Sede por recordes continua para Federer
Por José Nilton Dalcim
17 de julho de 2017 às 17:49

Perto dos 36 anos e de volta ao top 3 do ranking, Roger Federer já se habituou à chance de quebrar alguma marca ou estabelecer façanhas praticamente toda vez que entra em quadra. Novamente em excepcional forma, começa a tornar algumas de suas grandes marcas cada vez mais difíceis de ser batidas.

Nos Slam, além de ter agora quatro troféus acima de Rafael Nadal, soma sete finais a mais que o espanhol, 11 semis e 11 quartas sobre Novak Djokovic. A quantidade de vitórias também é muito superior, com 84 acima do sérvio. Suas séries consecutivas de finais, semis e quartas não sofrem qualquer ameaça.

E Federer pode fazer ainda mais no US Open. Será o tenista com mais Slam na carreira, deve superar Andre Agassi no número de vitórias no torneio e luta para se tornar o maior campeão da Era Aberta em Nova York caso consiga o hexa. De quebra, ainda poderá lutar pela liderança do ranking e também ampliar seus números excepcionais.

Veja a lista dos atuais principais recordes e façanhas do suíço por categoria e perceba que há muita coisa plausível de ser alcançada:

Grand Slam
– Recordes de títulos (19), finais (29), semis (42) e quartas (50).
– Maior número de vitórias (321) e de participações (70, com Santoro).
– Entre os tenistas com mais de 200 jogos, só fica atrás de Nadal em percentual de aproveitamento de vitórias (86,3% contra 86,9%).
– É lider absoluto em finais seguidas (10), semis consecutivas (23) e quartas seguidas (36).
– Ganhou sete finais seguidas (superado por 8 de Sampras), tem duas séries de 27 vitórias consecutivas (Djokovic chegou a 30).
– Lidera com 36 sets vencidos seguidos e 65 Slam disputados em sequência (Feli López está com 62).
– É o maior campeão de Wimbledon (8) e do US Open (5, com Connors e Sampras) e segundo na Austrália (5, atrás dos 6 de Djokovic).
– Ganhou cinco troféus seguidos em Wimbledon, igualado a Borg, e no US Open.
– Recordista em finais na Austrália (6, com Djoko) e Wimbledon (11). Está em segundo no US Open (7 contra 8 de Lendl e Sampras).
– É quem mais ganhou na Austrália (87) e Wimbledon (91), segundo em Paris (65) e terceiro no US Open (78, a um de Agassi).
– Tem recorde de vitórias seguidas no US Open (40) e segundo em Wimbledon (40) e de sets seguidos na Austrália (30) e em Wimbledon (34).
– Segundo mais jovem a completar o Carrer Grand Slam, aos 27 anos.
– Dois Slam diferentes vencidos sem perder sets (Australian-2007 e Wimbledon-2017). Borg e Nadal somam três.
– Único da Era Aberta a disputar todas as finais de Slam de um mesmo ano por três temporadas (2006-07, 2009) e todas as semis por cinco temporadas.

Carreira
– Chega a 93 títulos, um a menos que Lendl e a 16 de Connors.
– Fez 141 finais, 5 atrás de Lendl e 23 distante de Connors.
– Está em segundo em partidas partidas (1.358) e vitóris obtidas (1.111).
– Tenista que mais derrotou adversários top 10 (207).
– Líder em títulos na quadra sintética (63) e na grama (17). Empata com Nadal em quadras abertas (71).
– Maior vencedor sobre quadras sintéticas (687 jogos) e segundo em grama (164, a seis de Connors).
– Detém recorde de invencibilidade no sintético (56) e na grama (65).
– Maior invencibilidade contra top 10 (26 jogos)
– Maior número de finais disputadas e vencidas em sequência (24)
– Recorde de títulos (6), vitórias (52) e participações (14) no ATP Finals
– Lidera vitórias em torneios Masters 1000 (341) e é terceiro em títulos (26).
– Chega a US$ 104 milhões de premiação oficial e está US$ 2,5 mi atrás de Djokovic.
– Terceiro tenista a superar a marca de 10 mil aces desde que ATP iniciou contagem em 1991.

Ranking
– 302 semanas como número 1, sendo 237 consecutivas, marcas absolutas
– É quem mais figurou no top 2 (471 semanas) e top 3 (inicia a 628ª). Faltam oito para assumir a ponta também do top 4 e nove para o top 5. Está 48 semanas atrás de Connors como top 10.
– Terminou cinco temporadas como líder, um a menos que Sampras. Lidera com 10 no top 2 e 12 no top 3.

Desafio Wimbledon
O internauta Wendell Assis, que votou através do Facebook, foi incrivelmente preciso e cravou o exato placar da vitória de Federer sobre Cilic: 6/3 6/1 6/4. Em segundo lugar, ficaram outros dois únicos que palpitaram apenas oito games para Cilic: Victor Rolemberg França e Eric Magalhães. Os três devem enviar endereço completo para envio do tubo de bolas Spin. Parabéns!


Comentários
  1. LAIANE

    Mais uma vez, belíssimo texto. São marcas muitas vezes inacreditáveis, os números em grand slam realmente refletem todo encantamento, e respeito que Roger demonstra por esse evento , durante toda a carreira. Todos são impressionantes, mas 1 atleta dominar 3/4 dos grand slam , levando em conta que depende de 2 vitórias no Usopen, é fascinante. Vamos ver como será 2º semestre, espero que depois da conquista de Wimbledon jogue solto , com saúde plena , e se possível manter o nível do backhand rsrs. Só me resta aguardar e apreciar cada partida.

    Responder
  2. Helena

    É por esse motivo que não compro a biografia do Federer (nem do Nole, nem do Rafa) antes dele se aposentar. Ainda tem muita história para ser escrita.
    Minha aposta para número 1 no final do ano é o Fedex mesmo, com Nadal em segundo. Agora fico só na torcida pela recuperação do Djoko, ao menos em Wimbledon ele estava mais calminho… kkkkkk

    Responder
  3. João ando

    Peter doohan faleceu nesse sábado .o algoz de Becker em 1987 na segunda rodadas em Wimbledon. …achei que tivesse sido o shuzo maratona.e feijão jogando Qualy em gstaad….

    Responder
  4. José Carlos Santana

    Dalcim, você acha que é possível tornar o tenis mais acessível aos menos favorecidos? Isto exige muito investimento?Abs!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Possível, sim. O principal investimento são quadras públicas, e isso não é o fim do mundo. Há muitos parques e centros esportivos que poderiam ter pelo menos duas quadras de cimento.

      Responder
  5. Luis

    Dalcim 2 perguntas qual foi ultima vez que Federer ganhou o Us Open ta na hora em 2017 rs,parece um pouco com Wimbledon venceu muitas vezes mas ta alguns anos sem ganhar,sobre o recorde de finais de Slam acho que Federer tenta a final de slam numero 30 e’ o recordista? Go Federer e’ nois Logico kkk

    Responder
  6. Renato

    Dalcim, parece que o Rublev está evoluindo, não? Fez Boa campanha na grama, e hoje eliminou o Fognini. E o Dodig? Surpreendente. Pensei que ele tinha aposentado de simples.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Pois é, ganhar do Goffin… Ele sempre joga simples quando pode. E o Rublev precisava ajeitar a cabeça e deixar de ser tão juvenil. Só vi um jogo recente e me pareceu melhor.

      Responder
  7. José R.

    Dalcim,
    Lembra desse post no começo do ano?

    FEDERER
    – Se jogar dois Slam, alcançará os 70 do recordista Santo. CHECK
    – Tem duas vitórias a menos que a recordista Serena em torneios de Slam (307 a 309). CHECK
    – Se for bi em Roland Garros, será primeiro profissional e terceiro na história a ter ao menos dois troféus em cada Slam (Nadal concorre a isso na Austrália e Djokovic, também em Paris).
    – Precisa de uma única vitória em Wimbledon para se tornar o maior vencedor do Slam britânico em todos os tempos. CHECK
    – Pode se tornar o maior campeão masculino de Wimbledon e se isolar de Sampras e Renshaw. CHECK
    – Se chegar à final do US Open, igualar Sampras e Lendl em número de títulos disputados (8).
    – Pode se tornar o maior campeão profissional do US Open e se isolar de Sampras e Connors.
    – Disputa com Nadal o primeiro lugar em títulos em quadra aberta (67 a 66 para o espanhol) MEIO CHECK (empatados com 71)
    – Se ganhar US$ 1,2 milhão na temporada, se tornar segundo tenista a superar a casa dos US$ 100 mi. CHECK

    Responder
  8. André Schioser

    Dalcim, qual sua opinião sobre a pontuação do ranking? vc é a favo de bônus para quem ganha dos TOPs como chegou a existir no passado?? abs

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Eu adorava esse sistema, ainda que dificultasse muito a previsão de ranking. Mas era bem interessante e motivador para os tenistas que vinham atrás.

      Responder
    1. Rafael Wuthrich

      Vamos lá: o Bola Amarela de Portugal é bom, Pete Bodo também – escreve pra ESPN. Nos EUA, não acompanho muito quem escreve sobre tênis, mas o Roddick acho que tem várias boas colunas.

      Responder
  9. Carlos Reis

    Depois de assistir os melhores momentos da final do AO/17, fica claro que foi a melhor final de Slam do ano. Nadal jogou muito e exigiu o melhor do craque suiço, BAITA JOGO… Top 20 da história fácil… Não gosto do Nadal, todos sabem disso, mas ele é incrível, tenho que admitir, ele já nos proporcionou jogos fantásticos, jogos sensacionais!!! Roma/06, W/07, W/08, AO/09, AO/17, só para citar finais em 5 sets. Nadal é o Rei – absoluto – do saibro e carrasco do Federer. Federer, craque de tênis, e maior vencedor da história, pelo menos até aqui. Djokovic!? Excelente, melhor do que o Nadal nos outros pisos, adversário duríssimo do craque suiço, maior mental do circuito. MONSTRO! Pena eu desconfiar do Nadal, mas se o cara for limpo, ele realmente está do Top5 da história do tênis. Djokovic pode chegar lá… 1.Federer / 2. ??? / 3. ??? / 4.??? / 5.??? / …

    Responder
    1. sribeiro2008@hotmail.com

      Onde assino, Carlos ? Agora, o Rei do Saibro também enfiou as mesmas 15 vitórias em Novak no Barro. Fora dele tanto um quanto outro, tem mais Vitórias e venceram mais Finais de SLAM em cima do Espanhol. Os Norte-Americanos não admitem Rafa Nadal à frente de Pete Sampras com apenas 5 SLAM fora do Habitat. Nessa eu não me meto rsrsrs ABS!

      Responder
    2. Mario Cesar Rodrigues

      Roma foi demais ele chorou normal,não vejo mal algum nisto pelo contrário.ele chorou mais de meia hora no vestiário Ao2009 foi café pequeno.Rafa já tinha pisado nele antes mas Roma foi demais!No AO17 Rafa fez umas escolhas erradas deixando a bola na cintura do Federer pagou por isto…mas enfim o trem ta bão demais!e fezisto quando estava3x1 no 5 set vida seguiu!

      Responder
    3. Leonardo

      Opa, concordo com quase tudo! Discordo veementemente da tua colocação quanto ao Djoko ter o melhor mental do circuito… Ele é fora de série, agora considerar um cara que já “surtou” várias vezes e que até guru já contratou pq estava fora da casa como tendo o maior mental, daí não.
      Federer e Nadal tem o mental mais forte que ele.

      Responder
    4. Bruno Macedo

      Para mim, Nadal é o Cristiano Ronaldo do tênis. Federer é o Messi.
      Quem um dia vai poder questionar o desempenho desses caras? Tenho q ser muito mau humorado com a vida para desmerecer qualquer um deles.
      E eu concordo com o q vc disse sobre Djokovic também. Foi bom pra gente q ele tenha surgido na mesma época do Federer e do Nadal, mas para ele acho q não foi uma boa ideia, pq o cara tem pinta de protagonista, mas ficou como coadjuvante.

      Responder
    5. O LÓGICO

      KKKKKKK Reis tá amolecendo o coração com o robozinho satânico kkkkkkkkk
      Vamos convocar uma reunião emergencial com toda a torcida do Fedex para ser analisada a possível quebra de decoro kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

      Responder
  10. Ulisses Gutierrez

    Dalcim,

    Todos sabemos que o Nadal é considerado por diversos especialista, quase uma unanimidade, como melhor jogador de saibro da história.
    Da mesma forma Federer é considerado o melhor na grama.
    Agora quanto ao piso duro, aberto ou coberto, quem seria o principal tenista da história? O próprio Federer? Djokovic? Sampras? Algum outro? Ou no caso do piso duro não existe uma unanimidade como na grama e no barro? O que me diz mestre?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Nunca ouvi uma discussão aberta sobre isso. Federer detém os números absolutos mais importantes, Djokovic tem a melhor média. Mas acho que Sampras e Agassi estariam facilmente nessa discussão.

      Responder
    2. Mário Fagundes

      Ainda que haja discussão sobre o melhor no piso duro, dentre todos os grandes da história, Federer e Djokovic são os únicos que podem fazer prevalecer suas conquistas e encerrar a discussão, pois ainda estão em atividade. Aguardemos os próximos anos.

      Responder
    1. Pieter

      Infelizmente, eu pensei até que ela tinha parado de jogar. Está em uma fase péssima e já há uns dois anos…
      Dalcim, o que você acha do jogo da Luísa Stefani? Já a viu jogar, e o que achou? Tem potencial?

      Responder
  11. Renato

    Rapaz, Dutra Silva venceu o Monfis! Rs. Dalcim, foi a maior Vitória na carreira do brasileiro? O próximo jogo é contra o inexpressivo Gianessi. Da pra chegar pelo menos na semi.

    Responder
  12. Nando

    Mestre, fiz essa pergunta para o pessoal no grupo do Whats e faço agora para vc, qual seria o seu top 10 de grandes tenistas QUE NÃO GANHARAM SLAM E Q NUNCA FORAM N1?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não sei se teria um top 10… Ríos para mim é o primeiro de todos, seguido por Tsonga, Ferrer, Soderling, Nalbandian… Berdych está bem atrás.

      Responder
        1. sribeiro2008@hotmail.com

          Com tantas Semis e Quartas em Wimbledon ( com direito a nome no complexo ) , o Tênis Clássico de Saque-Voleio de Tim Henmam , pode entrar no lugar de Rios que acho que o Dalcim concorda rs. Nenhum N 1 escapou de perder pra ele. E era terrível com Basiliners como Agassi , Safin , Rios e GUGA. Abs!

          Responder
      1. Marcus

        La vem o Dalcim com o seu protegido Tsonga. Eu como torcedor do Fabio Fognini tenho que reinvindicar ele nessa lista! Acho que podemos tirar o Tsonga e colocar o Italiano!

        Responder
          1. Rafael Brasiliense

            Se tem um cara no circuito que eu gosto e torço é o Fognini. Pena que ele é um fio desencapado, porque o talento e a naturalidade que ele tem em efetuar os golpes, algo que faz até parecer fácil, é lindo de se ver. Queria muito que ele ganhasse um Slam, mas como sei que isso é sonhar demais, vou ficar apenas na expectativa de ele levar ao menos um Master na carreira. Sonhar é de graça, não é? Hahaha.

          2. Marcus

            Dalcim, realmente o Fognini nao pode mesmo entrar nessa lista, pois já é campeão de Grand Slam. Desculpa…. rs rs rs.

          3. Rodrigo S. Cruz

            Mas eu acho o Fognini muito mais jogador do que o Tsonga.

            Eu gostava do francês muito mais quando ele usava o saque e voleio…

          4. José Nilton Dalcim

            Os resultados falam por si, Rodrigo. Tsonga tem semi nos três pisos de Slam (venceu Federer em Wimbledon, aliás) e está há muito tempo no top 10.

      2. Renato Veneziano Toniol

        Dalcim, nesta lista de tenistas que não ganharam Slam ou que não foram número 1 do mundo, entram facilmente o Tommy Haas e o Gullermo Coria, não?

        Responder
          1. Paulo F.

            Aquela derrota do Coria pro Gaudio na final de RG foi uma das coisas mais bizarras que já ofendeu o tênis em todos os tempos.

    2. Zezão

      Eu particularmente gostava muito do tênis do Nalbandian, bela esquerda. Chegou a vencer o Federer em um Finals e foi três do mundo, além de fazer final em Wimbledon. Fez pelo menos semis em todos os Slams
      O Tommy Haas chegou a número 2 do mundo no começo de carreira, mas sofreu com lesões desde aquela época. Belo jogo também.
      David Ferrer conseguiu se manter entre os top 10 durante muito tempo também, não ganhando mais títulos por conta do Big Four.
      Davydenko foi outro que chegou a 3 do mundo e venceu um Finals, tendo alguns bons resultados em Slams.

      Responder
    1. Valdir

      Muito legal… dando sua opinião sobre cada um dos GS ganhos por Roger Federer… na ordem do que ele considera mais relevante, os sets perdidos, os adversários vencidos, muito bom!

      Responder
  13. Luiz Fernando

    Murray, q se notabilizou por fingir contusões, parece q desta vez está mesmo baleado. Parece meio carta fora do baralho p os 2 masters americanos, um na sequencia do outro a partir de 7 de Agosto. Pode até jogar, mas sem dúvida vai estar fora das melhores condições.

    Responder
  14. Luis

    Dalcim Vc disse que essa volta na quadra sintetica e US open serao abertos pela maioria tenistas gostarem da quadra mesmo Federer e Nadal os melhores de 2017 e se Federer conseguir o 3 Slam em 2017 ja sera um dos melhores anos do Suico na carreira? Go Federer 20 rs e nos Soninha e Logico kkkk

    Responder
    1. Julio Calleja

      Bem interessante..Essa frase “He needs to be seen by the cameras, but he wants them to catch him from a certain angle, in a certain light.” é pra la de certeira sobre o sérvio. Alem dessa queda de produtividade, a demissão de boa parte de sua equipe e seu guru ser pra lá de estranha e nao bem explicada por parte dele, sempre foi difícil definir sua personalidade. Um cara que no começo adorava fazer aquelas gracinhas, imitações, depois claramente passou a expor um temperamento mais tipico dos balcãs, mas ainda sim contrastando com seu gestos pós partidas como aqueles “imensos ” abraços nos adversários. Sempre pipoca algum comentário nos bastidores do tenis que ele nao é assim tão simpático e boa gente como tenta passar, ou seja, difícil saber qual é a do Djoko…

      Responder
  15. Miguel BsB

    Bom dia Mestre!
    Fugindo um pouco do assunto, meses atrás, durante o AUSOpen, te perguntei sobre a possibilidade de recomendar alguns bons livros sobre tática, preparação mental no tênis etc…recentemente li o Winning Ugly do Gilbert, recomendo a todos que jogam o esporte, tem grandes dicas.
    Na ocasião, perfeitamente entendido, vc disse que deixaria pra depois pq o trabalho é muito grande durante um Slam, ainda mais um na Austrália que ocorre de madrugada…
    Poderia nos presentear com umas boas dicas de livros/autores?
    Obrigado!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que o livro mais importante para se ler é o de Bill Tilden, que é incrivelmente antigo mas notavelmente atual. Não é fácil de achar e se chama simplesmente Tennis (how to play it better, ou como jogar melhor). Outro bom livro técnico e tático que li recentemente é o de Patrick McEnroe, Tennis for Dummies. Um brasileiro, Carlos Goffi, escreveu um ótimo livro sobre a parte emocional: Tournament Tough. Outro que pode ajudar muito é The Mental Game, do grande especialista Jim Loehr. Abraço!

      Responder
  16. O LÓGICO

    O Resumo abaixo é pra quem aprecia arte expressada num esporte. Assistir a esse pequeno vídeo é como assistir a um grande clássico do cinema. Gostaria que alguém me mostrasse um resumo, como o abaixo, de um torneio ganho por um tenista, pode ser do robozinho kkkkkkk, no qual se vejam tantas jogadas geniais
    https://www.youtube.com/watch?v=aMDBG5jBt9I

    Responder
  17. Julio Calleja

    O mestre Dalcin foi muito feliz em escolha do adjetivo “melhor” para designar o Federer, ao inves do “maior”. Acredito que seja a melhor forma de ao menos poder raciocinar sobre essa cilada de comparar jogadores de epocas e contextos diferentes e ser definitivo e taxativo com tal questão. Também é sempre bom ressaltar, quem acompanha tenis ha um bom tempo sabe, que esta sanha em querer proclamar o Federer como o “melhor” ou “maior” nao é algo de hoje e nem restrito a blogs de tenis como este. Desde de quando o suiço começou a brilhar no esporte, varios tenista, ex-tenistas, jornalistas se adiantaram nessa discussão, ao dizer que ele poderia ser o maior da historia e muitos ja diziam que era o melhor que ja tinham visto pisar num quadra de tenis. La em 2004 e 2005, quando o cara ainda tinha seus 4, 5, 6 slams na conta ja se via essa conversa. Isso é um exemplo da dimensão e do impacto do jogo do suiço na mente das pessoas e que tal coisa não é só resultado da cabeça dos “Federetes”. Porem, nada pode ser definitivo, quem vive de verdades absolutas nao se pode levar tão a serio. Tudo é transitorio e é besteira querer convencer pessoas apenas pelo discurso, tem muitas coisas que so a experiencia de assistir determinado jogador e suas conquistas que ira “fazer sua mente”. Certas idiossincrasias de nossos gostos nao é lá tão racional e lucida.
    Acredito que os numeros também se enquadram nessa charada. Um grande exemplo disso é Margareth Court e Jimmy Connors. A primeira, é recordista de slams entre homems e mulheres, com 24. Mas ninguem ousa em declarar ela como a maior tenista que ja se viu entre homens e mulheres. Pois além de ter jogado numa epoca sem TV, com parcos registros de seu jogo, ela ganhou 11 slams na Austrália, onde muitas das melhores jogadoras de sua época não jogava. Da mesma forma que os assustadores 109 titulos do “Jimbo” são sempre relativizados pela qualidade de muitos desses torneios conquistados. Inclusive feitos que jogadores não fizeram também podem ser relativizados. Laver e Borg, poderiam ter ganhado muito mais, obtido, ampliado e alcançado outros recordes do tenis. Se o australiano não tivesse se afastado por 5 do tenis, no hiato entre a era amadora e profissional e o sueco nao tivesse se aposentado aos 25 anos, quem sabe o que teriam feito. Porém tanto Laver quanto Borg fizeram a cabeça de muita gente, foram absolutamente impactantes, revolucionários e influenciaram uma legião de tenistas. Enfim, o que vale é desfrutar do Federer, saber sim que ele é um gênio, um ícone, sem precisar desmerecer outros gigantes desse magnifico esporte. Quem não admite isso e nao aproveita a oportunidade unica na historia de apreciar em alta definição seu maravilhoso e inventivo jogo, por conta da preferencia por outro jogador ou pelas provocações de “ciber federeristas” , eu só posso lamentar por vocês.

    Responder
    1. O LÓGICO

      Nadalzete ou Djokovete? kkkkkkkk
      A verdade, como você mesmo afirma, é que foram especialistas que há muito tempo falam que Ele é o “Melhor da História”. Nós federetes roxas kkkkk só EXALTAMOS Ele kkkkkkk, porque Ele, e ninguém mais que Ele, foi quem desencadeou essa questão de quem é o melhor da história. Independentemente das circunstâncias e gostos pessoais, Ele, e somente Ele, possui a harmonia entre o quantitativo e o qualitativo, que outros tenistas não têm. Se perguntarem, quem tem os mais importantes recordes do tênis, a reposta será Roger Federer ; e se perguntarem, quem entre os grandes praticou o “melhor” tênis do ponto de vista técnico e da habilidade, o único concorrente Dele é o Laver. Mas dá uma olhadinha no que Laver fala de Roger https://www.youtube.com/watch?v=9Cn7nEcwAfw

      Responder
      1. Daniel

        “somente Ele, possui a harmonia entre o quantitativo e o qualitativo, que outros tenistas não têm. ”

        Vc foi muito feliz nesta colocação. A vantagem do Federer no debate de maior de todos os tempos é a forma como ele conseguiu seus resultados. O cara bateu os principais recordes do tênis jogando um tênis agressivo, intuitivo e plástico, mostrando domínio total de todos os fundamentos do tênis. Por isso que pra mim existe um abismo entre Nadal e Federer. Não basta o espanhol chegar a 19 GS. Ainda faltaria pelo menos alguns ATP Finals, umas boas semanas na liderança. E ainda caberia uma ressalva sobre a técnica dele para diversos fundamentos. Enfim, Federer aliou o tênis arte com resultados impressionantes. No caso de Djokovic e Nadal, só se pode dizer que chegaram a resultados impressionantes.

        Responder
      2. O JR7

        Pxa Lógico, curto demais suas brincadeiras, mas pra mim o colega acima faz sempre ótimas colocações e com muita elegância. Há muitos torcedores do espanhol, do sérvio, de outro tenista que consideram o suíço o maior/melhor. Mas em alguns casos não. Quem é que vai convencer um sincero apreciador de Borg que, pelo seu aproveitamento, sua sequência Roland Garros/Wimbledon não foi o maior fenômeno visto? No fim das contas, estou de acordo que devemos mesmo é aproveitar cada um deles : )
        Obs: Quando o suíço entra entra quadra torço para ele mas o que gosto mesmo é do tênis que ele pratica.

        Responder
        1. Sérgio Ribeiro

          Como ? O POP STAR ficou sem o AOPEN e o USOPEN ( perdendo 2 para o Big Mc e 2 para Connors ) . E Federer além de também ser POP STAR levou ao menos 5 no AOPEN , USOPEN e WIMBLEDON. E ainda levou Rolanga. E Longevidade conta muito num Esporte de alto rendimento. Ao menos, a meu ver. Abs!

          Responder
      3. Julio Calleja

        É Logico, eu vi ontem essa entrevista. Se eu fosse cair numa falacia de autoridade, eu diria que se tem uma pessoa no mundo que temos escutar e acreditar sobre o que fala sobre tenis, seria Laver. Ou melhor, duas pessoas, Laver e Federer….

        Responder
      4. ATHOS

        “Nós Federetes Roxas””
        Bom saber que O lógico é uma mulher ,isso explica as “brigas” com a escondida Alice kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

        Responder
    2. Chileno

      Olá Júlio.

      Da mesma forma que respondi à sumida Alice algum tempo atrás, respondo a você. É claro que existe alguma flexibilidade com relação a quem é o maior da história. Mas perceba que essa flexibilidade é bastante limitada. Não é apenas questão de opinião. Existem conquistas, recordes, feitos que contam muito nessa hora. Do contrário eu poderia vir aqui e dizer que pra mim, o maior tenista da história é o Monfils, e todo mundo teria que aceitar minha opinião sem contra-argumentar. Percebe que não é puramente questão de opinião? Obviamente ela influi aqui, mas apenas até certo ponto. É muito fácil explicar porque o Monfils não é o maior da história.

      E no fim das contas, quando colocamos tudo na balança, fica muito difícil tirar essa alcunha de Roger Federer. Ele detém sozinho praticamente todos os recordes mais relevantes do esporte, num tempo ultra-competitivo, com um jogo vistoso, técnico e elegante, e com uma popularidade jamais vista. Se Federer tivesse o recorde de Grand Slams, mas outro cara tivesse o maior número de semanas na liderança e semanas consecutivas na liderança, talvez houvesse maior espaço para discussão. Se Federer fosse o maior vencedor de WB e do US Open, mas outro cara fosse sozinho o maior vencedor de RG e do Australian Open, quem sabe… se ao menos o Federer tivesse todos esses recordes, mas jogasse feio e não movesse multidões pra vê-lo, quem sabe… a maioria dos recordes que ele não detém, são muito menores do que os dele.

      Mas do jeito que é, fica EXTREMAMENTE difícil dizer que algum outro tenista seja maior que ele. Maior vencedor de Grand Slams, maior recorde de semanas na liderança, maior recorde de semanas consecutivas na liderança, maior vencedor do Finals, maior vencedor de Wimbledon, maior vencedor do US Open na Era Aberta, maior quantidade de finais, semifinais e quartas de final consecutivas em Slams, isso tudo sendo o segundo maior vencedor do Australian Open, um dos maiores vencedores em Roland Garros da história. É argumento demais em favor dele.

      Por fim, acho uma tremenda besteira dizer que considerar Federer como o maior, de alguma forma diminui os outros gênios e ídolos do esporte. Sampras, Laver, Borg, Lendl, Connors, Nadal e Djokovic, todos têm seu lugar já reservado na história. Mas eles (ainda, no caso de Rafa e Nole) estão um ou dois degraus abaixo do maestro suíço.

      Responder
  18. Carlos

    Dalcim, primeiramente parabéns pelo blog , ganhou mais um leitor!! Dalcim , eu tava vendo os comentários abaixo e você disse que um recorde difícil dele bater seria o número de vitórias por partida , porém o número q você disse de mais de 1300 partidas vencidas , não é o q tem no site da ATP, o recordista é o Connors com 1256 vitórias na carreira, Federer já tem 1111 vitórias na carreira , faltam apenas 145 vitórias , sendo q ele pode jogar muito bem até 2019 e quem sabe 2020 , tem como vc verificar o número correto do Connors e se for 1256 vc acha q o Federer pode passar??

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Isso, são 1.256 vitórias do Connors. Portanto, faltam 145. Se considerarmos natural ele ganhar mais 30 neste ano, ele entraria em 2018 com 115, portanto teria de ganhar mais 70 e aí tentar bater a marca em 2019. Possível? Sim, mas eu considero difícil.

      Responder
  19. Mario César rodrigues

    Bem estão fazendo contas a calculadora vai pegar fogo gente em 3 semanas Rafa será number 1 vai ser não já e.ficam ai se matando Rafa geralmente não vai bem no segundo semestre mas este vai ter uma motivação especial até Paris irá ganhar.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Interessante, sem dúvida, Fábio. É mais ou menos o que todos sabemos: os tenistas mais criativos sentem maior dificuldade em seguir táticas e planos de jogo. Isso é bem conhecido.

      Responder
      1. Ulisses Gutierrez

        Dalcim,

        sobre seguir plano tático, lembro bem do que o Dácio Campos por diversas vezes falou que o Nadal entra com uma plano de jogo definido e segue isso do começo ao fim, mesmo perdendo, ele é fiel a tática que combinou com seu staff até o final. Isso não que dizer que Rafa não seja talentoso, mas olhando para todo a carreira no geral o Federer sempre teve mais dificuldade em seguir plano pré-definido, tem costume de atacar o adversário no ponto forte, e por aí vai. Não sei, mas acho que se o Federer de antes tivesse jogado como o de hoje, teria muitos outros recordes, quem sabe até o famigerado h2h não seria negativo contra o Nadal. Mas é isso, vivendo e aprendendo.

        Responder
  20. Rodrigo Azevedo

    Dalcim, algo me diz que o Federer vai pular Montreal, o que acha? Acho difícil jogar 2 masters em sequência e depois o USOPEN com apenas 1 semana de descanso.

    Responder
  21. Fabio F

    Blog de volta? A crise de abstinência foi dura dessa vez… hahaha
    Por sorte, coincidiu com o período de ressaca pós Wimbledon…
    Hora de pensar em Hamburgo, Montreal, Cincinatti e… USO!!

    Responder
  22. Leonardo lima

    Quanto ao resto da temporada , os torneios jogados,
    li uma matéria que federer pretende jogar 7 torneios (Toronto Cincinnati, US Open, Pequim, Shanghai, Basel e Paris) .
    Alguma noticia ou confirmaçao sobre isso Dalcim ?
    O que vc recomendaria p federer ?
    Vc acha que ele deve jogar todos os majors pra ser numero 1 , ou se poupar mais e p jogar o usopen ?
    muitas perguntas rs
    O que acha Dalcim ?

    Responder
  23. Nando

    O blog voltou!!
    Como foram as férias de 1 dia, mestre? Kkkkkk

    Acha o q calendário do Federer pro ano q vem será parecido com o desse ano ou ele disputará menos torneios?

    Responder
    1. Rafael Brasiliense

      Quem manda ali é a Mirka e os filhos. Eles mesmo já revelou que consegue treinar e jogar e ter o tempo necessário para acompanhar o crescimento dos filhos, brincar, dar banho neles e tal. Mas a partir do momento que ele achar que seus filhos precisam mais da sua presença, ele larga o tênis.

      Responder
  24. Ulisses Gutierrez

    Dalcim,

    conforme noticiado no site tenisnews.com Federer deve jogar em Xangai.
    Então está confirmado Cincinatti, US OPEN e Xangai.
    Deve jogar Basel e Finals.
    Vc acredita que esse calendário já e o suficiente para conseguir o número 1 ao final do ano, ou não, deveria incrementar Montreal e Paris, ou só um deles? O que acha Dalcim?

    Responder
      1. Ulisses Gutierrez

        Dalcim

        Lembro que após a conquista Federer confirmou Cincinatti e USOPEN. Disse que veria com sua equipe e a confirmação de Montreal seria essa semana. Já procurei em diversos sites, apesar dever que está inscrito em Montreal, mas não vi a confirmação dele que vai jogar mesmo. Mas ele já confirmou mesmo que joga Montreal Dalcim? Se, sim. Ele tem uma chance real de voltar a liderança antes do USOPEN. A diferença para o Nadal e de apenas 920, mas Nadal defende 90 pontos de cincinatti. O que acha mestre?

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Ele disse em recente entrevista que não pularia mais nenhum dos grandes torneios. Daí a conclusão que ele pretende jogar no Canadá.

          Responder
  25. Rafael

    “Única explicação pro djokovic ter mais de 5 GS é essa mesmo”
    ________________________________________
    Sérgio Ribeiro, meu caro:

    Agora vc vê pq parei de ler todos os comentários?
    ________________________________________

    Deixa eu voltar pro trabalho, que é pras 15:00h e não vai dar tempo de almoçar, abs

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Rafael,

      Você por acaso viu o que foi escrito antes disto aí?

      Foi falado que o Federer só tem muitos Grand Slams porque ele se dopava.

      Agora, eu te pergunto:

      Por que se condoer com uma provocação que foi feita em resposta a uma provocação prévia?

      Responder
      1. Rafael

        Rodrigo

        Não, não vi. Como já reiterei, não estou lendo tudo. Se isso foi falado de Federer, sou contra da mesma forma, e ainda bem que não li.

        Não estou me doendo por nada, não foi seletivo, todos aqui sabem que talvez eu, como torcedor de Djokovic e amante do tênis, tenha talvez tecido o maior número de loas a Federer do que qualquer outro não-torcedor (daqui).

        De Andy Murray sempre gostei.

        Sobre Nadal, me redimi há pouco tempo, reconhecendo que fui um dos otários a achar que ele estava terminado lá atrás e me curvei perante sua grandeza. Outros ainda não fizeram o mesmo, mas e não tenho nada a ver com isso.

        Sobre Wawrinka, vc mesmo já concordou com um comentário meu.

        Já revelei aqui que meu jogador favorito, que me fez parar pra assistir tênis e tentar entender, foi Stefan Edberg.

        Não gostava de Boris Becker. Achava ele muito marrudo , mas um excelente jogador Torcia pra ele perder.

        Muito depois, em bem menor escala, gostava de ver Patrick Rafter.

        Adoro Guga. A ideia dele contra a “armada espanhola”, isso sim, pra mim era épico. Mas era coisa de quando eu era mais novo.

        Todos que querem sabem pq torço pro Djokovic.

        Abs sinceros

        Responder
      2. Joncio Souza

        Exatamente Rodrigo. Esse fenômeno acontece com as torcidas do blog de Federer, Nadal e Djokovic. Até agora não vi um único torcedor dos três chamar a atenção do colega de torcida pelo fato do mesmo ter realizado um comentário tosco direcionado aos outros dois. Ninguém se incomoda quando falam mal do jogador para o qual não torce. Torcedores do Djokovic caem as gargalhadas quando chamam o Nadal de siri careca e baloeiro ou quando chamam o Federer de aposentado e rei da entressafra. Mas quando falam mal do jogador para o qual sua torcida é depositada, aparecem posts como esses. Não aguentam mais o blog. Fazem textos enormes querendo demonstrar sensatez e racionalidade, mas apoiam comentários ordinários e cretinos que geram respostas no mesmo nível, tal qual a sua.

        Responder
        1. Rafael

          Joncio,

          Apesar de não ter se dirigido a mim nominalmente, gostaria de agradecer a vc.

          Ao me por no mesmo balaio em que se encontra gente com a qual não tenho a menor identificação, vc me abriu os olhos.

          Devo estar fazendo algo de muito errado. Tem sempre alguém que vai reclamar de algo que escrevo, não importa sobre o que (ou quem) seja.

          É uma pena, mas segue a vida.

          20/07/2017, 12h39min

          Responder
  26. Nando

    Dalcim, acho q o “new backhand” (aquele do AO, de IW e de Miami) do Federer voltará a ativa nesse restante de temporada hein…os pisos daki pra frente favorecem, não?

    Responder
    1. André Barcellos

      Acho que volta sim. A meu ver o backhand apresentado no começo do ano tem mais a ver com a altura da bola (quique), do que com a velocidade das quadras.
      Também faz parte da opção de jogo mais agressivo, sem muitas trocas, o que ele vem implementado mais desde o Edberg, mas que radicalizou neste ano.
      Curiosamente, a bola do Nadal, com muito spin, tem quicando na altura que favorece o ataque na cruzada, pegando a bola mais em cima.
      Estou certo, Dalcim?

      Responder
      1. José Nilton Dalcim

        Na verdade, Federer tem pegado a bola mais na subida (ele já o fez antes, principalmente contra o Nadal) e isso minimiza o efeito topspin exagerado que Rafa consegue incrivelmente com seus golpes. Há de se acrescentar que o aumento da cabeça da raquete automaticamente aumenta a área de contato ideal e isso também ajudou na eficiência do golpe.

        Responder
  27. JOSÉ EDUARDO PESSANHA

    Dalcim, você concorda que FedEx “deu” essa última partida contra seu “best friend” Haas? Partida estranha demais. kkk.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Puxa, acho que não. É bem difícil você entregar uma partida no tênis estando na frente do placar. Precisa de um esforço grande.

      Responder
    2. Gilvan

      Eu vi esse jogo. Federer teve um match point que jogou uma bola quase indefensável, que foi devolvida pelo Haas na linha. Não existiu entrega alguma, existiu falta de concentração do Federer.

      Responder
  28. diego bezerra

    Federer é isso aí cara, perfeição, superação, exemplo, campeão e destruidor! Pra mim é um prazer ver a Melhor Versão do suíço, infelizmente N tive oportunidade de acompanhá-lo em 2007. Que venham mais títulos e aulas de como se jogar um tennis exuberante, agressivo, plástico e eficiente! Salve Roger.

    Responder
  29. Chileno

    Os números são absurdos. Ainda tem gente com cara de pau de falar que o sucesso dele é resultado de geração fraca, entressafra, sorte e outras asneiras. Quase 10 anos no top 2, 12 anos no top 3, 36 quartas de final consecutivas (basicamente 9 anos atingindo as quartas de todos os Slams), 23 semifinais consecutivas (quase 6 anos atingindo todas as semis), 10 finais consecutivas (2 anos e meio chegando em todas as finais), Rei da grama e das sintéticas, mas é tudo sorte.

    De todos os recordes absurdos dele, eu acho que o mais inatingível e espetacular são as 237 semanas consecutivas na liderança. São praticamente 5 anos seguidos sustentando a liderança do ranking. Extremamente difícil derrubar esse. Não que outros não sejam. 19 Slams também são MUITO difíceis, 302 semanas, 8 WB, 5 US Open consecutivos…

    Responder
  30. Luis

    Dalcim tem mais um recorde que Federer pode alcancar de 10 titulos em um mesmo torneio e Slam rs,em Halle ja ano que vem chegar nos 10 Luiz Fernando rs,e mais dificil nao impossivel vencer Wimbledon 10 vezes faltam 2 se conseguir ganhar Slam da grama em 2018 fica possivel rs,como diz Dalcim impossivel e’ Deus pecar kkkkk, e nao duvide de um Roger Federer rs,estava passando filme do Logico nao sei se era Star Strek kkkk,Dalcim Eusebio disse Sportv que os Masters americanos comecam em 4 semanas acho quase um mes? Go Federer 20 rs e beijo Alice volta no blog

    Responder
  31. Evaldo Moreira

    Bom dia,
    Expetacular, o Federer é Federer, os outros, são os outros, claro que, respeitando á pessoa e seus recordes.
    Dalcim, de onde vem tamanha simplicidade, força no jeito, e a incrível habilidade técnica do saque do suiço?
    Simplicidade: modo de jogo
    Força: bater suave na bola e a condução técnica do mesmo e
    Técnica: ai incluo a técnica apurada do jogo do Federer, alinhado ao saque, expectacular o sujeito, e que familia linda, rsrsrsrs
    Mestre Dalcim, arrisco a dizer, que um dois, daqueles moleques ali, seguirá os passos do pai, tomara, o que voce acha? rsrsrs
    abraços, e o texto, um primor de sempre…………….

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que a simplicidade do movimento é que facilita todo o resto. Ele usa todo o corpo para executar o golpe, com notável soltura no braço (a velocidade do braço é o componente essencial para dar velocidade ao golpe). Seria curioso, porque não me lembro de qualquer filho que tanta obtido o mesmo sucesso do pai no mundo do tênis.

      Responder
  32. Júlio Marinho

    Olá, Dalcim.
    Bom dia.
    Eu fiquei com dúvida nos números sobre sets seguidos na Australia (30) e em Wimbledon (34), porque isso não indica que ele teria que ter enfileirado no mínimo 4 títulos seguidos em cada um, sem perder sets (salvo engano na Australia ele não chegou a 3 finais consecutivas). Em Wimbledon, apesar de ter ganhado de 2003 a 2007, além da final e 2008), sempre ficava um set pelo caminho. Poderia me confirmar, por favor?
    Obrigado.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que você está fazendo contas erradas. 30 sets são 10 partidas sem perder sets num Slam, portanto basta um título e mais três rodadas do ano anterior ou seguinte. Foi assim com ele entre a final de 2006, o título de 2007 e as primeiras rodadas de 2008 na Austrália e a sequência entre 2005 e 2006 de Wimbledon.

      Responder
  33. André Borges

    É incrível pensar que as marcas do Connors começam a se tornar viáveis. Se o Federer quiser e adaptar o calendário para atingí-las muitas começam a ficar factíveis.

    Responder
  34. Neto Gomes

    Dalcim.
    Parabéns pelo blog.

    Em termos de confrontos diretos, Federer compareceu 5 vezes na “casa” de Nadal e perdeu todas.

    Nadal compareceu 3 vezes na “casa” de Federer e venceu 1, em 2008.

    Em 2018, se ambos participarem de Roland Garros e Wimbledon, onde há maior probabilidade de ocorrer uma final entre os dois?

    Em outras palavras, o que é mais provável ocorrer: Federer conseguir disputar uma final contra o espanhol em RG ou Nadal contra o suíço em Wimbledon?

    E ainda, se houver as duas finais, quem tem mais chances de vencer?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Puxa, isso já é futurologia… rsrs… Precisaríamos saber como estará cada um em cada momento. Se pensar no circuito hoje, talvez Federer chegar na final de Paris fosse menos difícil do que Nadal ir à de Wimbledon. E acho que cada um venceria no seu piso.

      Responder
  35. Paulo F.

    Repostarei:
    Uma coisa que se preocupam muito é que Federer possa alcançar o número de títulos de Connors:
    Mas, sinceramente, isso importa?
    Olhem a magnitude dos títulos de Federer se comparados aos de Connors…

    Responder
    1. Anti anti jogo

      O que importa é que o mala espanhol nào torne-se jamais o maior vencedor de Slams… isso seria a morte pra história do tênis…. já basta ser o maior vencedor de Masters 1000…

      Responder
  36. Rubens Leme

    Há a velha discussão do nível dos torneios em que Connors e Lendl ganharem boa parte dos seus, pois Federer, Nadal e Djokovic fizeram suas carreiras vencendo Slams, M1000 e Finals (não no caso do espanhol), enquanto no passado torneios tinham menor nível.

    Uma punica coisa que o circuito poderia ter de volta, mas não vai acontecer seria um ou dois torneios indoor no carpete.

    Por que foi devidamente descartado, Dalcim? Rápido demais? Lesões em excesso?

    Era muito bacana de ver.

    Responder
  37. Rafael

    Prezado Sérgio Ribeiro,

    Eu tinha o hábito de ler todos os comentários. Tinha.

    Hoje, infelizmente, filtro o que leio, porque de aborrecimentos e/ou ignorância já estou cheio. Gosto da interação, mas não suporto gente cretina. A pessoa que não teve acesso à educação, não teve a chance de estudar, etc é uma coisa, eu respeito. Já aquela que escolhe ser ignorante e ofensiva eu desprezo. Todos tem seus momentos ruins, mas agressividade, preconceito e certos tipos de comemorações engraçadinhas eu dispenso.

    Às vezes, fico uns dias sem ler os comentários, só os posts do Dalcim, pq estou varando madrugadas trabalhando (veja a hora desta postagem, 4:22 da manhã). Pode muito bem ser que eu perca coisas legais nessas vezes.

    Isto dito, se os créditos são devidos à vc, a Cesar o que é de César!

    Abs

    Responder
  38. Tácito Albuquerque

    Parabéns Dalcim pela pesquisa e texto!
    Pergunto, quais desses números na sua opinião ele não tem condições de superar?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Bom, existem vários. Mas entre os que ele ocupa segundo lugar, acho que títulos (109) e vitórias (1.358) são os mais difíceis.

      Responder
  39. Eduardo

    Boa noite Dalcim!

    Excelente post como sempre. MAs so entender uma situacao……Como Sampras Ganhou 8 finais seguidas se nunca ganhou RG? Esta dizendo entao as finais que cada um fez sem serem consecutivas, certo?

    Abc

    Responder
  40. José Carlos Santana

    Dalcim, boa noite. É a primeira vez que participo, parabéns pelo blog. Fugindo um pouco do assunto do post, você acha que o Federer esteve no controle do jogo praticamente todo o tempo? Você acha que esta é uma característica natural do Roger, isto é, procurar sempre impor o seu ritmo? Abraço

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que houve equilíbrio no começo da partida e Federer só passou a dominar a partir da primeira quebra. Sim, essa é uma característica dele, a de tentar se impor desde o começo e já criar pressão. Abs!

      Responder
  41. diego adrian

    471 semanas é pouco mais de 9 anos!!!! Dizer que um cara ficou entre os 2 melhores do mundo num esporte tão competitivo como é o tênis é inacreditável, surreal. Em um ano acontecem tantas coisas com os esportistas, como lesões, perca de motivação, cansaço físico e mental, momentos de auge de diferentes rivais, perca de foco por diversas situações tais como casamento, filhos, falecimento de algum familiar ou ser querido, e etc. É muito difícil se manter na cima durante um ano, imagina então durante mais de 9 anos!!!!!….kkkkkkk. Esse cara não é deste mundo……kkkkkkkkkk

    Responder
  42. DANIEL DE FIGUEIREDO TOLEDO

    Dalcim, postei uma enquete na página do facebook, gostaria de saber sua opinião sobre qual desses feitos seriam mais difícil ele conseguir. Sei que ele provavelmente não jogará mais no saibro, que alguns feitos não agregariam muito a sua carreira, é mais no sentido da dificuldade, hipoteticamente mesmo. Vamos lá:

    Fechar o Masters (faltam Roma e Monte Carlo ambos no saibro); Ouro Olímpico em 2020 na hard court; Ganhar Roland Garros de novo; Ganhar mais de 20 Grand Slams; Recorde de títulos (16 atrás de Connors) ou Recorde de vitórias (142 atrás de Connors)?

    E você diria que ganhar mais 1 Slam para chegar a 20 e voltar ao N.1 (ainda que por poucas semanas) sejam feitos prováveis?

    Grande abraço

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Puxa, acho que em termos de dificuldade as 142 vitórias para alcançar Connors. Ou seja, mais dois anos muito bem jogados e de grande sucesso. Acho que voltar ao número 1 está menos difícil do que ganhar o 20º Slam.

      Responder
  43. Daniel

    Dalcim, 628 semanas no top 3? Eu sabia dos recordes como número 1, mas estamos falando de mais de 12 anos entre os 3 melhores do ranking.
    Isso para mim elimina qualquer hipótese ou questionamento sobre entressafra, circuito fraco, etc. O cara sempre esteve ali, entre os melhores, pode não ter ganho todos os títulos é verdade, mas tem uma carreira consistente demais, disputando de igual pra igual com tenistas mais jovens. Impressionante!
    Dalcim, quem ganharia em uma final de WB hoje, RF modelo 2017, classico e mais inteligente ou RF 2007, mais ágil e potente??

    Responder
      1. Daniel

        Boa Dalcim, que tal um 3 x 2 para a versão 2017, na grama de 2007, com 7/6,6/7,7/6,6/7, 19/17 em 5h de jogo, com 140 pontos em 170 subidas a rede… rsrs

        Responder
      2. Matias

        Bom dia Dalcim,

        Uma vez li você dizendo que se o Federer tivesse a esquerda do Wawrinka ela teria ganhado as finais que perdeu, por isso você acha que o RF 2017 venceria o RF 2007? Grande abraço e parabéns pela melhor cobertura do mundo do tênis!

        Responder
          1. Julio Calleja

            Bem isso mestre Dalcim. A questão da experiencia que vc ressalta tmb, fica nitido na questão mental dele, que melhorou muito. Nao se vê mais aquelas viajadas e nem aqueles infinitos breakpoints desperdiçados. Ou seja, esta muito mais concentrado e focado durante todo jogo. Sabe que pela idade que tem, nao da mais para se dar ao luxo de desperdiçar chances. E as duras derrotas que teve, serviram de referencias pra essa mudança.

  44. Sérgio Ribeiro

    Teimei após o AOPEN que Roger pularia TODA a temporada do Barro. Não deu outra. Muitos acharam que poderia surpreender. Os 31 Sets consecutivos vencidos na Grama , Halle e WIMBLEDON justificaram plenamente a ausência. Mesmo muito perto de Rafa Nadal no Ranking , acredito que MASTERS 1000 próximos , nem pensar. Cincy , USOPEN, Basel, Paris e FINALS ( 6000 Pontos ) e’ a minha aposta. Meu Caro Dalcim, no Post aparece Federer com 2 SLAM em pisos diferentes sem perder Sets. Quais seriam os 3 diferentes de Rafa Nadal ? É possível afirmar que 11 Finais de Wimbledon e 8 Conquistas do Suíço , tem um peso maior que as 10 e 10 Conquistas de Rafa Nadal em Rolanga, ou já é apelação rs ABS !

    Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Sim, Roland Garros nunca mudou de piso… rsrs… Quanto a outra pergunta, não sei se cabe comparação. Cada um é claramente dominante nos pisos.

          Responder
  45. Carlos Alberto Alves

    Dalcim, boa noite. Parabéns por nos apresentar os números desta lenda chamado Roger Federer. São tantas as façanhas e recordes que acredito, talvez nem ele mesmo tenha conhecimento de tudo. Imagino que se o corpo permitir e o gênio esteja saudável, quero crer que ele jogue em alto nível por pelo menos mais uns 2 a 3 anos, você não acha? Em finais você citou que ele está 5 atrás de Lendl e 23 atrás de Connors , aqui eu tenho uma dúvida estes dois caras chegaram em finais tão expressivas como o Rei? Ou seja, inúmeros Slams e M1000? Ou já no final de carreira era só atp 250? Faço essa pergunta somente para você evidenciar a todos aqui do blog a grandeza deste gênio. Confesso a você que mesmo acompanhando este mito há tantos anos, muitos dos números citados aqui eu não conhecia. Realmente Dalcim seu trabalho é um primor, sempre no mais alto nível de excelência!! Parabéns!! Somente uma informação ainda sobre o rei para compartilhar com você e os demais aqui do blog, especialista os torcedores do gênio. Ontem assistindo o pelas quadras o fininho deu uma informação impressionante sobre o Federer, que ontem fora a coletiva que é obrigatória, o rei atendeu nada mais, nada menos que mais 22 entrevistas exclusivas para todas as TV’s do mundo, incluindo o Brasil, ou seja, Federer é um mito também fora das quadras. Vida longa ao rei.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Não, os títulos de Connors não são tão expressivos, com certeza. Ele ganhou muitos torneios no começo da Era Profissional, quando a ATP nem existia ainda e portanto o calendário era um tanto desorganizado.

      Responder
      1. Rafael Wuthrich

        Mesmo sem ser oficial, li no Wikipedia que são dezenas de títulos em ATPs pouco conhecidos, como Salisbury, Salt Lake City, Birmingham, Denver, Hampton. Li nas referências que, como o ATP Tour como o conhecemos hoje, unificado, só surgiu em 1990, até então os jogadores se dividiam em vários torneios patrocinados por suas promotoras, e não como é hoje, em que há um circuito a ser jogado por todos. Eles só jogavam juntos os Grand Slam. É isso mesmo?

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          O calendário era muito mais extenso do que hoje. Vários torneios surgiram e depois desapareceram, mas nem por isso eram ruins. Connors se aproveitou muito bem do fato de jogar em casa e na quadra dura, o que ainda era novidade para o circuito. Além é claro de ser um vencedor nato.

          Responder
  46. GILDOKSON

    Pra mim um dos recordes mais fascinantes é o de finais consecutivas de Slans, não fosse aquela semi perdida para o sérvio, o Gênio chegaria se não me engano à incríveis 19 finais consecutivas de Majors.
    Correto Dalcim?

    Responder
  47. Márcio Souza

    Mestre só uma dúvida ali nas estatísticas, aonde fala que Federer venceu 2 Slam diferentes sem ter perdido nenhum set e na sequência mostra Nadal e Borg com 3.

    Se não for encher o saco e fizer mesmo a diferença sera que seria cabivel frisar que, Nadal ganhou 3 Slam sem perder sets mas foi o mesmo Slam em RG e o Federer e o Borg ganharam GS diferentes sem perder sets.

    É que nós torcedores do Federer não queremos nos misturar com as conquistas e números do Nadal kkkkkkkkkk

    Responder
  48. AKC

    Com esses números, quem vai questionar a realeza do suíço? Nadal vai continuar sendo o rei do saibro e tendo bons resultados nos demais torneios e Djoko com certeza terá mais um auge daqui um ou dois anos, mas dificilmente baterão os recordes de Federer. Ele é o BODE!

    Responder
  49. Maurício Neves

    Por favor leiam
    ————————————————————————————————————–
    Quinta, 16 de julho 2009 às 10:19:39 BR

    Paul Dorochenko é um dos homens que mais conhecem Roger Federer. O francês de 55 anos foi um dos primeiros preparadores físicos de Roger Federer e é muito conceituado no mundo do tênis tendo trabalhos também com Carlos Moya e Sergi Bruguera.

    Roger Federer iniciou como profissional em 1998 e a federação suíça contratou o técnico Peter Lundgren e Paul Dorochenko, que se unia ao técnico Peter Carter no comando do tenista: “Federer estava trabalhando com um preparador físico que vinha da maratona pelo que havia feito mais no trabalho de corrida, força e coordenação, algo que desenvolveu comigo”, disse Paul.

    Dorochenko recorda que Federer “era um louco total naquela época”. Não tinha jeito de não atirar a raquete no chão quando as coisas saiam erradas e pecava muito na concentração, algo que foi corrigindo aos poucos com um psicólogo. “Na época Federer era pouco sério e hiperativo. Ele me consumiu em somente três anos”, diz Paul.

    Federer então, após três anos de trabalho, rompeu com a federação suíça para caminhar somente com Lundgren: “Não se podia ensinar muito ao Federer pois tinha uma técnica apurada. Era impressionante sua habilidade com os pés e a facilidade no apoio. Com a técnica que tinha Federer jogava como queria em quadra. Quando entrava em quadra quem mandava era o corpo, mas fora dela não gostava de falar de tênis, não era um apaixonado”.

    Paul destaca também que Federer “é o tenista com melhor físico do circuito e que chegará bem aos 30 anos com pouco desgaste”. O francês acredita que Federer chegará em torno dos 18 Grand Slams na carreira.

    Dorochenko ainda segue mantendo contato esporádico com Federer e sua esposa, Miroslava Vavrinec: “Federer gosta de estabilidade. Não teve muitas experiências com mulheres, só teve uma namorada antes de Mirka e agora ama sua mulher. Ela é uma boa companhia pra ele e deixa que ele apenas se preocupe na hora de jogar”.
    ———————————————
    Fonte: http://tenisnews.band.uol.com.br/modules.php?name=News&file=article&sid=26006

    Responder
  50. Maurício Neves

    Dalcim, acho que os recordes é que tem sede de Federer.
    ————————————
    O link abaixo mostra Federer x Yevgeny Kafelnikov (1999)

    https://www.youtube.com/watch?v=AaDwzL8i2N8

    Arquibancadas vazias. Yevgeny Kafelnikov contra quem (Quem é esse garoto irritado que joga a raquete no chão)?
    ———————————————————————————-

    Montanhas altas até chegar na praia e curtir uma água de coco bem gelada.

    Responder
  51. Gustavo

    Mestre,

    Boa noite!

    Assunto sempre polêmico e difícil, mas quais os seus 5 maiores da história? Obs: sei que já trataste deste tema milhares de vezes ao longo de anos no blog, mas sempre após um Grand Slam ficamos na vontade de rememorar o assunto…

    Para mim,

    1. Federer
    2. Nadal
    3. Laver
    4. Sampras
    5. Djokovic( colocaria Borg, mas Djoko já passou e distanciará ainda mais ao término da carreira, independentemente de o sueco ter se retirado aos 26 anos apenas…)

    Concordas?

    Obrigado,

    Abraços

    Responder
      1. Mario Cesar Rodrigues

        Fazer o que a Democracia!Borg na frente do Rafa ok parabéns!Mas eu respeito isto muito.Fico pensando que o maior e melhor de todos foi Rafael Nadal sério.se não fosse Rafa Federer teria ganho mais uns 15GS e umas porradas de torneio pór isto coloco Rafa com o cara!

        Responder
          1. Marcelo Araújo

            Dalcim, na minha humilde opinião, se formos falar dos seis melhores de todos os tempos, eu incluiria o Djokovic pois, além de já ser o quinto tenista em número de semanas como No. 1 e o quarto tenista em número de slams, ele tem hoje um H2H favorável contra 2 dos 5 melhores tenistas de todos os tempos e em uma quantidade significativa de jogos. Isso sendo contemporâneo destas 2 lendas do tênis. Você concorda comigo, Dalcim? O Djokovic não mereceria pelo menos o 6o. lugar neste ranking? Sem contar que ele ainda não encerrou sua carreira e ainda pode melhorar os seus números, que incluem ainda o recorde de másters 1000, 5 finals e ainda um percentual altíssimo de vitórias por jogos disputados.

          2. José Nilton Dalcim

            Sim, é um bom argumento, Marcelo. Mas eu o colocaria atrás de Lendl pelo menos por sua importância histórica.

          3. José Nilton Dalcim

            Sim, é um bom argumento, Marcelo. Mas eu o colocaria atrás de Lendl pelo menos por sua importância histórica.

      2. LUIZ FERNANDES PEREIRA NUNES

        Desculpas mestre , eu não vi sua resposta ao colega mais abaixo. De qq forma obrigado por sua atenção a todos nós.

        Sds…

        Responder
      3. Thiagogmm

        Olá amigo Dalcin. O senhor por gentileza poderia ser mais específico do porque colocas samorás e borg na frente de nadal no seu top 5 dos melhores da história? A meu ver o espanhol tem mais números expressivos q os dois. Forte abraço.

        Responder
        1. Mario Cesar Rodrigues

          Conjunto da Obra o Dalcim tem o direito mas no fundo ele sabe que é mais pelo fanatismo controlado que teve pelo Borg nunca vi em nenhum site, Blog Borg na frente do Rafa!Mas Dalcim é o cara ele tem conhecimento mas fica evidente o porque!amaria ver ele dar o seu parecer em que pese o que ele fala?em que aspecto ai eu iria entender!Podia não concordar como não concordo mas iria respeitar para um melhor entendimento para mim que não tenho experiência com o tênis apenas gosto!

          Responder
  52. José Vilmar Araújo

    Dalcim, aproveitando o post sobre recordes e feitos, você tem a informação de qual foi o slam vencido com menos tempo em quadra do campeão? Este Wimbledon foi bem rápido. Algum outro superou?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Nunca vi essa estatística, Araújo, mas é bem possível mesmo que esta tenha sido uma das mais rápidas. Se bem que tivemos uma partida incompleta, o que prejudica a análise.

      Responder
  53. Miguel BsB

    Inacreditável é que essa geração fantástica atual, são os recordistas de conquistas de cada Slam: Federer USOpen/Wimbledon
    Nadal Roland Garros
    Djokovic AUSOpen

    Lendas Monstruosas!

    Responder
    1. Paulo F.

      Aí que me refiro, e insistem em ficar de picuinhas tentando diminuir esses titãs do tênis.
      Embora eu particularmente deteste COMO nadal joga e faça bastante piadas sobre ele, sei qual é o lugar dele no tênis.

      Responder
  54. André Luiz

    É impressionante, o sujeito entra em quadra e bate recordes.
    Na forma em que está, motivado pra continuar a carreira, Federer pode estar colocando o ”sarrafo” de seus principais recordes em uma altura inalcançável nas próximas décadas.
    Um campeão indiscutível e um embaixador fenomenal pro tennis.

    Responder
  55. O LÓGICO

    Guru, tem um item que é bastante olvido, quando se quer definir uma classificação de top 5 da história: o domínio de um tenista em mais de um piso. Isso porque tal domínio demonstra tanto aspectos quantitativos, pois pra se aceitar essa hegemonia faz-se necessário um número considerável de coquistas, mas, também, e principalmente, aspectos qualitativos, pois tal façanha demonstra quão tecnicamente excepcional é o tenista. Dito isso, não vejo como não pôr o Rei, Sampras e Borg como tenistas que estão um patamar acima dos demais no aspecto técnico. Laver é um caso à parte….

    Quanto à discussão sobre quem é o maior e melhor da história, não há dúvidas que Ele é o único que consegue se enquadrar em todos os critérios possíveis. O H2H pode no máximo se aceito como um critério de desempate, mas quando analisado até que ponto um tenista concorrente se aproxima do outro nos critérios que realmente importam.

    Nesse sentido, e não poderia faltar kkkkkkk, o robozinho é o tenista mais “desqualificado” entre os grandes conquistadores da história. Suas façanhas numéricas são função da LAJE kkkkkkk e seu tênis, talhado pra Laje, impressionantemente kkkkk NÃO MUDA NOUTROS PISOS kkkkk
    I
    Isso é um fato não somente empírico, mas científico: são quase 4 anos sem ganhar título nas duras: não há experimentação mas convincente e imparcial para comprovação da LEI RAFAEL NADAL: LEI DO TENISTA UNIDIMENSIONAL kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    CHUPA QUE É DE UVA NADALZETES KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Mas ao mesmo tempo, Lógico, pense comigo: Nadal ter vencido duas vezes Wimbledon, e uma delas em cima do Federer, o coloca num patamar muito exclusivo. Ele certamente teve de fazer muito mais adaptações no seu jogo para isso do que Federer, Djoko ou Murray precisaram. Isso para mim demonstra o tamanho de sua qualidade. Abs!

      Responder
      1. O LÓGICO

        Guru, teu contra-argumento é bom, mas ele indica que houve apenas uma superação momentânea, sem, contudo, expressar a regularidade de um Borg ou Sampras em dois pisos. A regularidade indica o quilate técnico do tenista e as conquistas deles em dois pisos mostram o quanto eles foram “especiais”. Note, estou falando apenas de um TOP FIVE quanto ao aspecto unicamente técnico-habilidade, e esse sempre será o calcanhar de aquiles do robozinho.

        Responder
  56. Bruno

    Mestre,

    Depois de tantos recordes, tantas conquistas, tanta beleza e plasticidade de suas jogadas, tanta admiração e tanta conduta exemplar dentro e fora das quadras, acho que uma consequência plausível que pode acontecer com o Federer nos próximos anos é passarem a considerar o nome dele como um dos maiores atletas esportivos da história.

    Ao menos deste século, provavelmente ele já é. E tem tudo para começar a ser comparado com Pelé, Michael Jordan, Senna e outros poucos. Continuando a jogar do jeito que está, quando ele parar certamente será Top10.

    O que você acha?

    Abraços!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Olha, Bruno, acho que ele já está entre os maiores atletas da história. Claro que o tênis tem menor popularidade, mas hoje seus feitos percorrem mais facilmente o planeta e acredito que boa parte da massa pensante entenda a dificuldade que o esporte individual, e ainda mais o tênis, possuem.

      Responder
      1. Emerson FV

        Estava justamente pensando nisso!!!
        O Federer já extrapolou a história do tênis e entrou pra história do esporte.

        Dalcim, pensando de forma ampla no esporte do século 21, somente Usain Bolt poderia fazer frente aos feitos de Federer, considerando não somente um grande momento, mas uma carreira consistente.
        Pra mim, LeBron James, Cristiano Ronaldo e Messi, como exemplos mais falados, ainda estão muito aquém dos feitos dos dois acima citados.
        Você se lembra de outros esportistas comparáveis a esses dois?

        Abraços e parabéns pelo excelente trabalho seu e de toda sua equipe!

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Acho que não se deve misturar esporte individual com coletivo, porque são universos distintos. Acho que são sim os maiores nomes do século 21.

          Responder
      2. Rubens Leme

        Toda vez que alguém faz uma lista dos melhores e coloca Senna ao lado de Pelé e Michael Jordan eu dou risada. Os números deles são tísicos se comparados a Schumacher ou Prost.

        Nem o melhor da sua geração ele foi. É muito pachequismo junto. É como colocar Guga entre os 10 do tênis.

        Responder
        1. Anti anti jogo

          Mas aí neste caso entra o “intangível”, onde.não se considersm apenas números, peli fato do automobilismo ser diferente (por causa da famosa questão: “se o carro não for bom…”

          Veja, toda hora saem votações/livros, etc, de varias mídias (inclusive britânica, que não gostava muito do Senna), que põem Senna como o melhor, ou então em listas que Schumacher e Prost vem atrás de Jim Clark, Senna, Fangio…

          P.S. Prefiro Prost a Senna, e quem acertava/testaa o McLaren nos dois anos em que correram juntos era o francês.

          Responder
        2. Marcelo F

          Concordo com você com respeito a Senna. Dizer que ele é melhor que Schumacher é o mesmo que dizer que Guga é melhor que Vilas. Puro pachequismo.

          Responder
      1. Jefe

        Mestre, que bom trabalho a que se dispoe, eu mesmo leio e releio seus textos umas 10 vezes, e acompanho os bons comentários do blog.
        Obrigado!

        Responder
  57. Renato

    Números fantásticos! Destaque para o número de finais e semi-finais, em slam, em sequência. Destaque por vencer Wimbledon e U.s open por cinco anos seguidos. Tem tanta coisa que a gente fica até meio perdido. Rs

    Responder
  58. mariliense

    Sou Rafa, mas não existe dúvidas que Federer é o maior da história. Não dá para brigar contra fatos óbvios.

    Parabéns para Roger e sua torcida maravilhosa.

    Responder
  59. Rodrigo S. Cruz

    CARO CHETNIK.

    Esta curiosidade aqui, eu separei especialmente para você, meu velho.

    Eis a razão pela qual o Federer é , foi e sempre será superior ao Novak ou ao Touro.

    Pois se já não bastasse ser melhor na exuberância do seu tênis, isso ainda não é tudo.

    Até o MÍSTICO e o INEXPLICÁVEL abençoam o cara.

    Ele é um predestinado para a prática deste esporte.

    1) Nascido no oitavo mês. (Agosto).
    2) No oitavo dia.
    3) Vencendo o seu oitavo título de Wimbledon.
    4) Justamente com oitavo ace da partida.
    5) No oitavo encontro com Cilic.
    6) E tendo perdido apenas oito games na final.

    Abs.

    Responder
    1. Mário Fagundes

      Isto é mesmo muito intrigante, fascinante. Federer deve ter muito mais números coincidentes na vida. Também podemos colocar nessa relação o fato de que ele conquistou Wimbledon (ainda) aos 35 anos. E o número 35 (3+5=8). Os números perseguem Federer. rsrsrs.

      Responder
    2. Athos

      Roger Federer
      Federer nasceu no dia 08/08 e acredita que oito é o seu número da sorte. Antes de entrar em quadra nos jogos oficiais, o suíço dispara oito aces nas quadras de treino. Ele utiliza oito toalhas a cada set, leva oito raquetes para cada jogo e troca cada uma delas a cada oito games. Também separa oito garrafas de água na lateral da quadra. Hoje a marca foi superada, porém, até o momento em que escrevemos este post, Federer possuía exatos 88 títulos em sua carreira!

      http://bolamarela.pt/fora-de-linhas/as-13-supersticoes-mais-incriveis-do-universo-tenistico/

      Incrível.

      Responder
    3. Chetnik

      Ele tá mais pra 666, kkkk.

      Eu fico imaginando o tempo livre que um cidadão desses tem pra pegar essas coincidências rs.

      Mas não deixa de ser interessante.

      Responder
  60. Bismarck Louback Zanon Neves

    Parece brincadeira dalcim !! Em porcentagem você daria favoritismo pro Federer de quanto no us open contando com nadal , stan e cilic no us open ??

    Responder
  61. Julio Calleja

    Numeros estratosféricos. Aqui vai para o Dalcim e companheiros do blog, uma interessante matéria com uma franca entrevista que o Federer deu para o The Guardian hoje. Ele fala sobre a questão do jogo saque e voleio nos dias de hoje, da questão nova geração conseguir ganhar os grandes titulos, o sistema de pontuação do ranking….
    https://www.theguardian.com/sport/2017/jul/17/roger-federer-hungover-tennis-next-generation-wimbledon?CMP=twt_gu

    Responder
  62. RODRIGO AZEVEDO ALMEIDA

    Numeros incriveis! Dalcim, estamos vivendo na era dos dois maiores ganhadores de Slam e maiores ganhadores de Wimbledon e RG. Aproveitem!

    Responder
  63. Marcelo Bragatto

    Mestre…

    Essa estatística sobre premiação total possui fator de correção para valor presente?

    Quando Djokovic ganhou seu primeiro slam em 2008, Federer já havia vencido 13, segundo o Wikipédia. Tenho a impressão que a premiação dele é subestimada e acredito que a valor presente sua premiação supera a do Djoko. Sem contar que o grosso de premiação da carreira do Djoko é toda depois de 2011.

    Responder
  64. Jamison

    Dalcim,

    que números são esses!!!???

    Absurdo!!!!! 471 semanas no top 2…são quase 10 anos de incrível regularidade e maestria!!!

    Vida longa ao REI!!

    Parabéns pelo post!!
    Abs

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *