O dono do saibro e suas (muitas) outras façanhas
Por José Nilton Dalcim
13 de junho de 2017 às 11:36

Ninguém duvida que Rafael Nadal seja o maior tenista que já pisou uma quadra de saibro, e há fartos números para comprovar isso. No entanto, o canhoto espanhol tem muitos outros feitos e recordes ao longo da carreira que não se limitam à terra.

Veja a longa lista de suas principais façanhas:

Em Grand Slam
– Primeiro homem e segundo tenista no geral a ter 10 troféus num mesmo Slam, superado somente pelos 11 de Margaret Court na Austrália (quatro na Era Profissional)
– Isola-se no segundo lugar no número de Slam na carreira, com 15, ultrapassando os 14 de Sampras. O lider é Federer, com 18.
– Aos 31 anos e oito dias, é o mais velho tenista a atingir 15 Slam, superando Serena, que tinha 30 anos e 348 dias no US Open de 2012.
– Ganhou 24 dos 35 jogos que fez contra adversários top 5 em torneios de Grand Slam.
– Igualou Federer (Wimbledon) e Tilden (EUA) como únicos na história a disputar 10 finais num mesmo Slam.
– Soma 22 finais em Grand Slam, marca superada somente pelas 28 de Federer.

Em Roland Garros
– Chegou seis vezes à final de Paris sem perder sets e conquistou três títulos invicto (2008, 2010 e 2017).
– Com 35 games perdidos em 2017, é superado apenas pelos 32 de Borg na campanha de 1978.
– Chegou a 79 vitórias em 81 partidas em Roland Garros. Apenas duas vezes foi levado ao quinto set (Isner e Djokovic) e venceu ambos.
– Único pentacampeão (2010-14).
– Maior série invicta, com 39  entre 2010 e 2015.

No saibro
– Atingiu o 53º título sobre o saibro na carreira, recorde absoluto
– De seus 30 Masters, 22 vieram sobre o saibro.
– Tem 102 vitórias e apenas duas derrotas em partidas ‘melhor de 5 sets’ sobre o saibro na carreira.
– Atingiu maior invencibilidade no piso, com 81 vitórias entre 2005 e 2007
– Único a conquistar os três Masters e Roland Garros no mesmo ano, em 2010, o chamado ‘Slam do Saibro’.
– Maior percentual de aproveitamento da Era Profissional, com 91,75% (389v-35d).

Feitos históricos
– Venceu ao menos um Masters 1000 por temporada entre 2005 e 2014.
– Ganhou ao menos um Grand Slam por 10 anos seguidos, entre 2005 e 2014).
– Tem 10 troféus em três torneios diferentes (Monte Carlo, Barcelona e Paris).
– Mais jovem tenista a ganhar cada um dos quatro Slam, aos 24 anos.
– Segundo tenista profissional a ter medalha de ouro olímpica em simples (2008) e duplas (2016), igualando Nicolás Massú.
– Maior série invicta num mesmo torneio (46, em Monte Carlo).
– Repetiu Laver e Borg ao ganhar Roland Garros e Wimbledon sucessivamente em 2008 (e depois em 2010). Federer igualou feito em 2009. Borg fez isso por três anos seguidos (1978 a 80).
– Único a ganhar três Slam consecutivos em três pisos diferentes, em 2010.
– Assim com Federer, já ganhou títulos em 19 diferentes países.
– Único a ter pelo menos 385 vitórias tanto no saibro como na quadra sintética ao longo da carreira.
– Maior quantidade de títulos em quadras abertas (71).
– Mais repetido duelo no circuito profissional (50, contra Djokovic).
– Mais repetido duelo em final de Grand Slam (9, contra Federer).
– Maior número de títulos conquistados antes dos 20 anos numa só temporada (11, em 2005) e na carreira (16, junto a Borg).
– Único canhoto, ao lado de Laver, a ganhar cada um dos Slam.
– Maior série contínua como número 2 do ranking (160 semanas).

Campanha em 2017
– Único com quatro títulos, além de três finais.
– Lidera com folga em quantidade de vitórias (42 em 48 possíveis), à frente de Thiem (34 em 47).
– Termina a fase de saibro com 23 vitórias e uma derrota.
– Disparou no ranking da temporada, com 6.915 pontos.
– Primeiro tenista garantido no ATP Finals de Londres

Quem venceu os Desafios
Fernando Dias levou o Desafio feito nas semifinais de Roland Garros, ao acertar os três vencedores, o placar em sets de dois dos três jogos, cravar perfeitamente o andamento das partidas de Wawrinka e Ostapenko, além de ter palpitado em cheio dois placares do Nadal.
No Desafio para a final masculina, o incrivel vencedor foi Diego Antonio. Ele votou pela página do TenisBrasil no Facebook e acertou o placar exato da vitória de Nadal sobre Wawrinka. Curiosamente, ele não postou winners do campeão, mas nem foi necessário se usar o critério de desempate.
Os vencedores devem indicar endereço no Brasil para receber o tudo de bolas Spin. Podem enviar aqui ou no email joni@tenisbrasil.com.br.
Parabéns!


Comentários
  1. Marquinhos

    Não podia ter perdido para o semi-apesentado Tommy Haas. Não entendi como Roger perdeu o jogo. Fez 23 aces, teve 12 chances de quebra e fez 10 pontos a mais que o adversário. Bom, já foi!

    Ainda não vejo motivo para preocupação, pois é apenas um torneio-treino. Se Roger não vencer Halle, aí vai acender a luz amarela.

    Responder
  2. Mario Cesar Rodrigues

    Bem meu caro Dalcim assisti o jogo…do Federer realmente acho muito dificil alguém bater ne federer na gramahoje vamos dizer perdeu oportunidades …o Alemão vamos dizer jogou mais do que o Federer hoje mas para mim ficou evidente que na Grama tem gente perigosa,este tal outro alemão que venceu em 3 sets o Americano.mas sinceramente Vejo uma dificuldade para muitos jogadores não tem troca de bola erram-se muito foram 35 aces ao todo a maior troca de bola foram oito que graça tem essa p@orra de grama tem, quem goste e eu respeito!Prevejo dificuldades grandes para Rafa em WB se ele jogar!mesmo pegando uma chave meia pedra meio tijolo.grama é diferente!ai muitos pode dizer rafafez 5 finais em WB ok mas hoje o bicho pega pegar um sacador mesmo bau bau!mesmo assim acredito e torço para Rafa se jogar fazer um bom torneio!o Haass tem uma classe para jogar viu!

    Responder
    1. Alice

      Realmente, na grama os pontos são mais rápidos! Eu gosto de assistir jogos trabalhados no masculino, por isso prefiro jogo com mais trocas e entrega. Porém, pra mim a grama não perde sua tradição e charme. É tão de outro mundo, pelo menos pra que mora no Brasil…rsrs!

      Responder
  3. Marcio

    Pelo visto o assunto já voltou a Ele.

    Aproveitemos os seus últimos jogos, curtamos o melhor tênis já praticado, pois fará falta, e quem ama esse esporte é privilegiado por poder viver essa época.

    As derrotas virão cada vez com mais frequência, naturalmente.

    Curtamos todos os momentos de Federer, pois eles terminarão. Talvez mais rápido do que imaginamos.

    Continuemos acompanhando.

    Responder
    1. Alice

      Marcio, as derrotas estão sendo menos frequentes para o suíço, tanto que o aproveitamento (%) de jogos ganhos na carreira, aumentou. Mas, a tendência é cair. Acho que Federer poderia jogar até por mais uns 5 anos, ele só tinha que ter uma ou duas metas no ano, jogar no máximo 10-12 torneios!

      Responder
  4. Valmir

    Federer se poupou do saibro para se preparar para a gira da grama… para pegar moral, evitando uma possível surra do Nadal.
    Acabou perdendo pro Tommy Haas, 39 anos, que só joga por convite.

    Inda bem que Federer… FUGIU… de Roland Garros, porque, perdendo para o Haas, na grama, se estivesse na final de RG, levaria 6×0 6×0 6×0.

    Responder
  5. Luiz Fernando

    Vamos esquecer de Federer, o assunto do post e um dos decacampeonatos do Rafa. Gostaria de humildemente reconhecer que fui injusto com o genial Wawrinka, pois afinal ele não deu um vexame tao grande assim na recente final de RG, preciso vir aqui e me retratar. O cara fez 6 games no Nadal e não levou pneu, resultado extraordinário quando comparado ao vexame dado por outro suíço, também em Rolanga e contra o mesmo espanhol, em 2008…

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Quem vive de passado é museu…

      Números que realmente importam são os de 2017.

      E está 0 x 3 em desfavor do Lance Armstrong.

      (rs)

      Responder
  6. Rafael Brasiliense

    Às vezes o Federer tem umas derrotas difíceis de entender. Sem tirar os méritos dos adversários, parece que do nada ele resolve viajar no jogo e tudo muda. Segunda vez que ele faz isso esse ano.

    Esse derrota, aliás, nos escancara e reforça algo interessante: o tenista da Basileia definitivamente não tem motivação para torneios de menor expressão. Esse ano ele disputou 5 torneios – um GS, dois Masters e outros dois toeneios pequenos (ATP 500 e 250). E aí, pasmem: ele venceu o GS, os dois Masters e perdeu logo no início o ATP 500 (2º jogo) e o 250 (1º jogo). Isso só pode ser falta de motivação. Não há outra explicação.

    Concorda, Dalcim? Você acha que essa derrota muda alguma coisa com relação a Wimbledon para o suíço?

    Responder
      1. Rafael Brasiliense

        Não é falta de vontade que eu quis dizer, Dalcim. É empenho, esforço. Pra mim fica claro que seu esforço no AO foi muito superior àquele apresentado em Dubai, por exemplo. Será que é apenas uma mera coincidência ele ter ganho os torneios mais importantes e ter caído precocemente nos menos expressivos? Não me parece que seja. É no mínimo estranho um tenista ganhar todos os grandes torneios que disputou passando por vários top 10 e ter perdido precocemente todos os menores para jogadores fora do top 100.

        Responder
    1. Alice

      Concordo com Dalcim. Não acredito em falta de motivação nesses torneios menores, já que ele chegou na final em metade dos torneios (ATP 250/500) que disputou na carreira. Ganhando um total de 41 títulos! Quanto ao favoritismo em Wimbledon, acho que ainda não muda nada, porque foi apenas uma partida jogada. Esperemos Halle pra tirarmos conclusões melhores! 🙂

      Responder
  7. Leo Gavio

    Estou triste, acho que a carreira do melhor tenista de todos os tempos encerrou.

    Djokovic não é mais o mesmo. A doença que acometeu o quadril do Guga está acometendo o cérebro do Djokovic.

    E Federer não é GOAT nem aqui nem na China comunista.

    Nadal tambem não é GOAT, só sabe jogar no saibro ou contra um suiço chorão. Ai até no gelo o bezerro miura é Rei.

    Já DJokovic era o único capaz de derrotar os dois em seus ambientes favoritos.

    Estou mentindo, torcedores do chorão? Estou????

    Djokovic é uma joia rara que está com a cabeça em frangalhos. E doenças da cabeça são dificeis de curar.

    O tenis perde, os choronetes agora podem sonhar com Wimbledon e USopen.

    No mais, seria engraçado uma final em WB: Nadal vs Choramingão, e o cuecal dar uma surra no lacrimegador. Seria humilhante.

    Contudo reconheço que o lacrimejador jogou um tenis jamais visto na Australia, coisa que acontece na mesma frequencia de um eclipse solar. Mas a realidade já voltou, e a cinderela suiça caiu na primeira fase para um jogador que tinha idade para ser seu pai, dele.

    Responder
  8. João ando

    Até um grande campeão perde e a vida…agora perdeu para um tenista que hoje e 302 do mundo mas ja foi dois e só não foi um porque as contusões o perseguiram…isso quer dizer que poderia cntinuar jogando ja que derrubou dois tenista que estão entre os 40 do mundo…uma pena o alemão parar com 39 anos….

    Responder
  9. Adriano Leite Ribeiro

    A grama é o piso mais horroroso pra se jogar, só saque e voleio, a maioria dos jogadores não vê a hora que termine a temporada de grama, não a toa o US Open e o Australian Open já abandonaram esse piso faz tempo.
    Os verdadeiros fãs de Tênis preferem o saibro ou a quadra dura.

    Responder
    1. Nando

      Como é q é? “Os verdadeiros fãs de tênis preferem o saibro” ???? De onde tiraste isso? Foi baseado em alguma pesquisa, achismo? Kkkkkkkkkk o Rei perdeu ontem mas sempre há algo pra se alegrar por aki.

      Responder
  10. Márcio Souza

    Caraca que essa derrota hoje do Federer esta sendo um prato cheio pro Luis Fernando, Alice, Róbson e os demais anti federistas kkkkk

    Temos que aguentar essa zueira até o GOAT vencer em Halle e em Wimbledon.

    Calma galera que o GOAT vai dar o troco na hora certa…vai ser o mesmo que em Dubai aonde perdeu pra um Ze Ruela e depois ganhou 2 Masters.

    Deem bastante risada galera…mas vai ter volta kkkkkk

    Responder
    1. Sergio Ribeiro

      E o curioso é que foi a primeira derrota em TODA a carreira na Grama em 1* Rodada. Tommy venceu 4 em 21 de Roger. Digamos que devem ter tomado todas depois…ABS!

      Responder
  11. Fernando Pimentel

    Espero que o Federer recupere a confiança para Halle e continue evoluindo na adaptação ao piso. Mas lendo os comentários de vocês, até parece mesmo que o Haas é um “joão ninguém” no circuito.. pô, o cara já foi número 2 do mundo! Preferem criticar o Federer do que reconhecer a grande atuação do Haas, um veterano que joga um tênis de muita qualidade, e com certeza, também vai fazer falta quando parar. O ranking no caso do alemão não diz muita coisa. Claro que foi uma derrota inesperada, mas o Federer não pode ser subestimado na grama. Esqueceram do calor que o Edmund deu no Nadal na primeira rodada de Monte Carlo? E o que foi a temporada de saibro do Nadal depois daquele jogo?

    Responder
    1. Alice

      Fernando, é tudo zoação/brincadeira. Devido ao fato de que Haas está na sua temporada de despedida, já tem 39 anos e no momento aparece como 302° do mundo. Ferderer era super favorito, acontece. Agora, Rafa não pode fazer nada se seus adversários não puderam fazer muito contra frente a ele, ressalto que ganhou de Top10 em Barcelona, Madri e Paris.

      Responder
  12. Rodrigo S. Cruz

    É verdade.

    O Federer deu vexame hoje.

    Tanto tempo parado e zero de ritmo acabaram custando muito caro.

    Mesmo não se dando bem no saibro, ele deveria ter jogado um Masters 1000 e também Roland Garros.

    Teria jogado solto, sem pressão, e provavelmente nem teria cruzado com Nadal.

    Com todo respeito ao Haas que provavelmente devia estar num dia inspirado, porém a derrota do suíço hoje foi mais ridícula do que aquela pro Donskoy.

    A boa notícia é que ainda tem Halle, onde a história tem tudo pra ser bem diferente.

    A verdade é que o Federer perdeu aonde ele podia perder. Simples assim.

    Contudo, chegará em Wimbledon na ponta dos cascos e aí segura o GOAT…

    Responder
  13. Paulo F.

    Como assim, o Jogador Acima Do Tênis fazendo fiasco em Stuttgart?
    Até onde eu sei, só faz essas “proezas” jogadores “medíocres” como Novak Djokovic…

    Responder
  14. Eduardo F.

    Nadal fez a terra “TREMER”

    Sônia e Gabi , são apaixonadas por Rafael Nadal. Se ele não telefona, elas se Desesperam kkkkkkk

    Mas quando elas brigam com ele, jogam a roupa dele fora, e ele tem que ligar para as LINGUARUDAS irem buscar.

    Mas elas querem com Nadal e Federer ao mesmo tempo.

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Responder
  15. Marco Dias

    Vejo muitos comentários afirmando “Fulano só perdeu porque estava machucado, em condições normais jamais perderia… ”

    Torcida é tudo igual. Todos passionais, ninguém valoriza a conquista do adversário e só puxa pro lado do seu tenista favorito, infelizmente. Acham que são donos da verdade e, além de tudo, “adivinhos”, pois não conjecturam, simplesmente afirmam categoricamente. É cada absurdo!

    Ninguém pode garantir que o adversário também estava 100% fisicamente. Tenista normalmente sempre joga com algum incômodo. Eu acho essas desculpas ridículas. Aceitar a derrota é algo que muitos aqui não conhecem, demonstrando até certa imaturidade.

    Responder
  16. Ronildo

    Essa derrota do Federer é muita suspeita. O Tommy Hass disse que eles se tornaram amigos depois que suas esposas se tornaram amigas. Eles tem filhos que brincam junto. Sinceramente, pra mim Federer deu uma força pro amigo. Agora, se Federer perdeu mesmo depois de se esforçar para vencer, então Wimbledon tá garantido porque neste ano cada período vencedor veio depois de uma derrota.

    Responder
  17. Tom

    O post é sobre os feitos incríveis do Touro, mas o povo gosta mesmo é de falar do Federer…kkk…brincadeiras (saudáveis) à parte, espero que a derrota de hoje contra o Haas tenha servido de lição e alerta. Wimbledon está logo ali e será necessário atenção, muita atenção. Go, Roger !

    PS: Quando Roger e Rafa se aposentarem ficará um buraco irreparável neste esporte. Vai demorar um bom tempo pra que a nova geração consiga causar tanto impacto midiático como esses dois.

    Responder
  18. PAT CASH

    Todos sabem que a motivação do Federer para disputar um torneio de menor importância, é quase nula. Mesmo em Halle, não acredito que vá se esforçar muito. Em Wimbledon, entre um bocejo e outro, irá atropelar quem vier pela frente como de costume.

    Responder
      1. Gildokson

        Que pressão é essa? A de fechar o career slam? Quebrar recorde de Slam? Dar fim ao jejum de 5 anos sem vencer Slam? Vencer o primeiro Slam? Federer, Nadal, Djokovic e Murray sabem lidar muito bem com pressão.
        Não existe essa pressão toda, única coisa que deve existir é só a vontade de Federer de se isolar como maior vencedor de Wimbledon, coisa que se não acontecer esse ano, pode vim ano que vem.

        Responder
    1. Eduardo F.

      Em Wimbledon, entre um bocejo e outro, irá atropelar quem vier pela frente como de costume.

      Sim, como aconteceu em 2008, 2014 e 2015?

      Se não fosse por Nadal e Djokovic, já era pro Rei da Grama?! ser Decacampeão do torneio. Abs!

      Responder
    2. Valmir

      Os últimos costumes dele em Wimbledon, desde 2013… estão bem diferentes do que na sua imaginação.

      Em 2012 só ganhou lá, do Murray, depois que fecharam o teto retrátil.

      Em 2013 foi eliminado na segunda rodada pelo… incrível… Sergiy Stakhovsky (116 do mundo).

      Em 2014 e 2015… foi quase perfeito até a semi (perdeu só 1 set)
      na semi de 2014 esmagou o Raonic… e na de 2015 esmagou o Murray,
      só que… na final… tremeu que nem vara verde… e levou duas bandejas para casa… kkkkkkkkk

      Em 2016 parou na semi diante de Raonic… incrível jogador de grama.

      Responder
      1. Alice

        Depois ele não sente a pressão, Valmir. Até Nadal sentiu pressão, ficou nervoso nos quatros primeiros games da final de RG! Depois ele deslanchou, porque percebeu que Wawrinka continuava travado…rsrs

        Responder
  19. Thales

    Já sabiamos que dificilmente alguem tiraria esse RG de Rafa mestre.. 10 anos de dominio de um slam é absolutamente absurdo, por esse otivo acho merecidissima sua estatua em RG. Ao meu ver não tem como negar que Rafa e Federer são os 2 maiores da historia do esporte..Ainda ponho o suiço no primeiro posto pois como muitos considero o numero de Slams ganhos um fator de destaque.. mas seguindo na linha dos critérios para classificar um tenista na lista dos maiores, não consigo entender pq em geral os críticos dão tão pouca importância para as conquistas OLÍMPICAS.. Oq acha disso DALCIM? pra mim um ouro olímpico de simples teria o dobro ou o triplo de peso se comparado com um titulo de finals por exemplo.. é um evento raro que provavelmente o tenista só vai jogar 3 ou 4 vzs na carreira e a final ainda é melhor de 5 sets.. enfim.. Achei um tanto exagerado tb essa entrevista do wilander pro Nadal.. Acho que tanto Rafa como Roger ganharão no máximo mais 2 slams e Djoko se voltar ao seu velho nível mais 4.. logo, 20-Federer 17-Nadal e 16-Djoko concorda com essa numerologia MESTRE ? rs

    Ps.: Federer começou com o pé esquerdo na grama de stuttgart.. =/

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      O problema é que o torneio olímpico só recomeçou em 1988, e nem foi levado muito a sério. Acho que só a partir de 2000 é que os profissionais realmente se interessaram por ele. Então é um critério injusto para quem jogou antes de 1988.

      Responder
        1. O LÓGICO

          Esse é o ponto My Love, que a Vovó Alice, por problema de cognição dado o avanço da idade, kkkkk, reluta em não admitir. Claro, admitir isso é admitir o óbvio: O finals é torneio para gente grande, e lá o touro, que só touro no saibro, kkkkk, vira frango kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

          Responder
          1. Alice

            “my love”…Ui! O Lógico perdeu a ‘razão’ e agora tá amando…Agora dá pra entender toda essa amolecida que o coração dele deu nas últimas semanas…rsrs!

  20. Luiz Fernando

    Terminada a temporada chata de saibro, começa agora a glamourosa de grama, aquela q realmente conta, com o retorno do GOAT, como se postou isso aqui nestes dias. Grande expectativa, terminada hj, dia no qual o suposto, e bota suposto nisso, GOAT voltou, enfrentando o número 302 do mundo, no challenger de Stuttgart, e o que ocorreu: V E X A M E !!!!!!! Vamos então tentar destrinchar as eventuais razões para esse V E X A M E descomunal: 1) falta de sorte no sorteio, pois caiu logo de cara com essa jovem promessa alemã (alguns caras podem querer dizer q na internet consta q a “criança” fará 40 anos em Abril/2018, mas isso só pode ser intriga de nadalista/ djokovista), que deve ter corrido muito, sufocando o suíço, pois como todo jovem tem muito gás kkkk; 2) depois de 2 meses de descanso e treino p a temporada de grama, recusou-se a participar de RG (que sorte hein kkkk) e uma das razões aventadas, citadas até pelo Dalcim no blog, seria q estaria desenvolvendo alguma tática nova pro piso, que de tão secreta ela se perdeu kkkkk; 3) Haas vinha com muito ritmo de jogo, pois disputou muitas longas partidas na temporada de saibro, sendo o único a apertar Nadal nesse piso (aliás ele e o Jensanimal) kkkkk; 4) claro, algo q nunca pode ser descartado, Federer optou por perder hj para descansar mais um pouco mais, dois meses talvez não tenham sido suficientes, afinal, já não é nenhum menino e aí vem um torneio no qual terá q vencer 7 jogos melhores de 5 sets em 14 dias. Aos “amigos” da torcida do Federer gostaria de externar minha solidariedade nesse momento difícil, semana q vem tem mais, no prestigioso torneio de Halle, talvez não haja novo V E X A M E kkkkkkk!!!!!!!!!!!!!!!

    Responder
    1. Edson

      kkkkkkkkkkkkkkk
      a temporada de grama na verdade sobrevive “apenas” pela tradição de Wimbledon! Esse ano ate que melhorou um pouquinho por conta de mais uma semana de torneios. 98% do circuito joga na grama so pra somar uns pontos no ranking. Pergunta se algum tenista faz pré-temporada na grama …. que nada, o circuito ta recheado de especialistas nesse piso…. jogam super motivados kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

      Responder
    2. Mário Fagundes

      Rsrsrsrsrsrs. Taí um comentário bacana, apesar de debochado. Acho que este é o espírito da zoação. De fato, essa derrota de hoje foi cruel, mas pra quem descansou tanto, era de se esperar mesmo, sobretudo pela falta de ritmo. Federer perdeu quando poderia perder. Só isso! Faz parte do treinamento para Wimbledon. rsrsrs. Em Halle a hisória vai ser diferente.

      Responder
    3. Luiz Fernando

      Putz, como fui esquecer a quinta hipótese, a mais citada no blog quando Federer da vexame, ou melhor, perde: doping. Esse alemão “jovem”, com cara de roqueiro, so pode ter jogado dopado, ai tudo se encaixa kkkkkkkkkkk!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

      Responder
      1. Alice

        Luiz Fernando,

        O Haas deve ter pegado o açaí ultra poderoso do Rafa, tanto é que virou o touro pra cima do Federer, deixou ele montar em cima no primeiro set e depois todos nós já sabemos foi só uma queda de 302 metros. KKKKKKKKK

        Responder
    4. Rafael

      Juro que tentei ler esse comentário (na 2a. vez que li) como se torcesse pro Federer, pra encontrar uma razão pra ficar nervoso, mas que primor de deboche!!!!

      Rindo muito aqui, olha só, se todas as zoações (incluindo as minhas) tivessem esse nível de ironia fina e bom humor, seria o maior barato.

      Meus parabéns, não consigo parar de rir. Muito bom esse texto.

      PS: Li em algum lugar que Federer disse que já havia descansado bastante e que disputaria uma temporada regular no que resta dela. Assim, ESSA desculpa já não pode ser dada. “Jovem Haas” ahahahahahahahahaha

      Responder
    5. André Barcellos

      Engraçado..rsrs

      Mas quem ri por último ri melhor…

      Sobre o jogo, Haas jogou muito bem (vi pelo tennis TV), marretando dos dois lados e sacando muito. Não podemos esquecer que o cara já foi top 5, sempre foi bom de grama.

      Responder
  21. Pieter

    Certamente por essa derrota já na primeira rodada e para um adversário às raias da aposentadoria, o Federer não esperava…
    E como ainda joga bonito o alemão!!! Tênis clássico, muito legal de se assistir…
    Dalcim, o que terá acontecido a Roger Federer??!!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Perdeu muitos break-points, mas na grama isso não é anormal. Na verdade, tentar recuperar ritmo na grama é uma tarefa difícil. Um piso traiçoeiro, em que você não dá mais do que três golpes seguidos talvez no jogo inteiro. E Haas, que já vinha de boa estreia, estava bem à vontade.

      Responder
      1. Sônia

        Nobre Dalcim, disseste tudo, grama é o piso mais incerto de todos. Resultados imprevisíveis e onde todos desejam e anseiam vencer. Verdadeiro torneio de tênis, mais top, mais tudo é WB. Na torcida para que os ingleses sejam “nobres”, rigorosos com os tenistas “espertos” pois no barro, liberaram geral. Lindinho está certíssimo, deixa o amigo vencer afinal de contas, é o último ano dele. Quem não gostou foi o público que lotou o estádio só para vê-LO jogar rsrsrs. O mais hilário são as hienas tentando ironizar, destilando veneno e achando que somos nós que estamos sofrendo rsrsrs. Se isso não é “calo na alma” rsrsrs então não sei mais nada rsrsrsrs, aliás como são carregados esses seres, cruz credo, como fazem mal ao blog, mas fazer o quê? Força Dalcim, força. Beijos.

        Responder
        1. Edson

          “Resultados imprevisíveis e onde todos desejam e anseiam vencer.”?
          Ate porque nos demais todos desejam e anseiam perder ne ?
          Puts, e ainda chama os outros de hienas
          Calo na alma ?
          E voce lida com pressuposições (delirantes por sinal) o tempo todo, e ainda quer qualificar quem faz mal ou nao ao blog, e que os outros destilam veneno ?
          kkkkkkkkkkkkkkkkk

          Responder
        2. Luiz Fernando

          Querida Dilmasonia, quando vcs torcedores do Federer falam em “hienas” eu não tenho como discutir ou competir com vcs por mais q eu queira, vcs são especialistas no assunto. E vc deve estar sofrendo, e muito kkkkk!!!! Bjs!!!!!

          Responder
        3. Alice

          Força pra ti também, Sônia. Meus pêsames pela derrota do seu Lindinho, mas não fica triste não, porque Wimbledon é logo ali…rsrs!

          Responder
        4. Antonildo S Costa

          Concordo plenamente com vc Sonia, esse jogo não passou de uma ajudinha a um amigo de longa data, em Halle a historia será diferente.

          Responder
      2. Marcio

        Ah mas eu não esqueço da grama de 2015, onde cada jogador dava na bola umas quinze raquetadas e nada de matar o ponto.
        Mestre, a grama muda de um ano pra o outro?? Pois aquele ano wimbledon estava atípico, parecia quase um saibro.

        Responder
      3. AKC

        Nos highlights, vi tanto o Federer quanto o Haas literalmente “furarem” nas trocas de bolas… Chegou a ser engraçado… Grama é um piso realmente imprevisível…

        Responder
  22. Luis

    Dalcim Federer perdeu em Stuttgart rs,aguenta o Luiz Fernando rs,mas pela parada e contra um bom tenistas Haas que parecem amigos foi normal,a meta e’ Halle e Wimbledon kkkkkk,frio em Sp maioria deve ser no blog rs,e o beijo Alice rs,e so’ ele kkkk

    Responder
  23. Correspondência da Alice - Agora eu vou Judiar!

    Olha um bons recordes negativos aí para o Federer:
    Perdeu na ESTRÉIA de um ATP 250!
    Não consegue mais nem passar da segunda rodada de um atepezinho 250! KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK
    Perdeu o jogo mais ‘velho’ dos últimos 35 anos! (74 anos)
    Perdeu na grama!
    Perdeu para um tenista de 39 anos, quase Quarentão!
    Perdeu de VIRADA para o número #302 do ranking!
    KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK
    Agora eu acho que aquela derrota em fevereiro para o 116° do mundo não foi tão ruim assim! KKKKKKKKKKK

    Só ressaltando, foi derrotado pelo 302° do mundo na eatreia de um ATP 250 na grama! Isso sim é recorde negativo. E agora, Lógico? OMG! Que asco isso hein..

    KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKMKKKKMKKKKKKK

    Só lembrando, que isso é uma zoação com os torcedores mais fanáticos do suíço! Não tem nada a ver com a pessoa (Federer) ou com aqueles mais sensatos! 😉

    Isso ainda vai render muito pano pra manga! rsrs…

    Responder
    1. Edson

      ahhhh, nao tripudia! É so o começo da longa temporada de grama ! Fique tranquila pois nas ultimas duas decadas surgiram muitos especialistas, que inclusive fazem pré-temporada nesse piso e chegarão tinindo em Wimbledon
      kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

      Responder
      1. Alice

        Como disse o L.F, muitas jovens promessas de falsos 40 anos estão aí no circuito! Desejo muita sorte ao suíço em Wimbledon, espero que ele chegue tinindo melhor que hoje…kkkk

        Responder
    2. Mário Fagundes

      Hahahahahaha! Alice, Alice, você não é fácil meessmooo. Haas é um grande amigo do suíço. Federer pensou: “Ele vai pendurar as raquetes no fim do ano. Vou deixá-lo vencer.” Foi isso, filha! Mas pode esperar que o GOAT vai vencer Halle. Vc deveria estar comemorando o Deca. rsrsrs

      Responder
      1. Alice

        HaHaHa, só quis tirar a casquinha da estupenda vitória do Haas sobre o mega, super, ultra, uber supremo, Federer. Jogou bem no primeiro set, mas depois foi só figuração…hehe. Também acho que ele vai ir bem em Halle, aliás precisa de um pouco de ritmo né, porque o treino de hoje foi de como tomar uma virada de uma jovem promessa (Luiz Fernando) de falsos 39 aninhos. 😛

        Responder
  24. Fabio H

    Dalcim, duas perguntas:

    – Sobre o Del Potro, vc acha que em função dos anos que ele ficou longe do circuito, sem se desgastar, pode contribuir para que ele estenda sua carreira um pouco mais?

    – vc também não achava mais interessante quando as finais de M1000 eram disputadas em melhor de 5? Acho mais justo e mais emocionante

    Abraços

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sim, acredito que Delpo poderá ir mais longe, ainda mais que agora está com um estilo menos desgastante. O problema é o desgaste, Fábio, quando temos Masters tão próximos entre si e dos Grand Slam.

      Responder
  25. Fernando Pauli

    É Dalcim você tinha razão.
    Essa parada de dois meses tirou ritmo de jogo do Federer. Agora terá que fazer uma boa campanha em Halle semana que vem.
    Como você disse, custava ter ido pelo menos a RG? Do jeito que foi esse GS poderia ter chegado às semis sem muita dificuldade. Agora a pressão só vai aumentar e a cobrança pessoal também.

    Responder
      1. Fernando Pauli

        Quando Federer fica ausente do circuito eu acompanho os comentários mas não os faço, é a mesma coisa no bolão dos GS da minha família ( que quase toda joga tênis ), quando o rei não joga eu não participo. No Austrália em que o Federer ganhou eu ganhei o bolão ( apostas no vencedor e placar em sets de todos os jogos a partir da terceira rodada). Passado a surpresa o mestre se recupera em Halle e ganha WB. Abs.

        Responder
  26. Alice - Close Errado!

    Federer estava tão ‘desligado’, que teve um momento no terceiro set que ele fez uma cara de ‘sedução’ à La Jovem de 23 anos mulherengo!
    KKKKKKKKKKKKKKK…não sei se a Sônia viu…rsrs!

    Já que o favorito-mor foi eliminado, vou torcer para Mischa Zverev ganhar em casa. Adoro ele! Quero ele campeão junto com o irmão mais novo, Alexander Zverev em S-Hertogenbosch na Holanda.

    ^_^

    E segurem o Luiz Fernando, que ele vai sambar muito…rsrs

    Responder
    1. Luis

      ALice acho que era esperado essa derrota pro Donskoy foi pior rs,mas ganhou os 2 masters americanos tomara repita o Federer rs,conseguiu falar nome do torneio alemao Alice dificil kkkkkkkkk,beijos rs

      Responder
      1. Alice

        Surpresas acontecem. O nome do torneio eu ainda estou treinando, toda hora eu erro uma letra (hehe)! Acho que o suíço vai precisar de um bom ritmo, tomará que ele consiga ir bem em Halle.

        Responder
      1. Alice

        Acho difícil ele ganhar, Sônia. Existem bons jogadores na disputa, fora que ele não jogou grandes coisas contra o Federer, quero dizer que tem gente jogando melhor na grama..

        Responder
    2. Luiz Fernando

      Gata nao se esqueca q esse Zverev foi aquele q tomou passada atras de passada do Rafa em Brisbane, era ate comico ver, ele e fraco, mas depois do aposentado Haas ter vencido hj na sua tournee de despedida tudo de fato pode acontecer…

      Responder
      1. Alice

        Recorde se que esse mesmo tenista bateu o número #1, Andy Murray no AO, naquele jogo de quatro sets que o escocês ficou perdidinho da Silva com o jogo da idade média (Hehe) do Mischa!

        Responder
  27. Eduardo Martins

    Renato, só acho um pouco de ingenuidade de alguns poucos torcedores do Federer querer creditar sua derrota em WB 2008 à mononucleose que ele teve em janeiro daquele ano. Se você não observou bem, o meu comentário final continha certo nível de sarcasmo representado pelo (rs) ao final. O que eu quis com essa ironia foi dizer que, se o Federer perdeu WB pro Nadal por conta da mononucleose mal curada, o espanhol fez dobradinha encima do suíço em RG e WB com bolhas nos dois pés. Só que não, nem uma coisa nem outra. Ambos estavam saudáveis tanto em Paris quanto em Londres. E não, não foi em 2008 que o Nadal perdeu para o Soderling em Paris, foi no ano seguinte. O problema é a questão da conveniência, querer ver somente aquilo que se quer ver. E sobre a derrota para o sueco em 2009, na minha opinião, eu não vi durante o jogo qualquer sinal de lesão no espanhol, mas ele desistiu de WB 2009 por algum motivo. Não sei até que ponto atletas de ponta conseguem jogar com algum tipo de lesão, mas é certo que muitos jogam mesmo estando lesionado, o Nadal já fez isso várias vezes, o Djokovic, o Federer, o Murray.

    Responder
    1. Sônia

      Venceu, venceu e pronto. Todo torneio deve ser respeitado (isso se houve teste antidoping). Connors está no topo da lista mas ninguém menciona os torneios “fubá” que ele venceu. Esse último Slam só teve babinha para o tenista bombado, os outros tops tudo abaixo em termos técnicos mas ninguém mencionou isso. Só quando falam DELE que tentam desprezar seus feitos. Falo e repito (repetirei quantas vezes puder), JAMAIS SERÃO, NUNCA SERÃO.

      Responder
      1. Rafael

        Sobre Connors e os torneios que disputou e “inflaram” seu número total, menciona sim. Talvez vc não tenha acompanhado quando se comentou a respeito aqui neste blog.

        Abs

        Responder
  28. Alice - Federer caiu na estreia!

    Eita, gente! Quem que apostou no Haas? Deve ter ganhado uma boa grana, já que o Federer era mega favorito! Antes de tudo, vamos descontrair. O cabelo do Federer curto, ficou legal, com aquela camiseta azul clara, ele me pareceu ter 28 anos (hehe). Agora sobre o jogo, achei bem desanimado, sem vibração nenhuma. O Haas tem uma cara de ‘arregado’, nem sei como ele conseguiu essa segunda vitória na grama sobre o suíço, ganhando tie-break e de virada! Sinceramente, o alemão não jogou tão bem assim, só nos mementos de fechar as oportunidades que o Federer teve, que diga se de passagem, foram muitas. Até um match-point ele teve.
    Agora, preciso falar sobre o jogo apresentado pelo suíço. Primeiro serviço, esteve pouco eficiente, apesar do número de aces, acho que foram uns 20. Suas devoluções não estavam nada afiadas, pelo contrário, na corrida, por exemplo, não conseguia bater a bola na subida. Também, praticamente nem foi a rede. Estava sem ritmo e sem garra alguma. Parecia mesmo que estava só treinando, tanto que durou só um treino (hehe). Digo mais, a bolinha tava correndo mais que o Haas e o Federer juntos! (HaHa), vocês entenderam!
    Tava tão pouco aguerrido o jogo, que eles pareciam “robôs” fazendo aces. Era tão “fácil” o suíço ganhar do Haas, que estava errando praticamente todas as bolas na corrida também. Fora que na rede ele não pareceu jogar tão bem. Basicamente, o alemão jogou na esquerda do Federer e o fez devolver muitas bolas sem angulação alguma, fazendo vez ou outra o suíço correr pra ter que pegar a bola na subida, o que Federer não estava conseguindo fazer, óbvio que o Haas contou com seu serviço e alguns pontos primorosos. O pior, foi o suíço cometendo duplas faltas em momentos importantes. Enfim, vacilou o Federer e agora ele vai ter que treinar + um pouquinho… rsrs!

    Responder
  29. André Barcellos

    Federer tomou um choque de realidade em sua volta ao circuito.
    Haas ganhou do suíço marretando e sacando muito bem.
    A falta de ritmo se mostrou evidente. Melhor perder agora que num 500 ou em Wimbledon…

    Responder
  30. Sônia

    Dalcim, que joguinho de comadres rsrsrs. Aaaah Lindinho rsrsrs, haja benevolência rsrsrs. Com esse desempenho, não passará da primeira rodada em WB, mas… e o kiko? Goooo Federer, sempre juntos! Beijos.

    Responder
  31. AKC

    Tava acompanhando o placar do Fedex x Haas, vi que no 2o set o suíço já tava com uma quebra na frente (4×2) e simplesmente desliguei. Agora fui ver e ele levou uma virada!

    Responder
    1. Márcio Souza

      E só espero que essa derrota de hoje não atrapalhe os planos de preparação para Wimbledon, pois esse torneio até pela chave relativamente tranquila, daria a ele o ritmo necessário para ir bem também em Halle e chegar tinindo em Wimbledon…agora caindo na estréia como foi hoje e também não conseguindo avançar muitos jogos em Halle, pode acontecer de chegar no GS com somente 2 ou 3 jogos jogados e sem o ritmo ideal.

      Tomara que essa derrota não atrapalhe em nada a programação e os planos do Craque, mas que essa derrota hoje na estréia não estava nos planos, ah isso não estava.

      Bola pra frente GOAT!

      O 19° caneco te espera.

      Responder
        1. Eduardo F.

          Luiz Fernando
          14 de junho de 2017 às 16:18

          Teve churrasco hj? Com vc não tenho como perguntar mais nada kkkkk!!!!!

          Rí MUITO! ALTAS GARGALHADAS! KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

          Responder
      1. Robson

        19° caneco? Kkkkkkkkkkk
        Para com essas piadas Márcio,o 18° caneco foi um acidente de percurso dos mais graves,me ajuda aí.
        Kkkkkkkkkk

        Responder
    2. Alice

      Acho que essa derrota não vai atrapalhar em nada. Servirá até de alerta! Só que ele precisa pegar algum ritmo em Halle, porque tava feia a coisa hoje..rsrs

      Responder
  32. Nando

    E o Rei parou na estréia em Stuttgart…não vi o jogo, só vi umas partes pelo placar UOL, parecia q ele ia atropelar mas perdeu…vai ter q dar um jeito de pegar ritmo de jogo nessa semana, sei lá, jogar contra o Ljubicic kkkkkk.

    Responder
  33. Mário Fagundes

    E não é que o amigo Hass surpreendeu Federer. rsrsrsrs. PQP! Nada comentei a respeito, mas estava receoso. Hass joga muito na grama (já tirou título de Federer em Halle, se não me engano), e estava com mais ritmo que o suíço. Federer precisa de quilometragem pra entrar em forma até Wimbledon.

    Responder
  34. Robson

    Sugiro as federetes que ao invés de se doerem tanto,de se preocuparem tanto com os números e feitos de Rafa Nadal,se preocuparem é com seu tenista mor,que acaba de rodar igual peão nas mãos de um senhor de 40 anos na relva de Stuttgart.

    Responder
    1. Rafael

      Rapaz, depois de trabalhar que nem um animal e só ter problemas hj, além de almoçar às 5 da tarde, estou desopilando o fígado!

      “Sr. de 40 anos”

      hahahahahahaha

      Responder
  35. Rodrigo S. Cruz

    KKkkkk

    Meu Deus isso é inacreditável.

    O Federer deu vexame e foi HUMILHADO pleo quarentão Tommy Haas.

    Tá vendo como foi uma puta burrice ficar tantos meses parado e pular toda temporada de saibro?

    Se não ganha do Haas no seu ano de despedida, vai ganhar de quem?

    Responder
      1. Fernando Pimentel

        O cara ganhou AO, Indian Wells e Miami (os mais importantes que disputou), e agora não vai ganhar mais de ninguém. Rodrigo, me poupe! Tenho minhas dúvidas se você é mesmo fã do Federer..

        Responder
  36. Fabio F

    Federer acaba de ser eliminado na primeira rodada em Stuttgart pelo tio Haas. Pelo visto, sua preparação para Wimbledon não foi lá tão eficaz.

    Responder
  37. Luiz Fernando

    Se não houve competitividade em RG, pelos atropelamentos do Rafa, parece q no challenger de Stuttgart isso não vai faltar. Federer acaba de perder o segundo set p a jovem promessa alemã Tommy Haas…

    Responder
    1. Robson

      Bom,em RG não iria de forma alguma acontecer o confronto Rafa x Roger pq jamais o Roger passaria das oitavas,mas em caso de zebras e numas quartas ou semi viesse a ter esse confronto,o placar seria 3 x 0 pra Rafa Nadal com parciais de 6 x 0,,,,6 x 0,,,,6 x 0.

      Responder
  38. Lunard

    Prezado Dalcim,

    Não sei se já foi dito aqui mas pra quem gosta de coincidências, e alimentar as intrigas de plantão, justamente nas outras vezes que Nadal venceu Roland Garros sem perder sets, também levantou o troféu em Wimbledon.

    Responder
  39. Mário Fagundes

    O contorcionismo de alguns aqui no blog a fim de querer impor seus preferidos é impressionante. É como fazer filme de lutador ainda em atividade. Tremenda bobagem! Tem gente comparando tênis com F1. rsrsrsrs. Fala sério! E haja pesquisa acerca de números ao longo da história. Os únicos números que interessam neste momento já foram trazidos pelo Dalcim, e estão no post. Há alguns anos havia mais profeta que comentarista no blog. Cansei de ler aqui que Federer e Nadal estavam acabados. E agora? Alguém aqui tem coragem de dizer que Djokovic acabou? Alguém duvida que ele ainda possa vencer mais slans que Nadal, por exemplo? Lembro que quando Federer ganhou o 18º caneco, nós federistas, passamos semanas comemorando. Revi os highlights umas 20 vezes. rsrsrs. Então, nadaletes, curtam o momento, sem forçar a barra. Comemorem o feito histórico do “touro”. Vamos deixar a história ser escrita pelos próprios protagonistas. Se para alguns o que importa são os números, então vamos deixar as carreiras de Federer, Nadal e Djokovic acabarem.

    Responder
    1. Marco Dias

      Essa da F1 foi uma das mais ridículas que eu já vi… mas vindo de quem veio, só poderia ser algo desse “nível”… hehehehehe

      Responder
  40. Eduardo Martins

    Rafael, isso que você tenta fazer ao querer comparar o número de posts da conquista do Federer no AO com a La Decima do Nadal em RG se chama infantilidade. Desculpe-me, mas quem está interessado em ter maior número de posts que o suíço teve depois de conquistar o 18º GS depois de 5 anos? O Nadal acaba de vencer La Decima em RG cara, e você vem aqui para cobrar mais números de posts? Sinto muito, mas como a Alice sempre diz por aqui, a maioria dos torcedores do Federer aqui não passa de pessoas muito convenientes, só vêem aquilo que eles querem vê.

    Responder
  41. Eduardo Martins

    Paulo, respondendo a um comentário seu no post anterior, minha opinião é essa mesma de que o Nadal devia ter sido bicampeão do AO em 2012 quando, se não estou enganado, liderava o 5º por 4 a 2, e sacando em 40 a 30 errou um voleio fácil que geralmente ele não erra. Ficaria a um game de fechar o jogo. Concordo que o espanhol estava quase morto de cansado, mas a recíproca é verdadeira que o Nadal também quase matou o sérvio de cansaço. É só observar ambos sentados na rede ao final do jogo enquanto providenciavam dois banquinhos para eles. Respeito a sua opinião, só que discordo parcialmente dela.

    Responder
  42. Carlos Lima

    Como disse no post anterior o maior de todos os tempos. Mesmo gostando do Federer tenho que reconhecer, o cara é um fenomeno. O jogo dele é o futuro do tenis, mais fisico, como hoje é o futebol, basquete, entre outros. O cara ganhou tudo. Acho que só o Djcko tem mais H2H contra ele.

    Responder
  43. Gabi

    Para a Alice em resposta a um comentário teu lá embaixo:

    Ué, aqui é um espaço onde emitimos opiniões. Delas podem vir críticas ou elogios (dentre outras motivações, é para ser lida que vc tb escreve, não?). Já te fiz tanto um como outro. Vai depender do quê e principalmente de como vc escreve, Alice!

    Responder
    1. Alice

      Depois da derrota do Federer hoje, eu não estou mais nem aí, resolvi extravasar! Só falta eu virar 171 que o Lógico tanto fala! KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

      Compreendi.

      Responder
  44. Rafael Medeiros

    Dado o pouco interesse que o post anterior sobre o décimo RG vencido despertou (não obstante os agora 400 e tantos comentários, a maioria mais sobre papo furado do que sobre ovações de novéis comentadores), pensei: certamente o tradicional (e sempre excelente) post sobre os números do campeão repercutirão como de estilo.

    Ledo engano. Menos ainda. Até agora nem 200.

    Alguns diriam por pura retórica furada: ah, mas isso é fruto da maturidade da torcida nadalesca. Pra cima de mim não, please. Falou em torcida, seja ela qual for, não se espera maturidade. E a do Nadal se equipara à do Federer em fanatismo e postura infantil – maturidade zero, portanto. Comprar essa ideia, só pra quem é leigo no acompanhamento do blog. E desse mal eu não padeço.

    Outra: ah, mas o último post do Slam de Federer teve aquela monstruosidade de acessos porque ele já não ganhava há muito tempo. Ahan. Como se Nadal estivesse capitalizando muito nos últimos anos. Conversa fiada, da braba.

    Os motivos são os seguintes: a uma, o desinteresse generalizado pelo saibro (viveu-se mesmo um Slam nas últimas duas semanas?); a duas, o único tenista que atualmente atinge mesmo quem não acompanha o circuito é Federer.

    Explicamos.

    O clima deste ano, inegavelmente, não foi de Slam. Aquela verve eletrizante, rodada após rodada, não apareceu. Basta comparar os ares vividos no AO com este RG. Possivelmente pela ausência e pela queda prematura de bons nomes. Só Murray chegou mais longe, e esse, apesar de envergar o número 01, não tem a menor aptidão pra ser um embaixador do esporte. No fim, começo a pensar que RG ficará como o Slam menos importante na cabeça dos jogadores, e por conseguinte, dos torcedores. Antes esse posto cabia ao AO, mas com uma guinada na promoção desse evento, que ganhou um ar descolado tão divertido, RG vai amargando essa condição. Sorte que está encravado na cidade luz, o que sempre será um charme.

    De outra parte, o fator Federer já foi tão decantado que não precisamos gastar linhas sobre. A sua postura extremamente simples, descolada e honesta perante as coisas do tênis (paradoxalmente o oposto de sua torcida, que o coloca como um Deus intocável), o carisma, seus números absolutos e seu jogo têm o afã de atrair não só quem acompanha com afinco ou ocasionalmente o esporte, mas trespassa isso tudo e arrebanha quem só conhece tênis pelo nome. Caras assim são pouquíssimos: Senna, Michael Jordan, Messi, Tiger Woods. Transcendem o esporte que praticam e penetram no tecido social como ninguém. Mais de mil comentários de gente que nunca vimos no blog confirmam isso. No tênis moderno só Federer consegue isso. Nadal, jamais. Sem chance.

    Abraços aos amigos.

    Responder
    1. Edson

      Cara, para de viajar maionese.
      Nao teve verve eletrizante alguma e o torneio so ficou melhorzinho justamente pela queda prematura de bons nomes, principalmente Djokovic – o Rei da Australia até entao – e Murray. Um perdeu na segunda rodada e outro nas quartas para um tenista mediocre e Berdych, Tsonga e Nishikori a mesma lástima de sempre, e Wawrinka chegando aos trancos e barrancos. A tal da “verve” que voce cita so aconteceu mesmo porque desde as oitavas de final cogitou-se a possibilidade de um FEDAL. “So” isso! Ah, e claro, a semi entre Nadal e Dimitrov.

      Responder
    2. Fabio F

      Não se preocupe mais com isso, Rafael. Com a eliminação na primeira rodada de Federer em Stuttgart, este post do Nadal vai superar os mil comentários… rs
      Acho divertido como vocês curtem essa coisa de torcida de futebol… há tanta coisa mais interessante no nosso esporte… mas, enfim…

      Responder
      1. Alice

        Concordo Fabio. Por exemplo, eu procuro ser educada, sensata, mas aqui o povo viaja tanto, zoa tanto, critica tanto e até ataca! Que acabo me inflenciando totalmente e olha que sou bem madura, mas já que é pra “brincar” vamos com tudo (hehe)! Parece que voltei a minha pre-adolescência de tantas baboseiras que eu escrevi as vezes. Hoje como voce poderá notar, eu me superei… rsrs

        Responder
        1. Fabio F

          kkkkkk
          Extravasar é bom, Alice! Só recomendo não perder jamais a verve e a elegância!
          Viva o tênis, ele é e sempre será maior que os atletas que o praticam, não importa quantos recordes eles quebrem!

          Responder
          1. Alice

            O tênis me notificou que esse jogo merece estar nos + de 2017, porque não é todo dia que um Senhor, diga se, jovem promessa (L.F) ganha de um e ex-número #1 do mundo, sendo este 302°. Até combinou com as semanas do suíço…rsrs! Infelizmente, Federer terá que carregar o “peso” de ter perdido a final mais velha da terceira idade (74) dos últimos​ 35 anos! Hehehe

          1. Alice

            Por isso que gosto de ti, Luis. Você me respeita, alguns acham um ‘asco’, uma falta de respeito eu torcer para alguém diferente, para o Rei do Saibro…rsrs! ^_^

  45. Fernando Brack

    Mais que o dono, Nadal é o deus inconteste do saibro. Ninguém jamais dominou um piso no tênis como ele e isso é um feito pra lá de gigantesco. É também um ícone da dedicação ao esporte e da determinação em vencer.
    Infelizmente, eu não vou nem com o jogo, nem com o jeito e trejeitos, nem com a carranca dele.

    Responder
    1. Sônia

      Também não consigo gostar desse ser, ainda mais depois que os hackers russos provaram o quanto esse ser é “esperto”. Total nojinho.

      Responder
  46. Alice

    Jelena Ostapenko / Mats Wilander – Declarações!
    A letã declarou que no início da carreira, aos 15 anos, não entendia o porquê do tênis também ser jogado na relva, acreditava ela, que só se jogava na grama, futebol. Logo a grama, que foi o primeiro piso em que se disputou um Grand Slam em 1877, no torneio mais tradicional do tênis, Wimbledon. Também declarou que vai tentar não sentir pressão pela conquista do título de maior expressão no circuito. Foi bem madura ao dizer que pra ela devia ser natural essa pressão que virá a sofrer por parte da mídia, já que escolheu ser tenista profissional!
    Enquanto Wilander, exagerou no entusiasmo Pós-Lá Décima de Nadal, dizendo que agora ele ultrapassou Sampras e se distanciou de Djokovic, estando novamente perto de Federer, logo depois de ficar três anos sem um título de Major, devido a isso e a forma como o espanhol vem jogando, diz ele, acreditar que o espanhol possa alcançar os 18 SL de Roger Federer, aí tudo bem! O exagero foi dizer que poderia já estar com 18 em maio do ano que vem! WTF? Ele não só acredita que Rafa é uns dos favoritos (segundo) em Wimbledon, como pensa que ele pode ganhar US Open e Austrália em sequência! É muito otimismo!

    Responder
  47. Nazgul

    É um monstro! Nadal é monstruoso. Jamais imaginei que, aos 31 anos, depois de tantas lesões e temporadas apagadas, ele pudesse jogar neste nível. O que me espanta é o quanto a bola dele esta andando, especialmente o backhand. Imagino o tempo de treinamento e dedicação que isso custa. Se pegarmos um VT de um jogo do Nadal de 2010 e compararmos com uma partida atual, chega a assustar o quanto a sua postura mudou: Hoje ele é muito mais agressivo, joga mais dentro da quadra; O forehand é outro (mais rasante, com menos topspin); o backhand deixou de ser um golpe defensivo, tornou-se preparador e definidor de ponto; O jogo de rede aumentou, Nadal vai com muito mais frequência a rede e continua extremamente eficiente nisso; o drop shot virou recurso para mudar a feição de um jogo, o espanhol ganhou incontáveis pontos assim nessa gira do saibro. Realmente impressiona a transformação.
    Dalcim, tenho algumas curiosidades e perguntas para lhe fazer, mas não vou deixar o texto ainda mais longo, então as farei num próximo post. Agora somente quero lhe parabenizar pela dedicação ao blog, o conhecimento que você tem de Tenis e, especialmente, o respeito com que você trata os seus leitores, são raríssimos os jornalistas (de um modo geral, não falo só de esportes) que possuem este cuidado. É a interação que tens com quem acompanha os seus textos o simbolo do sucesso. Não costumo escrever aqui, mas sou seu leitor assíduo há, pelo menos, 8 anos. Parabéns e obrigado.

    Responder
    1. Alice

      “Hoje ele é muito mais agressivo, joga mais dentro da quadra; O forehand é outro (mais rasante, com menos topspin); o backhand deixou de ser um golpe defensivo, tornou-se preparador e definidor de ponto; O jogo de rede aumentou, Nadal vai com muito mais frequência a rede e continua extremamente eficiente nisso.”

      Perfeito, você disse tudo nesse parágrafo! Sem contar o segundo serviço, que está mais eficiente. 🙂

      Responder
  48. Alison Cordeiro

    Façanhas absolutamente incríveis que dão a dimensão da era do tênis que vivemos… O “GOAT” para alguns, certamente insuperável nos numeros, mas que perde no H2H contra seus dois maiores rivais, o que faz persistir a discussão sobre quem é melhor… O Rei do saibro, que impõe uma supremacia na sua superfície predileta a tal ponto que concentra num único slam mais conquistas que outros excepcionais tenistas da história. O sérvio, que se agigantou de tamanha forma que conseguiu supercar os gigantes no confront direto. E Murray, que bem, diante desses três monstros, faz o que pode. Ser número 1 do mundo com os três em atividade (além dos belos títulos que alcançou) já basta para colocá-lo com destaque na história. Chega a vez da grama, onde Fedex é quem manda. Novos capítulos se descortinam para todos os amantes do tênis. Mas por ora, parabéns a Nadal, realmente espetacular onde é a sua praia e muito bom no restante do circuito.

    Responder
  49. Pieter

    Dalcim, considerando que Nadal é quase cinco anos mais novo que o Federer, está em grande forma novamente e muito motivado também, estive a pensar que o recorde do suíço de 18 Slams conquistados é perfeitamente possível, se não de ser batido pelo espanhol mas de ser igualado por ele.
    Provavelmente Federer irá se aposentar mais cedo e Nadal seguirá jogando mais algum tempo, se estiver saudável e em forma, além de ser um eterno favorito em RG. Qual a sua opinião?

    Responder
    1. Pieter

      Deixei de mencionar que Nadal também é bicampeão em Wimbledon (em cinco finais) e no US Open (em três finais), além de ter vencido uma vez o Australian Open (em quatro finais).
      Portanto, é fora de questão que, jogando bem e saudável, também terá de ser considerado um dos favoritos nesses torneios.

      Responder
  50. Alice - BORG vs NADAL

    Na minha listinha dos maiores tenistas da história, Nadal aparece na frente de Borg. Por que?
    Números dos dois até o final da temporada dos 26 anos!
    Números de anos (terminou) como número #1
    Borg = 2 / Nadal = 2
    Semanas como número #1
    Borg = 109 / Nadal = 102
    Temporadas no Top3
    Borg = 7 / Nadal = 7 (Sendo todas no Top2)
    Temporadas no Top10
    Borg = 8 / Nadal = 8
    Números de Grand Slam
    Borg = 11 / Nadal = 11
    Números de Títulos
    Borg = 64 / Nadal = 50
    Vale ser ressaltado aqui, que Borg tinha uma Davis, ao passo que Nadal possuía 4 Davis. Enquanto o sueco possuia 2 Finals, o espanhol possuía uma medalha de ouro olímpica! Não coloquei os masters!
    Números de Vitórias
    Borg = 608 / Nadal = 583
    Números de Vitórias sobre um Top10
    Borg = 63 / Nadal = 99
    Números de Vitórias em GS
    Borg = 141 / Nadal = 154
    Percebe se que os números dos dois ao fim da temporada de 26 anos, são muito parelhos, exceto o número maior de títulos de Borg e o número maior de vitórias sobre um Top 10 de Nadal. Só que pra fim de discussão, o sueco parou, tentou voltar, não deu certo e terminou a carreira com esses fabulosos números até os 26. Enquanto, Rafael Nadal continuou a somar no circuito, devido (acredito eu) a dois fatores, o primeiro, a padronização das quadras e o segundo seria o avanço da tecnologia de raquetes e recuperação física. Sendo assim, os números atuais de Nadal, desbanca com certa folga os números finais de Borg:
    Números de anos (terminou) como número #1
    Borg = 2 / Nadal = 3
    Semanas como número #1
    Borg = 109 / Nadal = 141
    Temporadas no Top3
    Borg = 7 / Nadal = 9
    Temporadas no Top10
    Borg = 8 / Nadal = 12
    Números de Grand Slam
    Borg = 11 / Nadal = 15
    Números de Títulos
    Borg = 64 / Nadal = 73
    Números de Vitórias
    Borg = 608 / Nadal = 849
    Números de Vitórias sobre um Top10
    Borg = 63 / Nadal = 149
    Números de Vitórias em GS
    Borg = 141 / Nadal = 216

    É isso gente, esses números mostram o porquê de eu colocar Rafael Nadal à frente de Bjorn Borg! Tem alguns fatos, mas já escrevi demais…rsrs!

    Beijos a todos e boa sorte aos torcedores do Federer nessa temporada de grama! [^_^]

    Responder
    1. Revisora

      Borg teria terminado a carreira com *609 vitórias*, ao passo que ele ganhou mais uma partida no ano de 1983, quando tentou voltar, mas não deu certo, pois após essa última vitória, foram 14 derrotas seguidas até 1993, ano em que ele finalmente “lacrou” sua carreira como tenista!

      Responder
    2. Ricardo B. de Carvalho

      Os numeros levantados, a meu ver, não servem de embasamento para comparação, a respeito de determinar a superioridade de um sobre o outro. A epoca do auge do sueco, o n. de torneios era infinitamente menor. O sueco não participava do torneio australiano, porque a época não tinha prestigio, como competição da Era Aberta. O torneio americano sim. Mas o que pesava mais , era Roland Garros e Wimbledon. Dai todas estas homenagens a um campeão brasileiro, prestigiada pelos figurões americanos. Nadal teve pela frente Federer, Djokovic e os saibristas argentinos, citando o exemplo de Guillermo Coria, e o canhoto que foi posteriormente pego pelo doping.
      Em Wimbledon, a dificuldade de responder o saque/voleio dos americanos com a esquerda de duas mãos foi um grande desafio, vencido pelo sueco. Nadal não enfrentou esta dificuldade. O tio Toni impos uma especie de carreira militar, iniciando como soldado raso e chegando as mais altas patentes. Não tenho a informação , mas creio que o sueco nem tecnico tinha. Nâo é facil comparar dois fenomenos do tenis. Eu opto pelo jogo frio do escandinavo.

      Responder
      1. Alice

        É uma análise diferente da minha, você está buscando critérios técnicos e circunstânciais. Eu comparei apenas números! Que mostram que neles, o espanhol superou o sueco!

        Responder
      2. Marcelo Calmon

        Perfeito Ricardo,

        Sem contar outros aspectos como o fato do sueco ter se “desinteressado” pelo tênis ainda jovem !!!
        Também o fator físico, que a meu ver é muito mais decisivo nos dias de hoje, superando muitas vezes os aspectos técnicos. E nisso o Rafa sobra.
        Como já disse antes aqui no blog, não sou torcedor fervoroso de nenhum tenista atual, mas o estilo do Nadal não me agrada em nada. Sei que é eficiente (é só olhar os números que o Dalcim listou), mas em termos de estilo o Federer dá de 1000. Parece que a raquete é uma extensão do braço dele. Joga sem esforço, vendo ele jogar parece que tudo é muito fácil, tal a naturalidade que ele executa os golpes. O Nadal ao contrário, parece sempre fazer um esforço enorme para jogar em alto nível.
        abs

        Responder
  51. Renato

    Dalcim, vc poderia explicar brevemente qual é a diferença de quique da bola na quadra dura, grama e saibro? E por que o spin não funciona muito na grama e sintética ?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Antes de qualquer coisa, existe grande variação até mesmo entre os próprios tipos de saibro e ainda mais de quadra dura, algumas muito lentas e outras mais velozes. Basicamente, o saibro segura mais a bola (o que uma quadra dura áspera também pode fazer) e deixa o quique mais alto, permitindo se golpear mais à linha da cintura. Algumas quadras duras fazem a bola quicar mais baixo (mas depende do material asfáltico utilizado) e a grama definitivamente faz a bola quicar muito mais baixo (ainda que a grama moderna esteja com a base bem mais dura e assim deixou a bola mais alta do que já foi).

      Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Na teoria, um jogador de saibro, porque o movimento do golpe na grama precisa ser o mais curto possível. Vale lembrar no entanto que a grama de hoje não é mais tão veloz quanto já foi, embora ainda tenha a característica de a bola quicar mais baixo do que o tradicional e ‘escorregar’ mais no piso.

      Responder
  52. Marquinhos

    A chave de Stuttgart realmente é fraca, mas temos bons nomes como Berdych, Dimitrov, Poullie, Kohlschreiber …… De qualquer forma será um treino de luxo para Roger. Não espero que ele atropele, corre até risco de ser surpreendido, apesar de ser quase impossível. Mas passando pelos dois torneios na Alemanha, ele estará pronto para levar o 19 no torneio que realmente importa, Wimbledon.

    Apesar da chave fraca, será um jogo interessante contra o veterano Tomy Haas. Dois dos tenistas que jogam mais bonito no circuito.

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      E agora parceiro ? Como pode o Craque perder na Grama pra alguém que se aposenta esse ano ? rsrsrs Zverev até’ fugiu de casa e foi jogar na Holanda. Falando sério , Tommy Hass e’um dos últimos Moicanos representante do Tênis arte. Grande amigo do Suíço dentro e fora de quadra ( vão acabar montando uma Banda rs ) . Vários break points para ambos os lados, Tie-Break de 9 X 7 , salvou Match -Point , enfim , o misto de jogador e roqueiro fez por merecer. E Roger já’ entra no 500 de Halle mais ligado e tentando o Octa.
      Pena que ATP 500 não passe para o Brasil. Queens e Halle prometem muito semana que vem . Abs!

      Responder
    2. Vitor M

      Realmente foi um treino de luxo. Tão luxuoso que nem jogará a segunda rodada. Eu, particularmente, não esperava que ele perdesse logo na estreia da temporada de mato. Acidentes acontecem. Tomara que ele chegue mais pronto em Halle, onde ele já triunfou várias vezes.

      Responder
  53. Mario Cesar Rodrigues

    Dalcim,o Rafa deve jogar WB mas sinceramente podem me chamar de pessimista.Mas se ele der sorte no sorteio pode chegar sonhar até com uma semi…mas eu não vejo que conseguirá,bem talvez também esteja errado quem sabe ele não morde mais uma abraços!

    Responder
  54. Luigi

    O que mais me impressiona é como um especialista em saibro conseguiu ganhar 2 slams na grama. É como se sampras tivesse ganhado 2 na terra, não tem nada a ver com o estilo. Isso por si só já é incrivel.
    Outra coisa que sempre me chamou atenção é o Nadal ter ganhado só um AO, acho que ele merecia mais um tirulo la.
    Quanto a Wimbledom acho que o Nadal vai se sair bem esse ano se acertar o segundo serviço, pois o backhand esta reto e angulado, algo que acredito vai fazer muita diferença na quadra rapida.

    Responder
    1. Alice

      “Quanto a Wimbledon, acho que o Nadal vai se sair bem esse ano se acertar o segundo serviço, pois o backhand esta reto e angulado, algo que acredito vai fazer muita diferença na quadra rapida.”

      É o que eu penso, Luigi. Mas, ainda acho que ele precisa manter uma boa porcentagem de acertos com o primeiro serviço e um bom sorteio também, ajudaria muito!

      Responder
    2. Renato

      Borg também era espacialista no saibro e ganhou 5 vezes em Wimbledon. Na grama rápida ainda, não a lentidão de hj.. Não da nem para comparar o feito do espanhol com o do sueco.

      Responder
      1. Luigi

        Dois monstros, totalmente fora da curva, não quero de modo algum desmerecer o Borg. Você lembra de mais algum especialista em saibro que fez o mesmo?

        Responder
  55. José Eduardo Pessanha

    Dalcim, o pai do Zverev já jogou aqui no Brasil? Eu lembro desse cara, mas não sei de onde. Lembrança bem antiga. Como ele foi um tenista de ranking baixo, infiro que eu o conheça de um desses torneios realizados em Itaparica nos anos 80. rs

    Responder
  56. Luis

    Dalcim o que vc acha do Guga as vezes esteve comentando no Sportv acha dificil jogar contra esse big 4 Meligeni na Espn tambem diz que o tenis ta muito rapido,So’ nao as quadras kkkkkk,o que acha quem venceria por exemplo Federer x Guga hoje ou Guga x Djokovic,Sampras x Nadal? rs,beijo Alice rs

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sem dúvida, o jogo está muito mais físico, tanto na resistência como na potência dos golpes. Se os jogadores estivessem em seus auges, seriam jogos equilibrados.

      Responder
    2. Alice

      Concordo com o Dalcim, seriam bem equilibrados. Já pensou se algum dia conseguem coloca-los uns contra os outros através de uma plataforma digital que capitalizou o melhor tênis jogado por eles, a maneira como devolvia uma bola em um break-point contra um sacador. Seria bem interessante!

      Beijos, Luis.

      Responder
  57. Renato

    Dalcim. Se por um lado não jogar Queens vai ser bom para descansar, por outro Nadal não chegará com uma boa adaptação a grama em Wimbledon, né? Ele mais do que Federer e Novak precisa de adaptação a grama. Se pegar tenistas agrassivos nos primeiros jogos nao deverá nem chegar as quartas.

    Responder
  58. Thiagogmm

    Opa Dalcin tudo bem? Penso que a não conquista do finals até o momento pelo Rafa seja uma lacuna que faz falta para ser preenchida em sua carreira. Será q ele pensa nesse torneio Dalcin? Na conversa entre os maiores da história, faz falta um torneio desses. Que achas? Abraço.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Tenho certeza que ele gostaria muito disso, tanto que já pleiteou uma disputa do Finals no saibro. Acho que é uma meta para ele.

      Responder
    2. Alice

      Acho que faz falta mesmo! Mas ele tem uma medalha olímpica de ouro em simples, compensa um pouco, pra mim é até maior, visto que é uma competição que acontece a quatro anos! Talvez ele faça do Finals como meta principal em algum ano, ainda tem chances de ganhar… rsrs!

      Responder
      1. Renato

        Então deveríamos ter um masters finals na grama também , né? Acho um finals quase tão expressivo que um slam e com certeza mais difícil. SÓ tem jogo contra top, não os pangares das primeira rodadas como aconteceu com o espanhol.

        Responder
    3. Ziggy Stardust

      Bom dia, caros colegas de blog.

      Bem lembrado pelo Dalcim, tendo O Lógico sempre martelado, com razão, o fato de as conquistas do gigante Nadal serem preponderantemente no saibro (aliás, por ser o maior da história nesse piso, certamente a maior parte de seus êxitos teria de se dar ali), imagino nosso esperto e experto comentarista tecendo impressões sobre a reivindicação de Rafa no sentido de que o Finals, ao menos um, seja disputado sobre pó de tijolo a fim de que, finalmente, tenha séria possibilidade de ganhar o mais seletivo dos torneios.

      E, sem dúvida, como dissera o ThiagoGMM, não ter um título desses é uma mácula que, pela contabilidade LÓGICA, deve assombrar o corajoso Miúra, detentor de praticamente tudo o que é importante no circuito, senão o mais peneirado certame, justamente esse.

      Responder
  59. Marquinhos

    Kevin Durant, pela sua lista dá pra perceber que seu negócio é basquete mesmo! kkkkkkkkkkkkkkk

    Depois do título, é justo Nadal no top-5 da história.

    Minha lista:

    1- Federer
    2- Laver
    3- Borg
    4- Sampras
    5- Nadal

    Federer continua nadando de braçadas no topo e sem ameaça de tomarem sua posição, pelo menos nessa geração.

    Pergunta: Quem foi que disse que o feito do espanhol foi o maior conseguido por um tenista até agora? Talvez esteja entre os 10 maiores feitos. Federer, por exemplo, tem três ou quatro maiores que o espanhol.

    Responder
    1. José Eduardo Pessanha

      Marquinhos, falando em Kevin Durant…sou da época do Magic Johnson (pra mim, o maior de todos e o que certamente fez a partida mais memorável de um atleta na história do basquete quando, com 20 anos, jogou nas 5 posições, naquela memorável partida final contra o Philadélphia). Olhando o basquete de hoje, o acho muito menos intenso e disputado do que na época de ouro. Exatamente o oposto do que acontece no tênis. Enfim, não acompanho muito a NBA atual, mas ela me passa essa impressão.
      Com relação ao Federer, o cara é o cara. Vai aposentar os três robôs e ainda vai continuar disputando final de Slam. rs

      Responder
    2. Alice

      Infelizmente a gente já discutiu. E continuo a pôr Nadal a frente de Borg na minha lista. Já Federer e Laver é mais acirrado, ainda coloco o australiano na frente, teve mais vitórias, mais títulos, se contar os GS profissionais, teria 19 Majors. O que entra em disputa pra discussões são os anos terminados como número #1 e o total de semanas com o melhor do mundo. No caso, não se tem uma lista com números exatos de Laver, já que ele jogou a era amadora/profissional e aberta do tênis. Fico só no achismo, acreditando que ele deve terminado no mínimo 5 anos como o suíço, no #1. Já semanas totais, deve ser bem próximo! Amanhã vou postar um comentário com números/fatos do porquê eu coloco o espanhol a frente do sueco na minha listinha! 😉

      Responder
      1. Sérgio Ribeiro

        Nem Laver concorda com as suas matemáticas, cara Alice rsrsrs. O jogo de base do Suíço e’ muito superior. O grande Saque -.Voleio do Excepcional canhoto teria sérios problemas com a padronização dos Pisos. Mas essa é’ uma outra história. Abs!

        Responder
  60. Renato

    Eduardo Martins, claro Nadal sempre está machucado, quando perde e quando ganha. Como machuca o espanho! Se não se machucasse tanto teria uns 50 slam. Pior que tem gente que acredita nele. Kkkk Mesmo depois de negar que recebe informações dos técnicos durante os jogos, sendo pego no flagra. Vc acha mesmo que ele estava com bolhas nos pés em 2008 e jogou machucado contra Soderling? O mentiroso mor do circuito? As palavras dele são tão importantes quanto às formiguinhas que matei na minha vida.

    Responder
    1. Mário Fagundes

      A “façanha” de criar historinhas bem que poderia ser exaltada também. Como bem disse alguém aqui e Alice copiou: “Cada um vê o que quer ver”.

      Responder
        1. Alice

          Também pensei na segunda, após ter ressaltado a primeira. Enfim, acredito que as duas podem ser válidas, porque tem gente que vê apenas o que quer, e outras são mais “sinceras”, como diz o Lógico, udimensional, só tem uma visão, a única que consegue ver a um palmo dos olhos…rsrs

          Responder
  61. Luiz Fernando

    A ausencia do Rafa em Queens será pouco sentida, afinal teremos duas pratas da casa jogando, Murray e o Jenson Button, este ultimo turbinado pela façanha de tirar 6 games do espanhol na final de domingo. O cara so precisa ter cuidado com as bolas do torneio, se forem menores ele pode engolir uma kkkkkkkkk!!!!!!!

    Responder
    1. Alice

      Luiz Fernando, o Murray simplesmente é Pentacampeão em Queen’s, que é uns dos torneios mais tradicionais, visto ser uns dos mais antigos e disputado pelo melhores tenistas de várias épocas. Melhoras! :/

      Responder
      1. Luiz Fernando

        Gata não entendi o q vc postou, por acaso desmereci Murray no comentário? Apenas citei q ele, que já venceu W e medalha de ouro em W, terá a companhia do ilustre Button, conhecido por aí como Jensanimal, no torneio, o q preencherá a lacuna da ausência do Rafa. Acho q vc é quem está precisando de melhoras kkk. Bj.

        Responder
  62. Luiz Fernando

    Outro detalhe q nao pode ficar sem menção e a equipe do Rafa, q e a mais vitoriosa de todos os tempos. A homenagem ao Toni Nadal no domingo espelhou isso e também foi algo especial, emocionante, ver o cara entrando com aquele replica nas maos e ve-lo ao lado do sobrinho no topo do pódio foi algo memorável, motivo de jubilo pra quem gosta de esporte e de sofrimento pros alienados de hj e de sempre. Me recordo agora das palavras do Moya em Janeiro, quando disse ter se unido ao staff de Nadal apenas depois de ouvir dele q seu objetivo era voltar ao topo. Esta ai, depois de 6 meses Nadal esta próximo de voltar ao numero um, venceu 3 decacampeonatos, sendo um GS e 2 masters 1000; substancial parte desse sucesso e dessa campanha maravilhosa eu atribuo ao Moya, q mudou a forma de Rafa jogar, transformando-o num jogador mais ofensivo, a despeito de ainda receber o serviço muito atras. Me pergunto se verei alguém levantar um outro decacampeonato no tênis? Quem esta mais perto e Federer, no majestoso torneio de Halle, ate o ano passado um mero e medíocre ATP250, mas cada um tem o deca q merece kkk!!! Nada mal pra um mero baloeiro espanhol, q alias estava acabado, nas palavras sensatas de uma das sumidades do blog kkk!!!

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Até que para um fã que já viu o Frango Miúra ser 3 vezes ASSADO pelo Federer em 2017, você anda um pouco falastrão demais…

      Kkkkkk

      Mas Wimbledon e Us Open vêm aí.

      E com eles, mais duas entubadas para conta.

      (rs).

      Responder
    2. Sérgio Ribeiro

      Na boa, procure se informar melhor. A não ser que o Dalcim me desminta, Stuttgart perdeu o estatus de ATP 500. Queens e Halle, continuam. Se existisse MASTER 1000 na Grama, o Craque e Pistol Pete, seriam sempre o N 1. O Segundo, conseguiu a proeza de Terminar 6 Consecutivas mesmo vencendo apenas UM no Barro. Abs!

      Responder
      1. Luiz Fernando

        E vc procure ler melhor kkk! Onde vc leu que eu postei q Stuttgartt é ATP 500? Talvez uma consulta a um bom oftalmologista o ajude. Abs.

        Responder
    3. Gildokson

      Federer deve se contentar com um octa no maior torneio de tênis que existe, seria uma honra poder dizer que é o maior vencedor de Wimbledon, talvez até mais que ser Deca em qualquer outro lugar. É de se pensar hein…

      Responder
  63. Luiz Fernando

    Rafa esta ajuizado na parte final da carreira, mas antes tarde do q nunca. Esses torneios medíocres da grama pre-W nada valem p um cara do seu nível, q estará na grama sagrada sem nenhum tipo de pressão. Não custa lembrar q la ele e bicampeão, e em cima do Federer, contrapartida q o suíço nem em sonho conseguiu, pois se não fosse Soderling estaria ate hj com pesadelos de RG. Quando o Dalcim postou “mais um suíço no caminho de Nadal” pensei: vou postar de novo “como os caras tao sofrendo kkkkkkk”, não deu outra kkkk.

    Responder
      1. Luiz Fernando

        Me desculpe se não fui claro, existem pessoas que tem dificuldade ou má vontade de entender o q se posta. Creio q Federer jamais venceu Rafa em RG, enquanto o cara venceu o suíço em W. Apenas isso.

        Responder
  64. Miguel BsB

    Para mim é simples e claro: Rafael Nadal é simplesmente o SEGUNDO maior tenista da história, atrás somente de seu contemporâneo e grande rival Roger Federer, o MAIOR tenista da história!
    No saibro, ele não é o rei, rei do saibro foi Borg, Villas o príncipe. Nadal é o Imperador do saibro, um conquistador mais impiedoso e ambicioso que seus históricos compatriotas Francisco Pizarro e Hernan Cortes…
    Ele é o tenista mais dominante num piso que já existiu, enfrentá-lo no saibro é o maior desafio que um oponente pode encontrar na carreira. Os (poucos) que obtiveram a façanha de derrotá-lo na terra batida, podem se vangloriar de ter derrubado um gigante…os feitos de Nadal são absolutamente superlativos, e assim devem ser mensurados e contados para as futuras gerações …

    Responder
    1. João ando

      Se nos vemos a história do futebol a partir do Romário so existe ele….no caso do tenis não existiu laver rosewall connors Sampras edberg becker…no caso do futebol nao existiu pele eusebio maradona …

      Responder
      1. Miguel BsB

        O único que pode entrar na discussão do segundo lugar é Laver. O problema é que essa bagunça que era antes da era aberta embaralha um pouco seus feitos…não o vi jogar, como a maioria dos participantes aqui, vou pelos relatos e pelas realizações. Tb não vi Borg, mas Nadal ganhou mais e conseguiu suplanta-lo, um feito qs inimaginável 15 anos atrás, como o maior saibrista da história…
        Sampras, na minha opinião, já foi ultrapassado tanto na quantidade de títulos importantes, medalhas de ouro olímpicas e, principalmente, por não ter fechado o Grand Slam, faltando RG, que não favorecia seu jg agressivo e eficientíssimo, mas unidimensional, de saque e voleio…
        Mas, de qualquer maneira, essas listas são sempre polêmicas e dão muito pano pra discussão…

        Responder
  65. Rodolfo

    Dalcim uma pergunta
    Na era profissional para ser campeao dos grand slam sempre foram 7 jogos
    E antes como era ?
    E vc tem lembrança de alguma final aonde o vice campeão foi muito prejudicado pela arbitragem ?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      As chaves de 128 jogadores começaram lá na década de 30, portanto há muito tempo são sete jogos, com exceção à Austrália, que teve 68 até quase o final dos anos 70. Não, não me lembro de nenhum caso em final de Grand Slam. Mas houve um momento crucial nas quartas de final femininas do US Open de 2004, quando Serena foi claramente prejudicada por um erro da arbitragem contra Jennifer Capriati e isso contribuiu decisivamente para se desenvolver a tecnologia do Hawk-Eye atual.

      Responder
    2. AKC

      Lembro que na final do Guga contra o Norman (ou seria contra o Ferreiro?) houve uma bola muito duvidosa contra o catarinense em um momento eletrizante do jogo, poderia ter facilmente tirado o Guga da partida, mas no fim deu tudo certo…

      Responder
    1. Paulo F.

      Até onde eu sei, quem faz essa tática de entrar direto em Wimbledon é Novak Djokovic.
      Roger Federer, que eu saiba, sempre atuou em torneios preparatórios para Wimbledon.

      Responder
      1. Alice

        Paulo, o Mário tem razão. O suíço já fez isso antes do sérvio, como outros já fizeram antes do Federer…rsrs!
        Porém, Novak fez isso com mais frequência nos últimos anos…

        Responder
  66. Jmsa

    Boa noite dalcim.gostaria de fazer uma pergunta .nas décadas de 80 e 90 o circuito masculino também tinha seu big 4 ou era mais diversificado e se tinha quem eram ? Grande abraço sou fã do seu trabalho .

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Nunca se usou ‘Big 4’ ou algo do gênero, mas houve a época de Borg-McEnroe-Connors, no final dos anos 70. Nas outras fases, geralmente tínhamos um dueto, como Lendl-McEnroe, Becker-Edberg, Sampras-Agassi.

      Responder
  67. jeremias

    A “brincadeira” do Lógico não deixa de carregar uma provocação válida. Faria muito bem à contabilidade do Nadal se ele amealhasse pelo menos mais um ou dois títulos somando AO, Wimb e USO. Senão, essa autêntica “colonização” no saibro pairará meio que como um paradoxo na sua carreira: ao mesmo tempo que é sua marca e seu ponto forte, será também um interrogação e o seu ponto, digamos, “fraco”.

    Responder
    1. Kevin Durant

      Interessante… Será que faria bem a Novak também?? Já que se tirar os 8 no piso duro sobram meros 4 Slams nas outras superfícies… E 4 é menos que 5.

      Responder
      1. jeremias

        Essa resposta é um sofisma; e muito bobinho por sinal. São oito títulos divididos em DOIS Slams DIFERENTES. Eu não disse SUPERFÍCIE, eu disse SLAM. São coisas bem diversas. Você está tirando os títulos do ND em DOIS Slams e dizendo que sobram 4; com Nadal sobram 5 tirando os títulos dele de apenas UM Slam, o que aponta para uma concentração bastante assimétrica.

        Responder
        1. AKC

          Acho que isso seria um problema se ele tivesse vencido só nesta superfície. Mas ele tem títulos de peso em todos os Slams, é bi em WB e USO que, por si só, merecem imenso respeito. Acho que essa lógica vale bem mais contra o Sampras, por ex.

          Responder
    2. Luiz Fernando

      Meu caro, Nadal não tem nada a provar a ninguém, ele tem conquistas que NINGUEM NO CIRCUITO TEM, quem tem a provar e que não conquistou o q ele conquistou.

      Responder
    3. Alice

      Depende do ponto de vista que se avalia. Pois se for só o resultado de Majors, por exemplo, Nadal tem o pior aproveitando (títulos) na Austrália com 12,5%. Enquanto, Djokovic tem o menor aproveitando em títulos em Paris, com 8%. Já Federer tem um aproveitamento pior ainda em Roland Garros, de apenas 6%! Se pegar a moeda inversa, de domínio. Nole tem 32% no AO, Federer tem 39% em Wimbledon e Rafa tem absurdos, 77% em Paris. A conclusão disso, é que Rafa não só dominou um GS, que no caso foi Paris, não deixando nem um adversário até o presente momento, possuir mais de duas taças, como conseguiu um “ponto” fraco nos outros SL menor do que seus principais adversários, sem contar, como foi ressaltado, que nenhum conseguiu alcançar um dominio próximo do o espanhol fez em um único Major! Só pra não discutimos os pisos, no geral, Rafa tem melhor aproveitamento.

      Djokocic – 12/50 = 24%
      Federer – 18/69 = 26%
      Nadal – 15/48 = 31%

      🙂

      Responder
  68. Luis

    Dalcim uma curiosidade os trofeus dos Slams sao os mesmo de anos atras esse do Nadal parecia com do Guga rs,Wimbledon,US open e Australia parecem iguais ou sao melhorados ? Beijos Alice amo vc kkkkk

    Responder
      1. Fabio F

        kkkkk
        O “xaveco” tá intenso… rs… os posts do Lusinho são uma mera desculpa para cortejar a Alicezinha… kkk
        “Love is all you need”

        Responder
  69. Rodrigo S. Cruz

    Dalcim,

    Minha reposta a seguir é apenas porque fui citado pelo participante em questão.

    Realmente eu nunca enganei você, Robson.

    Nisto estamos de pleno acordo.

    Sempre deixei claro que o teu posto de “bobo da corte” do blog é honorífico e vitalício.

    Por que não vai carpir uns terrenos lá no teu sítio?

    Aproveita e leva o LF como ajudante.

    Abs.

    Responder
  70. Beto Souza

    Excelente texto Dalcim!
    Mestre Nadal acabou de decidir abandonar o torneio de Queens por questões de descanso . Eu acho que ele fez o certo,apesar dele precisar de uma preparação​ para a grama. Você acha que ele tomou a decisão certa?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que fez o certo, sim, Beto. Terá mais tempo para descansar. A grama exige muito do joelho e do punho, dois elementos sempre preocupantes para o Rafa.

      Responder
  71. O LÓGICO

    O QUE DIZER, NADALices e Nadalzetes, de um tenista que após mais de 10 anos no circuito kkkkkkk:

    1) ganhou apenas 8 masters fora da Laje kkkkkk;
    2) ganhou apenas 5 slams fora da laje kkkkk;
    3) ganhou apenas 18 títulos fora da laje kkkkkk;
    4) nunca conseguiu manter a condição de N1 no ano seguinte, após ter conseguido o posto no ano anterior kkkkkk;
    5) nunca conseguiu manter título conquistado fora da Laje, conquistado no ano anterior kkkkkk;
    6) nunca venceu o atp finals (só pra fodões kkkkk).
    Além disso:
    7) recordista de pneus entre os grandes da história kkkkkk;
    8) recordista como tenista entre os grandes a passar mais tempo sem ganhar título em nenhum piso fora do seu piso predileto kkkkk (três anos, e contando kkkkk)
    9) recordistas em semana como número 2 (160 kkkk) subjugado ao mesmo tenista (Roger Federer kkkkk) , e vai aumentar kkkk;
    10) único tenista da história a perder 7 finais seguidas para um mesmo tenista kkkkkk.

    Tem mais a falar? Só lembrei destes kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Responder
    1. Alice

      A gente percebe, Lógico. Num post sobre as façanhas de Rafael Nadal, único DECACAMPEÃO, a coerência. Isso mesmo, passa o recibo…KKKKK

      Responder
    2. Ziggy Stardust

      “Os princípios mais importantes podem e devem ser inflexíveis” – Abraham Lincoln.
      Entendendo por princípio uma “proposição LÓGICA fundamental sobre a qual se apoia o raciocínio”, nosso primoroso missivista, ao reunir uma memorabilia impactante, exerce o direito de informar e não se dobrar. Austero homem das divertidas letras que é.
      O Lógico engrandece este blog ao ventanear mordazes comments. Daí, alguns metamorfoseiam-se em Quijanos – sobre seu Rocinante, tendo por Dulcineia outro big 3 e às vezes assessorados por um Sancho Pança – e empreendem rocambolesca redarguição.
      E tudo isso é muito divertido, não é???
      Não há ataques pessoais, ofensas individualmente dirigidas, ódios viscerais. Apenas provocações e inteligentes sacadas.
      Amigos, como alguém disse aqui, ele é patrimônio do blog.

      Responder
      1. Rafael Cosme

        Filho, vives em que século? Escreves para quem, para si ou para os outros? Preocupe-se mais com o conteúdo é menos com a forma! Do contrário, roguemos ao dono deste espaço por um bom tradutor. Que piadista! Kkkkkkkkkk…

        Responder
    3. Márcio

      Essa do maior tempo consecutivo como número 2 do mundo é complicada, mas não deixa dúvidas nem espaço para discussões.
      De qualquer forma, Nadal é um dos maiores tenistas de todos os tempos.
      Curtamos o circuito.

      Responder
    4. João R.

      ”3) ganhou apenas 18 títulos fora da laje kkkkkk.” Errado!

      Na verdade Nadal possui 20 títulos em outras superfícies que não o saibro.

      ”8) recordista como tenista entre os grandes a passar mais tempo sem ganhar título em nenhum piso fora do seu piso predileto kkkkk (três anos, e contando kkkkk).” Errado!

      Em 2015, há dois anos, Nadal venceu Stuttgard jogando na grama.

      “O LÓGICO” que não se atém aos fatos.

      Responder
      1. Romário

        Mas o que muda no sentido profundo da discussão com teus adendos João R? Nesse ponto, os números mostram um outro lado da moeda para o Nadal.

        Responder
        1. João R.

          Meus adendos não alteram a discussão, meu objetivo foi mostrar que “O LÓGICO” em sua sanha de diminuir os feitos do espanhol, volta e meia comete algumas gafes. A discussão é valida, concordo com alguns pontos, chamo atenção para os de número 4 e 5 elencados por “O LÓGICO”. Pontos negativos, feitos não alcançados, até Roger Federer tem em sua carreira.

          Responder
  72. Alice

    Não acredito! Nadal anunciou a desistência de Queen’s, logo o único torneio de preparação pra Wimbledon, que jogaria. Vai descansar e voltar só no Major. Só que a última vez que ele fez isso, em 2013, ele foi eliminado na primeira rodada…Sei de nada agora, mas já deu certo para Djokovic, não custa acreditar…rsrs! :/

    Responder
  73. Alice

    Que recepção maravilhosa que a Ostapenko recebeu em seu país! As crianças querendo autógrafos, já está mudando o futuro. E parece tão feliz que arrisco dizer que não sentirá pressão alguma por ter conquistado RG! Acho que vai em busca dos outros agora, foi o que ela disse. Quem sabe não baixa uma ‘Monica Seles’ nela…rsrs

    Responder
    1. José Eduardo Pessanha

      É bom você lembrar da Monica Seles, Alice. Quase ninguém fala dela. Serena, por exemplo, com todo o respeito, na minha modestíssima opinião, não joga metade do que a Seles jogou. Lembro novamente: Seles conquistou o oitavo Slam com 19 anos e 1 mês de idade. “Monstra” demais. À época do acidente, ela já tinha colocado a Graf no bolso. Desde a ascensão de Seles até o atentado sofrido, a sérvia ganhou 8 Slams contra 2 da Graf. Steffi Graf conquistou 11 Slams após o acidente de Seles. Quantos mais Seles teria ganho se a ordem natural das coisas tivesse acontecido? 15, 20 ou 25? O céu seria o limite e a consagraria como a maior e melhor tenista de todos os tempos. Infelizmente o destino não quis assim. 🙁

      Responder
      1. Alice

        Muito desagradável, angustiante o que aconteceu. Ela realmente foi uma jovem “monstra”, muita coisa em pouquíssimo tempo, bateu de frente com Graff, como disse, pôs no bolso mesmo! Eu acredito que ela teria uns 20 GS e mais de 250 semanas como número #1. Não acredito que seria considerada a maior da história, ela tem um história de sucesso muito parecida com a de Borg. Enfim, são apenas minhas opiniões e impressões. O mais fantástico foi que ela conseguiu se superar depois do atentado, pois conseguiu ganhar mais um Major! Mas, definitivamente aquele atentado foi uma mancha no tênis, no esporte e naquilo que Seles poderia ter alcançado. Uma pena, entretanto seu nome estará guardadinho na história! 🙂

        Responder
      2. Sérgio Ribeiro

        Só pode estar brincando Pessanha. Seles voltou ao circuito e ganhou e perdeu SLAM para Steffi.. A alemã se aposentou após o surgimento de Serena em 1999. Seles ainda jogou por mais 4 anos. Ninguém tem culpa das suas graves lesões nos PÉS. ABS!

        Responder
  74. Maurício Gomes

    Dalcin Laver teve sua carreira prejudicada com o profissionalismo e Borg não ia ao AO e se aposentou muito cedo, quantos Spans você acha que ambos poderiam chegar se tivessem a carreira plena. Sei que entramos no achismo, mas gostaria de ouvir sua opinião a respeito.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Laver teria provavelmente vencido uns 10 antes da Era Profissional porque era muito dominante no seu período amador. Vamos sempre lembrar que, no período amador, os melhores tenistas não disputavam os Slam. Borg talvez três, porque seu período era bem concorrido.

      Responder
  75. Márcio Souza

    Realmente são números fantásticos e alguns impressionam sem dúvidas.

    Zoeiras e brincadeiras a parte, Nadal é de fato um dos maiores tenistas da história, podemos discutir a exaustão em qual posição dos 10 melhores ele ficaria (pra alguns no top 5 e pra outros dentro do Top 10) mas não podemos negar que estamos diante de um MONSTRO SAGRADO do esporte.

    De fato o Big Four tem esse peso todo em que as conquistas estão distribuídas entre os seus membros, mas inegavelmente NADAL dominou e monopolizou de forma CONCRETA os torneios no saibro e nos outros pisos também obteve ENORME sucesso, tendo sido 2 vezes campeão do Slam na grama e mais 3 Slam em quadra dura e sintética, o que mostra que ele conseguiu derrotar seus principais adversários fora do barro também.

    Portanto tentar dizer que ele joga bem só no saibro chega a beirar o ridículo, ele pode não ter sido tão dominante em outros pisos, mas inegavelmente no saibro da pra contar nos dedos quem conseguiu vence lo e chega a ser irrisória quando partimos pra esse tipo de análise.

    Uma coisa é certa, assim como Federer, quando Nadal parar, o circuito sentirá muita falta, daquele que tenha sido talvez o pior tenista pra se enfrentar seja ele em qual quadra for, pois o seu mental é absurdamente superior a todos que vi jogar até hoje, e a coisa complica mais ainda quando ele consegue fazer voltar as bolinhas que os adversários juravam que não tinha como alguém defender e o espanhol de alguma forma faz ele voltar, ai quebra a concentração de qualquer um mesmo.

    Sem problemas físicos, o espanhol sempre foi carne de pescoço e ganhar dele, sempre foi uma tarefa difícil…até por isso que a maioria das suas derrotas são comemoradas pelos seus adversários, porque quanto mais ele vai avançando nos torneios, mais fica difícil de bate lo.

    Ainda bem que a temporada de saibro acabou e o GOAT vai entrar em ação novamente, e de fato eu torço para que o Federer e o Nadal se enfrentem mais uma 5 vezes esse ano ainda, pro Craque diminuir esse H2H que ainda esta negativo em 9 derrotas a mais, e fechar o ano com uma quantidade menor nesse confronto para o ano que vem, ele superar de vez esse H2H que ja foi de 13 derrotas.

    Em relação ao sérvio, a diferença é de somente 1 derrota e em 2 jogos o Federer ja vira novamente e ai as coisas voltam ao seu normal.

    Vamos nos ajeitar melhor no sofa e nas poltronas daqui pra frente, que a partir de agora tem o GOAT em quadra e isso é sinonimo de ótimos jogos e vitórias com certeza.

    Valeu galera!

    Responder
  76. Eduardo Martins

    Rafael, respondendo um comentário seu no post anterior, eu respeito sua opinião, mas discordo totalmente dela. Não acredito q um post com 463 comentários seja algo rarefeito. Concordo com a Suely quando disse que é lamentável não aceitar a vitória de outro tenista que não seja o seu preferido. Acho que o 23 a 14, ou 9 a 3 em GS ainda assombram e muito, mas muito mesmo a cabeça de muitos torcedores do Federer. Muitas pessoas, inclusive da torcida adversária vieram dar o parabéns ao Nadal. Minha sugestão seria você fazer o mesmo, mas aí já é pedir demais né.

    Responder
  77. Rubens Leme

    Muita gente coloca Nadal fora dos favoritos em Wimbledon, mas se esquecem que possui 2 títulos em 5 finais, só atrás de Federer (7 em 10) e Djokovic (3 em 4) e, pelo que vem jogando, acho loucura não colocá-lo na lista.

    Particularmente, adoraria muito outro Fedal, na final. Na grama, só é superado por Federer (15 títulos em 21 finais) e Murray (8 títulos em 9 finais). O espanhol soma 4 títulos em 7 finais na grama, mais do que Djokovic, (3 títulos em 6 finais).

    Me refiro, claro, aos atuais jogadores.

    Responder
  78. Rafael Arouca

    Dalcim, uma pergunta curiosa: A maioria suprema dos torneios entregam ao vice campeão, uma salva de prata, muito parecida
    com uma bandeja. Raros torneios entregam ao vice algo diferente de um objeto desse. Porque esse hábito de entregar uma salva
    de prata? Procurei mas não consegui achar a resposta disso.
    Abraço

    Responder
    1. Rubens Leme

      Aqui tem uma explicação interessante. Parece que até consta na Bíblia: Já a salva de prata é uma espécie de bandeja feita com o metal, rica em detalhes e que consta na passagem bíblica “como maçãs de ouro em salvas de prata, assim é a palavra dita a seu tempo”, Provérbios 25:11

      https://www.significados.com.br/salva/

      Responder
  79. Luiz Fernando

    Para determinado segmento RG foi de fato um fracasso, pois apenas consagrou o maior feito de um tenista masculino na historia desse esporte. Isso machuca esses recalcados, e como… Alem disso, a homenagem feita ao Rafa justamente na terra natal daquela ex-ministra imbecil demonstrou que de fato nada se sabe naquele pais q desabone o cara, muito pelo contrario, o respeito por ele e imenso. Também foi um fracasso do ponto de vista de competitividade, pois de fato isso não existiu, pois Nadal atropelou a todos da primeira a ultima rodada, nivelando por baixo o magistral Basilashivilli ao não menos magistral Jenson Button, todos triturados em 2 horinhas. Por fim, o numero de ingressos vendidos não deixou nada a desejar aos dos anos anteriores, desmistificando mais uma ilusão de determinados blogueiros, que o mundo acabaria com a ausência do seu ídolo. Por tudo isso não ha como dizer outra coisa de RG 2017: que torneio chato… para os sofredores de sempre kkkkk!

    Responder
  80. Juscelino Júnior

    Excelente Dalcim!!
    Professor, uma façanha conquistada somente pelo Nadal e que poucas pessoas lembram (você se lembrou… hehe) é a de conquistar ao menos um Slam por ano no decorrer de 10 anos (2005-2014). Essa nem o Gênio Federer conseguiu. E, acho que levará um bom tempo pra outro tenista conseguir…
    Abs

    Responder
  81. Luis

    Dalcim apostaria em Federer em Wimbledon e Djokovic tem a chance da volta por cima no US open o que acha? ( defende o vice mas o servio e’ um dos maiores da quadra duro talvez junto com Federer) nao vi muito Sampras final da carreira deve ter sido um dos maiores no US open rs,beijo Alice e as criticas sao injustas rs

    Responder
    1. Alice

      Deixa Luis. As críticas são interessantes, apesar que muitas vem com ataque pessoal, o que não é legal. Mas a males que vêm para o bem, não? Assim já fico sabendo como alguns reagem… 😉

      Responder
  82. Robson

    “Sério que vc descarta um tenista com a capacidade técnica do Djokovic? Se ele resolver jogar o que sabe,acho que pode ganhar de qualquer um e em qualquer piso”.
    Palavras do nobre Dalcim em resposta a um participante aqui do blog no último post, perfeito.
    Inclusive as conquistas de Federer no AO e agora de Nadal em RG sirva de inspiração e consequente motivação pra Novak Djokovic daqui pra frente.

    Responder
    1. Paulo F.

      O Dalcim dirigiu a mim a postagem, grande Robson.
      E eu mantenho minha opinião – é o ano sabático de Nole e RG foi minha última esperança de que não o fosse.
      Como tu, também espero a remotivação deste monstro sagrado do tênis – que muitas federetes prepotentes insistem em dizer que é um jogador comum.

      Responder
      1. Robson

        Paulo F,
        Sim,eu vi que tinha sido a vc essa resposta do Dalcim.
        Eu realmente por pior que esteja a fase de Novak, não consigo deixar de coloca-lo sempre como favorito ou entre os favoritos em qualquer torneio que ele venha a disputar.
        Relação a federetes,o que elas comentam,eu não faço a menor questão de ler.
        Entro aqui no blog todos os dias desde 2011, comecei a interagir no final de 2012,portanto sei exatamente cada nome,apelido e afins que navegam por essas bandas, aí leio os posts do Dalcim,em seguida vou pros comentários,mas sempre observando o nome,ou apelido primeiro pra ver se vale a pena ler o comentário, aí obviamente pulo os desinteressantes.
        ABS…

        Responder
  83. Mário Fagundes

    Há muito para exaltar nos grandes feitos de Nadal, claro. Porém, noutro dia aquI alguém lembrou o blog da Sheiloka, e isso me lembrar e recomendar a leitura de um dos posts mais bacanas que ela escreveu: “COISAS QUE DURARAM MENOS DE 300 SEMANAS”, de 12/10/2012. O post faz uma comparação entre o tempo que se levou determinados fatos (do mundo e da vida dela) e o tempo de Federer como número 1 do mundo. Vejam: http://sheilokafaladetenis.zip.net/arch2012-10-07_2012-10-13.html

    Responder
  84. Alice - Rafa na Grama!

    Sinceramente, acho que o espanhol pode fazer boas campanhas, digo no mínimo duas quartas, quem sabe uma semi, se tudo ocorrer bem, uma final (hehe)! Mesmo não sendo uns dos três favoritos (Federer, Murray e Djokovic), ele estará bem cotado na minha opinião. Porque ele vem mostrando que “adaptou” mais seu jogo, melhorou seu segundo serviço, ganhando pontos com mais variação e consistência. Nunca vi ele errar tantos primeiros serviços em quadra e da conta de se virar com o segundo ao mesmo tempo, muito consistente. Ele está mais ofensivo, jogando pontos mais curtos, movimento muito mais seus adversários com sua cruzadas, continua bem na rede e quando encaixa o primeiro saque. Apesar de eu achar que ele tem que melhorar o índice de acerto! Sem contar que em muitos jogos, ele está jogando mais perto da linha de base, disparando assim bolas mais retas, o que lhe deu um poder de ataque maior. Seu fohrand está afiado, blackhand está tão bom quanto, vide os Winners. A tática de jogar pontos mais curtos, aliada a um jogo mais ofensivo com bolas retas, lhe dará boas credenciais na temporada de relva! Finalizando, acredito que o números de erros que ele cometerá, deve fazer a diferença em um eventual título de Wimbledon… Roger que se cuide… KKKKKKK! Ou bate mais ou vai apanhar…

    #VamosRafa

    Responder
          1. Alice

            Exatamente, Joncio. Mais um erro ortográfico​ da palavra, que seria forehand. Esse, acho que errei mesmo. Devia ter escrito esquerda e direita, assim ficava mais fácil. Desde já, agradeço! Se tiver mais alguma coisa, pode falar. 😉

      1. Alice

        Problema é dele, Romário. Como não dá pra liderar todas as semanas, é bom possuir algumas no Top2! Não vejo nada de ruim nisso! E Rafa continuará somando + semanas entre os dois melhores do mundo, vide que é o atual #2 do planeta…

        Responder
  85. Alice - Número #1

    Então, depois de ler um fato e fazer uns cálculos. Já estou concluindo que Rafa ou Roger, terminaram a temporada como o melhor tenista do mundo na atualidade (hehe)!
    Isso, porque Murray e Djokovic estão brigando pela sexta posição (haha), briga acirradissima, acho que de apenas 45 pontos. Acrescente o fato que os dois têm menos de 2 mil pontos somados até o momento ao fato que desde 2004, o líder ou vice-lider do ranking do ano no mês de junho, terminou o ano na ponta! É de se pensar que as chances de Federer terminar pela sexta vez como #1 e empatar com Sampras são boas, e a probabilidade de Nadal terminar pela quarta vez como #1 e empatar com Djokovic nesse quesito, é grande…rsrs

    AH, quero dizer também, que foi bom, o Federer ter ganhado o AO. Mas, espero uma final no US Open com vitoria do Rafa em cima do suíço… ^_^

    Responder
    1. Renato Vieira

      Credo! Vira essa boca pra lá! Bate na madeira 3 X!

      Eu quero muito ver um confronto entre eles no US Open (quem não quer?). É quase inacreditável que nunca tenha acontecido.

      Se for numa final, melhor ainda. Se for como no AO. Melhor do melhor ainda!

      Responder
      1. Mário Fagundes

        Nunca aconteceu porque Nadal não chegava às finais. Duvido que esse H2H entre eles teria essa vantagem toda para Nadal. Esta é a grande diferença entre os dois: Federer deu a cara pra bater, por várias vezes, no piso predileto do “touro”.

        Responder
        1. Renato Vieira

          A não ser que eu tenha visto alguma transmissão alternativa de outro planeta, que eu saiba Rafael Nadal ganhou o US Open duas vezes e foi a final em outra vez.

          Devo ter sonhado mesmo.

          Responder
          1. Mário Fagundes

            Calma, Renato, se os pontos são USOpen, Federer e Nadal, então temos de considerar o período de 2005 a 2009. Nadal nunca chegou nas finais. Já Federer em RG… Certo?

        1. Robson

          Mas Alice,o T.Haas tá com 40 anos de vida bem vivida,se Rafa Nadal perder uma partida de tênis pra ele,Nadal pode aposentar imediatamente e caçar uma mala de roupa pra ele lavar tamanha vergonha,kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
          Né….

          Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Djokovic mais uma vez não anunciou qualquer torneio preparatório, deve repetir a ideia de ir direto a Wimbledon. Nadal está inscrito em Queen’s.

      Responder
  86. Alice

    Quanto tiro, hein? É hoje que a turminha do contra vai dormir cambaleando…rsrs!
    Ressalto dois feitos:
    – Único a ter pelo menos 385 vitórias tanto no saibro como na quadra sintética ao longo da carreira.
    Precisa dizer + alguma coisa? rsrs
    – Maior quantidade de títulos em quadras abertas (71).
    Por essa ninguém esperava, muita ousadia do Dalcim, colocar isso ai, coragem hein…KKKKKKKKKKKK

    Responder
      1. Alice

        Dalcim, foi uma brincadeira. Devido ao fato de alguns torcedores do Federer quererem rebaterem todo feito único e maior de todos que Rafa conquista no tênis! 🙂

        Responder
      2. Renato Vieira

        No contexto de que a cada vez que você cita números surpreendentes do Nadal, os anti qualquer coisa que escrevem kkkkkkk vem falar bobagens absurdas, é sempre legal ver que os não-argumentos dessa galera esvaem de maneira quase patética.

        Responder
          1. Fabio F

            Não entre nessa pilha… não vale a pena, pode acreditar. Se isso aqui começar a ficar parecido com fórum de futebol, perderá metade do encanto…

    1. Rafael Medeiros

      ????

      Entendi nada.

      Absolutamente esperado o Dalcim listar , como de estilo, os feitos de um tenista depois de vencer um slam – estranho seria se não o fizesse.

      Não é ousadia, é jornalismo. E do melhor, diga-se.

      E se o problema é patrulhamento de torcida, se já sobreviveu ao recalque nadalista quando publicou os números de Federer (“só” um pouquinho mais expressivos que esses daí), sobreviverá ao ataque dos federalistas com certeza.

      Responder
      1. Alice

        Vishe! Não sei se choro ou fico pasmem com a má interpretação do meu comentário, você até chegou perto. Se é que não entendeu e quis de alguma forma me cutucar…rsrs! Eu apenas brinquei, no twitter é muito famoso isso, a questão de ter coragem pra citar um fato, porque as vezes as pessoas podem te atacar por cita-lo. Nesse caso, eu pensei nas pessoas que gostam de rebater aquilo que não se tem nada pra rebater, já que é um número, um fato. Sendo assim puxei a alcunha para os “federistas”, pois alguns rebatem essas coisas! 🙂

        Responder
    2. O LÓGICO

      Precisa dizer sim, vovó Alice: dessas vitórias fora da Laje, quais levaram ele aos mesmos resultados de Federer em todos os pisos? kkkkkkk Entendeu? O que parece ser façanha, na verdade, indica mediocridade quando se levar em conta as conquistas de títulos kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

      Responder
      1. Renato Vieira

        O mais interessante é que, se excluíssemos os absurdos 10 RG do Nadal, ainda sobrariam 5 Majors pra conta. E mais algumas finais.

        Se isso é ser medíocre, então as definições de mediocridade devem ser atualizadas.

        Mas nada como um argumento ótimo do tipo “kkkkkkkkkkkk”.

        Responder
        1. Alice

          Re, esse é um único argumento do Lógico. Eu até tento mostrar alguns números pra ele, mas ele só consegue enxergar o K, entendeu? HaHaHa

          Responder
  87. FERNANDO/MG

    Prezado Dalcim, parabéns pela excelente cobertura de RG, sempre bom e proveitoso poder acompanhar seus comentários em tempo real nas principais partidas, parabéns mesmo para você e toda a sua equipe.
    Dalcim, os feitos do Nadal, são realmente extraordinários, com certeza já está no panteão dos três maiores de todos os tempos, mas enfim, como sempre digo, essas listas são individuais e cada um tem o seu critério.
    Dalcim, uma figura que entrou definitivamente para a história com todo esse sucesso do Nadal, sem sombras de dúvidas é o Robin Söderling, concorda? No meu ponto de vista, ele conseguiu a vitória mais importante sobre o Nadal no saibro, ou seja, foi a maior derrota da carreira do Nadal nesse tipo de piso, ele é o famoso herói por acidente, rsrsrs!!!! Por fim, Dalcim, se não fossem os problemas de saúde, o sueco teria chances de ganhar algum Slam? Pra mim pelo menos um RG ele ganharia. Abraços.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Soderling jogava um belo tênis, Fernando, e acredito que ele teria sim chances de ganhar um Slam. Deu azar, em suas duas finais em Paris pegou Federer e depois Nadal.

      Responder
  88. Artur

    Dalcim, mudando de assunto. Essa bola spin, é boa? Digo, por esse mesmo preço, é possível achar bolas de entrada, como a head team. Vale a pena?

    Responder
  89. Fabio H

    Dalcim, que saudades de uma final de roland garros em 5 sets hein, a ultima foi em um longíquo 2004… desde então nenhuma mais
    Quem vc acha que foi mais jogador no saibro? Federer ou Borg? Federer teve a infelicidade de jogar na mesma época que o nadal, senão teria vários RG’s.

    Responder
  90. Luis

    Dalcim juro que sonhei com aquela taca amarela de Wimbledon com Federer tomara,rs,nao foi com a Alice kkkk,mas gosto muito e’ sincero Alice rs,Logico ta terrivel ate com a titulo do Nadal rs,defendo os federistas do Deus do tenis kkkkkkk,abraco Dalcim e amigos do blog

    Responder
      1. Gabi

        Não sei. Acabou de ser publicado lá, então talvez demore um pouco para vir para cá – se vier!
        Alguém aqui do blog poderia traduzir heheh…

        Responder
  91. Victor Martins

    Bom que acabou a temporada de saibro. Sinceramente, admito que não acompanhei muito, quer dizer quase nada. Agora sim, vamos ver o tênis na sua essência, o tênis arte. O MAIOR DE TODOS ESTÁ DE VOLTAAAAAA!!!
    GO ROGERRRRRR!!!

    Agora é nóisssss

    Responder
  92. Urameshi

    A próxima meta de Nadal em roland garros é superar os 11 títulos de Margaret Court. Rumo ao 12, aí sim será ÚNICO! Rsrsrs.
    De preferência quero que o último título de Nadal em Paris seja o mais a frente possível. 2022 ou coisa do gênero. Pra reforçar a longevidade tão questionada do mito durante sua carreira

    Responder
    1. João ando

      Urameshi se o nadal jogar até 2022 com 36 amos .o roger joga até ox 50 juntamente com o haas com 51 ou seja impossível. A vida útil do espanhol e de mais 3 amos no máximo…

      Responder
          1. Alice

            Hahaha, para João! Deixa quieto, depois que Rafinha estiver jogando com 36 anos, não vou lhe dizer nada…U.u’

  93. Rodolfo

    Pra mim sampras continua sendo o melhor de todos.
    O técnico dele e de roger foi perguntado quem era melhor ele disse: todos dizem q federer é o mais técnico com mais qualidades , porém todos jogam ao máximo sampras era imbativel !!!
    E pra mim sampras era o mais agressivo .
    E sampras mesmo já disse ele bateu o record em 2 slam e não viu mais necessidade de continuar
    Sem falar que tinha talassemia uma doença no sangue ,
    Porém o record mais difícil que ele sempre disse que não seria batido era terminar 6anos seguidos como 1º o q nem federer conseguiu

    Responder
    1. Thiago Flores Schmitt

      Sampras era tão bom mesmo, que sabendo da sua grande superioridade, nunca fez final em Rolland Garros, para dar chance aos outros… heheheheh

      Responder
    2. AKC

      Sampras era demais nas rápidas, mas realmente nunca brilhou no saibro. Diferente de seu maior concorrente, Agassi foi competente em todos os pisos, numa época em que a variação era bem maior que hoje… Lembro que o Sampras disse que errou em sua tática no saibro, disse que deveria ter imitado o estilo do Guga… Não me lembro a razão, acho que tem a ver com jogar mais próximo da linha, ao invés de adotar o estilo dos saibristas espanhóis…

      Responder
      1. José Nilton Dalcim

        Ao contrário. Sampras tinha de ter recuado dois passos ou então batido com topspin. Como não aceitava fazer isso, seu jogo sobre o saibro ficava sujeito demais aos erros.

        Responder
    3. José Eduardo Pessanha

      Só o fato de Sampras ter sido depenado em finais de Slam no quintal de casa (US Open) por dois novatos (Hewitt e Safin) já tiraria dele qualquer chance de almejar o posto de melhor de todos os tempos. Perdeu duas finais sem ganhar um mísero set. E há também o fato de que o seu desempenho no saibro era sofrível, pois perdeu até pro Meligeni. Abs.

      Responder
  94. suely

    Oi Dalcim. Lendo seu blog, e o tao bem que voce escreve ficou facil de ver as grandes facanhas do Nadal. Imagino se ele nao tivesse tantas lesoes no longo de sua carreira o quanta mais ele teria conseguido.Federer / Nadal….ambos lado a lado ((cada um no seu estilo) sempre serao lembrado por tudo que ja fizeram pelo tenis. Falando em Federer…ele disse: Nao teria chance contra o Nadal e exalta INACREDITAVL. Nos provavelmente nao vamos vivenciar isso. Os dez triunfos do Nadal sao absolutamente inacreditaveis.Um grande tenista como ele soube enaltecer o grande feito do seu adversario. Ate porque em qualquer esporte nao existe INIMIGOS e sim ADVERSARIOS.

    Responder
    1. Edson

      Sônia, recomendo a pesquisa sobre as conexoes entre EPO (eritropoietina) e Mononucleose que rapidinho arrumaram um jeito de abafar em Fevereiro de 2008!

      Responder
  95. O JR7

    Alice,

    Acredito que você não tenha compreendido meu levantamento ao caríssimo administrador do blog e tampouco sua resposta. Aliás, se você não souber o que significa uma pergunta retórica, posso lhe explicar se precisar.

    Meu comentário foi no sentido do momento da parada do sueco, este é o ponto principal e não a questão de se reinventar e retornar ao circuito proposta indevidamente por você mesma.

    E, de certa forma, eu e o Sr. Dalcim temos a mesma idéia de que o sueco poderia dar um pouquinho mais, talvez ganhando mais um slam, quem sabe.

    Em relação a palavra auge, colocada entre aspas, por alguma ironia típica sua, acredito que se aplica ainda naquele momento da carreira do sueco. Ser finalista de grandes torneios, ainda se mostrando competitivo em quadra podemos considerar sim um contexto positivo. Poderia ser o caso desse tenista aperfeiçoar um e outro fundamento, melhorar algum plano tático contra os seus principais rivais adotando uma estratégia diferente, entre outros. Melhorar a parte física, por que não?

    Por fim, vou dar uma sugestão a você. Seja menos provocativa e assim pessoas como eu passem a respeitar um pouco mais você. Entendeu? Compreendeu?

    Responder
        1. Gabi

          Ué, aqui é um espaço onde emitimos opiniões. Delas podem vir críticas ou elogios (dentre outras motivações, é para ser lida que vc tb escreve, não?). Já te fiz tanto elogio como crítica. Vai depender do quê é de como vc escreve, Alice!

          Responder
    1. José Nilton Dalcim

      São duas coisas diferentes. O recorde ele é de semanas consecutivas ocupando o número 2 do ranking. O que esse quadro mostra são semanas no top 2 (portanto 1 ou 2 do ranking).

      Responder
  96. Luiz Fernando

    Agora vem a fase de grama, na qual Nadal não tem a menor obrigação de vencer nada, embora ele possa perfeitamente faze-lo, se mantiver esse nível de jogo apresentado no saibro. É provável? Sinceramente acho q não, pois em 2013 ele também vinha jogando muito no saibro e foi eliminado na primeira rodada de W pelo grande Darcis, mas como disse o Dalcim, nunca duvide de Nadal. A pressão de vencer na grama está com o Sr Federer, que descansou e treinou 2 meses apenas p isso, e na entrevista de ontem expôs o q todo mundo sabia, q seu grande objetivo é vencer W; se ele mantiver o mesmo nível prévio, o vejo como favorito, não há como negar. O segundo semestre desse ano e o ano de 2018 são absolutas incógnitas, basta dizer q nessa mesma época de 2016 o espanhol e o suíço estavam em descrédito, com Rafa bem mais desacreditado, e nesse ano venceram tudo de relevante, exceto Roma.

    Responder
    1. Renato Vieira

      Sem dúvida nenhuma.

      Se pensarmos nos últimos 18 meses de tennis, vimos a consagração total do Djokovic e sua queda. A elevação do jogo de Andy Murray no saibro e sua real potência nos outros pisos. O descrédito (mais pelas lesões e idade do que outra coisa) de Roger e Rafa e suas voltas por cima. A elevação do nível de jogo de alguns garotos da Next Gen. O retorno cauteloso do adorado Del Potro. O declínio quase irrecuperável de jogadores consagrados como Tsonga, Ferrer e Berdych. O retorno da Venus Williams a uma boa forma. Kerber consagrando e decepcionando. A quase volta da Sharapova. O surgimento da Ostapenko.

      Parece ser mesmo um momento de virada das boas.

      Eu gostei bastante da postura que o Federer teve desde que anunciou que voltaria no começo do ano depois da lesão. Ele falou que voltaria mais forte do que muitos achavam. Diferente da lenga lenga de muitos outros, como Nadal, de falar “eu só tenho que me manter saudável pra ter chances e não sei o que”. Federer pelo menos sabe quando é favorito. Disse, com clareza de raciocínio, que não venceria nadal em RG. Ninguém venceria Nadal nessa final.

      Se ele, Roger, vier jogando bem e ganhar Sttutgart e Halle, vai entrar como favorito absoluto. Embora não seja possível descartar o resto do big4, Raonic e Wawrinka. Além de alguma surpresa como Kyrgios ou Zverev (não para ganhar, mas para aprontar alguma nas 8vas ou 4as). Djokovic é muito mais perigoso quando não joga nenhum torneio antes de WB. E eu acho que ele usa isso como descanso mesmo. Com razão. E por isso acho que Roger estará melhor do que nunca nessa temporada de grama.

      Responder
      1. Alice

        Muito bem analisado, Renato. Acho que com esse ‘mini’ descanso, Djokovic pode voltar a jogar bem, já o suíço, pode até voltar melhor ainda, levando em conta que ele tem bastante sucesso nesse piso, que é mais difícil de ser batido por outos. Já imaginou outra final entre Roger e Nole em Wimbledon? Será que o Federer daria o troco? rsrs

        Responder
        1. Renato Vieira

          Olha Alice, eu ainda acho que a nova geração não tem cacife pra bater nenhum dos FAB4 numa final de Major. Pois senão eu diria que adoraria ver uma final entre Roger e Kyrgios por exemplo.

          Se eu fosse pedir pra ter uma final entre dois deles de novo, seria entre Roger X Rafa. Pois a memória das finais de 2006/07/08 ainda trazem, pra mim, o que de melhor pode existir num jogo de tênis. Em seguida seria Roger X Andy.

          A final de WB 2015 foi memorável. Mas eu não tenho muito saco pra aguentar o Djokovic. Nunca tive. Ele é um jogador espetacular quando está focado. Mas eu não tenho paciência com ele. Não adianta. Já tentei e não dá. Vai ter que me desculpar nessa. hehehe

          Responder
          1. Alice

            Entendo e concordo! Só um “milagre” pra alguém da nova geração chegar numa final de Major e não pegar alguém do Big Four pra poder ter “chances” de ganhar! Quanto a Djokovic, eu compreendo, pois também fico impaciente com ele às vezes, durante algumas partidas.

    2. José Alves

      Concordo Luís.Torcer para Nadal ganhar o US Open que ele costuma chegar nas finais quando vem embalado assim de Roland Garros,mas em Wimbledon é difícil engatar e deslanchar

      Responder
  97. Luiz Fernando

    Meu caro Dalcim, me perdoe a petulancia de lembrar mais uma façanha, a qual Rafa compartilha apenas com o magistral Andre Agassi: vencedor do chamado Golden Slam (títulos nos 4 GS diferentes e medalha de ouro olímpica em simples). Outros tentaram, tentaram… e fracassaram. Nada mal para um mero baloeiro espanhol kkk…

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Um grande feito, mas eu sempre gosto de lembrar que tenistas anteriores a 1988 estiveram impedidos de tentar tal proeza, então tem de haver uma considerável relativização quanto a isso.

      Responder
      1. Romário

        tudo do Nadal, Alice, é função do saibro rsrsrs; só isso indica limitação em algum sentido, não obstante as façanhas, e o Lógico vai te pegar rsrsrs

        Responder
    1. Robson

      Só pra lembrar, não daria mesmo pra fazer tal comparação,pq Federer está a beira de 36 anos,Nadal acaba de completar 31,logo Federer tem mais anos de atividade no circuito profissional e um número considerável de jogos a mais disputados,portanto é óbvio que o suíço teve até o momento mais chances de inflar seus números,o correto e sensato pra comparar números,apenas depois de encerrada a carreira de ambos,ou pelo menos uma aproximação no número de jogos.

      Responder
    2. Alexandre

      menos amigo., este é um post sobre as façanhas de Nadal….e vamos falar a verdade não é muito menor que seu ídolo ( PS adoro ver o Federer jogar…mas tenho bom senso)…

      Responder
      1. O LÓGICO

        São tantos recordes do Federer, que poderíamos separá-los em recordes de quantidade e de qualidade, o que, com certeza, colocariam os do robozinho num PINICO kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
        Querem ver um recorde de qualidade: único tenista da história e fazer 50 ACES numa final de slams. É possível pensar o robozinho quebrando esse recorde? kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

        Responder
        1. Alice

          Putz, 50 aces em final de GS… é Isso mesmo? KKKKKKKKKKKKK…oxente, pensava que ele tinha uns recordes + assombrosos, tipo, três decacampeonatos! KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK
          É pra morrer de rir mesmo! KKKKKKKKK

          Responder
  98. Kevin Durant

    Top 10 da História do Tênis, depois do feito “Extraordinariamente Homérico” e irrepetível de Domingo!

    1 – Rod Laver
    2 – Roger Federer
    3 – RAFAEL NADAL
    4 – Pete Sampras
    5 – Bjorn Borg
    6 – Novak Djokovic
    7 – Ivan Lendl
    8 – Ken Rosewall
    9 – Andre Agassi
    10-John McEnroe

    Responder
    1. Marcelo F

      Concordo com sua lista. Se Laver entrar, tem que ser em primeiro. E Rosewall tem que estar entre os dez também. Ou então nem entram esses dois.
      Mas quem tem que estar também é o Jimmy Connors. Então tem que sair um. Para mim, sairia o Agassi. Sua ordem está correta, só colocaria o Connors em oitavo, o McEnroe em nono e o Rosewall em décimo. E seguiria com 11- Agassi, 12- Emerson, 13- Edberg, 14- Becker, 15- Wilander e 16- Vilas.

      Responder
        1. Kevin Durant

          Poxa… também gosto bastante de Connors, mas não consigo tirar ninguém dali… A tendência seria tirar Rosewall, mas olhando para a carreira dele como um todo, fica difícil fazer isso… Na minha lista Jimmy seria o 11º.

          Responder
    2. O LÓGICO

      AH, tem um problema séria nesta lista kkkkkkkkk
      Estamos considerando aspectos quantitativos? Então Roger é o primeiro, e depois dele podemos colocar o robozinho entre os cinco, com certeza. E seria injusto não fazermos.
      Mas se estamos falando de qualidade tenística, então o robozinho estaria fora da lista kkkkkkkkkkkk
      Ele apareceria como n1, sem dúvidas, mas apenas quando levamos em conta os maiores de cada piso. E é isso mesmo que depõe contra o unigênito do satã kkkkkkkkkk quando pensamos em eleger o GOAT: ele é um simulacro de tenista quando levamos em conta aspectos gerais; e se colocarmos na contabilidade qualidades tenísticas, ele cai para abaixo do n 20 da história, no mínimo kkkkkkkk

      Responder
    1. Kevin MVP Durant

      É um grande feito, sem dúvida. Mas passa longe do feito de Rafa Nadal. A maior parte dessas conquistas pela australiana foi na época amadora e não podemos esquecer que o grand slam australiano era praticamente um campeonato nacional, devido a ausência da maioria dos melhores jogadores de outras partes do mundo.

      Responder
      1. jeremias

        Olha, pode até ser. Mas na época dela eu não sei se o “Campeonato Australiano” era mais fraco do que alguma versão de “Campeonato mundial” não, viu. A austrália naquela época era um manancial de grandíssimos prodígios no tênis. É meio parecido com a história do nosso futebol. O público de massas hoje se derrete pelos torneios europeu, mas imagine, por exemplo, os campeonatos carioca e paulista nos anos 60, 70, ainda parte de 80, com os quatro grandes repletos de craques e jogadores bem acima da média. Será que a Espanha tinha 4 times como os antigos Flamengo, Vasco, Fluminense e Botafogo? O futebol brasileiro antes era motivo de encanto, maravilhamento e curiosidade. Era uma espécie de Elo Perdido do futebol. “Por que esses caras são tão bons”, se perguntavam os estrangeiros. Lembro de a antiga estrela do futebol alemão, Paul Breitner, dizer que viajava ao Brasil só para poder assistir às exibições de Santos, Botafogo, Cruzeio, e etc…. Pois o tênis lá na Oceania durante muito tempo foi envolto pela mesma aura de superioridade…

        Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *