Como Nadal ganhou seu terceiro US Open
Por José Nilton Dalcim
10 de setembro de 2017 às 17:10

Final totalmente dentro do esperado, com domínio absoluto de Nadal o tempo inteiro. O mais surpreendente foi sua eficiência com o saque a favor, tendo perdido apenas 15 desses pontos. Impôs ritmo forte desde o começo, explorou muito o backhand do adversário e foi impecável nas subidas à rede. Anderson tentou forçar ao máximo, mas não foi feliz. Errou 40 vezes, algumas delas em momentos muito impróprios.

Terceiro set
6-4 – Ao menos emoção no game final. Anderson foi para o tudo ou nada, mas errou smash absurdo. Nadal ainda desperdiçou um match-point, mas depois surpreendeu com um saque velocíssimo no forehand e fechou com outro saque-voleio.
5-4 –
Anderson solta o saque e o forehand, já que não tem muito mais a perder. Nadal provavelmente vai começar game final de serviço forçando o backhand do adversário, onde tem vencido quase todos os pontos.
5-3 –
Tarefa facilmente concluída por Nadal, que chega a 91% dos pontos vencidos com o primeiro serviço.
4-3 –
Ao menos, Anderson vai confirmando seus serviços e dando algum tom de emoção na partida.
4-2 –
Outro serviço com muita autoridade de Nadal, que faz outro saque-voleio explorando o backhand de Anderson. São 15 subidas e nenhuma falha.
3-2 –
Anderson trabalha bem com o saque, talvez seu melhor game na partida.
3-1 –
Um game até um pouco mais apertado para Nadal, que novamente permitiu 30-30. Daí em diante mais uma vez foi muito preciso e esperou a ansiedade do sul-africano.
2-1 –
Sul-africano volta a calibrar bem o primeiro saque para fechar o game. O problema é que só ganhou oito pontos com Nadal no saque. Perspectiva nada animadora.
2-0 –
Nadal ainda deu 0-15 antes de ganhar quatro pontos seguidos com tranquilidade. O fato é que Anderson não parece ter soluções para suas dificuldades como devolvedor.
1-0 –
Anderson abriu 40-15 e aí começou a errar tudo. Perde o saque pela terceira vez na partida. Final pode ser outro passeio de Nadal.
Segundo set
6-3 –
Outro game de serviço muito aplicado do espanhol, que continua a ser o grande sacador da partida. Se Anderson consegue devolver, já vê bolas que o deslocam para os lados. Espanhol fecha set com 15 winners contra apenas 6 e cinco subidas à rede perfeitas. Anderson acertou apenas 36% do primeiro saque, e aí…
5-3 –
Sul-africano volta a forçar jogo e consegue ao menos diminuir o prejuízo.
5-2 –
Com muita agilidade e precisão, Nadal chega facilmente nas tentativas de voleio de Anderson. E mantém o ataque ferrenho ao backhand para ampliar vantagem.
4-2 –
Assim que percebe a chance de ir à rede, Nadal deixa o sul-africano em má situação, sempre com backhand pressionado. A quebra foi até tranquila.
3-2 –
Nadal continua não dando chances no seu serviço, o que certamente pesa na cabeça do adversário. Até agora, o máximo que Anderson conseguiu foram dois 30-30.
2-2 –
Mais um game de serviço sem sustos para Anderson. Com 40-15, Nadal tentou mexer com a cabeça do sul-africano e ficou a um passo apenas da linha.
2-1 –
Nadal jogou firme seus dois games de serviço – o serviço no backhand de Anderson tem surtido muito efeito – e não correu riscos, mas ao menos o sul-africano acertou boas bolas e cortou os erros feios.
1-1 –
Anderson fecha com certa tranquilidade, usando um bom voleio para surpreender Nadal.
1-0 –
A expectativa é que Nadal fique ainda mais solto em quadra a partir de agora, o que é péssima situação para Anderson, cada vez mais pressionado.
Primeiro set
6-3 –
Nadal fecha o primeiro set com apenas quatro pontos perdidos com o serviço – e quem depende do saque é o adversário – e apenas 5 erros diante de 23. Ganhou todos os sete voleios que fez e viu Anderson só fazer 8 de 19.
5-3 –
Anderson até tentou coisas novas, como uma boa deixadinha, mas Nadal não se incomodou. Sacou com variação e continuou a fazer o adversário se mexer.
4-3 –
E está aí a quebra anunciada. Anderson tentou ir à rede e levou bolas no pé. Aí ficou atrás e cometeu dois erros bobos.
3-3 –
Melhor game de devolução do sul-africano, que enfim conseguiu encaixar boas bolas. Nadal inteligente variou e fez saque-voleio para finalizar o game.
2-3 –
E Anderson vai vivendo sua gangorra em cada game de serviço. Quando não acerta primeiro saque – e foram quatro duplas faltas -, arrisca tudo do fundo. Até mesmo bolas fáceis ele errou. Depois se safou de mais dois break-points graças ao serviço. A quebra parece questão de tempo para Rafa.
2-2 –
Tranquilidade para Nadal, que desta vez executou o plano A e fez Anderson bater sempre em movimento.
1-2 –
Game muito longo, o que é ideal para Nadal. O espanhol consegue devolver vários primeiros serviços, ainda que as bolas venham lentas, mas estão altas e profundas. Anderson escapou de dois break-points com coragem, mas se ficar nessa pressão toda…
1-1 –
Nadal usou pouco o primeiro serviço e Anderson mostrou que vai arriscar sempre a devolução de segundo. Mas errou tudo.
0-1
– Anderson ganhou o sorteio e optou pelo saque. Nadal adota a postura de ficar cinco metros atrás da linha, mas ainda assim o sul-africano só ganhou pontos quando sacou muito bem.

Nadal é superfavorito. Número 1, já tem dois títulos no US Open e busca o 16º de Grand Slam. Além disso, está jogando seu melhor tênis desde Roland Garros e deverá ter público a seu lado. Só perdeu um set em quatro duelos diante de Anderson, ex-top 10 de 2,03m que se mexe bem para sua altura e joga um tênis completo e agressivo. Aliás, a chance do sul-africano é sacar muito e achar as linhas.


Comentários
  1. Pedro

    O que dizer? Que o jogo do Nadal é feio, acho que todos concordam, com raras exceções. Que não dá vontade de ver repetidas vezes a mesma enrolação de trocas de bolas para o alto, acho que todos concordam com raras exceções. Mas, mesmo assim, não tem como não reconhecer que é efetivo, e que o espanhol sabe encontrar saídas e usá-las com muita precisão. São balões, mas balões precisos. E no final, ele é vencedor. Podemos achar o jogo feio, sem técnica, sem empolgação, sem plasticidade, mas temos que reconhecer que é vencedor. É um lutador, e um lutador inteligente, porque sabe suas fraquezas, e suas qualidades e estuda muito bem o adversário. Achei que o Anderson não é tão sacador assim. Faltaram bons golpes de slice no saque aberto. Essa tática de esperar a km da linha de base para deixar a bola lenta foi efetiva porque não houve sacador competente do outro lado. Nadal melhorou, mas ainda acho que o Federer do início do ano ganhava deste Nadal de agora. O que vc acha Dalcim? Não é possível que ninguém consiga neutralizar estes ganchos de forehand. Mais uma vez, faltou o restante do big four em boas condições físicas e técnicas. Por enquanto só dá Nadal.

    Responder
  2. Paulo Henrique

    Vai um café com leite do segundo semestre aí Pessanha?… KKĶKKKKKKKK

    É mesmo uma geração fraca essa que o “deus” do tênis enfrentou! Onde já se viu um saibrista unidimensional, ganhar 3 US Open, 2 WB e 1 AO entre outras “façanhas menores” fora do “mangue”, seu habitat? É um absurdo!

    Responder
  3. Anderson

    Assim que “ganhou” o topo do ranking em Cincinnati, muitos puseram em dúvida sua “legitimidade”, já que somou mais da metade dos pontos apenas no saibro europeu. E pela 4ª vez na carreira mostra que não é apenas o maior saibrista da história, é um competentíssimo jogador em qualquer piso, preparado pra vencer qualquer um. Sou torcedor do Federer e estilos ofensivos em geral, mas a torcida não pode nos cegar do colossal talento de um grande atleta. Inacreditável alguém pensar que o cara não é no mínimo um top 5 de todos os tempos…

    Responder
  4. Aguinaldo

    Eu torço pelo Federer, mas tenho que reconhecer que o Nadal é um fora de série e
    que provavelmente irá superar o Roger e se tornar o melhor de todos os tempos.

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Não será o melhor NUNCA.

      Ele não tem 300 e tantas semanas como numero 1, e 200 e lá pedradas de maneira consecutiva.

      E jamais terá.

      Também ainda está longe dos 19 Slams do Federer, que sequer se aposentou e que pode ganhar mais.

      Por fim, ele não joga com a plasticidade e beleza que joga o suíço.

      E de mais a mais, este Us Open esvaziado foi incrivelmente atípico, bem como a chave miserável de ridícula com a qual o Nadal se beneficiou.

      Portanto, não se preocupe. Não vai acontecer de novo…

      Responder
  5. Rildo

    Parabéns Nadal. Belíssima campanha. Mais do que merecido.

    Tomara que ele não tenha mais problemas com contusão daqui pra frente.

    Ainda não vejo nenhum jovem jogador surgindo para ameaçar os 4 tops. Eles ainda vão dominar ainda mais algumas temporadas.

    E vai ser preciso o Federer ganhar mais Slams para se garantir. Caso contrário esta diferença de 3 Slams dá para o Nadal tirar só com Roland Garros. E ainda tem outros slams que ele pode ganhar, como foi o exemplo de hoje.

    Abçs.

    Responder
  6. Ricardo

    Há um confronto de números que desmistifica um pouco da aura do Federer:
    1) Os primeiros Slam’s foram ganhos em uma época de entressafra de jogadores, não havia nenhum grande jogador. Somente em 2005 surgiu um garoto chamado Nadal, mas que assombrou o mundo apenas no saibro.
    2) O primeiro título fora do saibro para o Nadal ocorreu em 2008, mesmo ano em que o Djoko ganhou o seu primeiro Slam. De lá para cá são apenas 7 títulos para o Federer em Slam, 12 para o Djokovic e 13 para o Nadal.
    3) Federer em 2007 para 2008 ainda tinha 26 anos, então não tem como chamá-lo de velho à época.
    4) Com esses três monstros jogando juntos, os títulos do Federer são a metade em Slam’s e deve ser em número ainda bem menor em masters 1.000.
    Como ainda assim ele pode ser chamado de o melhor de todos os tempos?

    Responder
    1. Rafael

      Bobagem, Nadal não enfrentou nenhum top 20 nesse slam, por exemplo. Os adversários do Federer em 2006 e 2007 eram bons na época, como Nalbandian, Roddick, Hewitt, Safin, González, etc. Procure na internet os jogos do Nalbadian no auge contra o Nadal, em 2007. Procure também Nadal x Davydenko, outro jogador dessa época.
      Outra coisa, Nadal ganhou 10 slam no saibro e em M1000 a maioria dos seus títulos também vem daí. E nós sabemos que desde o início dos anos 2000 os saibristas desapareceram do circuito. Veja quantos disputavam no saibro nos anos 90 e foram top, na época do Guga. Na era Nadal os poucos que ainda jogavam estavam em fim de carreira e depois não surgiu mais nenhum saibrista de alto nível. Até hoje não existe nenhum outro saibrista, o melhor depois do Nadal foi Ferrer. Ou seja, a maioria dos títulos do Nadal vieram em um piso onde não existem competidores (Federer, que é jogador de quadra rápida, tem 5 finais em RG, um sinal da falta de jogadores para esse piso).
      Outro ponto, Nadal nunca ganhou um ATP Finals, contra 6 do Federer e 5 do Djoko.
      Nadal é o maior saibrista da história, o que já é grande coisa.

      Responder
      1. robs

        pelo seu critério fazer 5 finais de wimbledon, 4 de usopen…mais 4 de australian open… mais 5 ou 6 em Miami… 3 indian wells…olimpíada…mais 2 no finals…é um tanto quanto fora da curva…. já imaginou se tirar a grama do currículo de uns…e de quadras de cimento de outors…. vixe…. aí ninguém ganha nada fora de suas preferenciais… completamnete sem sentido esse tipo de estatística… o tenis se joga ,,predominantemente em 3 superficies…e cada jogadopr se dá melhor em uma…no caso do Nadal o saibro é sua terra… no caso do Federer é o pasto…e no do djoko é no cimento… sendo que os 3 são bons nas outras…. logo…os 3 são tenistas grandíssimos.

        Responder
  7. Rafael

    2 títulos e um vice nos Slams, mais outros tantos títulos no circuito. Nadal é sem sombra de duvida o melhor jogador do ano!! Tomara que termine a temporada ainda como nº1, seria a 4º vez que isto aconteceria!! Será muito merecido!!!!
    Única pena foi o argentino cortar o Fedal no usopen!!

    Responder
  8. AKC

    A estratégia do Nadal era devolver o máximo e fazer o Anderson jogar. O sul-africano só teria chances com alto índice no primeiro saque e winners nas bolas que voltassem. Nem sacou tão bem e errou demais, vitória sacramentada para o espanhol.

    Responder
  9. Roberto Rocha

    Depois do que assisti da semifinal do Anderson, a única dúvida era qual seria o nível de devolução do espanhol. Porque sempre que aconteciam trocas de bola, Carreño vencia. Lógico que contra Nadal seria 500 vezes pior…
    Bem, continuo com minhas restrições ao espanhol, mas não posso negar que o cara tem uma incrível capacidade de se reinventar. A partida que fez contra Del Potro (a verdadeira final do torneio.) foi primorosa.
    Até onde esse cara vai chegar?

    Responder
        1. Rodrigo S. Cruz

          Então, katso.

          Se arrastou JUSTAMENTE por vir de dois jogos duros.

          Um quinto set contra Thiem, e um quarto set contra o Federer…

          O Delpo é pesadão demais. Não tem preparo físico pra ganhar Slam.

          Responder
  10. Guilherme

    Dalcim, essa vai pra vc que é mestre ninja em estatísticas (as quais todos esperamos ansiosamente no post que sempre vem depois de terminado um Grand Slam):

    Qual foi a última vez que um tenista venceu uma final de Grand Slam sem ter sequer um break point contra? Ou será que o Nadal quebrou mais esse recorde?

    Responder
  11. Rubens Leme

    Esqueça por um momento os 10 títulos de Roland Garros. Sem ele, Nadal teria ainda 6 Slams, mesmo número dos técnicos mais admirados dos últimos anos, Stefan Edberg e Boris Becker.

    Além disso, é o único, além de Federer, a ganha 3 vezes 3 Slams diferentes, ainda que longe do suíço, que radicalizou, ganhando 3 Slams diferentes, pelo menos cinco vezes.

    É claro que muitos o chamarão de baloeiro, robolito e outras bobagens. Enquanto isso, Nadal entra para os cinco maiores da história e mostra que 2017 foi um ano de superação no tênis.

    Responder
  12. Henrique

    Rumo ao tetra do US Open em 2022

    2010 + 3 = 2013
    2013 + 4 = 2017
    2017 + 5 = 2022

    Está aí a lógica matemática.
    E ganhando em 2022, ganhará com 36 anos, igualando a idade que Federer ganhou esse ano.
    Sensacional hein?

    Rafael Nadal – tricampeão do GS do career slam.
    Dalcim, quanto tempo você acha que vai levar pra alguém repetir isso?
    Completar o career slam, e ser capaz de vencer o último GS (o único que faltava) 3 vezes?

    Responder
  13. Bruno

    E o trapaceiro manchou pela 16a vez a história do tenis! Mas a verdade ainda virá à tona! Aliás, uma parte dela já veio ano passado com o vazamento da lista de “dopings autorizados”, onde consta o nome do trapaceiro! Lamentável! Esporte limpo já!

    Responder
      1. Então, eu ouvi isso na ESPN, acho que eles estavam falando em estatística de porcentagem de devoluções de saque, não sei exatamente que estatística é essa

        Responder
        1. Obrigado por complementar, Rubens!
          Como o argentino tem mais jogos sem expressão, concordo com o Dalcim que essa estatística é interessante mas não mostra a realidade.

          Responder
  14. Anderson P

    Taí, mais um título fora do saibro. E ainda tem quem duvide do Touro. Parabéns, Nadal! O campeonato não foi dos melhores por falta de mais jogadores gabaritados, mas Nadal nada tem a ver com isso, foi lá e fez o serviço. Excelente torneio para o espanhol, e mais um GS pro bolso. O sexto fora do saibro! E numa época onde a maioria dos jogadores preferem as quadras duras. Sensacional =)

    (Valeu pela resposta da pergunta que fiz abaixo, Dalcim)

    Responder
  15. Marcos Marinho

    Anderson é bom jogador, mas não tem o nível necessário pra vencer um Nadal confiante em final de Slam. Resultado esperado. E temos uma temporada dominada por Federer e Nadal novamente depois de anos. Pena que a previsão do suíço, de um 2017 épico, não se concretizou em razão das lesões de Novak e Murray (além de Stan, Nishikori e Raonic). Que tenhamos Slams mais disputados em 2018. A rigor, o único excelente Slam que tivemos nesta temporada foi Australian Open, com grandes jogos (Nadal x Dimitrov; Nadal e Federer; Federer e Wawrinka, enfim). Roland Garros foi fácil para Rafa e Wimbledon fácil para Roger. O US Open foi burocrático, esvaziado e sem grandes jogos. Nadal aproveitou e venceu merecidamente.

    Agora, prever que ele vai superar os Slams de Roger já fizeram muitas vezes. Em 2013, pós US Open decretaram isso. E depois quando Novak venceu em Paris no último declararam que ele não teria mais adversários. E estamos aí. O circuito é imprevisível demais.

    Responder
    1. Ricardo

      Foi assim durantes os anos iniciais em que o Federer conquistou os seus Majors sem nenhum adversário de grande nível, até que surgiu um Nadal ainda muito garoto para confrontá-lo.

      Responder
  16. David

    ACABOOOOOOU!!! 16 vezes Nadal!!! Ué, a temporada não termina no barro? Hahaahahaha As antis piram. CHUPAAAAA! Qual vai ser a desculpa agora Fregueretes? Apelem pro doping, amo ver vcs se contorcendo de raiva do Touro HAHAHAHA #VamosRafa #PorLaDecimaSexta Abraço carinhoso para o Lógico!

    Responder
    1. Carla Machado

      Rafa é um touro!!! Ele sobra! Podia vir Federer Djokovic, que não daria pra ninguém. Joga muito e é inteligente de mais. Além de guapo é claro!

      Responder
    2. Nando

      Comentário de fanboy/fanático não pode ser levado em consideração….”Chupaaaaaa”? Pq vc não apareceu aki após Muller ganhar nas quartas? Ou melhor….pq vc saiu do grupo do whatsapp ANTES DO CUMPRIMENTO À REDE DE MULLER E NADAL? kkkkkkkkkkkkkkkk piada.

      Parabéns aos nadalistas do blog, principalmente a aqueles “q estão sempre aki, nas horas boas e ruins do seu tenista preferido”.

      Responder
    3. Rafael

      O melhor rankeado que o nadal enfrentou no torneio foi o Del Potro, 28º do ranking. Não enfrentou um único top 10 e nem mesmo um único top 20 em toda a sua jornada.
      Veja a relação completa, rodada a rodada:
      – Lajovic 85º
      – Daniel 121º
      – Mayer 59º
      – Dolgopolov 64º
      – Rublev 53º
      – Del Potro 28º
      – Anderson 32º
      Entendeu agora?

      Responder
  17. Marcelo-Jacacity

    O número que importa:
    Enquete do Sportv: quem fez mais falta no USOpen?
    Murray, Djokovic ou Wawrinka?

    Com 74% dos votos, Djokovic é claro.

    Os fãs de Federer precisam torcer para o sérvio voltar em forma, caso contrário Nadal vai conquistar mais Slams.

    Responder
    1. Ricardo

      Foi assim no circuito em uma era antes dos grandes do Big Dourado, com o Federer ganhando 5 US Open, 5 Wimbledon e 3 Austrália Open…pode somar, são 13 títulos até 2007, quando somente um garoto Nadal estava iniciando os confrontos épicos. De 2007 a 2017 foram 6 Slam’s, o que mostra que o gênio não é tão gênio assim.

      Responder
  18. Anderson P

    O que tá achando da distância que o Nadal está da quadra para devolução de saque, Dalcim? Quase não to conseguindo vê ele, mas parece que tá funcionando…

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Manteve a postura dos outros jogos, Anderson, mas está conseguindo o principal objetivo que é fazer Anderson jogar o máximo possível.

      Responder
  19. Rodrigo S. Cruz

    Ridículo esse Anderson até aqui.

    O cara erra demais.

    Nadal já está com as duas patas, digo, mãos na taça.

    É a décima-sexta mancha…

    Responder
  20. Nando

    Dalcim, estou vendo pela tv e acompanhando pelo placar UOL, sugiro q vc “elogie mais ainda” o espanhol, pq senão novamente “os mesmos” falarão q vc é parcial qnd é pra elogiá-lo, rsrs.

    Responder
  21. Alison Cordeiro

    Nadal a vontade no jogo, dominando todos os fundamentos. Anderson só tem chance de sacar muito bem e empurrar para o tie break. Por enquanto tá do jeito que o espanhol quer.

    Responder
  22. Marcos Marinho

    Anderson é um péssimo devolvedor. Não tem chance alguma em melhor de cinco sets. Arrisco dizer que o jogo será meramente protocolar para Nadal.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *