente identificado (ou seja, não usa apelido nem nome falso), o comentário sempre é liberado. Cada um que assuma o que escreve, Viana.

        Responder
  80. Zacarias Novais

    Dalcin minha previsão feita em 11/04/2017 aqui no seu blog se concretizou. O ranking após Roland Garros é exatamente igual ao que previ:
    1 – Murray
    2 – Nadal
    3 – Stan
    4 Djokovic
    5 – Federer
    Foi na mosca.
    Agora é esperar o ranking após WDB….

    Responder
    1. Alice

      Acho que o Zacarias disse que Nadal seria numero #1 do mundo, após Wimbledon, se não​ me engano! Foi isso mesmo, Zacarias? Vai ter um surto tenistico aqui no blog? rsrs

      Responder
  81. Carlos Fernando Torre

    Dalcim, eu, particularmente, não gosto nem um pouco do saibro, acho as partidas muito longas e chatas. No entanto, para o circuito, esse piso é muito importante, porque, assim como a grama, dá uma outra cara para o esporte. Acho o feito do Nadal o maior do tênis até o momento e olha que ele ganhou com tamanha facilidade que já o coloco como favorito ano que vem. Nossa, 10 vezes, vc alguma vez imaginou isso?!?!?

    Responder
  82. Marcelo

    Dalcim,

    Algumas questões que me aparecem agora:

    1. Você reparou que os 5 primeiros do ranking já completaram 30?
    2. Você viu que o número 1 está abaixo dos 10 mil pontos?
    3. E agora, o que fará Nadal? Via de regra, a medida que avança o 2o semestre o rendimento dele costuma cair, fora a possibilidade de constusões. Será que ele fará algo como o Federer e dará uma parada para se recuperar ou vai arriscar? Tenho a impressão que ele vai arriscar.

    Abraços,
    Marcelo.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sim, já foi observado aqui os dois fatos bem curiosos. Acho que Nadal não vai parar, não. Vai embalar e tentar sim sucesso na grama.

      Responder
    1. Marcelo Bragatto

      Coloque 40 reais no Bet365 e desfrute de quase todas as partidas possíveis. O problema que a tela é pequena, mas dá pra ver de boa.

      Enquanto tiver 1 centavo na conta, vc pode logar e ver milhoes de jogos ao vivo de tenis, basquete, futebol, …

      Responder
  83. Juninho Fonseca

    Po Dalcim…. tinha que terminar o texto com o clássico….”Nunca duvide de Rafael Nadal”….Kkkkk… parabéns p o espanhol!mas se o Federer quiser continuar na ponta com os slams, acho bom ele ganhar Wimbledon viu!! pensei q a disputa tinha acabado depois que ele ganhou o AO. mas o espanhol vai lá e no próximo slam já leva tb!!!aí meus Deus viu!!!… enfim….até que fim o preguiçoso do federer vai voltar!!… abraço!

    Responder
    1. Alice

      Quanta ‘negatividade’ em cima do que Nadal fez! Deve tá doendo hein? Eu até iria te mostrar outros números que tornam isso bem + curioso, mas desisti, você só está vendo o que quer…KKK

      Responder
  84. Renato

    Outra coisa Mestre. Nadal tem feito vergonhosas campanhas em Wimbledon desde 2012, não tem sido nem sequer coadjuvante por lá. Mesmo assim vc acha que ele tem chances? Perdeu pra Darcis, Rosol, Kyrgios, Brown. Eu espero que ele caía do mesmo lado de Federer na chave pra levar a quarta sova do ano.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Depende de vários fatores, inclusive a chave. Ele pode pegar Carreno ou Batista, por exemplo, o que facilita uma caminhada para as rodadas mais à frente.

      Responder
    2. Alice

      Também quero que eles caiam na mesma chave, vai ser interessantíssimo, se o encontro acontecer! Se for pra ganhar Wimbledon, que faça passando pelo Federer….hehehe!

      Responder
    1. Alice

      Infelizmente, aconteceu, Renato. Eu também não aceitava a derrota do Nadal para o Wawrinka na final do AO-2014, mas tive que aceitar né…rsrs

      Responder
  85. Hiroito Onotera

    Rafa Nadal é um gênio do esporte e que merece apenas ser reverenciado. Aliás, é uma imensa honra e sorte podermos ser contemporâneos e termos o deleite de poder desfrutar de Nadal, Federer e Djoko, que anda mal, como já estiveram os outros dois em diferentes momentos, mas também é um monstro!
    O que o Touro fez em todo o torneio e, sobretudo, hoje, foi simplesmente abissal, absurdo e embasbacante. Se existe perfeição no tênis, ela reside na magistral atuação do espanhol nesse 11/06/2017. Que fique para a posteridade!

    Responder
  86. Rafael Brasiliense

    Achei esse Roland Garros bem aquém do que é um Grand Slam geralmente, com partidas emocionantes e disputadas de alto nível técnico. E eu não digo isso devido ao domínio do Rafa, mas sim por, vamos dizer, uma crise e acidentes do destino no circuito. Federer não participou; Djokovic tá perdido; Murray, deplorável. Com isso, aquelas bons confrontos entre o Big 4 foram por água abaixo. E aí, como se não bastasse, Goffin se machucou e largou o torneio ainda no início; Zverev caiu na estréia; Kyrgios, na segunda rodada; Noshikori e Raonic estavam com problemas físicos.. Enfim. A esperança ficou toda encima de Wawrinka. E ele até que chegou na final. Mas aí foi um balde de água fria (gelada, no meu caso) encima de quem esperava um grande jogo para salvar o torneio. O suíço não estava num dia nem um pouco inspirado, cometendo erros não forçados à exaustão e winners.. winners? O que é isso?

    Concorda, Dalcim? Numa escala de 0 a 10, qual nota você daria pra esse RG com relação à emoção e qualidade técnica?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não foi um torneio masculino emocionante, isso é fato, Rafael. Mas houve sim alguns grandes jogos. Acho que uma nota 7 caberia.

      Responder
  87. Cláudio Santos

    Dalcim vai dissertar bem assim lá na em Manacor kkkkkkkkkkk falei gente 3×0 vcs ficam nesta briga besta o jogador que Rafa tem mais facilidade dos tops para ganhar é Do Stam no saibro a derrota veio como uma coisa anormal,no AO notóriamente foi a contusão era a mão, e depois nem aguentava mais sacar,vcs já imaginaram se o Rafa não ficasse tanto fora de torneios por contusão.alguns alegam pelo modo dele jogar pode até ser,mas para mim é fadiga mentalmente em alguns torneios!Paraabéns Rafa.Obrigado Dalcim que post Marvavilhoso!

    Responder
  88. Alexander Silva

    Primeiramente parabéns ao Nadal que fez uma campanha impecável e mereceu o título.
    Dalcim teve jornalista ( vulgo andré henning) , levantando suspeita sobre essa final , o que vc acha disso? Pra mim é só mais um querendo aparecer.
    E o Murray nessa final não daria mais trabalho pro Nadal?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Suspeita de que, Alex? De resultado armado? Bom, cada um tem direito a manifestar a opinião que quiser, mas jornalistas deveriam tomar mais cuidado com esse tipo de análise porque nossa profissão exige fatos. Se foi opinião como torcedor, então tudo bem. Sempre é difícil dizer um ‘se’. Não acredito que Murray conseguisse tirar um set de Nadal, mas provavelmente haveria games mais longos.

      Responder
  89. Pole Rafael

    Lembro-me quando comecei a acompanhar o tênis(2009), nunca tinha visto os grandes: Federer ou Nadal jogarem, apesar de saber que eram importantes para o esporte.
    Havia visto outros tenistas jogarem, até que vi pela primeira vez Roger Federer jogar. Fiquei muito impressionado com seus golpes, sua técnica e sutileza.
    Nesse mesmo dia, logo depois, vi aquele que era o atual número 1 do mundo: Rafael Nadal. A primeira coisa que me veio a cabeça foi: “Como o Federer pode perder pra esse cara?” Pois sabia da rivalidade e “freguesia” entre eles.
    Mas depois entendi que o Nadal tinha outras qualidades que superavam a grande técnica do Federer. Passei a admirá-lo por essas qualidades: força, velocidade e um mental inabalável. Aquele que sempre encontra soluções para os obstáculos. Ele realmente é um exemplo para o esporte e para vida.
    Acho que todos deveríamos ficar felizes em podermos apreciar esses gênios do esporte. E não ficar depredando um, comparando com outro ou se ofendendo uns aos outros..
    Pessoal, acordem!! Estamos vendo feitos históricos sendo escritos diante dos nossos olhos, vcs já pararam pra pensar como será triste o dia que Federer e Nadal deixarem de jogar?
    Sei que poderei contar as futuras gerações que assisti esses dois grandes gênios. “Eu era feliz e sabia”
    Abraço a todos, paz no esporte e que vença o melhor!!

    Responder
    1. jose yoh

      Acho que todo mundo aqui sabe a importância histórica dos dois, mas perder a oportunidade de zoar seria demais – veja bem que eu não faço parte dos zoadores, nem acho muito educado esculhambar desconhecidos.
      De início achava exagerada e radical as torcidas, mas depois entendendo melhor cada um percebi que os personagens já são parte da história deste blog também. E algumas brigas são casos de amor, talvez até posts de uma pessoa só… Uma espécie de reality show.

      Responder
      1. Alice

        É quase isso, Yoh. Um reality show que vira nossas cabeças do avesso, com comentários, oras sensatos, ora desesperador. Encontramos comentários inteligentes, informáticos com outros sem noção e de pura comédia, misturado em um mar de ‘personagens vs nossas personalidades’…

        Responder
  90. Bruno Macedo

    Nadal mereceu muito e Wawrinka decepcionou.
    Nunca torci contra o Nadal, pq admiro o atleta que ele é, mas admito que prefiro outro estilo de jogo.

    Dalcim, os participantes aqui do blog falam sempre que existe um desinteresse dos jogadores em relação ao saibro, alguns participantes tentam até mesmo inferiorizar o piso. Então eu queria saber: de fato os jogadores meio que ignoram o saibro (o jogador não se interessa em tentar ser o melhor, apesar de eventualmente ter condições) ou foi apenas uma coincidência de não surgir na época do Nadal outro jogador com habilidades que se destacam no saibro? Pq como vc citou no texto, nadal ganhou 10 de 13 oportunidades, esse número é surreal! Como pode não ter surgido ninguém para acabar com essa hegemonia?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sim, é fato que o saibro é relegado a segundo plano pela maioria do circuito, até porque o calendário impõe isso. Só temos uma real chance de ver os tops jogando no saibro em dois Masters e um Slam. Então não surgiram grandes especialistas no piso na última década, exceção a espanhóis, sul-americanos, algum italiano. Veja que até mesmo Djokovic e Murray são muito mais tenistas de quadra dura do que de saibro.

      Responder
      1. Bruno Macedo

        Curioso este fenômeno.
        Estranho pq a grama é menos utilizada durante o ano, mas é super bem vista. Há quem diga q é o maior Grand slam de todos. :-\

        Responder
        1. Bruno Macedo

          Essa preferência pela grama, mesmo sendo utilizada num período tão curto do ano, se justifica pelo fato de ela ter mais semelhanças com o piso mais comum?

          Responder
        2. José Nilton Dalcim

          Mas veja que isso acontece com a grama também. Você vai ver uma monte de tenistas jogando no saibro antes de Wimbledon ou nem sequer tentando um torneio preparatório. No entanto não tem sentido termos hoje ‘jogadores de grama’ para um calendário tão curto e um piso tão escasso no circuito.

          Responder
  91. Lincoln

    Hoje, ao fim do jogo eu estava pensando em quando Nadal e Federer pararem… Como farão falta a este esporte. Imaginei que seria demais prazeroso se formassem uma inusitada dupla e disputas sem os grandes torneios a fim de dar popularidade a modalidade de duplas que é tão menosprezada pelo grande público. Seria pedir muito Dalcim? Não seria fantástico?

    Responder
        1. Alice

          Nossa Leo, seria incrível! Como você disse, atrairia público para as duplas, já imaginou eles fazendo um Grande Slam em duplas juntos…rsrs

          Responder
          1. O LÓGICO

            O problema, vovó Alice, é que o robozinho iria literalmente atrapalhar Roger: a todo tempo ele teria que pedir para o robozinho pela-saco kkkkk sair da arquibancada e receber as bolinhas na quadra kkkkkk
            De outra parte, ele iria manchar todas as aquarelas do Deus do Tênis kkkk

      1. Lincoln

        A ATP e a ITF tinham que pensar nisso, os dois são as maiores vitrines que o tênis já teve, têm que explorar seus nomes de tudo quanto é jeito fazer as duplas se tornarem GRANDES tbm.

        Imagina uma ligação, “ei Rafa, vamos buscar alguns records nas duplas agora?”

        Responder
  92. Lincoln

    Nadal é incontestável o melhor jogador que já existiu sobre o barro. A forma como ele foi minando o Stan foi absurda. Tudo voltava. E conforme o jogo foi indo, o Toro ficou agressivo e disparando bolas que deixaram o suíço mortinho.
    Este jogo me lembrou é muito a final de 2008. Era nítido no suíço a vontade de sair dali o mais rápido possível.
    Parabéns ao Nadal. Apesar de não ser fã de seu estilo de jogo seria incensato não reconhecer seu feito sobre a terra. E sua determinação de sempre fazer o adversário jogar uma bola a mais.
    Que bela metade de temporada. Dois gênios ressurgindo das cinzas. Parece que voltamos a 2005-2008. Os fãs dos mitos só tem a agradecer.
    Que venha a grama, e que a história continue a ser escrita.

    Responder
    1. José Alves

      Show demais essa temporada do tênis.Mas quando essas lendas se aposentarem,me aposento do tênis também com eles que essa nova geração(Kirgyos, Coric) vai ter mais bossa e marketing do que tênis

      Responder
  93. Guilherme

    VAMOSSSSS RAFA. LA DECIMA YA ESTÁ AQUI.

    Que cerimônia de premiação maravilhosa. Digna do Monstro que é Don Rafael Nadal Parera. Com direito a bandeirão e ainda a ser o 1o jogador da história a receber uma réplica em tamanho original de um troféu de GS.

    O vídeo exibido com as 10 conquistas foi magnífico. Detalhe para o Federer aparecendo em vários momentos como coadjuvante de luxo.

    Obs: como diz o Luiz Fernando – como os caras tão sofrendooooo

    CHORA LÓGICOOOOOOO

    Responder
      1. Guilherme

        Dalcim,

        Você disse que o saibro de fato fica em 2o plano no Circuito e até concordo. Mas tirando WB, vários jogadores também não dão muita importância para a grama não hein… Já vi entrevistas de vários reclamando de jogar no piso. O curioso que aqui no blog tentam vender que a temporada de grama é o ápice do ano, o que de fato não é. Uma coisa é olhar para WB e outra coisa é olhar para todos os torneios que são disputados na grama no período.

        Na minha opinião fica evidente que tirando WB é uma parte da temporada totalmente sem atrativos. Inclusive temos até poucas transmissões na TV.

        Federer recebeu uma réplica do AO então? Poderia postar algum link com a notícia sobre o recebimento da réplica em tamanho original? Realmente não lembro de terem abordado o tema.

        Obrigado desde já.

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Acho que este troféu que ele levou aos Alpes não é uma miniatura, não? http://www.dailymail.co.uk/sport/tennis/article-4239290/Roger-Federer-shows-Australian-Open-trophy.html. Sim, a grama também não tem a dedicação de muitos tenistas. Alguns que vão a Wimbledon ainda jogam no saibro na semana anterior. Não existem mais ‘jogadores de grama’ porque o calendário é curtíssimo e o piso, muito raro. Isso está esclarecido no meu diálogo com o internauta, Guilherme.

          Responder
        2. O LÓGICO

          Nadalzete tresloucada passando recibo kkkkkkkk Tente, invente, faça algo diferente kkkk para tentar menoscabar o Deus do tênis, mas não conseguirá kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

          Responder
  94. Alice

    Gente! Estava vendo os palpites, eu acho que entrei no Top10…rsrs
    Aliás, acho que podem me dar a bandeja de vice-campeã que eu divido com a Kerber e o Iury Pinheiro! Foi por pouco hein? 6/3 6/3 6/1 e 26 Winners! Acho que o Rafael Oliveira ganhou, pois, apesar de totalmente fora de ordem, ele foi o único que acerteu as três parciais!
    Concorda, Dalcim? 🙂

    Passei do nivel iniciante/aprendiz? rsrs

    Responder
  95. José Eduardo Pessanha

    Tem uma galera dizendo aí que Nadal teria mais Slams do que Federer se o circuito não tivesse 3 Slams disputados em quadra rápida. Como é que é?
    Os 4 Slams hoje em dia são disputados em piso lento. Piso rápido somente de 15 anos pra trás. Querem comparar Federer com Nadal? Simples. Federer seria Federer em qualquer época. Já Nadal não teria nenhum Slam fora de RG se jogasse antes de 2000. Abs e segue o líder.

    Responder
  96. Rodolfo

    Olá dalcim analisando a maneira como ele jogava em 2005 e hoje ou nos primeiros anos q dominou o saibro , são essas diferenças q vc ressaltou? Vc acha que qual desses rafas era melhor ?
    E com relação ao stan vc não acha q ele pode ganhar wb e completar o carrera grand slam?
    Ano passado ele foi muito bem né ?
    Seria interessante

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      O tênis mudou muito em 10 anos, Rodolfo, mas acho que o melhor Nadal sobre o saibro foi o de 2010. Stan acabou de contratar o Annacone justamente para tentar essa verdadeira façanha. Ele nunca se deu muito bem com a grama – fez duas quartas em Wimbledon – porque precisa de um pouco mais de tempo para seus golpes de base.

      Responder
  97. Carlos Lira

    É uma grande façanha. Não há dúvidas sobre isso. E o tênis, depois de alguns poucos meses, volta a ver a história ser refeita. Óbvio que a novas/velhas perguntas retornarão diante da conquista do Touro.

    Perguntas como:

    Nadal baterá os 18 Slans de Federer?

    Se ele bater com mais 4 Roland Garros (façanha das mais difíceis) isso o torna melhor do que o Suíço?

    Dalcim, uma pergunta: quantos slans achas que Nadal ainda pode ganhar?

    Responder
  98. Robson

    Na minha opinião o Nadal dará muito trabalho em Wimbledon, principalmente se der sorte no sorteio dá chave,mas não o cravo como favorito a taça,porém pro US Open,segurem o Espanhol que eu quero ver.

    Responder
  99. Robson

    Dalcim,confesso que estou com um pouco de preguiça de procurar no Google,no YouTube​ ou em sites especializados sobre estatísticas, números,enfim, então gostaria de te perguntar,haja visto que tens uma memória melhor que a minha,eu nunca vi um tenista ATROPELAR 7 adversários em um SL como fez Nadal nesse RG,venceu os 7 jogos dele pulverizando os 7 adversários e 2 deles top 10, então​ Dalcim,a pergunta é a seguinte,vc se lembra de algum campeão de SL que tenha VARRIDO de quadra todos os adversários?

    Responder
      1. Luigi

        Dalcim, me lembro de uma discussão sobre Borg ter declarado que usava drogas, acho que não eram drogas que aumentavam a performance ou eram? Nesse caso ele ainda pode se considerado um dos melhores da história?

        Responder
  100. César valeixo

    Dalcim, vendo esse jogo de rafa que está mais agressivo até mesmo de back…você faria qual prognóstico sobre seu desempenho sobre a grama, já que além de ter evoluído tecnicamente e estar com a confiança nas alturas, não tem problema físico algum e rg ele se desgastou pouco? Abs

    Responder
  101. Lupe

    Dalcim, deixa eu fazer a vez de Advogado do Diabo, mas lembro que você criticou o Rafa quando ele decidiu encerrar a temporada passada mais cedo! Hahaha.
    Mas tudo bem, até os mestres se equivocamo as vezes. Rafa surpreendeu a todos nessa temporada, mereceu ser tão vitorioso na temporada de saibro (que era seu foco principal no ano) e acredito que agora o desgaste físico e relaxamento mental natural virão. Temporada de grama está mais para o Fed e creio eu que no final do ano teremos Federer e Nadal brigando pelo número 1. Incrível! Grande abraço Dalcim.

    Responder
      1. Mario Cesar Rodrigues

        Dalcim,obrigado pela resposta bem falando sobre o jogo eu vi um atropelamento,Rafa neutralizou o Stan,normal Stan nunca foi ameaça para Rafa a melhor esquerda quero ver no fritar dos ovos!Parabéns Rafa!aprendam gente seja humildes e reverenciem o Rafa mesmo alguns não gostando do estilo dele de jogar.Vamos ver quem tem essa capacidade de dizer Rafa você é muito grande para o Tênis muito obrigado.Parabéns Rafa!obs no AO 2014 Rafa com uma bolha na mão o jogo começou quente mesmo o stan ganhando o p set se não fosse o problema dascostas com bolha e tudo Rafa ganharia.não duvidem abraços e bom debates!e no saibro aconteceu vida seguiu!

        Responder
        1. Marco Dias

          Eu também tenho certeza que no AO14 a “contusão” do Nadal mudou o jogo. Tirou a concentração do Wawrinka que tinha surrado o espanhol “inteiraço” no primeiro set sem dó. Sem a “contusão” seria 3 a 0 pro Stan e não 3 a 1.

          Responder
  102. Lucas

    Dalcim. Boa noite. Como esse espanhol é um monstro. Mesmo não gostando do seu jogo, Tem que tirar o chapéu. A campanha dele esse ano é absurda. Em 2 gs foi campeão em um e é uma final espetacular em outra. Ganhou de quss todos os tops (menos o roger)

    Mas não sei se vc concorda. Ele pode ganhar estátua e mais 2345 RG, vejo os franceses idolatrarem mais o Guga. Vc nota isso?

    Que venha a grama

    Responder
  103. O LÓGICO

    Pra iniciar a conversa, robosetes e roboLices kkkkkkkk, há quatro anos repete-se a mesma historia: chega a temporada da Laje, o filho do capeta ganha torneio e depois ficar perambulando em todo o restante da temporada com alma penada kkkkkkkkkkkkkkk E esse ano não vai ser diferente pro tenista UNIDIMENSIONAL KKKKKKKKK
    Vamos ao GURU: “4-1 – A capacidade defensiva de Nadal se mostrou novamente essencial neste game em que Wawrinka bateu muito, tentou todos os ângulos mas sempre encontrou uma bola de volta. Jogo virtualmente acabou.”. Esse é cerne da questão: não ser humano no mundo que tenha saco pra jogar com N1 XINGUILING kkkkkkkk A sua força está na lentidão do piso. O que explicaria sua secura kkkk por quatro anos nas quadras com piso diferente da Laje?

    Vovó Alice, vê se não exagera na cachaça kkkkkkkkkkk Cuidado com a pressão e glicose elevadas kkkkkk
    Ah, hoje tem Anita lá na portuguesa. Vai lá pagar mico e posta aqui pras nadalzetes ver kkkkkkkkkkk

    Responder
    1. José Alves

      Lógico,vc disse que o Nadal iria acabar até na Laje desde 2015 e agora o elogia. Caramba, estou impressionado kkkkkk em vez de exaltar o Djoko parou pra cumprimentar o Nadal, muito obrigado pela esportividade com as palavras. Espero que seu Djoko se recupere para que ele ainda faça grandes jogos com a vitória do Nadal como em 2013 ! Abs! PS: Vou tomar um açaí com azeitona pra comemorar

      Responder
      1. Maurício Luís *

        Mas que eu saiba, ele é fã do Federer, e não do Djoko. Ele andou elogiando o sérvio porque foi ele quem impediu alguns slams do Nadal.

        Responder
    2. Alice

      Pago mico mesmo! KKKK, oxe, eu quero é + comemorar e ser feliz (hehe). Sim, minha glicose subiu nos últimos meses, devido aos muitos biscoitos que comi em prol de tantas finais do único DeCamPeÃo da ATP! HAHAHAHA!
      AH, minha pressão está boa, o problema é meu coração, ele precisa de cuidados, tenho propensão a ter problemas cardíacos…rsrs

      Agora, dá licença, que eu vou ali comemorar só + um tridez! Ai, ei! Pegue uns lencinhos aqui bebê, porque eu soube que ti chorou com a perda definitiva dos seus mais de 1000 secadores usados com muito afinco nos últimos três anos! Ah e não esqueça de um paninho com gelinhos nos olhos pra não acordar que nem um Padinha amanhã!

      😛

      Responder
    3. Maurício Luís *

      Muito me apraz saber que você sobreviveu à vitória dele, um tipo de ‘ressurreição’, já que você já o havia enterrado.
      Obs: por mim, ele pode ganhar quantos RG quiser, até 20, mas prefiro dançar lambada com minha sogra do que ver o jogo dele.

      Responder
    4. Paulo F.

      Que Wimbledon – o maior templo do tênis – sirva como uma grande limpeza espiritual à este nobre esporte outra vez manchado pela força do capiroto prezado Lógico…

      Responder
    5. Romário

      Lógico, o robozinho deu muita sorte rsrsrs os astros se alinharam e ele só pegou baba rsrsrs. Mas vale tua tese de que ele é unidimensional. Não adianta comparar recordes de caráter particular com recordes de caráter geral, que só o Federer tem. O Deus do Tênis tem recordes em vários pisos, já o Nadal é somente no saibro. Tia Alice tá vibrando rsrsrs

      Responder
  104. Isaias

    Lembro das palavras do Mestre Dalcim após a final do Australian open “nunca duvide de Rafael Nadal”, e muita gente duvidou, muitos disseram que Nadal não iria voltar a jogar em alto nível pois ele não tem técnica e muitas outras coisas, mais Nadal é um monstro, um estilo único, uma confiança incrível e uma força mental incomparável, junte tudo isso em um lutador com um forehand espetacular e temos uma fera, uma lenda do esporte já, Nadal chegou a final dos 2 Grand slams e em todas as finais de Masters exceto Roma, números incríveis na temporada para alguém que era dado como acabado a alguns meses atras, Nadal é realmente um ponto fora da curva, apesar de receber criticas sem fundamento algum.

    Responder
  105. José Alves

    Emocionante Dalcim, obrigado pelas palavras . Esperei três anos para que esse dia chegasse e o Nadal voltou a reinar outra vez. Sua determinação e história no tênis é uma inspiração para todos. Espero que o Big four siga firme no circuito por muito tempo! Vamos R10FA !!!

    Responder
  106. Alice

    E que comece as críticas, vou pegar outro estoque de lencinhos pra ajudar meus colegas que secaram, secaram, acreditaram, disseram, garantiram, mas no final, morreram na praia (hehe), acho que ele deixaram o secadores ligados (Lógico deve ter tido um prejuízo) e acordaram tarde demais, queimaram todos! KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK
    Segunda vai bater recorde, relaxem, não será outro 10 do Rafa não! Será recorde de compra de novos secadores e ventiladores para aliviar o clima pesado que paira nos ares do céu tenistico deles…

    Vamos pra grama agora né? Porque a chata aqui, também vai acompanhar os admiradores do ‘tenis-arte’ na grama ‘sagrada’ de Wimbledon! 😛

    .

    Responder
      1. Alice

        Será, Pessanha? Eu acho que a história do Nadal nesse ano, só está começando e outra, eu não costumo ser otimista, é tudo baseado no ‘nuevo’ jogo do Rafa, vide o bom rendimento não só no saibro, mas nas quadras rápidas do início do ano!

        Responder
      2. Mário Fagundes

        Queria ter a mesma convicção, mas pelo que “Conan” vem fazendo desde o início do ano, voando fisicamente, e sem contusões, não tenho dúvidas de que ele vai ser “carne de pescoço” também no segundo semestre. E afirmo isto, sobretudo pelo pouco desgaste que teve nessa temporada no saibro, em que ganhou quase tudo passeando pelas quadras.

        Responder
        1. Alice

          Se estiver bem fisicamente, não acontecer nada com seu corpo e sua mente não ter uma estafe, acredito que sim, ele possa voltar finalmente aos títulos na quadra rápida!

          Responder
  107. Nando

    Sobre a conquista do Slam francês: parabéns aos nadalistas…e tbm parabéns as baloetes ( td mundo aki sabem quem são)…mas o Rei está volta à ativa após um período de descanso, espero e torço para q ele esteja mto mais motivado pra tentar ganhar o resto dos torneios q virão ( os 2 Slams, os M1000 e o Finals, além dos outros ATPs).

    Responder
  108. Alice

    Sobre a Ostapenko, concordo com o que a Sônia disse! Inacreditável o que ela fez, apesar da Halep ter se deixado levar pelo jogo protagonista da adversária, a romena não tinha e nunca teve armas pra bater de frente com o jogo de bolas vencedoras da letã. Perdeu uma grande oportunidade, nessas horas, a gente para e pensa, se minha adversária é melhor tecnicamente, tem mais potência, é óbvio que eu terei que trocar bolas com ela, preciso usar variações, pra que ela não me ataque, mexer é essencial, bola no meio, é só estar colocando a bala pra ela me dar um tiro né…rsrs. Precioso movimentar pra não só forçar o erro dela, como pra eu mesma ganhar consistência mas trocas, pegar o ritmo do jogo dela e o peso da bola! Bom, era o que eu faria… hehehe! Que maravilhoso, primeiro título da vida, um Major Sênior aos 20. Acho que o jogo dela pode dar super certo na grama também, só que nesse piso a bola anda mais, logo ela não terá muito tempo pra responder…rsrs.
    Acho que se cuidar do seu físico e mente, até com esse jogo ‘imaturo’ pode ir longe no circuito, já que a prova já foi dada! É muito poder pra pouca idade, espero que ela consiga lidar com a pressão melhor que Bouchard e Murguruza ou até Kerber foram capazes de lidar! AH, acredito sim em outra final de Major pra Halep, só cuidar do mental…rsrs

    Responder
  109. Eduardo Moura Lima

    Dalcim,

    Achei bem curioso como a organização de RG já davam como certo o título do Nadal! Porque jogar fora uns bandeirões ou um pedaço de palco é tranquilo, perde-se pouco tempo e dinheiro…. mas jogar fora uma réplica perfeita do troféu original seria bem triste.
    O que será que o Wawrinka pensou quando viu ? Hahaha

    Abraço

    Responder
    1. José Coutinho

      Não era preciso jogar nada fora. Se o Nadal perdesse (o que era minimamente possível diante do que vinha jogando) eles usaria todo o material ano que vem, quando ele entrará em Paris como um favorito novamente. 😉

      Responder
  110. Valmir

    Pois é,
    Em Roland Garros, para o Nadal, os suiços são como… queijos… cheios de buracos (no jogo)… que ele explora com maestria.

    Pelo menos, o Wawrinka ainda ganhou um game no terceiro set… e não fez como o outro suiço… que tomou… implacáveis… 6×1 6×3 6×0 na final de 2008.

    No linguajar popular do futebol brasileiro… e aproveitando os deliciosos chocolates suiços,
    podemos um trocadilho… Nadal deu um chocolate nos suiços.

    Responder
    1. Nando

      2008? Faz tempo hein…foi o 3° e último pneu q Federer tomou em td a carreira. Recentemente o seu ídolo sérvio tomou 2 pneus (um do BELLUCCI e outro do Thiem), e com ctz foram mais vergonhosos do q esse do longínquo 2008 não?

      Responder
      1. Alice

        Federer tem 4 pneus sofridos, se não me engano, Nando. De qualquer forma é bem pouco, ainda mais se comparado com os pneus que ele aplicou! Mas, não tem jeito, aquele pneu em final de Roland Garros para Nadal, já ficou na história…rsrs
        Não precisa dizer, eu sei, o suíço já aplicou pneu no espanhol também… hehehe

        Responder
        1. Renato

          Federer ja meteu pneu em Nadal em final de Wimbledon, tambem! Roger também deu um pneu em Rafa na final do finals 2011. Um jogo humilhante! Roger venceu em menos de uma hora.

          Responder
        2. Nando

          Federer levou 3 pneus em td a carreira, o último foi aquele em 2008…e ele é o único q deu pneu em tds os integrantes do Big 4, e foram 2 no espanhol (WB 2006 e Finals 2011).

          Responder
        3. Ronaldo J J Mendonça

          Sra Alice, eu acompanho tênis a muito tempo, e tenho excelente memória. não sei se a senhora lembra, más Hamburgo era master mil e em 2007 Feder Foi campeão em cima do Nadal por 2 6 6 2 e 6 0 isso mesmo, 6 0 e no saibro. e em Wimbledon na final sobre o mesmo Nadal foi 6 0 , 7 6 , 6 7 e 6 3, Então no quesito Pneu está 2 1 , sendo que um foi no barro, casa do espanhol. Abraço a senhora rsrsrs . eu também sou um senhor!!!!

          Responder
          1. Alice

            Sim. + nada supera aquele pneu em um jogo categórico do Nadal em cima do Federer em RG! É mais histórico, ainda mais pela forma que foi. Aquele pneu do Finals do suíços em cimo espanhol também foi…rsrs

      2. Rafael

        É meio subjetivo isso, todos são ruins, mas creio que nada supera um pneu em final de slam em termos de constrangimento, seguindo a lógica da importância dos números imposta aqui neste espaço.

        Responder
  111. Abelha

    Nunca Antes Desgostei Assim da Laje.
    Parabéns, Nadal! Torci contra você o torneio inteiro, mas foi merecidíssimo. Absolutamente indiscutível. Incriticável. O goat acertou em cheio na sua decisão de não participar de RG… Ufa…
    Bem, agora que acabou o barro, o show que realmente importa finalmente vai começar…

    Responder
  112. Marcelo-Jacacity

    E justiça foi feita:
    Wawrinka continua com 3 Slams.
    Murray com 11 finais e menos Slams que o suíço seria um pecado para o britânico.

    Por fim, ainda bem que Murray não foi à final. Seria muito ruim ele estar ali novamente na cerimônia de premiação como figurante privilegiado de um momento histórico do Nadal. Afinal, já havia sido coadjuvante no ano passado em RG no feito do Career Slam do Djokovic. Obviamente, frisa-se que o escocês não fez um papelão como o Wawrinka hoje.

    Responder
    1. José Coutinho

      Quanta bobagem isso. Aposto que o próprio Andy preferia ser vice novamente que apenas semi-finalista. Mais uma final perdida pros BIG 3 não seria algo surpreendente, ele já deve tá até acostumado. Prêmio em dinheiro bem maior, fora os pontos que ele defenderia. Agora ele está ameaçado de perder a posição de numero 1 do mundo, já no próximo Slam. Aliás é bom que se diga, ele mereceu muito conquistar esta posição pela boa campanha no saibro e o que fez no segundo semestre do ano passado. Foi implacável. Mas tem sido a pior demonstração de queda de rendimento de um lider de ranking que eu já vi.
      E se Andy continuar jogando a bolinha que demonstrou até hoje, nem top5 ele será ao fim do ano. Thiem vem forte.
      Tens razão quanto a justiça esportiva. Stan não merece ter mais Majors que Andy, mas ambos são do mesmo nível, Wawrinka brilhante em seus momentos de glória só que mais inconsistente na carreira e nos jogos que Andy. Nenhum deles se compara A Federer , Nadal ou Djokovic.

      Responder
      1. Marco Dias

        A nomenclatura pode ser “besteira”, como “comedor de fígado” usado pro Djoko, por exemplo. Mas, de fato, Stan não “jogou o seu melhor tênis” (se assim prefere) em nenhum momento. Méritos pro Nadal, que não permitiu com bolas profundas, anguladas e pesadas!

        Responder
    2. Marco Dias

      Papelão, Marcelo? Não achei. Todo mundo apanhou do espanhol nesse RG, inclusive o Thiem que humilhou um certo sérvio… Imagina o que o Nadal faria com o Djoko? Tenho quase certeza que seria um triciclo (por sorte Djoko acabou só com um pneu na conta!!)

      Responder
      1. Alice

        Exatamente, Marco. Não teve pra ninguém nesse RG, pois Rafa conseguiu jogar da sua forma tradicional contra aqueles que não conseguem atacar tanto a bolinha, e buscou o seu melhor tênis reinventado na base do defensivo-ofensivo, já que defendeu barbaridade e com seu jogo ofensivo conseguiu anular completamente a forma do Thiem e Wawrinka de jogar! Podia vim quem fosse, Murray, Djokovic ou Federer, nesse momento, da forma que o touro está jogando, quase impossível algum deles ter ganhado ao menos um set…hehehe

        Responder
      2. Marcelo-Jacacity

        Djokovic, já venceu o Nadal em RG.
        Sem contar que também enfrentou um Nadal voando em 2013, naquela semi de cinco sets, em 2014 na final voltou a dar muito trabalho ao espanhol.
        Perder na final do jeito que o Wawrinka perdeu, jamais.

        Responder
        1. Marco Dias

          Tem razão, venceu mesmo, para depois perder pro Stan na final, ficando perdidinho (e nervosinho… kkkkk) com o caminhão de winners que tomava no lombo!

          Responder
          1. Marcelo-Jacacity

            Quando é o Djokovic que quebra raquete e fica nervoso é feio e lamentável.
            Quando é o Wawrinka que faz isso é admirável e engraçado…
            kkk. É cada uma.

        2. Robson

          Bem isso Marcelo,sem contar que pra essa turma a única vitória de Wawrinka em cada quatro confrontos contra Novak vale mais que as três vitórias de Novak,kkkkkkk
          Não adianta procurarem pelo em ovo, Wawrinka é FREGUÊS de carteira registrada de Novak Djokovic,fato.

          Responder
          1. Marco Dias

            Realmente, contra fatos não há argumentos. Como é o retrospecto nos jogos mais importantes, tipo finais de Slams?!?! kkkkkkkkk

  113. AKC

    Hoje Stan ligou o animal mode apenas para quebrar raquetes. O jogo nem teve graça, pareceu um jogo qualquer – não uma final de RG. Cheio de ENF do suíço. Nenhum demérito ao espanhol, fez o que tinha de fazer, algumas belas jogadas, à 70% do seu potencial. Mesmo assim, creio que esta deva ter sido a melhor campanha de Nadal em RG. Deca campeão em um Slam. Duvido que em vida vejamos alguém bater esse recorde, em qualquer piso. Nadal terá sua estátua em Paris, imortalizado na mesma cidade de Rodin. Monstro sagrado do tênis…

    Quanto à nova campeã… que personalidade! Perdeu o primeiro set, estava 3×0 no segundo e virou. Ficou uma quebra atrás no último set e devolveu a quebra. E por fim, venceu quebrando novamente! Parabéns a garota de Riga, aliás, uma linda cidade.

    Responder
  114. Alice - Sambando na terra batida!

    Primeiramente, É Deca! Ou melhor, é TRIdecampeão..rsrs
    Como é um esporte, não existe outra palavra pra definir o que Rafa fez e faz sobre o saibro, sim, é espetacular! É uma hegemonia absurda, nem Federer na Grama, nem Djokovic na rápida e nem Borg no saibro foram capazes de fazer o que esse espanhol fez na terra batida! É minha opinião, alguns números me motivam dizer isso:
    Ganhou 53 títulos no saibro em 90 torneios jogados, ou seja, ganhou + da metade (57.60%), sozinho! Sem contar a “qualidade” desses títulos, já que desses 53 campeonatos, 32 títulos (60.37%) foram masters (22) ou major (10)!
    É DeCamPeÃo em um ATP 500 (Barcelona);
    É DeCamPeÃo em um Masters (Monte Carlo);
    É DeCamPeÃo em um Major/Grand Slam (Roland Garros);
    É muito carimbo pra um só jogador…rsrs
    E o que falar da suas 389 vitórias e apenas 35 derrotas? Só 91.74% de aproveitamento!
    Conte pra uma criança que existe um tenista que tem um resultado de 79-2 (97.53%) e 10 campeonatos em um só Major! Você acha que ela não vai acreditar que Rafael Nadal é diferente, um gênio, um herói ou até um atleta ‘invencivel’?
    Rafa não é um tenista, ele é um monstro mesmo! Ridículo o que fez nas finais de Roland Garros! 10 finais invicto? É brincadeira, essa foi a mais fácil, desde aquela que ele atropelou Federer com direito a pneu! Tive que dizer..rsrs
    Se os outros ‘ganham’ dele nos outros pisos, ele simplesmente humilha todos os outros no seu piso… HaHaHa!
    Agora é número #2, sem pressão, ‘disparado’ na liderança do ano e o único classificado para o ATP Finals até o momento, já que alcançou + de 6.300 pontos e é o atual mega, super, ultra campeão de RG!!

    Viva ao Rei!! Um brinde pra todos os torcedores do touro miúra! Esse títulos é 10, é nosso! Uhuuhuhuhu!

    ^_^ beijinhos, muitos beijos!

    Responder
    1. José Alves

      Excelente texto Alice kkkk qualquer adjetivo é pouco pra refletir tamanha soberania.Até os mais recalcados torcedores estão rendidos a Nadal no saibro.O cara é fenomenal.Escolhi torcer em 2011 para uma lenda sempre sonhando o quão grande ele seria para as futuras gerações de tenistas. A galeria de troféus só aumenta e acho que ele vai ter que dar uma reformada no quarto pra caber mais kkkkk

      Responder
      1. Alice

        Se ele quiser, eu estou abrindo um espaço na minha casa… HaHaHa!
        Sinto que Nadal aos 31 anos, inacreditavelmente, levando em conta o quanto ele alia seu físico ao jogo, vai fazer + história nesse circuito! Ele está”mudando” sua forma de jogar, está se superando, pelo que eu vi e vou comentar num próximo post, ele deve voltar aos títulos em quadras rápidas, então, segurem o touro! ^_^

        Responder
    2. José Viana

      Uma coisa a se pensar… O Nadal foi na casa dos maiores tenistas de sua época e ganhou… Federer em Wimbledon, Djoko… Já esses outros ícones nunca bateram Nadal em uma final em Rolanga…
      Isso me faz pensar que o Nadal seja mais completo. Muitos vão criticar… Mas fatos são fatos!!!

      Responder
      1. Alice

        Eu acredito que ele foi melhor no seu piso, foi mais dominador, mais hegemônico do que os outros, como já comentei em algum comentário acima! Ele deu menos brechas, ou melhor, não deu brecha alguma…rsrs. Também é fato que nos confrontos ele parece ser um tenista mais equilibrado e dominador que seus rivais, porém no momento está perdendo por dois jogos para o sérvio. Quanto ao geral, acredito que não dá pra se discutir em termos de números em relação ao Federer, ao sérvio, até que vai um ponto ou outro. Contudo, em questão de matéria de dominância, ele deve ser o mais “completo”, vide seu currículo no saibro!
        Alguns números já comentados por mim neste post, exemplifica toda essa dominância! Quem ganhou uma década de ATP 500, masters e Major? + De 91% de aproveitamento! 53 de 90 títulos possíveis…

        Responder
    3. O LÓGICO

      kkkkkkÉ sempre assim, na laje kkkkk o tenista unidimensional só tem recordes na laje, e fora dela, um monte de recordes negativos kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

      Responder
  115. jeremias

    Não sei, mas acho que nunca alguém ganhou um GS de maneira tão arrasadora; eu diria quase constrangedora. Pode-se dizer que ele praticamente nem jogou…

    Responder
    1. Paulo F.

      Eu sou Djokovete assumido e a campanha dele em Wimbledon em 2015 foi monstruosa também.
      Logicamente nem se compara a esta de Nadal, mesmo Nadal só chutando cachorro morto.

      Responder
  116. Paulo

    La Décima criaria pressão sobre todos , menos Nadal.
    Apesar de torcer e acompanhar sua carreira desde 2005, até hoje o mental do Nadal me surpreende.
    Jogo por jogo não via como o Wawrinka ganhar.
    O Nadal sobre o saibro é muito melhor que qualquer outro.
    Meu único receio era o espanhol entrar excessivamente nervoso pela possibilidade do feito único e potencialmente inigualável.
    Qual nada.
    O cara entra na quadra e engole o adversário sem nem precisar mastigar.
    Monstro genial.
    Gênio monstruoso.
    Vamos Rafa!!!!!!

    Responder
      1. Spencer Santos

        Grande O Lógico! É que o Chetnik (desculpe se errei a ortografia) não gostou da minha “babação de ovo” só nos títulos, então, procurei apenas objetivamente expressar a minha alegria. “Juro que estou tentando ser o bom pastor”. 🙂

        Responder
  117. Marcelo-Jacacity

    Esse ano, de fato, está surpreendente. Quem ousaria dizer que os dois gigantes do tênis levantariam o troféu na Austrália e Roland Garros.
    A persistência do Nadal é admirável, 10 títulos em um Major é estupendo. Não duvido de mais nada.

    Dalcim, você acha que Nadal é um dos fortes favoritos em Wimbledon?

    Responder
  118. Luis

    Dalcim foi legal como vc disse mais uma volta por cima do Nadal,como Federer conseguiu,uma pergunta se Federer conseguir 20 Slam e’ uma façanha do tamanho dessa do Nadal? rs,beijos Alice adoro vc rs,obrigado pelo elogio rs,e So’ ele kkk,Sera’ que o Logico vai ta no blog ?rs

    Responder
  119. Felipe Velasquez

    Boa noite Dalcim!
    Não sei se você gosta de filmes (e de Star Wars!). Mas, você poderia ter colocado como título do artigo: “O Retorno de Jedi”!rs. Ficaria muito bom.
    Brincadeiras à parte, o jogo foi muito chato. Não sei se o Stan entrou esgotado fisicamente devido a semifinal. Mas, o Nadal praticamente não correu riscos, durante toda a partida.
    Com o título, o espanhol volta a ficar 3 Slams atrás de Roger Federer, com um grande diferencial: está jogando muito bem e tem tudo para terminar o ano como líder do ranking!
    Federer também vai retornar voando e acredito que Murray e Djokovic vão esboçar alguma reação. O restante da temporada promete!
    Dalcim, são grandes as chances de Nadal ser número 1, após WB (claro que dependendo das campanhas de Rafa e de Murray). O espanhol não jogou boa parte do final da temporada passada, ou seja, não tem muitos pontos a defender (ao contrário de Murray e em menor escala Djokovic).
    Acredito que os próximos dois Slams (WB e USO) vão acirrar ainda mais a rivalidade entre Federer e Nadal. Abraços

    Responder
    1. ANTONIO

      Acho que o problema do Stan foi medo mesmo, ele deve ter entrado pensado que seria dificil vencer o Nadal, ai já viu né, o medo de perder tira a vontade de ganhar.

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *