Volta por cima
Por José Nilton Dalcim
10 de setembro de 2017 às 23:56

O jejum de três anos e oito meses de conquistas sobre o piso sintético não poderia ter terminado de forma mais exuberante para Rafael Nadal. Depois de deixar escapar chances em Melbourne, Acapulco e Miami, o canhoto espanhol mostrou em Flushing Meadows as qualidades essenciais de quem joga bem nesse tipo de superfície: grande percentual de pontos vencidos com o saque, capacidade de evitar e buscar break-points, devoluções persistentes e perfeita transição para a rede.

Junte-se a isso sua habitual competência atlética de buscar bolas impossíveis, as pernas leves para atacar com o forehand bem posicionado e uma evolução cristalina do backhand e se tem um campeão. Ou melhor, um tricampeão do US Open. Para quem não se lembra, é importante recordar que, a cada conquista em Nova York, ele mostrou um elemento novo no seu repertório. Num ano, jogando mais perto da linha, em outro agregando slices e voleios. Nadal mais uma vez se reinventou, e isso não aqui e agora, mas desde o começo da temporada.

A final de domingo transcorreu exatamente como o previsto. Na verdade, a surpresa foi que Nadal sacou muito melhor do que Anderson, que era o tenista que dependia crucialmente do serviço para ter chances. Até o nervoso último game, Nadal só havia permitido dois 30-30, sempre achando o backhand do sul-africano na hora precisa. Não menos fundamental foi o fato de que o espanhol conseguiu colocar muita devolução de volta, obrigando Anderson a disputar dezenas de pontos que certamente não gostaria. Aí forçou e errou além da conta.

A conquista deste domingo também pode ser essencial na luta para terminar como número 1 da temporada. Divide agora com Roger Federer dois Grand Slam para cada lado, mas seu domínio sobre o saibro permite que abra uma diferença de 1.860 pontos sobre o suíço nesta segunda-feira. Ou seja, irá permanecer na ponta pelo menos até o final de outubro. Embora seja possível Federer somar mais pontos até o Finals, a lógica diz que os dois irão disputar em Londres, rodada a rodada, a primazia de 2017.

Ao atingir o 16º Slam, uma coleção iniciada 12 anos atrás, Nadal ganha a motivação para tentar se aproximar, igualar ou até mesmo ultrapassar os 19 troféus de Federer em 2018. Não é obviamente uma tarefa fácil, mas Nova York a tornou mais possível do que nunca. Antes disso, porém, Rafa talvez tente realizar o sonho de ganhar o Finals, o torneio que falta na sua galeria de 74 títulos. Num grupo que não terá Djokovic, Wawrinka e Murray mas talvez novatos como Zverev, Thiem, Dimitrov e até Carreño, a chance aumenta muito.

No sábado, a final feminina foi sim inesperada. E frustrante. Madison Keys não controlou os nervos e fez uma partida muito abaixo de sua qualidade técnica. Buscou como sempre ser agressiva, mas estava muito precipitada. E diante de Sloane Stephens, não dá para cometer tantos erros de julgamento e finalização. Resultado foi um atropelamento impiedoso.

Stephens voltará nesta segunda-feira ao 17º lugar do ranking, cerca de 940 posições acima do que ocupava quando retornou ao circuito em Wimbledon, após 11 meses de inatividade e drama. Contou na entrevista oficial que chegou a duvidar que conseguiria recuperar um lugar no top 100, quem dirá ganhar um Grand Slam, e ainda por cima o US Open.

Embora não tenha um saque contundente, seu tênis é muito astuto, mesclando ataque e defesa. Muita perna e determinação, o que necessariamente lembra o próprio Nadal. Predicados que sem dúvida foram a marca registrada deste US Open.


Comentários
  1. Felipe Velasquez

    Dalcim, eu fui censurado? Se sim, eu quero saber o motivo, CONSIDERANDO que o nível dos comentários caiu muito e o meu sequer era ofensivo perto do que eu tenho lido, ultimamente por aqui.

    Responder
  2. Felipe Velasquez

    Bom dia Dalcim!

    Estou impressionado como os “apaixonados” torcedores se digladiam para saber quem é o melhor tenista de todos os tempos (Nadal ou Federer)!

    Amigos, o tênis é um esporte de cavalheiros, logo, não devemos perder a compostura.

    Para mim, a discussão é prematura e desnecessária, por um único e grande motivo: Nadal é 05 anos mais novo do que Federer (são 20 GS de diferença a serem disputados). Só vou entrar na discussão, antes disso, SE Nadal ganhar mais Slams do que Federer, SE ficar mais 02 anos como número 01 do mundo, SE ganhar pelo menos uns 02 Atp Finals e, sobretudo, SE iniciar uma sequência de vitórias sobre Federer, ou seja, SE realizar tudo isso e o mesmo Federer ainda estiver na ativa.

    Particularmente, eu acredito que o Nadal vai pelo menos empatar a quantidade de Grand Slams do Federer (19). Alguém já parou para pensar como estaria o ranking de maiores vencedores de GS, se Federer tivesse se aposentado no ano passado? Federer (17) e Nadal (16 ou 17, dependendo de quem fosse o adversário da final do AO). Mas, isso não tornaria Nadal maior do que o Federer. Federer fez coisas incríveis parecerem fáceis. É um Gênio. Ops, o GOAT!rs.

    Sou fã do Nadal. Mas, respeito muito tudo o que o Federer significa para o tênis. Contudo, a recíproca não é verdadeira. Nadal também merece ser respeitado por tudo que ele representa para o tênis.

    Tênis é um esporte de cavalheiros!

    Abraços

    Responder
  3. Dalcim,
    vejo que muitos por aqui acham que Federer teve “sorte” de poder ganhar tantos slam antes de surgir o Big 4. Mas como eu bem me lembro, Federer é de uma geração mais antiga e jogava com um estilo mais clássico, usando uma raquete menor, mais agressivo. E não acho que a geração anterior era ruim, com Nalbandian voando em quadra em 2007, só para dar um exemplo.
    Com a mudança gradual de pisos e bolinhas, que tornaram o estilo Djokovic/Murray mais apropriado para o tênis atual, na minha opinião Federer ficou ultrapassado, mas não acho que ele seja pior que esses jogadores.
    O fato dele ter feito a transição de raquete somente em 2014, quando já tinha 31/32 anos, torna difícil saber como ele teria se saído contra o Big 4 se tivesse feito essas mudanças de raquete e forma de jogar mais cedo na carreira.
    As três vitórias contra Nadal nesse ano para mim mostram que ele provavelmente teria mais vitórias sobre o big 4 se tivesse feito essa transição muito antes. Você concorda?

    Responder
  4. Jefe

    Mestre, caso Nadal superasse Federer no número de Slams, e ficasse mais 2 anos como número 1 ininterruptamente, o que não faria ele passar o FEDERER nesse quesito – talvez o djoko; isso o credenciaria a ultrapassá-lo como Maior ou Melhor de todos os tempos?? Digamos que tivesse 1 SLAM a mais.
    A briga ficaria um tanto interessante!!

    Responder
  5. Maurício S. Fonseca

    Felipe Meligeni vence seu primeiro título profissional! (Future em duplas, na Turquia)!
    Daniel Dutra Silva vence Future em simples na Argentina!

    Responder
  6. Valmir

    Nunca fui torcedor do Nadal… até tinha raiva dele por impedir o Federer de ganhar os 4 Slams seguidos.
    (pois é… as coisas mudam… nada como uma freguesia precoce e um monte de chaves e finais de Slams contra babas para a ficha cair).

    Mas o racional foi mostrando a enorme grandeza do Nadal.

    Entre os 3 grandes do tênis atual, Nadal é maior que Federer e que Djokovic.
    É só olhar os resultados… FORA DO HABITAT NATURAL DE CADA UM.

    Federer é especialista na quadra dura (10GS) e na grama (8GS) .
    Mas fora do seu habitat natural tem resultados muito fracos para quem ganhou 19GS.
    Ganhou somente ….unzinho… Roland Garros… e dos 3 Masters 1000 atuais do saibro, ganhou só em Madri.
    Não tem o sabor de conquistar o Grand Slam do saibro.

    Djokovic é especialista na quadra dura.
    Fora de seu habitat natural tem resultados muito mais expressivos que Federer
    Ganhou somente… unzinho … Roland Garros, como Federer, mas ganhou todos os atuais masters 1000 do saibro.
    Além disso, Ganhou de Nadal em Roland Garros e em todos os masters 1000 do saibro.
    Conhece o sabor de vencer o Grand Slam do saibro.
    Também… ganhou 3 Wimbledon, sem jogar torneios preparatórios nessas vitórias.
    É o único adversário real que Nadal conheceu no saibro.

    Agora Nadal… já é outra grandeza.
    No saibro ganhou os 10 Roland Garros e trocentos masters 1000…
    Já fora do seu habitat natural…
    Ganhou a “bagatela” de 6 GS…. 2 Wimbledon, 3 US Open, 1 Australian
    Também ganhou os Masters 1000 de Montreal, Toronto, Cincinnati e Indian Wells.

    E ainda dizem que Nadal é jogador de piso único… somente o rei do saibro.

    VIVA NADAL !!!!

    Responder
    1. Marcelo Araújo

      Você deve entender mais de tênis que o Dalcim e que a grande maioria dos especialistas de tênis que consideram Federer o maior de todos… Só que não! Primeiro, você considera Federer especialista em dois pisos e Nadal em só um. Isso por si só já faz de Roger um tenista mais completo, mas o seu raciocínio está errado. O suiço é especialista na grama enquanto o espanhol é especialista no saibro. Ok, Nadal conseguiu um maior predomínio no saibro (10×1) do que Federer conseguiu na grama (8×2). Em compensação, no piso sintético, que nem é rápido quanto a grama mas também não é lento como o saibro, Roger conquistou mais que o dobro dos slams de Rafa (10×4). Nos masters no saibro, o espanhol também tem larga vantagem mas nos masters no piso sintético que não é a especialidade de nenhum dos dois, o suíço tem boa vantagem, sem falar nos humilhantes 6 a 0 nos masters finals também no piso neutro, o piso sintético que nem é rápido quanto a grama e nem é lento como o saibro. Se as quadras sintéticas de hoje fossem rápidas como eram no passado, você poderia até afirmar que seria um piso que privilegiaria o jogo do Federer mas, se assim fossem até hoje, Nadal não teria ganho tantos slams em NY e Roger teria ganho bem mais. Mas não precisa acreditar em mim, não, pergunte pra qualquer especialista de tênis que você vai escutar a verdade: Nadal não é mais tenista que Federer nem aqui e nem na China! Aliás, aqui, na China ou em qualquer lugar, Rafa só é melhor tenista que Roger em quadras de saibro. Aprenda esta lição pra não continuar a falar inverdades nos fóruns que você participar…

      Responder
      1. Valmir

        Lição de quem ?
        Você é o famoso… quem… mesmo ???

        O fato e que o Nadal ganhou ao menos 2 GS em todos os pisos e ganhou Masters 1000 diferentes.
        O Fakerer ganhou quantos GS e Masters no saibro… mesmo ???

        Agora…. a freguesia e o famoso… 6×1 6×3 6×0 de RG2008 deve doer demais aí.

        Interessante o seu Fakerer … apanhar dos 2 principais concorrentes… em nenhum outro esporte alguem assim é o melhor.
        É só questao de … idolatria…. e nao de resultados.

        Responder
        1. Rodrigo S. Cruz

          O h2h contra o Farsovic é facilmente reversível.

          1 vitoriazinha apenas.

          Contra o Nadal, basta enfrentá-lo fora do saibro.

          Até agora, o Federer venceu as 4 últimas dele e se aproxima, com perigo.

          Não vejo a hora disto acontecer, pra fechar esta boca grande de vocês…

          Responder
        2. Marcelo Araújo

          A lição não é minha não, é do Dalcim e da grande maioria dos especialistas! E eu não sou nenhum torcedor fanático, gosto de tênis e torço tanto pra Djokovic quanto para Federer. Acho inclusive Nole melhor que o Nadal mas não considero isso uma verdade apesar do H2H e do número de semanas como número 1 porque os especialistas, inclusive Dalcim, ainda não o consideram melhor, talvez um dia o considerem. Quanto a Federer e Djokovic só terem vencido um slam na “terra batida”, isso se deve ao fato deles terem sido contemporâneos do rei do saibro, piso que privilegia os tenistas mais defensivos, atléticos e resistentes, justamente as principais virtudes de Nadal. Já a freguesia que você se refere, ela fica só no saibro, na grama, a vantagem é de Federer e nas quadras sintéticas que tem um piso de velocidade intermediária, nem tão rápido quanto a grama, nem tão lento quanto o saibro, o H2H é equilibrado. E você falar que Federer apanha de Djokovic é uma piada, a diferença no H2H é só de uma vitória! Nem de Nadal, ele “apanha”. Rafa vence, na média, aproximadamente 3 partidas a cada 5 disputadas. Pelo seu raciocínio, o espanhol teria “apanhado” do suíço em Melborne, mas ninguém “apanha” por 3 sets a 2, mesma proporção entre o número de vitórias de Nadal e o número de vitórias de Federer no H2H.

          Responder
      2. Se você subir um pouco os comentários, verá o que eu fiz mais cedo ao Dalcim 17:47 (12/09/2017).
        Essa comparação é estúpida por um motivo muito simples: Federer é de outra geração e desenvolveu um tênis para outra época.
        Comparado com sua geração, Federer foi mais dominante, inclusive vencendo Sampras em 2001 em plena grama de Wimbledon (sampras defendia o título).
        Federer é jogador agressivo, como o próprio Sampras foi, com a diferença que conseguiu desenvolver um jogo de fundo mais eficiente do que o americano. Sampras não teria grande sucesso no circuito de hoje jogando como jogava. Federer conseguiu, mesmo jogando da mesma forma e mesmo jogando com a raquete pequena. Em 2011, melhor ano de Djokovic, Federer foi o cara que conseguiu parar o sérvio, em pleno saibro de RG, mesmo jogando com o estilo e raquetes de sempre, algo que Nadal, o maior saibrista da história, não conseguiu fazer naquele ano (nadal perdeu em Madrid e Roma para o Djoko).
        Federer teve um período espetacular entre 2008-2014 (5 slams, vários finais, semis, etc), mesmo jogando com esse estilo.
        Assim que adotou a nova raquete, em 2014, Federer enfrentou lesões nas costas e nos joelhos (2014, 2015 e 2016). Quando se livrou das lesões e voltou 100% fisicamente, jogando com a nova raquete e com um estilo um pouco diferente, venceu 3 vezes Nadal seguidamente e venceu Wimbledon. E aí voltaram as lesões nas costas no 2o semestre.
        Como eu conversei com o Dalcim, provavelmente ele teria vencido mais Slams, se tivesse adotado essa raquete já por volta de 2010.
        .
        Com as três vitórias seguidas no início do ano, com o Nadal 100% e o Federer 100%, nós vimos que, aos 35 anos de idade, o suíço é maior que o espanhol 4 anos mais novo. Exceto no saibro, é claro.

        Responder
    2. Henrique

      Excelente análise, Ademais, Rafa venceu 2 finais de GS contra Nole na hard e uma contra Federer na grama.
      Ademais, em RG nenhum dos dois foi campeão vencendo Rafa no caminho (lembre que djokovic foi campeão em 2016, não em 2015)

      Responder
      1. Paulo F.

        A ressalva que faço é que Djokovic foi o único campeão de RG a ter derrotado Nadal em RG – mesmo que não na mesma edição.
        Söderling não foi campeão e Federer contou com a derrota de seu papai por este mesmo Söderling para se sagrar campeão em RG.

        Responder
    3. Diego Bezerra

      Rafael Nadal de fato é o melhor jogador de saibro que o tennis já viu!!! Roger perdeu acho que umas 4 finais de RG para o melhor da história na terra batida!! Os Slams de Roger estão bem mais divididos: 5,1,8 e 5!! Roger tbm já faturou o Finals 6 vezes, sendo 4 de forma invicta!!
      Tbm vale salientar que o circuito N tem Master 1000 na grama!!! Como tbm a maioria dos tops de hj N são especialistas no saibro, talvez hj só quem possa dá um “calor” no espanhol sejam Nole, Wawrinka, Thiem talvez Zverev!! Não serão 2-4 Slams que Nadal ainda possa ganhar que o tornarão o melhor de todos os tempos! Um abraço.

      Responder
  7. Renatinho

    Sobre o resto do calendário acho razoável Federer jogar shangai , basel e o atp finals. Se jogar paris vai ter que emendar uma sequência com poucas dias de descanso que vai de basel até o atp finals ( muito arriscado). Tem que ter um mínimo de descanso e ao mesmo tempo estar preparado. Dalcim, se você fosse técnico do Federer , qual calendário iria sugerir para o resto da temporada ?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que jogar Paris depende de quantos jogos ele terá feito até lá. Antes de Xangai, ele vai à exibição da Laver Cup. Basileia é mais distante. Acredito que dê para ele jogar tudo.

      Responder
  8. Mário Fagundes

    Dalcim, não sei ocorreu algum problema na transmissão, mas gostaria de saber se minha resposta ao André Luiz foi bloqueada. Nela, indiquei a ele o link de outro site para sustentar o que afirmei. Obrigado.

    Responder
  9. Márcio Souza

    Boa tarde galera!

    Nadal chegou ao 16° caneco de GS com méritos porque fez a sua parte e jogou o necessário para vencer.
    Independente se jogou contra adversários fracos ou não o que vale é a conquista não é mesmo?

    Ou será que os fãs do espanhol agora que ele ganhou um Slam na faixa vão ainda continuar com aquela ladainha que o Federer só pegou galinha morta em alguns dos seus 19 GS?

    Pra mim não importa se na final você jogou contra um tenista top ou pegou um José da Rapadura, Tião do Queijo ou Mané das Candongas, o que importa é levantar o caneco e ser campeão.

    Se os que estavam jogando também não conseguiram, azar de quem nao conseguiu (e eu coloco o Federer nessa) e méritos de quem conseguiu.

    Assim como o suiço foi la e ganhou, agora foi a vez do espanhol e ponto final.

    Ainda bem que pelo menos não teremos mais esse tipo de argumentação besta, porque como diz o ditado:
    “O mesmo pau que bate em Chico, bate também em Francisco”.

    Abs a todos.

    Ps: Mestre mais uma vez excelente cobertura e análises dos jogos e dos post publicados, a cada dia que passa com certeza você conquista mais fãs.

    Responder
    1. Henrique

      Concordo plenamente. Ganha quem merece ganhar. Sempre uns vão ser beneficiados por um eventual mal momento de outro.
      Ademais, o fato de jogadores com ranking melhor não avançarem em um torneio não necessariamente indica que o torneio está fraco. Aliás, talvez até signifique que foi mais forte.
      Não vejo porque existe existe essa fixação com o chamado “top 10”. Por que 10? Por que não top 30? Ou top 50? Ou top 7?
      Em qualquer atividade, você estar entre os 60 melhores do mundo, é algo difícil. Tem que ser muito bom.
      Na NBA se fizermos uma lista pra alguns o número 60 da lista poderia ser o 10.

      Responder
  10. Renato

    É, Dalcim, F. Aliassime venceu o challenger de Sevilla, no saibro. Detalhe: Atropelou o Taro Daniel, aquele tenista que dificultou para Nadal no U.S open por 6/1 e 6/0. Dalcim, parece que o garoto logo logo estará no top-50, não? Ano que vem pode ser.

    Responder
  11. Evaldo Moreira

    Bom dia,
    Mestre, esse US Open, foi além da conta, não teve jogos emocionantes, algumas jogadas sensacionais aqui e acolá, discordo de quem diz que está sem graça nesse 2017, em que a dupla FEDAl polarizou nas conquistas, não nem enumerar os fatos, porque realmente a nova geração, ainda floresceu o suficiente, com exceção de Zverev e Thiem, que acredito que estão prontos, mas Dalcim, é ou não é um assombro o que Federer e Nadal estão fazendo neste, com suas preparações, mesmo com altos e baixos em alguns jogos, mas….é expetacular o que dois estão fazendo.
    Parabéns pelo blog e os textos, que são primorosos.

    Responder
  12. Renato

    Nadal conseguiu vencer o título por um motivo: A ausência de Boa parte dos especialistas em quadras duras e o fato de Roger ter disputado o torneio com apenas 70% da capacidade. Se não fosse isso, o siri teria chegado no máximo as quartas. Não vejo possibilidade alguma do espanhol sequer ameaçar o recorde de slam de Roger. Vence no máximo mais um Roland Garros, como disse o colega Artur.

    Responder
    1. Valmir

      Esse seu raciocínio se aplica perfeitamente para a vitória de Federer em Roland Garros 2009.
      Só ganhou porque Sodreling eliminou Nadal…. e Soderling não tinha nenhuma tradição de vencer final de Slam.

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Eliminar o Ogro em RG, em seu AUGE sempre será mais difícil do que ganhar uma decisão de Grand Slam…

        Final de Grand Slam, até o Cilic já conseguiu ganhar.

        Responder
    2. Henrique

      Ah claro, isso porque Nadal jogando 30% do que jogou nos jogos finais esteve na final do AO 3 teve 3-1 no 5º e perdeu por falta de perna.
      Então o AO deve ter sido bem fraco também
      Rsss

      Responder
    3. Henrique

      Do jeito que comentam parece que Nadal é o 10º melhor jogador em quadra dura, por exemplo. Pra depender de tantas ausências. Rsrs
      Nadal é, nada mais, nada menos, que o 3º maior especialista em quadras duras do MUNDO.

      4 slams na quadra dura. 8 finais
      Me liste algum jogador no mundo, fora Federer e Djokovic, com essas estatísticas.
      Abraços

      Responder
  13. Sérgio Cipriani

    Não tem como pensar na carreira de Rafael Nadal e não lembrar de El Cid de Capricórnio, em seu caminho para forjar a espada perfeita, derrotando Oneiros e os deuses dos sonhos… Um humano se superando para aperfeiçoar seus limites a ponto de derrotar um deus… Top!

    Responder
  14. Luiz Fernando

    Dalcim outro detalhe q me parece fundamental, poupar o fisico p ocasiões realmente relevantes p grandes campeões veteranos como Rafa e Federer, será q esses caras vão mesmo jogar essa Laver Cup? A não ser q seja um jogo p cada um, e olhe la…

    Responder
  15. Diego Bezerra

    O q devemos entender é N é a quantidadede Slams q diz qual tenista é maior ou melhor? Existem marcas quase q insuperáveis, vide as 10 conquistas de Rafa em RG, as 302 semanas como #1 de Roger, as suas 237 semanas consecutivas! Os números dizem tudo, Rafa pode até igualar ou sabe ultrapassar Roger nos Slams, no entanto Roger ainda será o Melhor de todos os tempos N só pelos seus outros números como tbm pela sua técnica apurada, genealidade, agressividade! Ainda vejo Sampras acima de Nadal!!! Obg!!

    Responder
    1. Renatinho

      Eu sempre discordei de utilizar slam como critério absoluto de quem é maior. Tem tanta coisa para analisar . Analisar somente slam, dá margem à desprezar estatísticas importantes que deveriam ser levadas em conta. Vou usar um exemplo bastante exagerado que nem deve ser o caso de muitos tenistas, mas é uma didática que sigo inspirado nos ensinamentos que já tive de alguns professores na minha vida. Sempre lembro de alguns falarem assim: Exemplos exagerados tornam a compreensão do conteúdo mais fácil. No meu caso quero demonstrar uma ideia que defendo. Vamos ao exemplo que é o seguinte: Tenista A ganha 50 slans no saibro, 3 na grama, 3 nas duras. Indivíduo B ganha 4 slans no saibro, 15 na duras e 15 na grama. Segundo as estatísticas de slans o recordista de todos os tempos de slans é A com 56 slans e B conquistou 34 slans . A é o maior do tênis e maior que B ? Nâo necessariamente, haja vista que se por um lado A goleia B no saibro, por outro é bem inferior nos outros dois pisos. Então nomearei como maior um jogador que é somente maior em um piso ? O tênis é disputado somente no saibro e foda-se as estatísticas dos outros pisos ? É justo olhar a estatística de slans , desprezando o desempenho por piso , dando margem a ocorrer este tipo de situação ( de um jogador que é absoluto somente em um piso e nos outros 2 é bem inferior à B) ? Acredito que não é justo. Os pisos não existem no tênis como meros dados figurativos. Fazem parte da trajetória do tênis como um todo . É maior quem é maior na maioria deles.

      Responder
      1. Maurício S. Fonseca

        Concordo. Para que serve todo o resto? Masters, Challengers, ATP 500, ATP 250, Finals, Olimpíadas? E sendo que vários jogos de Slams tem placar 62 61 60, quando se fosse melhor de três entre os mesmo dois daria uns 63 64.

        Responder
    2. Anderson (not Kevin)

      É um argumento fraco colocar “técnica apurada, genealidade, agressividade” para determinar se um é melhor que outro. Sampras nunca ganhou RG, e isso por si só o coloca abaixo do Rafa, em minha opinião.

      Responder
      1. Diego Bezerra

        Tá bom, vc torce por Rafa!! Mateia charada! O q dizer de 5 ou finais disputadas em todos os Slams! Maior na grama e no hard! O camarada saca eficientemente ótimo, lembrando q sacar bem N é fazer Ace(10mil), um dos forhands mais mais eficientes do tennis, voleia como ninguém numa época em q mais de 80% do circuito só solta o braço do fundo da quadra, dono de um dos melhores smash do tennis, seu back a uma mão tbm está dentre os melhores, pois foi e é suficiente p estar no top 5! N há dúvidas q jogou, quem joga, quem assiste hj e assistiu antigamente, dizem por si só: Nunca houve talento igual ou parececido ao de Roger!!!!

        Responder
        1. Anderson (not Kevin)

          Não, Diego, eu tava me referindo ao Sampras. Porque pra mim você usou “técnica apurada, genealidade, agressividade” para justificar o motivo de você considerar Sampras acima do Nadal. E na minha opinião esse é um argumento fraco em comparação com tantos outros. E sim, sou fã do Nadal. E acho que Federer seja o nº 1 de todos os tempos.

          Responder
        1. Anderson (not Kevin)

          Esse já é um argumento mais válido. Mas acho que ter GS em todos pisos e ter mais GS são argumentos mais convincentes.

          Então o que quero dizer é que essa lista diz menos pra mim:
          https://en.wikipedia.org/wiki/List_of_ATP_number_1_ranked_singles_tennis_players#By_player

          Do que esta:
          https://en.wikipedia.org/wiki/List_of_Grand_Slam_men%27s_singles_champions#Most_Grand_Slam_singles_titles_.285_or_more.29
          (aí também já está o quanto cada um tem em cada piso)

          Responder
          1. André Luiz

            Nadal tem mais majors do que Sampras, isso é fato.
            Mas eu concordo que o domínio de Sampras no circuito foi muito maior do que o de Rafa.
            Quando o americano se retirou, possuía todos os principais recordes do tennis em suas mãos. Era o maior vencedor de majors, o maior vencedor de WB e USO, recordista de semanas como número um, recordista de masters cup [empatado com Lendl], e o jogador com o maior número de temporadas terminadas na liderança do ranking [seis consecutivas, marca que permanece].
            Teve também head to head positivo contra todos os seus grandes rivais.
            Rafa não tem nada disso. Seus 16 majors são uma marca impressionante, mas há um rival dele que possui 19. E nos demais números, não chega nem perto de Sampras.
            Sei que minha opinião pouco importa e pouco peso tem, mas para mim o americano ainda está na frente.

          2. Anderson (Not Kevin)

            Nadal só não dominou o circuito porque jogou na mesma época que o maior de todos jogou, o Federer. A meu ver isso deve ser levado em consideração.
            Novamente, pra mim mais vale GS do que ser número 1. Nadal realmente não tem nenhum master cup, e isso pesa contra ele, mas, de novo, tem mais GS e tem GS em todos pisos.
            Roger Federer tem H2H negativo contra seus dois grande rivais e, diga-se de passagem, bem negativo contra um deles, e mesmo assim considerado GOAT. Então aqui você deve concordar comigo que não faz diferença alguma o Sampras ter H2H positivo. Mas também se não concordar, o Nadal tem o H2H muito superior ao GOAT, algo que diz muito, então parece que aqui H2H não deve ser levado em consideração mesmo.
            E Nadal tem muitos números que provavelmente jamais serão quebrados. Então não consigo de forma alguma considerar Nadal abaixo de Sampras na história. E claro que isso é o que penso, respeito e entendo os argumentos de vocês, apesar de discordar.

          3. Renatinho

            Anderson ,bacana estas estatísticas que vc mandou. Para definir alguém como maior que outro no tênis ( olhando pelo lado da estatísticas) depende de quais dados você releva mais. Eu penso o seguinte: Para que existem 3 pisos diferentes no tênis ? Para nada que não é . Então partindo deste pressuposto entendo que para considerar alguém maior que outro ele tem que ser o maior na maioria dos pisos. Qual é o maior torneio de tênis ? slam. Então a principal estatística é ter mais slans na maioria dos pisos. Se A tem menos slans gerais que B, mais tem uma carreira com mais slans e mais recordes que B em 2 dos três pisos, logo A é maior que B por maioria de pisos. Agora suponhamos que A é maior no piso de saibro, mais ou menos do mesmo nível estatístico na quadra dura e pior na quadra de grama que B. Nesse caso ai sim o que vai desequilibrar a conta é o maior número de slans gerais, independente de piso.

        1. Anderson (Not Kevin)

          Eu estava falando de Rafa, com 16 GS e GS em todos os pisos, e Sampras com 14 GS. Eu entendi o que você quis dizer, mas não faria o menor sentido colocar Agassi, com 8 GS, nessa briga.

          Responder
          1. André Luiz

            O problema é que Rafa não tem números inferiores apenas a Federer [que eu não qualificaria ainda de ”maior de todos os tempos”]. Ele tem grande parte de seus números inferiores aos de Djokovic também. Ele é rigorosamente da mesma geração que Novak e tem menos temporadas terminadas como número um, menos semanas na liderança, menos semanas consecutivas do topo do ranking, head to head desfavorável etc. E Novak ainda venceu 5 masters cup.
            Então, não considero de forma alguma a situação do Nadal melhor do que a de Sampras, que efetivamente dominou seu tempo e teve os principais recordes em suas mãos.
            Lembrando também que, se Sampras não era dominante no saibro, tampouco Rafa é dominante na hard indoor [e certamente não seria no carpete]. O que explica, inclusive, sua incompetência pra vencer o Finals até aqui.

  16. Mario Cesar Rodrigues

    Olá,Galera bem se perguntar Dalcim sobre os cincos melhores daqui 2 anos e Rafa passar Federer em GS ele vai continuar com a mesmao pinião ele é fanático também como alguns aqui opinião dele!Estava vendo um dado curiosode 2005 até hoje dos ultimos 51 GS disputados 46 foram para o Big for Rafa ganhou 16 Federer 15 Nole 12 Andy 3.Bem o Fato olhando realmente Rafa não jogou 9 GS sendo 2 WB 2 RG 2 AO e 3 Usopem e em 2016 contundiu em RG mas jogou e saiu do torneio fico imaginando Rafa se jogasse estes dois RG estava no Auge poderia ganhar ,tebve aquela drga do Soderling mas depois viu-se que Rafa estava com doresa no jogo tanto é que na saida deu umchute para ir para o vestiário e outras coisinhas.Mas ao péda letra se (SE)não existe mas deve se levarem conta era sim para ter mais GS do que Federer principalmente porque Federer ganhou antes do Rafa de caras uma safra faca!Mas ao pé e ao cabo!Valeu tudo até hoje ele realmente é um monstro!posso ter enganado com alguns torneios mas foram nove fora RG em 2016!

    Responder
          1. João ando

            A falta de educação de pelo menos dois que escrevem aqui e impressionante .dalcim com razão chamou atenção para que aqui seja um blog de tênis e não de futebol….

        1. Nando

          Mário César, vc deveria se envergonhar…pois o modo q vc fala/age aki parece ser o de um adolescente fanático, e sabemos q vc tem mais de 40 anos de idade no mínimo.
          Se acha q o Dalcim é fanático, pq então frequenta o blog? Pq então comenta aki?
          Se ele fosse “fanático” pelo mesmo tenista q vc torce, aí seria legal né?

          Um pedido a tds: Se acham q Dalcim é fanático ou parcial, gentileza retirem-se do blog, assim o mesmo ficará mais “limpo”, “despoluído” desse tipo de “opiniões”, ok?
          No mais, continue sempre com seu ótimo trabalho aki, Dalcim.

          Responder
    1. Marcelo Araújo

      Não sei porque perder meu tempo com uma pessoa que não se preocupa nem em organizar as idéias antes de escrevê-las, o que não me surpreende para uma pessoa que acompanha tênis e consegue enxergar em Nadal um tenista superior a Federer. Já que você encheu o seu texto com conjecturas, vou fazer mais algumas pra ver se te ajudo a iluminar melhor suas idéias, se é que isto seja possível (tenho fé!) :

      Se Nadal tivesse mais talento, não sacrificaria tanto o corpo pra jogar e teria menos lesões.
      Se não fosse a mononucleose de Federer, ele teria pelo menos mais um Grand Slam.
      Se a velocidade dos pisos não tivesse reduzido tanto nos últimos anos, Federer teria bem mais slams e Nadal teria bem menos.
      Se Nadal não fosse canhoto, Federer não teria que adaptar o seu jogo toda vez que o enfrentasse e provavelmente teria um H2H bem mais favorável contra o espanhol (90% do circuito é composto de destros, o que faz com que Roger tenha que mudar o seu Jeito de jogar quando joga contra Rafa).
      Se Nadal não usasse a estratégia de antijogo de dar balões quando joga contra Federer, teria ganho bem menos partidas para o suíço.
      Se Ferrer tivesse a mesma altura e força de Nadal, teria ganho alguns dos títulos de RG conquistados por Rafa (Ferrer é quase tão consistente e resistente quanto Nadal – a diferença principal entre eles é a altura e a força).
      Se não fosse a “entressafra” (usando um termo que as nadaletes adoram usar) de saibristas, Nadal poderia ter ganho apenas metade dos slams que ganhou em Rolang Garros
      Se os juízes fizessem Nadal seguir a regra do tempo pra sacar, ele ganharia mais advertências e mais punições, e consequentemente ganharia menos jogos e menos títulos.
      Se Nadal não tivesse medo do escuro, talvez ele não se assustasse na O2 Arena e teria já conseguido ganhar um finals
      Se Federer tivesse mais paciência pra ficar trocando bolas, conseguiria fazer a sua melhor técnica se impor e teria melhor H2H até no saibro…

      Responder
  17. João ando

    Dalcim. Qual sua opinião sobre a timea babos tenista húngara que parecer ser extremamente forte fisicamente mas que não perde a feminilidade 24 anos.achei que o Bruno fosse ganhar usopen com ela…

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Completamente aberto. Pode acontecer qualquer coisa. Claro que dependemos muito de vitória do Thiago na sexta-feira para colocar pressão.

      Responder
      1. José Nilton Dalcim

        Koch não vai de treinador, ele vai como conselheiro. Espetacular terem dado enfim espaço ao Koch no time da Davis. Ele entende absurdamente de tênis, Ando. Você não faz ideia.

        Responder
  18. Luiz Fernando

    Dalcim, tive a oportunidade de ver o cronometro q marca os 25 s, com números gigantescos por sinal, p repor a bola em jg e achei excelente, independentemente do Rafa ser um dos q mais enrola, regra e p ser cumprida, com aqueles números escandalosos a vista de todos, o jogador não pode dizer q não viu e o arbitro pode ter mais coragem de peitar os enroladores. Vc chegou a ouvir algo a respeito após o teste?

    Responder
  19. Oswaldo E Aranha

    Dalcim, gostaria de ter tua opinião sobre este US Open, que no meu entender foi o menos disputado e praticamente sem jogos emocionantes. Abraços.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sim, infelizmente foi um Grand Slam sem muita graça no masculino. As ausências de Djokovic, Murray e Wawrinka não foram absorvidas pela nova geração, com decepção enorme de Zverev e Kyrgios principalmente. Isso mostra o quanto o Big 4-5 faz falta ao tênis.

      Responder
  20. Chetnik

    Da final não vou falar nada. Parecia primeira rodada de MS 1000 rs.

    Eu sempre acompanhei vários esportes, vi muitas coisas malucas, mas esse ano do tênis tá entre as mais: quem diria, Nadal e Federer dividindo todos os GS do ano…

    No mais, Nadal é um gênio e um grande exemplo. Aos detratores só resta sentar e chorar. CHORAR MUITO, kkkkk.

    Responder
  21. Eduardo

    Os comentários do Lógico são muito bons…hahahaha hahahaha…Mas eu acho que no fundo ele joga um tênis no mesmo estilo do Nadal. Essa é a única explicação plausível (em uma perspectiva freudiana) para a fixação que ele tem pelo cara.

    Responder
  22. Bruno Macedo

    Nadal tá de parabéns, como sempre! O cara é guerreiro demais!

    Só acho q o único Grand Slam do ano que teve uma final digna de Grand Slam foi o AO. RG, Wimbledon e o USOpen foram muito sem graça!

    Responder
  23. André Luiz

    A ”anti-federice” abunda em alguns, assim como a ”anti-nadalice” he he
    Torcedores do Djokovic invertem o sentido do tempo para defender que Rafa Nadal ”eclipsou” Federer nessa temporada se esquecendo que ninguém esperava que o suíço voltasse a vencer dois majors em um ano [muitos duvidavam que ele voltaria a vencer qualquer um], que a temporada de saibro fica na primeira metade do ano, e que ainda temos 2 Masters 1000 e a Masters Cup antes que possamos dizer ”fim” pra 2017.

    Pequenas observações sobre o USO:

    1) Embora Keys fosse minha preferida pra levantar a taça, o torneio de Stephens foi perfeito e o ponto final em uma história incrível de retorno às quadras. O título veio no momento certo da carreira da menina.

    2) Rafa Nadal venceu com todos os méritos. Tirando um ou outro problema na primeira semana de competição, passou por cima dos adversários como seria de se esperar quando o número um do mundo enfrenta tenistas tão inferiores. Pra mim foi um das conquistas mais importantes de Rafa Nadal: eu mesmo não imaginava que ele fosse capaz de levar mais algum major fora do saibro.

    3) Os méritos de Rafa Nadal não escondem o esvaziamento do circuito depois de Wimbledon. As dificuldades do top 10 já vinham desde o início do ano, mas a partir de Montreal as ausências se acumularam. Não é à toa que Rafa não precisou enfrentar um só top 25 pra conquistar o título. É evidente que as contusões no topo do ranking tem ajudado Roger e Rafa a dominarem a temporada. E vão continuar ajudando até o fim do ano.

    4) Consigo ver Federer vencendo mais um major. Quem sabe, com sorte, até dois. Mas não vejo Rafa Nadal vencendo mais três.

    Responder
    1. Anderson (Not Kevin)

      Muito bom seu comentário. E talvez Nadal realmente não levante mais 3 majors, acredito que suas maiores chances são AO 2018 e RG 2018/2019.

      Responder
      1. Luigi

        Dalcim esta colocando algumas especulaçoes e hipoteses no blog e eu achei que esta ainda mais interessante assim, queria dar os parabéns, pois sao muitos poucos jornalistas que tem essa coragem.
        Vou aproveitar e fazer a minha: O titulo que realmente faria diferença para o Nadal ganhar é o segundo AO, o finals é secundario.
        Abraços

        Responder
  24. Rodrigo S. Cruz

    Só esclarecendo porque o Luis Fernando esteve ausente, e pegou o bonde andando…

    1) Quando eu (criativamente) apelidei o Delpo, de Juan MORTIN, óbvio que me referi ao cansaço evidente do argentino. E não à sua inegável qualidade ou sua boa campanha no torneio.

    2) A historinha ridícula da Nike quem inventou foi um fã chorão do Djokovic… E a teoria sem pé-nem-cabeça dele era de que a Nike estava conspirando para favorecer o Federer, e não o Nadal.

    Responder
      1. Sônia

        Eu não inventei isso, apenas comento o que muitos dizem nos bastidores… essa Nike é poderosa “por demais” e esse slam americano não me desmente. Dinheiro se compra tudo e todos, basta dizer o valor. Um pequeno exemplinho, veja o jogo do Dolgo contra o Berdych e depois assista o jogo do Dolgo contra o seu amado. Slam de cartas marcadas, basta raciocinar, é muita “proteção” para o seu amado, SEMPRE. A “contusão” (???????) dos tops (principais adversários), as derrotas do Grigor, do Goffin para o Salchicha (who????)… estranho demais. A tal “contusão” do Federer (não acredito). O tal “cavalinho argentino”, que de repente ficou cansadinho, sem perninhas, aaaah… me poupe. Leia os blogs americanos e vá nos coments, todo mundo comentando sobre isso e achando “tudo muito estranho”. Todos questionando um “finals com cartas marcadas” (E SERÁ). Lamentavelmente, continuaremos vendo esse teatro de horrores por um bom tempo, continuaremos vendo seu amado com 32, 33, 34 anos… correndo como uma lebre, devolvendo tudo, com aquele “físico legalmente privilegiado”, e ninguém (mídia) questionando. Sabemos que o seu amado é protegido, mas a pergunta que fica… por quê? Qual o motivo de tamanha proteção? Na torcida para que num futuro próximo possamos saber, mas até lá, haja plasil. Beijos.

        ‪”De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, desanimar da justiça e ter vergonha de ser honesto.” (RB). ‬

        Responder
        1. Luiz Fernando

          Engraçado q so nos “seus” bastidores q se aventa isso, pq nos do resto do mundo isso seria encarado como piada, como tem sido aqui. Sua resposta também responde ao Rodrigo quem inventou esse absurdo.

          Responder
  25. Diego Bezerra

    Como ainda N sabemos as condições p 2018 de jogadores expressivos feito Nole, Murray, Stan e Raonic juntamente com a verdadeira consolidação de Sasha, Thiem e talvez Kigrios e Shapovalov, vejo a disputas dos Slams bem aberta!!! Se esses todos jogadores estiverem nas suas melhores condições físicas juntamente com Roger e Rafa, me atrevo a dizer q teremos 4 campeões diferentes nos Slams. Dalcim, sei q há muito tempo p prognósticos, mas vc tbm ver uma disputa bem aberta nos Salms do próximo ano? Obg!

    Responder
  26. Mário Fagundes

    O título de Nadal está mesmo mexendo com a cabeça dos nadalistas. Até mesmo o gangster Tio Toni declarou que seu sobrinho vai superar o recorde de slans de Federer. Será que ele já combinou tudo com Novak, Stan, Murray e também com a molecada que está evoluindo no circuito?

    Responder
    1. Sérgio Cipriani

      É até legal ver uma declaração dessas. Se vc é um atleta de ponta e sabe do seu potencial, pq esconder seus objetivos? Por medo de não alcançar a meta?! Dê a cara pra bater e parta pra cima!

      Responder
    2. Luiz Fernando

      Chamar o tecnico do adversario de gangster e uma clara demonstração de tranquilidade, não? kkkkkkkkkkkkkkkk. Fica frio, aceita q foi menos…

      Responder
      1. Mário Fagundes

        Bem, não é a primeira vez que o chamo assim. Você lembra a discussão sobre dar instruções ao sobrinho durante os jogos? Pois é… Neste caso, o outro nome bem apropriado a ele seria “cara-de-pau”, você não acha?

        Responder
    3. Tom

      Percebo que há uma preocupação absurda nessa hipótese por parte da maioria dos torcedores do Federer. Eu também sou um deles, mas acredito que o Touro pode sim ultrapassá-lo. Entretanto, mesmo que isso aconteça, não tirará de Roger o carimbo de melhor de todos os tempos. Pra aparecer outro jogador com tamanha genialidade, só daqui há uns 50 anos (e olhe lá). Esse é o ponto. Medir quem é o melhor pelo número de majors não acredito que seja o parâmetro (na minha opinião).

      Responder
  27. Paulo

    Hoje no festival de Toronto teve a estréia do filme “Battle of The Sexes”, sobre o duelo no tênis dos anos 1970 entre Billie Jean (Emma Stone) e o fanfarrão Bobby Riggs (vivido por Steve Carell).

    Responder
  28. Paulo F.

    Bom, que Nadal aproveite para conquistar o Finals que lhe falta.
    Não terá nunca mais oportunidade tão fácil – só tem seu Fregueser e esses “NextGen” frouxos.

    Responder
    1. Marcelo Araújo

      Considerar Federer freguês de Nadal é ser muito sem noção. Freguês do Nadal é o Gasquet, é o Dimitrov…. Roger só é freguês de Rafa no saibro, assim como o espanhol é freguês do suíço nas quadras sintéticas cobertas que é exatamente o piso onde o finals é disputado.

      Responder
  29. Kentaro

    Contra todos os prognósticos dos “especialistas de plantão”, Nadal é campeão novamente.
    E agora? Qual a próxima profecia?
    Se não fosse pelas lesões que o assolaram, já teria mais slams que o Federer.
    Felizes somos nós de podermos assistir esses gênios do tênis: Nadal , Federer e Djoko. Farão muita falta quando deixarem o esporte.

    Responder
    1. Marcelo Araújo

      Tem cada abobrinha que escrevem aqui nesse blog! Vamos brincar com as possibilidades:

      Se Nadal tivesse mais talento, não sacrificaria tanto o corpo pra jogar e teria menos contusões.
      Se não fosse a mononucleose de Federer, ele teria pelo menos mais um Grand Slam.
      Se a velocidade dos pisos não tivesse reduzido tanto nos últimos anos, Federer teria bem mais slams e Nadal teria bem menos.
      Se Nadal não fosse canhoto, Federer não teria que adaptar o seu jogo toda vez que o enfrentasse e provavelmente teria um H2H bem mais favorável contra o espanhol (90% do circuito é composto de destros, o que faz com que Roger tenha que mudar o seu Jeito de jogar quando joga contra Rafa).
      Se Nadal não usasse a estratégia de antijogo de dar balões quando joga contra Federer, teria ganho bem menos partidas para o suíço.
      Se Ferrer tivesse a mesma altura e força de Nadal, teria ganho alguns dos títulos de RG conquistados por Rafa (Ferrer é quase tão consistente e resistente quanto Nadal – a diferença principal entre eles é a altura e a força).

      Responder
      1. Kentaro

        Concordo com você, Marcelo Araújo, tem cada abobrinha que escrevem nesse blog!!
        Affff!! Nem irei comentar cada um desses pontos aí, porque você está falando de um universo paralelo e não do planeta terra. Seria o mesmo que dizerem: “Se o Nadal tivesse o saque do Raonic, teria ganho mais slams”
        A única coisa que eu disse foi: se o Nadal não tivesse tido tantas lesões já teria vencido mais slams que o Federer. Quer um exemplo?
        RG de 2009, se o Nadal(que venceu Federer no AO) tivesse em condições plenas de saúde perderia para o Soderling? O próprio jogador admitiu, anos depois, que não teria conseguido tal feito.Daí a final seria Nadal e Federer, quem venceria aquele jogo?
        “Se Nadal não usasse a estratégia de antijogo de dar balões quando joga contra Federer, teria ganho bem menos partidas para o suíço”
        Claro, já que o objetivo é vencer,né? Tênis é tática, você tem que explorar a fraqueza do adversário.
        Por que o Federer ficou atacando o back do Del Potro? Então ele usou de anti jogo?
        Até

        Responder
        1. Marcelo Araújo

          Peço desculpas pelo termo “abobrinha”. Enquanto meu texto estava aguardando moderação, enviei um novo sem o termo mas acabaram publicando os dois. Seu comentário não merecia tal depreciação. Eu só quis colocar que não dá pra fazer determinadas conjecturas, as lesões vieram pra todos. Se Rafa se contundiu mais é pelo fato dele forçar mais o corpo. Se ele não se esforçasse tanto, talvez não tivesse tido tantas lesões mas, em compensação, poderia ter vencido menos títulos pois ele venceu muitos na raça.

          Responder
    2. Marcelo Araújo

      ok, Kentaro! Vamos brincar com as possibilidades:

      Se Nadal tivesse mais talento, não sacrificaria tanto o corpo pra jogar e teria menos contusões.
      Se não fosse a mononucleose de Federer, ele teria pelo menos mais um Grand Slam.
      Se a velocidade dos pisos não tivesse reduzido tanto nos últimos anos, Federer teria bem mais slams e Nadal teria bem menos.
      Se Nadal não fosse canhoto, Federer não teria que adaptar o seu jogo toda vez que o enfrentasse e provavelmente teria um H2H bem mais favorável contra o espanhol (90% do circuito é composto de destros, o que faz com que Roger tenha que mudar o seu Jeito de jogar quando joga contra Rafa).
      Se Nadal não usasse a estratégia de antijogo de dar balões quando joga contra Federer, teria ganho bem menos partidas para o suíço.
      Se Ferrer tivesse a mesma altura e força de Nadal, teria ganho alguns dos títulos de RG conquistados por Rafa (Ferrer é quase tão consistente e resistente quanto Nadal – a diferença principal entre eles é a altura e a força).

      Responder
    3. É importante lembrar que Federer é mais velho que Nadal e o resto do big 4, veio de outra geração, jogava outro tipo de tênis, com um tipo de raquete adequado para outra época. Quando o tênis se padronizou, com bolas mais pesadas e quadras mais lentas, os jogadores mais adaptados a esse tipo de piso começaram a se destacar (como Djoko e Murray, Nadal, um saibrista, acabou se adaptando bem a essas condições também).
      Federer levou anos para resolver mudar de raquete e a forma de jogar. É importante lembrar que quando ele fez essa transição, já apresentava problemas físicos (costas, joelho), não tinha mais a mesma capacidade de 2006/2007. Ele conseguiu se reinventar e ganhar slams em uma era diferente da sua, isso por si só é um grande feito. É raro ver isso no circuito, basta ver os jogadores do passado, nas transições eles mantinham jogando com raquetes ultrapassadas e estilos ultrapassados. Federer é um caso atípico.

      Responder
  30. Luis

    Dalcim uma final do US Open das mais chatas todos tempos kkk,Anderson se perdeu ainda 1 set e Nadal venceu tranquilo,a final de Wimbledon tambem ficou devendo mas com Federer fica mais bonito rs,ainda bem que Luiz Fernando ta comemorando fora do blog kkk,tomara que Federer venca Finals o suico caiu depois de Wimbledon o que acha que pode ser relaxamento Dalcim do Federer missao de ganhar Wimbledon conseguida?

    Responder
  31. Marcelo

    Dalcim, muito se especula se o Nadal conseguirá alcançar os 19 títulos de GS do Federer. Porém, o Federer ainda está em atividade, é o nº 2 do mundo. Apesar de já ter 36 anos, eu acho que ele ainda consegue ganhar títulos de GS. O que você acha?
    Abraços!

    Responder
  32. Arthur

    Dalcim,

    Sobre essa história do Nadal eventualmente poder superar o Federer em Slams, tive uma sensação de dejà vu quando muitos aqui profetizaram que o Djokovic conseguiria a façanha. Nos idos de 2015, Djoko chegara ao 15ª Slam e Federer estacionara nos 17. Hoje, como todo mundo sabe, o suíço acrescentou mais 2 e o sérvio está no estaleiro.
    A meu ver, ocorre a mesma coisa agora. Impossível não é, mas é muito, mas muito improvável mesmo que Nadal consiga sequer igualar os 19 Majors do Federer, que dirá passá-los. Acreditar nisso é desconsiderar que o espanhol está numa temporada, digamos, “atípica”, porque não teve nenhuma lesão neste ano, o que tem sido uma constante em sua carreira.
    Fora isso, ninguém sabe como Djokovic e Murray vão voltar, por exemplo. Da mesma forma que ninguém apostaria um centavo no suíço e no espanhol no começo de 2017, creio que o mesmo está se passando com o sérvio e o escocês para 2018. Murray pode ajustar o quadril e o mental, e DJokovic pode muito bem desandar a ganhar Slams em sequência, como já fez em outras temporadas. Isso tudo, claro, sem considerar a hoje remota possibilidade de que algum integrante da novíssima geração (Zverev, Thiem, Kyrgios, etc.) resolva finalmente desabrochar e o próprio Federer venha a ganhar mais algum Slam.
    Enquanto isso, o tempo joga contra o espanhol, que tem no físico sua principal arma.
    Enfim, se eu fosse torcedor do Nadal preferiria muito mais curtir o momento do que conjecturar sobre um futuro um tanto improvável.

    Um abraço.

    Responder
    1. André Luiz

      De fato, eu lembro que ainda durante a final do USO do ano passado, quando mal havia começado o segundo set da decisão, Fernando Nardini, da ESPN, disse acreditar que Djokovic bateria o recorde de majors de Federer ”até no máximo o fim de 2018”.
      Ah, as previsões, as previsões….

      Responder
    2. Henrique

      Sou nadalista e estou com esse espírito. Não ligo mais pro recorde do federer, só estou curtindo o momento e acho que os torcedores deviam fazer o mesmo.
      Não só por conta dessa questão das lesões, mas principalmente pq o tênis é uma gangorra. Nadal dificilmente vai manter o nível ano que vem. Toda vez que ele tem um ano espetacular, no outro ano ele até vai bem, mas não “tão bem quanto” o ano anterior.
      Fora que altos e baixos faz parte, ainda mais nessa idade. Esse ano foi com djokovic e murray, ano q vem pode inverter.
      O grande desafio de Rafa é ter longevidade (algo que ele vem tendo, diga-se). Se conseguir jogar bem por muitos anos ainda, nem precisa ganhar slam todo ano pra eventualmente chegar a 18, 19 slams…

      Responder
      1. Arthur

        Tem toda razão, Henrique.
        Na verdade, eu sou partidário da tese de que Federer e Nadal já alcançaram um tal nível que o número de Slams já não é mais fator decisivo pra nada.
        Eu, como federista, acho que seria muito mais relevante pro “currículo” do suíço bater o espanhol em RG (e nem precisava ser na final) do que ganhar mais 2 WB, por exemplo.

        Um abraço.

        Responder
    3. Renan Vinicius

      A inveja dói né amigo, kkkk kkkk
      Chora mais… Nadal por lesões deixou de jogar 9 Grand slams, de tivesse jogado metade desses, já teria empatado com Federer. Não adianta, Nadal adaptou seu jogo, não está só correndo atrás da bola. O touro vai continuar dominante, para seu desespero e de muitos….kkkkkkk

      Responder
      1. Arthur

        Se fosse pra invejar alguma coisa do Nadal, Renan, seria o dinheiro dele.
        Quanto ao “argumento” de que “se Nadal tivesse jogado os 9 Slams que não jogou”, vale recordar a velha máxima:
        “Se meu avô usasse saia, seria minha avó”.
        #FicaaDica

        Responder
  33. Arthur

    Crônica de uma vitória anunciada, Dalcim.
    Muita gente aqui apostava que Anderson poderia endurecer pra cima do Nadal, mas, no fundo, tudo isso era mais wishful thinking do que análise propriamente dita. Além de ser um pangaré, todas as condições estavam contra o sul-africano, em especial a velocidade da quadra, que pareceu bem mais lenta do que em outros anos.
    Dadas as condições em que ocorreu esse US Open, acho que o título do Nadal pelo menos dignifica o evento. A rigor, só houve um grande jogo em todo o torneio: Thiem x Delpo. Em um longínquo segundo lugar, Delpo x Federer. De resto, todos os jogos foram mais ou menos previsíveis, sem grande emoção.
    Parabéns aos torcedores do Nadal, que não têm nada a ver com isso.
    Lamento, apenas, que mais um ano tenha se passado sem que tivéssemos uma cara nova no circuito pra fazer frente aos cachorrões nos Slams.
    Vamos ver se pelo menos em 2018 as coisas começam a melhorar nesse aspecto.

    Um abraço.

    Responder
  34. Renatinho

    Dalcim, essa disputa seria mais acirrada se o Federer tivesse jogado no saibro . Vou pelo o que diz teoria ( já que tudo é possível de acontecer num período de tempo). Na teoria se Federer tivesse jogado na temporada de saibro ( período no qual Nadal somou mais de 4 mil pontos) tinha tudo para fazer no mínimo uns 1200 pontos ao jogar dois masters e um slam . Em que pese o caminho mais tranquilo para o Nadal no Us Open , é evidente que ele jogou um grande tênis ( das quartas de finais para frente) e precisaria de um adversário muito regular para ganhar dele. Não ganhou jogando pouco. Se tivesse ganhado jogando mais ou menos talvez essa questão da chave ter sido mais tranquila teria um peso maior. No mais, ele não tem culpa de Federer ter caído antes, de Djo não estar no seu melhor nível e de Murray estar lesionado. Evidentemente teve seus méritos e joga muito, mas é claro que o caminho para o número 1 ficou mais facilitado , pois os adversários de mais calibre estão com problemas e um está com idade avançada e não pode ficar jogando torneios e torneios seguidos, o que não tira os méritos do Nadal. Você pensa desta forma , Dalcim?

    Responder
  35. CAIO CESAR DE PAULA

    Dalcim, não sei vc concorda, mas acho q a torcida do Federer deveria agradecer por esse título do Nadal. Se eu fosse o Federer e ganhasse o US Open com vitória em cima do Nadal na semi, conquistando o 20° Slam, me aposentaria em grande estilo.
    Se a situação acima ocorresse, vc acha que isso poderia acontecer ao final dessa temporada?? E vc, nessa situação, faria o mesmo??
    Parabéns pelo blog e um grande abraço!

    Responder
  36. julio

    NADAL – US OPEN

    Torço para Nadal, Federer, Murray e o resto que jogue bem

    Não acreditei que Nadal ganhasse este slam

    só fui começar a acreditar depois da vitoria do Delpo

    Quando o Djocko ganhava eu não ficava feliz, mas eu creditava a ele e somente a ele sua vitoria e nunca pensei em desmerecê-lo, mesmo sabendo que Nadal estava machucado, e o Federer em baixa.

    Se ele ganhou porque o Nadal estava machucado, ele mereceu porque aproveitou a sua chance, e os outros não, e ele não tem nenhuma culpa disso, e tenho certeza de que ele jamais em sâ consciencia iria querer que Nadal estivesse lesionado para que pudesse ganhar, e acredito que qualquer pessoa em sâ consciência também pense assim.

    Não tenho estatísticas para dizer que o mesmo ocorreu com o Federer, mas ele não tem culpa se ocorreu algo assim.

    Não enchergar o mérito de qualquer jogador que consiga o seu intento é algo insano, e beira à preconceito e fanatismo.

    Mas acredito mesmo que estas pessoas que por ora pensem desta forma, em algum momento vão acordar e colocar a mâo na conciência e ver que elas não estão valorizando este ou qualquer outro esporte.

    Devemos elevar os nossos valores morais para que possamos nos confraternizarmos de uma forma inteligente e justa, pois os esportes foram feitos justamente por pessoas extraordinárias, e com este intúito.

    Qualquer outro caminho que trilharmos que não seja um caminho de AMOR ao próximo, beira à intolerância e ao fanatismo e teria justamente a finalidade de esvaziar os estádio, e vai acabar com o empobrecimento deste ou de outros esportes que tanto podem fazer de bem à população em geral.

    Façamos atos de AMOR e não de GUERRA, para que possamos seguir em frente como verdadeiros irmãos.

    Nadal fez o que muita gente gostaria que ele fizesse e com muita maestria, e se ele não conseguiu agradar a todos, ele não tem culpa nenhuma, pois nem CRISTO E DEUS, O PAI E CRIADOR conseguem, apesar de ELES tanto TENTAREM AGRADAR.

    ABRAÇOS A TODOS.

    Responder
  37. Marcelo Araújo

    A César o que é de César!

    Verdades sobre os 3 melhores tenistas dos últimos anos que todos os admiradores de tênis devem concordar (com exceção dos torcedores fanáticos):

    1 – Roger Federer é o tenista mais técnico de todos os tempos, reconhecido pela grande maioria dos especialistas de tênis. É o tenista de jogo mais bonito e agressivo, mesmo quando perde costuma ter mais winners porque costuma sempre comandar os pontos contra qualquer adversário. É o melhor tenista de todos os tempos na grama, piso que privilegia os tenistas ofensivos.

    2 – Rafael Nadal é o tenista mais forte fisicamente e mentalmente de todos os tempos – chega em bolas praticamente impossíveis, ganha a maioria dos pontos decisivos e nunca se desconcentra (é o único que eu nunca vi ter um gesto de fúria contra a raquete). É o melhor tenista se defendendo e é o mais regular, o que menos comete erros porém tem geralmente poucos winners, mesmo quando ganha costuma ter menos winners (da terceira rodada em diante deste US Open, por exemplo, dos 5 jogos que disputou, teve menos winners em 3 jogos, dois deles tendo vencido por três sets a zero). É o melhor tenista de todos os tempos no saibro, piso que privilegia os tenistas defensivos, regulares e resistentes.

    3 – Novak Djokovic é um dos maiores tenistas de todos os tempos, é muito técnico e muito forte fisicamente e mentalmente. Merece estar entre os grandes, entre outras coisas, pelo simples fato de ter H2H favorável contra dois dos cinco melhores tenistas de todos os tempos – se ganhar de Federer e Nadal já é difícil, conseguir H2H favorável contra os dois tendo os enfrentado tantas vezes, é algo simplesmente fantástico, espetacular, quase surreal. É um dos tenistas que mais sabem se defender e atacar ao mesmo tempo. Tende a ser o melhor tenista de todos os tempos no piso sintético (é o tenista que mais ganhou masters 1000 neste tipo de piso e só tem um finals e 2 grand slams a menos que Federer nas quadras duras, sendo 6 anos mais novo).

    Acho que até os torcedores de um ou outro tenista mas que não forem fanáticos concordarão com estas verdades.

    Responder
    1. Arthur

      Assino embaixo, Marcelo.
      Faria só um adendo, porém. Não é verdade que Naldal não teve seus momentos de fúria em quadra.
      A questão é que ele normalmente não desconta na raquete, mas nos árbitros. Carlos Bernardes que o diga.

      Um abraço.

      Responder
    2. Henrique

      Djokovic é o maior do piso sintético, e Rafa já ganhou 2 finais de GS dele nesse piso.
      Federer é o maior da grama, e Nadal já ganhou final de GS dele nesse piso.
      Nadal é o maior do saibro e nenhum dos 2 super rivais ganhou RG passando por ele no caminho…

      Responder
      1. diógenes francisco a serpa

        Nadal e Djoko estão na disputa pelo título de maior tenista de todos os tempos. São os melhores, certo? Federer é só um ótimo tenista, nada mais que isso, certo?
        Federer é contemporâneo dos dois, tem mais GS, maior nr de semanas como nr 1, em dinheiro tem maior valor em premiações, porque é um cara de muita sorte. Vai ter sorte assim lá na China.

        Responder
    3. marcilio aguiar

      Ótima análise. Devemos enaltecer as qualidades dos jogadores, independente de gostarmos mais da forma como joga um ou outro. Eu prefiro o estilo e torço pelo Federer desde que o vi atuar hás um 15 anos, mas não sou louco de depreciar Murray, Nadal e Djoko que também são excepcionais.

      Responder
  38. Nando

    Mestre, estava vendo aki o calendário…o Finals NextGen começa na terça (dia 7/11) e o Finals começa no domingo (12/11). 2 Questões: a duração do Finals NextGen será a mesma do Finals? E no caso do Zverev, a possibilidade dele disputar os 2 Finals é zero, não?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acredito que eles irão encerrar o torneio no sábado, um dia antes do Finals. A ATP está fazendo pressão para o Zverev jogar, acredito que ele vá para o sacrifício.

      Responder
  39. Leonardo Faria

    Boa tarde Dalcim, parabéns pelo Blog e por toda cobertura feita nos torneios. Leio todos os posts e a maioria dos comentários, apesar de cansar bastante a miopia de vários torcedores em menosprezarem as conquistas dos tenistas que não sejam seus prediletos. Não tenho o costume de comentar justamente por esse fato.
    Sou torcedor do Nadal e vibrei com a vitoria. Apesar disso, desde quando comecei a acompanhar tênis, vejo o Federer como o melhor tenista que vi jogar e, para ser sincero, dá “raiva” ver a facilidade com que ele joga, pois ao jogar tênis de vez em quando, percebo a dificuldade de alguns golpes que ele executa tão facilmente e perfeitamente (o bate-pronto de backhand devolvendo no fundo, ou os voleios de bate-pronto, ou as deixandinhas em retorno de segundo saque). Tudo isso é muito dificil de ser feito. Além disso, existe outra qualidade no Federer que poucos comentam: ele é muito bom para se defender também e se não fosse isso, talvez ele não tenha conquistado tudo que conquistou.
    Posto isso, gostaria de fazer algumas considerações: muitos estão relativizando a conquista do Nadal por não tem enfrentado Top20. Bem, dos 20 primeiros do ranking, não jogaram o 2, 4, 5 10 e 11 e os outros simplesmente perderam ao enfrentar jogadores pior ranqueados, então não é culpa do Nadal não te-los enfrentados.
    Além disso, muitos alegam que a hegemonia do Nadal no saibro, são pela falta de especialistas no piso. Com isso eu lhe pergunto Dalcim e estendo a pergunta a performance no Federer na grama:
    – Há realmente uma falta de especialistas para jogar contra o Nadal/saibro e Federer/grama ou a superioridade absurda deles nesses pisos faz com que se diminua a capacidade dos adversários? Penso que a homogenização e diminuição da velocidade das quadras faria surgir melhores jogadores de saibro.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sim, acredito que houve uma grande queda na especialização para o saibro. A grama também, mas ninguém realmente se prepara para jogar na grama porque é um tiro muito curto na temporada. Acho que isso é mais uma consequência de termos um calendário tão voltado ao piso duro.

      Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Como disse, acho difícil mas não impossível. Estamos falando de um tenista único, espetacular e que sempre agrega elementos no seu jogo. Além disso, não sabemos como estarão Djokovic, Murray, Wawrinka e o próprio Federer em 2018.

      Responder
  40. Luiz Fernando

    Dalcim, em 2018 provavelmente teremos a volta do Djoko e do Murray livres de problemas físicos, embora o tipo de contusão do Murray aparente ser bem mais problemático. Vejo o servio muito mais propenso a voltar aos grandes momentos do q o britânico, a quem sempre faltou um algo mais, em especial no item motivação. Embora nenhum de nos tenha bola de cristal, e ciente de q os momentos fisico e técnico de cada um variam muito, vc também não imagina um primeiro semestre de 2018 com muita disputa entre Rafa, Djoko e Federer, com Murray em um segundo plano?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sim, acho que Murray ficará definitivamente em segundo plano. Talvez o Stan também. Mas a nova geração, principalmente Thiem, Zverev e Kyrgios, pode se intrometer. Tomara, aliás.

      Responder
  41. xxx

    Dalcim, porque eles não fazem redraw da chave quando um cabeca de chave importante anuncia desistência antecipada do torneio?
    O murray desitiu 2 dias antes… dava tempo de fazer o sorteio de novo.. federer ia ser cabeça 2 e a chave ia ser muito mais interessante..
    deixou a parte de baixo do torneio muito fraca e sem graça a desistência do murray..

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Existe um regulamento específico para os Grand Slam. Mas concordo com você que, num caso tão extremo como foi este, deveriam rever as regras.

      Responder
  42. Rafael

    O colega que disse que Nadal eclipsou Federer não poderia ter sido mais feliz. Federer apareceu no início do ano vencendo o AO e depois WB, além de M1000. Ninguém esperava, talvez nem ele. Foi histórico em vários aspectos, volta do exílio jogando em alto nível, idade avançada, possibilidade de mirar o No. 1, etc etc. Seus torcedores ficaram desvairados.

    Nadal (re)aparece, exatamente como um eclipse, a reclamar para si igual porcentagem de brilho no ano, apaga Federer e brilha, além de retomar o No. 1. Faz uma segunda metade tão ou mais maravilhosa que Federer (em “achievements”).

    As pessoas que criticam quem critica Roger costumam iniciar seus textos com “Como pode vc dizer uma coisa dessas….?”

    Pode podendo. A Nêmesis voltou.

    E Federer nunca jogou o circuito sozinho, como vários dão a entender que gostariam. Djokovic tirou Slams de Fed e Nadal, que tiraram de Djoko e um do outro, e Andy e Wawrinka de Djoko, e Cilic de Federer, e del Potro de Fed, etc. Eu não sei até que ponto ainda dá pra levar na brincadeira quando leio sobre Federer ser o tênis. Às vezes parece que a pessoa realmente acredita nisso, aí seria patológico.

    E é óbvio que não sou um observador isento. É interessante ver como, além de comigo, as emoções do esporte mexem com as pessoas. Mas não entendo nada disso para falar sobre.

    Abs

    Responder
    1. Rafael

      Concluindo, e o argumento de H2H (neste ano) agora é argumento que interessa, né? Não tem A MENOR RELEVÂNCIA que Federer tenha ganho 3 ou 4 ou 6 vezes de Nadal esse ano (Além disso, MESMO com essas vitórias, ainda perde por larga margem), além do que Federer não chegou na semi de um USO xoxo de tudo para tentar tirar mais uma derrota, mas ele mesmo afirmou que não conseguiria vencer.

      Como já disse, mesmo o circuito estando amplamente esvaziado, eles não o disputaram sozinhos. No universo de jogadores contra quem competiram, Nadal eclipsou Federer. O suíço brilhou na 1a. metade, o espanhol na 2a.

      Federer fez uma temporada maravilhosa. Em vez de comemorar….

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        O Federer sabia que não poderia derrotar o Ogro, devido a velha dor nas costas que já vinha desde a conquista de Wimbledon…

        Pode reparar que mesmo tendo chegado à final de MOntreal (onde não jogou nada), ele vinha avançando as rodadas aos TRANCOS E BARRANCOS.

        Tanto que pulou Cincinati, onde sempre joga muito bem.

        Obviamente que comparar o estado físico do Nadal com a do Federer agora, chega a ser covardia.

        Obviamente também que o suíço só o vence quando está com o físico em dia…

        Por fim, bobagem dizer que o h2h de 2017 seja irrelevante.

        Claro que é relevante. Principalmente uma final de major…

        Responder
          1. Rodrigo S. Cruz

            Sérgio,

            Eu acho que não me fiz entender.

            O que dizia e digo é que o Nadal fez exatamente 15 jogos com o Federer no saibro.

            Destes 15, o Nadal ganhou 13.

            O Nadal não é apenas superior ao Federer no saibro. Ele é MUUUUITO superior…

            Agora, um cara de 36 anos, vindo de 6 meses parado derrotar 3 vezes seguidas no mesmo ano o seu maior rival.

            Como pode não ser relevante?

          1. Mário Fagundes

            Desculpe-me, Chet, mas isso não é verdade. Veja que, em 2013, Federer jogou a temporada inteira com problemas nas costas e, ainda assim, chegou longe em diversos torneios e não correu do confronto com Nadal. Nesse ano, levou 4 surras do espanhol. Se isso não for “dar a cara pra bater…”

      2. JANAINA M DIAS

        NADAL NÃO ECLIPSOU FEDERER..CADA UM GANHOU 2 SLANS NO ANO E BRILHOU EM SEUS RESPECTIVOS MOMENTOS…
        E, ALÉM DISSO, FEDERER TEM 36 ANOS…QUERO VER DJOKO, NADAL, MURRAY E OUTROS GANHAREM 2 SLANS EM UM ANO COM A IDADE DELE..

        Responder
      3. Rafael

        Para minha vergonha, o colega que me fugiu o nome e que eu disse que não poderia ter sido mais feliz ao usar o termo eclipsar foi o grande Jacacity!

        Grande abraço, velhão! Perdoe meu Alzheimer que está batendo mais forte que o Becker!

        Responder
        1. Arthur

          Tem toda razão, Adriano.
          Os títulos do Nadal eclipsaram o Federer.
          Você pode inclusive verificar aqui no Blog.
          Praticamente não tem mais ninguém falando do suíço. #ironiaON

          Responder
      1. Rafael

        Arthur

        Eu costumava apreciar seus comentários, assim como o de outras poucas pessoas aqui. E, óbvio, não preciso que concordem comigo para eu gostar de ler.

        Mas dessa vez vc decepcionou.

        O que faz um eclipse com o sol? O sol para de brilhar quando é eclipsado OU é apenas nós que não vemos seu brilho?

        Um eclipse, enquanto está acontecendo, chama atenção exatamente por que?

        Quando o fenômeno do eclipse acaba, o brilho do sol se apaga para sempre? Ou todos os milhares de anos que ele brilhou antes disso também se apagam?

        Eu achava que tudo isso fosse meio óbvio, fico até sem graça de ter que explicar….

        Responder
        1. Arthur

          Se esse foi o sentido, Rafael, então me desculpe: retiro o comentário que fiz.
          Mas, pelo que entendi do contexto, “eclipsar” estava no sentido vulgar mesmo, isto é, “apagar”.
          Pra mim, ambos dominaram – ou “brilharam” – alternadamente o ano. Federer teve um primeiro trimestre assombroso. Depois Nadal dominou o segundo trimestre, com a ronda do saibro. Logo depois veio Halle e WB, com Nadal “apagado”. E aí veio o US Open, com Nadal ganhando.
          Só devo acrescentar, como tenho escrito aqui durante todo esse tempo, que nada disso me agrada (muito embora seja torcedor do Federer). Depois da vitória no AO em cima do Nadal, pra mim o ano do Federer já tinha sido ganho ali. Queria ver caras novas no circuito. E, infelizmente, elas têm demorado demais a aparecer.

          Um abraço.

          Responder
          1. Rafael

            No worries, no final fica tudo bem.

            Quanto às caras novas, eu sei, acompanho seus comentários, lembra? 😉 Já postei que vc é o ÚNICO que vejo aqui que não se contradisse até agora sobre a renovação.

            Abs!

    2. GILDOKSON

      Que estranha obsessão essa com o Gênio Roger Federer… rsrs
      Mas vamos la, como pode alguém “eclipsar” a temporada de alguém que se tornou o maior vencedor do MAIOR E MAIS TRADICIONAL torneio de tênis que existe? Como pode alguém “eclipsar” a temporada de alguém perdendo para o próprio uma final de Slam? Como pode alguém conseguir essa façanha seca tal da temporada ainda nem acabou??? kkkkkkkkkk
      Abs!!!

      Responder
      1. Rafael

        Grande Gildokson

        O Jacacity fez um comentário sobre a temporada de TÊNIS, que teve dois protagonistas até agora. Eu comentei sobre a temporada de TÊNIS, concordando com ele.

        Se há uma obsessão aqui, é achar que tudo que diz respeito ao tênis envolve Federer, como vc fez.

        _________________________

        Frase do ano:

        “Parece que voltou a jogar com aquele tacape com microcefalia” – Brack, Fernando

        Não me lembro de ter rido tanto com um comentário aqui, sensacional.

        Responder
  43. paulo

    É engraçado ver os torcedores do Federer usando o argumento do confronto direto neste ano. Viviam dizendo que isto não tinha qualquer importância. Bastou em único ano, na longuíssima carreira de ambos os tenistas, o confronto direto conferir vantagem ao Federer que, sem o menor pudor, jogam às favas tudo o que foi dito antes e passaram a conferir grande importância ao head2head. Tremendo tiro no pé. Só está 3 a 0 no ano porque o Federer fugiu do saibro e, mesmo assim, nos próximos anos tudo voltará ao normal com o Nadal vencendo a maioria dos confrontos. Ademais, o Federer precisaria de mais umas 2 vidas mais ou menos para modificar o déficit de 09 duelos que atualmente ostenta. Se fosse torcedor do Federer continuaria firme no discurso vazio de que confronto direto não tem qualquer relevância.

    Responder
    1. Henrique

      Sobre freguesia, resumo da seguinte forma:
      Nadal foi freguês do Federer por 3 meses.
      Entre março de 2011 e janeiro de 2012 Nadal foi freguês de Djokovic (10 meses)
      Entre abril de 2012 e setembro de 2013 Djokovic foi freguês de Nadal.
      Entre Nadal e Djokovic, a relação de freguesia depende do período ou momento, por isso estão quase empatados no h2h.

      Já Federer foi freguês do Nadal a vida inteira, exceto 3 meses.

      Conclusão: Federer pe mesmo freguês de Nadal.
      Abraços

      Responder
      1. Marcelo Araújo

        Federer é freguês de Nadal no saibro, assim como Rafa é freguês de Roger nas quadras cobertas. Nas demais, o confronto é bem equilibrado.

        Responder
    2. Adriano Miura

      É o efeito mola, eles passaram tanto anos tendo que engolir a superioridade do Nadal nos confrontos diretos, que bastou um mísero ano em que o suiço levou vantagem(apesar de fugir do saibro) que eles têm que aproveitar pra jogar na cara até cansar, mesmo estando a anos-luz de sequer empatar o H2H.

      Responder
  44. Luiz Fernando

    Lá em NY não havia tempo ou vontade de responder a alguns absurdos postados, mas não custa agora relembrar de alguns:
    – complô da Nike para favorecer Nadal, como a falta de argumentos leva as pessoas a postarem cada estupidez, mas vamos ao enredo do filme hollywoodiano. A Nike convence Murray, Djoko, e o genial Wawrinka (nenhum deles patrocinado p ela) a desistir do torneio. Turbina Delpo p vencer Thiem e Federer e deixar o caminho aberto p Rafa, pois não teria pernas p enfrenta-lo, o espanhol é campeão – the end. O q não podemos deixar de citar é q se este absurdo fosse verídico, teria a conivência de… Federer, q perdeu propositalmente para Delpo, entregando o título p o espanhol. Resumo: segundo essa teoria, o suíço seria um embusteiro, ou seja, sem perceber, deram mais um tiro no pé kkkkkkkkkkkkkkkkkkk;
    – o q vale é o Finals: após a derrota de Federer, outro sensato blogueiro, q até a véspera dizia q o cara venceria o 20 GS, passou a expor q o q realmente valia seria o Finals, ou seja, o q vale é o q o meu preferido poderá vir a vencer não o q eu imaginava q poderia, outra demonstração clara da total falta de bom senso desses caras kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk;
    – o querido lógico postou: Federer deixou um presente de grego pra Nadal ao ser derrotado pelo hermano. Quanta imaginação, quanta criatividade kkkkkkkkkkk!!!!!!!!!! Faltou apenas combinar para q Rafa fizesse o papel de Príamo kkkkkkkkkkkkkkk!!!!!!!!!!! Outra coisa, no tenis, um touro corre bem mais do q um cavalo, especialmente se este for de madeira kkkkkkkkkk!!!!!!!!! PS: tentei achar um perfume Recalcquet número um p vc no freeshop, mas estava esgotado, parece q uma galera da clínica de Camboriú esgotou tudo kkkkkkkkkkkkkkk!!!!!!!!!!!!
    – Rafa tem “apenas” 6 GS nos pisos rápidos, como se isso fosse pouco. Federer, pex, teria apenas um nos lentos, segundo essa teoria estúpida kkkkkkkkk!!!!!! Se fizermos uma lista dos q tem 6 GS ou mais na carreira, teremos um número bem restrito de jogadores. Outro detalhe, Rafa venceu nos 3 torneios desse tipo de piso, enquanto grandes nomes como o espetacular Borg não lograram esse feito. Ou seja, mais um comentário absurdo, lastreado por desespero e falta de argumentos…
    – por fim, não custa lembrar do absurdo postado há pouco tempo que dizia que… NADAL ACABOU kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk!!!!!!!!!!!!!!!!! De fato, acabou de vencer mais um USO, acabou de volta a ser número um do mundo etc, etc kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk!!!!!!!!!!!!!!!

    Finalizando, mais uma vez, e com a mais absoluta certeza: COMO OS CARAS TÃO SOFRENDO!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Você não entendeu nada cara!

      O autor da historinha idiota da Nike, disse que o complô era para ajudar FEDERER, e não o Nadal.

      Depois, eu até fui irônico perguntando:

      ” E agora? A Nike teria ajudado Nadal também?”.

      Responder
    2. O LÓGICO

      kkkkkkkk O L Fanático e seus sofismas kkkkkkkkk

      – Rafa tem “apenas” 6 GS nos pisos rápidos, como se isso fosse pouco. Federer, pex, teria apenas um nos lentos, segundo essa teoria estúpida kkkkkkkkk!!!!!!

      Aff maria L Fleumático kkkkk. Para você piso lento é só a LAJE kkkkkkkkkkkkkkkkkk

      Aquele 5 set do AO 2017 foi uma humilhação pública kkkkk e uma aula magna de tênis imposta ao marombeiro tenista kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk Mas ele nunca aprende a jogar tênis de alta classe kkkkkkkkkkkkkkkkk

      Responder
  45. Pedro

    Dalcim, o que a parte física tem de importância no tênis, e principalmente no jogo do Nadal. Não é só a correria ou estar bem posicionado, mas vai além disso. Você se lembra que há um tempo Nadal estava com golpes curtos? Que ia colocar chumbo na raquete? Talvez até trocar de modelo? Testou outras cordas?
    Como o físico estava debilitado, ele não conseguia transferir toda a potência necessária para o seu jogo. Hoje, com o físico em forma, com a mesma raquete, mesma corda, mesma configuração, a potência e profundidade dos golpes voltaram. Incrível, mas é verdade. Vou refazer uma pergunta: ao seu ver Dalcim, o Nadal do US Open ganharia ou perderia para o Federer do Australian Open na quadra dura?

    Responder
          1. Mário Fagundes

            Fácil afirmar que Nadal jogou tudo isso, quando o adversário vem de 10 sets disputados (joga apenas uma parcial decentemente contra o “Touro”) e depois fica sem pernas, sem oxigênio…

      1. Pedro

        Dalcim, alguém fez um comentário sobre uma lista sua dos 5 melhores tenistas da história, mas não mencionou os nomes. Você poderia dizer? Não li o post original com esta lista.

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Nunca fiz um post sobre isso, Pedro, apenas respondi alguns internautas que sempre me perguntam sobre isso. Minha lista dos cinco melhores é Federer, Laver, Sampras, Borg e Nadal.

          Responder
          1. José Nilton Dalcim

            Já expliquei, Luigi, mas repito: acho que ser número 1 do mundo é mais difícil do que ganhar um Grand Slam, porque exige grande consistência. Terminar a temporada como número 1 é muito relevante, a meu ver.

  46. Andre Borges

    Dalcim, lembro que há bastante tempo atrás te perguntei quem seria o numero 1 do mundo quando o domínio do Djokovic acabasse. Você disse que seria o Murray. Na mosca…. Agora te pergunto. Quem será o primeiro número 1 do mundo fora do Big 4?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Pergunta difícil. Olhando os nomes mais promissores de hoje, eu iria de Zverev (embora tenha apostado que Kyrgios seria o número 1 ao final de 2018). O alemão é o que tem mais facilidade em trocar de pisos, mais experiência em torneios grandes e maior poder de crescimento. Ao Kyrgios falta não apenas juízo, mas também físico.

      Responder
  47. Tom

    Na boa, eu dou muitas risadas dos torcedores que ficam discutindo entre e Federer e Nadal aqui nos comentários…rsrsrsrsrs… mas falando do jogo, não foi uma final empolgante. Nadal conseguiu desarmar o Anderson com um plano tático muito bem definido e o executou com perfeição. Creio que conseguirá sim ultrapassar Roger no número de slams, mas não tirará do gênio o emblema de melhor de todos os tempos. Enfim, que 2018 seja um ano mais competitivo, pois com a volta dos baleados Djokovic, Murray e Stan, somados com a talentosa nova geração (Shapovalov, Thiem, Zverev, Kyrgios entre outros), creio que teremos jogos bem mais interessantes.

    Responder
  48. Marcelo-Jacacity

    Nadal ter mais troféus do USOpen que o Djokovic é dose.
    Fazer o quê? Se o espanhol aproveita as chances e o sérvio ficou com o vice inúmeras vezes.

    Responder
    1. Henrique

      Pela mesma lógica não é justo Djokovic ter mais títulos em Wimbledon do que Nadal, pois tem menos finais que o espanhol.
      Da mesma forma, é irônico que Murray tenha 1 us open jogando 2 finais, e nenhum AO jogando 5 finais,
      As vezes o slam que vc mais chega na final não é o que vc mais ganha…

      Responder
  49. Marcelo-Jacacity

    Pessoal, quando quis dizer: eclipsou foi no sentido de que esse ano era para se falar apenas dos feitos do Federer. Mas de repente apareceu o Nadal das cinzas e ganha dois Slams.
    E Federer acabou perdendo o protagonismo do ano.
    E de fato, falta ao espanhol vencer o suíço esse ano.

    Responder
    1. Mário Fagundes

      Pois é, Marcelo, a temporada ainda não acabou. Há muito pra acontecer até a decisão do Finals, quando, enfim, poderemos analisar com clareza o que foi 2017 para os dois. No momento, Nadal figura como o melhor do ano.

      Responder
  50. Luiz Fernando

    Delpo merece um comentário a parte, não apenas pelo nível excepcional de tenis apresentado, mas acima de tudo pela humildade. Esta aí um cara q não tem restrições junto as torcidas, embora pra variar os experts (kkkkkkk) do blog o punham como o cara q bateria Nadal e o rebaixaram depois p Juan “Mortinho” kkkkkkkkkkkkkk…

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Juan MORTIN Del Potro.

      Esta foi de minha autoria.

      E com orgulho! Kkkk

      Mas piadinha à parte, só um fan-boy ou muito alienado para não admitir que o Delpo estava esgotado após o primeiro set.

      O Fernando Meligeni comentou isso várias vezes na ESPN.

      Responder
      1. Henrique

        Igualzinho a Nadal após o 3-1 no 5º set em janeiro. Rafael Mortinho Nadal, após 5 horas de guerra contra Dimitrov.
        Mas tudo bem, 3×1 no h2h contra Federer no nosso “pior slam” tá de bom tamanho

        Responder
  51. Luiz Fernando

    Assisti a 3 jogos do Nadal em NYC, ao lado do meu filho, e ria demais em cada um, pelos resultados, claro, mas também por outras duas razões: 1) imaginando o desespero de alguns bobos do blog pela chance cada vez maior do cara levar o titulo; 2) de pensar nas coisas estúpidas postadas aí e ao ver a reverencia ao cara no torneio. O simples aparecimento da foto do Nadal na tela causava um frisson no publico do Arthur Ashe, milhares usavam bonés e camisas com o seu logo, nos tres jogos a torcida era quase toda dele, exceto contra Delpo, q, claro, contou c o apoio dos hermanos.
    Assisti a final aqui do Brasil e o Rafa jogou pro gasto, fiel a sua estratégia de fazer o Anderson jogar, vencendo mais um GS, pra desespero do segmento recalcado/alienado q parasita o blog. Pior pra esse pessoal, ele me parece absolutamente inteiro do ponto de vista físico, tranquilo, e com chance de vencer muito, neste e nos anos q virão. Ontem a noite vi algumas informações interessantes: ele é simplesmente o único na história a vnecer GS antes dos 20, entre 20 e 30 anos, e acima de 30, o q demonstra q não passa de um… mero baloeiro unidimensional kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.

    Responder
  52. Leonardo Carvalho

    Parabéns a Nadal pelo título! Venceu aquele que jogou melhor este torneio.
    Dalcim, a ausência de 4 top 10 (Djokovic, Murray, Wawrinka e Nishikori) na chave e o fato de Nadal não ter enfrentado qualquer tenista top 20 (algo que não acontece desde Sampras em Wimbledon em 2000) não foram fatores que contribuíram para que Nadal conquistasse o título, considerando os seus resultados em quadras duras desde 2014?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sem dúvida, tudo deu certo para ele, Leonardo. Os adversários mais duros que poderia enfrentar foram incompetentes ou sentiram pressão.

      Responder
  53. Alison Cordeiro

    Nadal passeou no USopen. Fisicamente inteiro, sem adversários capazes de lhe fazer frente (seja porque jogou demais, seja porque mentalmente era superior a todos) confirmou o favoristismo e venceu. Incrivel como soube se reinventar, superar as dificuldades que faziam pensar nele fora das grandes disputas. Parabéns a ele e a seus torcedores. E ao Dalcim por mais uma cobertura magnífica de Grand Slam.

    Responder
  54. Carlos Reis

    E o mundo do tênis continua a mesma porcaria de sempre… Por que a vitória desse cara!? POR QUE!!?? por que!!?? Lamentável, triste, injusto… Um dia a verdade vai mostrar quem foi esse enganador espanhol…

    Responder
    1. O LÓGICO

      Vamos instaurar uma LAVA TÊNIS KKKKKKKK para investigar o uso de açaí da Espanha como tecnologia para melhorar o rendimento físico kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

      Responder
  55. Sergio Gonçalves

    Previsivelmente o tênis-tacape prevaleceu. O jogo abrutalhado do Siri no sacrossanto piso da Arthur Ashe equivale a um ornintorrinco rebolando numa passarela de alta-costura.
    Mas vamos ao que de fato interessa nessa final com cara de jogo de segunda rodada.
    Antes de invadir a quadra, o Siri demonstrou, mais uma vez, sua eloquência e articulação ao responder a uma singela pergunta da perplexa entrevistadora.
    Entrevistadora: Essa é sua final de GS número 23. Como isso pode ajudar você hoje?
    Siri (olhando para o alto, aturdido): Ahhh…não sei…
    Finalmente, o grande destaque: o permanente cacheado ostentado pelo Siri na tentativa de ocultar a calvície galopante.
    Só o Cuca do Palmeiras se vale de tal arquitetura capilar.

    Responder
    1. Mário Fagundes

      “O jogo abrutalhado do Siri no sacrossanto piso da Arthur Ashe equivale a um ornintorrinco rebolando numa passarela de alta-costura.” HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA!!!
      É, Sérgio, a vida não é mesmo justa. Os deuses do tênis sacanearam mais uma vez.

      Responder
    2. O LÓGICO

      kkkkkkkkkkkkkk Vc já foi excomungado do blog uma vez, não provoque as nadalzetes com baixa-estima kkkkkkkkkk O L Farmacêutico já ameaçou até de processar fedex que acusasse o robozinho de doping kkkkkk

      Responder
      1. Sergio Gonçalves

        Lógico, como você sabe já fui excomungado, xingado (ou chingado, como prefere o MC), pisoteado, ameaçado etc.
        Mas agora professo a mesma doutrina do Dalcim: sempre calmo, sempre em frente.
        Saudações suíças!

        Responder
  56. Vinicius sobreira

    Dalcim, Nadal entra pra lista dos 3 melhores da história do tenis com mais esse ano espetacular?? Qual seria sua lista de 5 melhores por ordem, por favor?? Parabéns pelo trabalho!!

    Responder
  57. Fabio (Nazgul)

    Difícil contestar o tennis de Rafael Nadal, a cada titulo (especialmente fora do saibro) que o espanhol acumula, as criticas ao seu estilo de jogo se estabelecem mais como folclore do que analise fundamentada. Como bem diz o texto do Dalcim, Nadal espanta com evoluções em seu repertório e é sábio para utiliza-las com moderação: Joga longe da linha de base, mas é inteligente para avançar e invadir a quadra quando o adversário permite; Não é um exímio sacador, longe disso, no entanto vira-se com o que tem, saca no corpo, joga alto no golpe mais fraco do rival… oras, me apontem alguém na história do esporte que tenha ganhado tanto com um serviço tão “pouco potente”?; Rafa também voleia, acreditam!? E, vejam bem, não tenho números, mas estou convicto que em eficiência poucos o superam no jogo de rede.

    Ou seja, técnica + disciplina aliada a títulos. Discutir o movimento dos golpes, a plasticidade, empunhadura…. é tudo valido, como preferencia pessoal. Utilizar do argumento como regra para diminuir a capacidade técnica do atleta, é simplesmente despeito.

    Penso no lugar de Rafael Nadal na história, por diversas vezes já considerei a sua carreira acabada por conta dos problemas físicos, mas ele continua surpreendendo, obstinado em aumentar o seu legado. Acho que só existe um “pecado” em seu extraordinário currículo: Finals. Antes eu não acreditava, afirmava que jamais conseguiria em virtude da idade e de sua queda física no segundo semestre. Hoje prefiro não ousar tanto, duvidar do espanhol pode ser imprudente.

    Dalcim, por favor, peça para o adm me adicionar novamente no whats. Não aguento mais receber tantos pedidos para voltar… >_<

    Responder
  58. Jacques

    Acho que eles deveriam rever algumas regras de desistência
    Achei um absurdo que com a desistência do Murray, eles deixaram a parte de baixo da chave troncha e mantiveram Federer x Nadal apenas na semi
    Ficou muito fraco o torneio, quase sem interesse, sem desmerecer a vitória do Nadal

    Alguma análise das contusões também é indispensável. Sem vários top 10, sem vários da nova geração que deveriam ter subido, sem vários da velha geração que poderiam estar lá…Berdych, Tsonga.

    Não dá pra achar normal um Slam tão esvaziado

    Responder
  59. Tulio

    Dalcin, infelizmente a sua lista está desatualizada, não cabe Borg e Lend na lista do top five na minha opinião. A minha lista é a seguinte: Fed, Laver, Sampras, Nadal e Djokovic. Não mandei o Borg aposentar aos 26 anos, seu legado ficou menor que a dos outros acima. Agora com relação aos comentários do Lógico, se Nadal ganhasse os jogos só empurrando bolinha, era só treinar o Bolt que ele ganhava uns 30 Sland. Repara galera ele está mais humilde nos seus comentários. Falou anteriormente que tinha anunciado a aposentadoria do Nadal, que ele era o número 1 fake, Queria estar aposentando ganhando 2 Sland e uma final no ano de 2017 kkkkk.

    Responder
    1. Miguel BsB

      Verdade, fanatismo é o mal da humanidade, cega as pessoas, distorce a realidade, os fatos…teve doido que proclamou em alto e bom som (e vários kkkkkkk) a aposentadoria do Nadal, como teve doido que proclamou durante anos a aposentadoria do Federer. Como dar alguma credibilidade a essas pessoas?
      Mas a pior do ano, disparada e provavelmente imbatível, foi a do indivíduo que exclamou, todo cheio de razão: O NADAL ACABOU!!! hahahaha
      Award Statement of the Year

      Responder
  60. Alexandre

    Nadal , Federer e Djokovic, são 3 lendas que dificilmente esta nova geração chegará perto, é triste ver pessoas aqui que desdenham de qualquer um dos 3 ( nem incluo Murray , que está bem abaixo dos 3 até de torcida e sentimentos). Nunca duvidem destas 3 lendas!

    Responder
  61. Mário Fagundes

    Espero que, daqui em diante, colegas do blog que insistiam em dizer coisas do tipo: “Nadal acabou”, “Nadal não ganha mais nada fora do barro” e “Nadal não joga nada no segundo semestre”, etc. aprendam a lição: FEDERER, NADAL, DJOKOVIC E MURRAY SÓ SE AFASTARÃO DO CIRCUITO QUANDO NÃO ACREDITAREM MAIS EM GRANDES TÍTULOS. Após a conquista do 16º slam do espanhol, aquela máxima de Dalcim se concretizou: “JAMAIS DUVIDE DE RAFAEL NADAL”.

    Responder
    1. Henrique

      Negócio é que Nadal agora só quer ganhar de 2 em 2 ou 3 em 3 anos pra mostrar que tem longevidade.
      Com certeza a grande obsessão agora é ganhar com 36 anos.
      Já ganhou com 31 igualando Federer em 2012, a meta agora é ganhar com 2022 pra igualar a idade de Federer em 2017.
      Acho que Nadal ainda ganha 2 us opens, um com 36 anos e outros com 41

      Responder
      1. Mário Fagundes

        Mais um tiro no pé de um nadalista. Sua afirmativa só comprova o que nós há anos dizemos: NADAL SEMPRE ESTÁ NA SOMBRA DE FEDERER. Hahahahahaha!

        Responder
  62. Mário Fagundes

    No slam mais esquisito dos últimos anos, Nadal, enfim, voltou a ganhar um título em quadra dura. Pela final que fez contra Federer no AO, acho bem merecida a conquista. Concordo, em parte, com você Dalcim, pela análise feita no post. Entretanto, uma coisinha que vc disse me chamou atenção: “Nadal ganha a motivação para tentar se aproximar, igualar ou até mesmo ultrapassar os 19 troféus de Federer em 2018”. Ué, você não acredita mais que Federer possa ganhar um slam?

    Responder
  63. Ivanptre

    Bom dia Dalsin… O que muito se comenta quando Nadal está jogando mal é que ele devolve os saques muito atrás da linha de base… Porém quando ele ganha jogando assim pouco se comenta… qual sua opinião a respeito?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Obviamente é uma opção tática. Algumas vezes funciona, outras não. A ideia é que ele entre nos pontos e faça o grande sacador jogar da base. Claro que funciona menos se esse adversário sobe muito à rede ou usar serviços mais angulados. De qualquer forma, Rafa se sente mais à vontade assim e ganhar o US Open é um sinal de que dificilmente irá mudar esse estilo.

      Responder
  64. Valestra

    DALCIM, você que acompanha aí o circuíto desde da década de 1960, já tinha visto um SLAM com 2 finais tão pífias?
    Aliás, o torneio inteiro foi bem sem sal. Acho que só 2 jogos merecem algum destaque, DEL POTRO x THIEM no masculino e SHARAPOVA x HALEP pelo feminino. Até o FEDERER fez o favor de perder para o DEL POTRO e não vermos um FEDAL, que poderia salvar o torneio de alguma forma.
    Se ainda tivéssemos aí algum “next gen” do masculino chegando a final para criar algum frisson, mas nem isso.
    Realmente um US OPEN para esquecer.

    Responder
  65. Diego Bezerra

    Oie Dalcim, bom dia!!
    Parabéns pelo post! Nadal é extraordinário, mereceu o título!! O#1 da temporada ficou mais pro Nadal, mas melhor esperar né? ??

    Responder
  66. Rafael

    Nadal realmente sempre evoluindo!! O cara é um trabalhador ferrenho. O dom dele é o da Resiliência, do empenho e o da paixão pelo tennis!! Ele nunca foi e nuca será um “deus” do tennis, na verdade ele sempre será um modelo a ser seguido pela maioria. O modelo onde todos poderão se espelhar e aí saber que sim, é possível competir contra os deuses e vencê-los!!
    É isso aí!!! Mais uma volta por cima do espanhol. Parabéns!!
    Dalcim, só descordo que a vantagem que o Nadal obteve agora de 1860 pontos advenha do saibro. Desses 1800, 1200 vêm do vice em Melbourne!!
    Concorda? Abraço.

    Responder
      1. Sandra

        Dalcim, caso você possa responder, gostaria de saber, Federer reclama do saibro, mas tem títulos ni saibro, Nadal reclama do piso duro, mas tem inúmeros títulos no,piso duro, não é muita choradeira deles não????

        Responder
          1. José Nilton Dalcim

            De onde você tirou essa ideia? Federer nasceu numa quadra de saibro. O fato de não disputar tantos torneios é que seu estilo não combina com o piso.

    1. Lucas Pires

      Esse comentário reflete exatamente o que eu penso. Nadal é o Beethoven do tênis, dizem que Beethoven se transformou em um grande músico porque estudou e se dedicou diante de uma infância terrível. Já Mozart quando pequeno, chorava quando a banda passava tocando uma música desafinada, ou seja, tinha um talento natural para o negócio. Quem seria o Mozart do tênis? Federer? Laver?

      Não significa que Beethoven não tinha talento, ou Mozart não se dedicava, apenas que eles tinham características diferentes e foram muito grandes.

      Responder
  67. Rubens Leme

    Não sei a diferença entre eles foi no saibro, Dalcim. Para mim, foi na quantidade de torneios no ano, 14×9 a favor do espanhol, como escreveu em um comentário abaixo. Separei alguns números:

    Federer e Nadal venceram não apenas os mesmos números de título no ano (cinco, cada), como em termos qualitativos: 2 Slams, 2 M1000 e 1 ATP 500, para cada. A diferença muito se deve ao vice na Austrália, já que, em Slams, Nadal soma 5.380 pontos contra 4.360 do suíço.

    Se Nadal somou 4680 pontos no saibro, Federer conseguiu 2 M1000 na quadra dura, além do Australian Open e do vice no Canadá, o que dá 4.600 pontos, sem falar nos 2.500 pontos na grama, contra apenas 180 de Nadal neste piso.

    Outro detalhe: até a final de ontem, Federer tinha acumulado mais prêmios em dinheiro, mas agora foi superado (US$ 11,2 milhões contra US$ 9,4 milhões).

    No final, o que pesa mesmo são os poucos torneios de Federer, no ano.

    Responder
  68. Eduardo Moura Lima

    Dalcim,

    Outra coisa. Esse ano o Nadal me parece extremamente saudável, diferentemente de outros anos, que mesmo ganhando tudo, volta e meia aparecia com uma proteção no joelho ou algo do gênero. Tudo bem que teve aquele episódio no treino no início do US Open, mas aparentemente não foi nada né …

    Você acha que ele e sua equipe fizeram alguma mudança mecânica em seus golpes, ou na movimentação das pernas, ou na preparação física/treinos ou algo do tipo para estar tão saudável mesmo depois de uma longa e vitoriosa temporada.

    Pergunto pq infelizmente sabemos que costumeiramente os anos seguintes de anos vitoriosos do Nadal são anos marcados por lesões e paradas …. torçamos para que 2018 ele mantenha o nível!

    Abraço

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sem dúvida, a parte física está em excelente estado. Isso não apenas é essencial para seu plano de jogo, como lhe dá a confiança necessária. Ainda acho que ele pode economizar um pouco mais seu calendário para se poupar e se manter saudável, Eduardo.

      Responder
    2. Maurício S. Fonseca

      Sim, uma vez que ele tem usado tudo que é coisa revolucionária: célula-tronco, plasma enriquecido, hormônio de crescimento, tudo com autorização da ATP.

      Responder
      1. Thiagogmm

        Bom dia meu amigo. Dalcin, teria como vc explicar pq vc considera Sampras no teu ranking particular dos melhores da história acima de nadal? Nadal praticamente o supera em quase todos os quesitos. Grande abraço

        Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Na minha modesta opinião, ser número 1 é muito mais difícil do que ganhar Grand Slam. Porque isso depende de consistência ao longo de 52 semanas. Sampras nunca foi um grande sobre o saibro e, embora isso seja um defeito, ao mesmo tempo mostra sua incrível capacidade de liderar o circuito por tantos anos mesmo sem brilhar nesses três meses da temporada de terra.

          Responder
  69. Eduardo Moura Lima

    Dalcim,

    Duas coisas me chamaram atenção nesse título do Nadal. A primeira foi que eu algo q foi apenas a segunda vez em GS que ele não se atirou no chão ao finalizar o jogo (a primeira foi aquele RG de 2008 contra o Federer que ele se sentiu até constrangido em comemorar, tamanha surra. E a segunda coisa, motivada pela primeira observação foi que acredito a tenha sido o primeiro GS que Nadal fechou na rede! Correto ? Talvez isso seja reflexo do jogo mais variado e agressivo que praticou nesse US Open.
    E se falarmos dos outros 58 títulos, vc lembra (ou tem os números) de quantos deles o nadal fechou o championship point na rede ?

    Abraço

    Responder
  70. Luana Freitas

    Rafa Nadal é o maior esportista da história da Espanha. Ele é uma lenda.
    Sobre a discussão dos Slams, vamos ter que ver como volta Djokovic. Ele ainda tem uns bons 4 anos pela frente e se voltar em forma pode ganhar tudo novamente e ultrapassar todos. Acho que o Federer dificilmente ganha mais um Slam, talvez tenham chances em Wimbledon 2018.

    Responder
    1. Nando

      Luana, vamos aguardar…falaram q Federer nunca mais ganharia Slam, e esse ano ganhou 2.
      Vamos ver como será o 2018 dele né?
      Plagiando uma frase do Dalcim: Nunca duvide de Roger Federer!

      Responder
  71. Mario Cesar Rodrigues

    Bem considerando que Rafa defende 90 pontos até o final da temporada convenhamos.Do jeito que está batendo na bola sem dúvida será o number 1 em 2018 já é manterá!e outra coisa Federer com estes problemas fisicos ele tem que ganhar dois Masters MIL ganhar praticamente invicto o finalss e Rafa não irá somar nada que mundo vcs vivem?federer sem chances!

    Responder
  72. Rodrigo S. Cruz

    O Federer desse segundo semestre é somente sombra daquele que vimos DETONAR o Careca, no início do ano.

    Se o suíço continuar tendo de se poupar, devido ao problema nas costas, e sem aquele backhand compacto, o Nadal terminará mesmo como número 1, e nadando de braçadas…

    Responder
    1. José Viana

      Quando federer perde, ele está se poupando!!!
      Me poupe desses comentários unidimensionais!!!
      Gosta mais do Federer q a mulher dele!!!
      Ele levou uma surra do Del potro, q levou uma surra do Nadal, q levou uma surra do Federer em Miami… Esporte é momento tb!!!
      AGORA O MOMENTO É DO NADAL!!!
      Torcemos para q o Federer se recupere e possa duelar com o espanhol no Finals!!!
      Parecem akelas fãs do Kaká, ou Sandy & Júnior… Sejam menos parciais!!!
      Viva o tênis!!!

      Responder
          1. Rodrigo S. Cruz

            Eu nunca disse isso…

            O espanhol joga mal quando sente qualquer tipo de dor.

            Agora, o físico dele neste Us Open esteve exuberante.

  73. O LÓGICO

    DEVANEIO NADALZÉTICO KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

    A bondade de Deus, se ela existir, pois Ele existe pra mim, é algo insondável à razão humana. Mas em alguns momentos ela se nos apresenta de forma límpida, e nesse USOCO tivemos um exemplo inequívoco da bondade divina. Sem embargo, deixado à sua própria competência e apuração tenísticas o marombeiro do tênis mundial jamais conseguiria ganhar novamente um slam fora da LAJE kkkk. Então, Deus teve que dar uma forcinha kkkkk. No sorteio, na desistência do Andy Lânguido, nas derrotas de adversários que poderiam tirá-lo da disputa, no desgaste físico do único adversário que ele enfrentou e que lhe poderia amputar a raquete, na escolha da bolinha, para não contrariar o dengosinho e, principalmente, em determinar que a quadra, ao contrário de todos os outros torneios do USO, estivesse tão lenta que nos fazia confundi-lo com um logotipo e lhe propiciava uma tranquilidade psicológica – claro, quadra rápida é causa certa de estresse agudo para ele. Ou seja, o bom Deus alinhou os planetas, e eu acredito que por pura compaixão KKKKKK. Em respeito ao Ser Supremo, a quem confio minha vida plenamente, vou parar por aqui e não vou especular se Ele deu uma forcinha também na liberação do açaí espanhol kkkkkkkkKKKKK, mesmo acreditando que isso seria possível, pois ao contrário do senso comum defendo que Deus e Ética são coisas separadas por distinção categorial.

    Mas no que consiste o devaneio nadalzético? Cifra-se em acreditar que agora vai kkkkk: que o robozinho vai ultrapassar o Rei na conquista de slam – até o Guru tá embarcando nessa, mesmo já tendo se declarado imparcial – uma palavra incongruente com a natureza humana kkkkkkk. Claro, há que se conceder um perdão às nadalzetes, visto que elas padecem de uma capacidade cognitiva no mesmo nível que os torcedores Dele, Roger Federer. Sim, nesse exato momento é essa fantasia que se apodera da mente delas, pois se o robozinho dos quinto não vencer essa barreira, a imagem que vai figurar na história do tênis será a de Roger em pé olhando para baixo e vendo o primogênito do demônio kkkkk – inexplicavelmente, abençoado por Deus nesse domingo -, pareado a outros tenistas. E basta um pouco de Lógica, kkkkkk, para fazer o fogo dos devaneios das robozetes delirantes se apagar por completo: final de 2017, a vantagem em slam para Roger era de três, que permanece ao final das disputas dos majors esse ano kkkkkkkkkkkk

    Que o robozinho continua sendo o maior passador de bolinhas da história do tênis, e que é por essa “qualidade de tenista medíocre” que ele continua ganhando torneios, disso não devemos duvidar. O Guru mesmo põe isso no elegante texto guardada a distinção semântica que ele possa fazer kkkkkk: “Não menos fundamental foi o fato de que o espanhol conseguiu colocar muita devolução de volta (PASSAR A BOLINHA KKKKkkkk), obrigando Anderson a disputar dezenas de pontos que certamente não gostaria. Aí forçou e errou além da conta (PONTO FUNDAMENTAL KKKKkkkkkkk)`”.

    NUNCA SERÃO NADALZETES, A MEDIOCRIDADE DO TENISTA UNIDIMENSIONAL CONTINUA RELUZENTE KKKKKKKKKKKKKKKKKK

    Responder
    1. Guilherme

      Chora recalcado!!! Muito bom ver você sangrando mais uma vez aqui. É cada paulada que o Nadal dá nesses haters que eles perdem o caminho de casa.

      Já que ficou faltando no texto essa questão de números do Nadal fora do saibro em GS, vamos dar uma singela contribuição: São 6 títulos de GS fora do Saibro (1 AO, 2 WB, 3 USO), ou seja, o dobro dos títulos totais de GS de Murray e Wawrinka.

      Só com seus títulos de GS fora do saibro ele iguala os títulos totais de GS do grandioso Boris Becker.

      A sua medalha de Ouro em simples (coisa que o Federer não tem e NUNCA terá) foi conquistada na Hard.

      Ainda chegou em mais 7 finais de GS fora do saibro (3 AO, 3 WB, 1 US OPEN).

      É, realmente o Nadal é um jogador apenas bom no saibro…. “TÁ CERTO”.

      Parabéns a esse monstro chamado Rafael Nadal Parera pelo seu 16o título de GS. Um mito do nosso esporte. Creio que o próximo objetivo deve ser a conquista do Finals no fim do ano, afinal ele tem uma ótima chance para isso.

      Espero que para os próximos anos ele vá escolhendo melhor o seu calendário, a fim de focar mais nos Slams, que realmente é o que interessa.

      A final de ontem não chegou nem perto da qualidade técnica da semifinal, onde ali sim, o Nadal mostrou mais o seu repertório. Ontem ele teve o mérito de sempre incomodar o serviço do Anderson minando o psicológico do Sul africano.

      VAMOSSSSSS RAFAAAA!!!

      Como diz o LF: COMO OS CARAS TÃO SOFRENDO.

      Responder
    2. Mário Fagundes

      rsrsrsrsrsrs. Esse slam foi mesmo algo “talhado” para Rafael Nadal ganhar. Mas vamos acreditar que seja mesmo uma recompensa divina pelo esforço, pela garra e superação do espanhol.

      Responder
    3. Rodrigo S. Cruz

      O Nadal deu muita sorte nesse Us Open.

      Num torneio que já começou esvaziado de tenistas do Top 10, o cara não enfrentou sequer um top 20…

      Mas a verdade é que ser o cabeça n° 1 dos torneios de Grand Slam, sempre garante essas MAMATAS.

      O Djokovic, por exemplo, eu já cansei de ver pegar chaves incrivelmente ridículas, como por exemplo, a de Roland Garros de 2016…

      Porém, o mais preocupante é que o Federer está jogando muito, mas muito abaixo do que jogou no começo do ano.

      Enquanto o robozinho, com esse físico privilegiado está deitando e rolando.

      Acho que o número 1 ficará com o unidimensional mesmo.

      Infelizmente…

      Responder
    4. Anderson (not Kevin)

      O unidimensional que já cansou de surrar o dito GOAT =)
      Quantas vezes o trator foi passado ali? =)
      Mas não seja parcial, pois o Todo Poderoso permitiu que a lavada do H2H fosse diminuída, para a ilusão de alguns de que agora o dito saiba jogar contra o Touro. Mas todos vimos como ele fugiu no saibro e fugiu nesse USOpen , “perdendo” para o Delpo, tamanho o nível que o Nadal demonstrou, e assim não ficar marcado que perdeu em todos os majors =)
      E olha que curiosidade, o Nadal tem mais títulos no USOpen do que Federer tem RG; também tem mais títulos em Wimbledon do que Federer tem em RG; e tem o mesmo tanto de títulos em AO que Federer tem em RG (e aqui não vou levantar que mais uma vez o Todo Poderoso o ajudou enormemente) ^^
      Sim, esse mesmo que é só considerado um jogador de saibro =D
      Mas calma, o Federer tem mais vices em RG do que Nadal em qualquer GS. Então, parabéns, GOAT da entressafra =)

      Responder
      1. O LÓGICO

        Teu raciocínio é sofismático, kkkkk, ou quixotesco kkkkkk o Ceto é:

        AO: fedex 5, UNIDIMENSIONAL 1 kkkkkk
        USO: FEDEX 5, UNIDIMENSIONAL 3 kkkkkk
        W: FEDEX 8, UNIDIMENSIONAL 2 kkkkk
        FINALS: FEDEX 6, UNIDIMENSIONAL 0 kkkkk, um pouquinho mais kkkkkk

        Esse são os títulos mais importantes kkkkkkk A LAJE é coisa de emergente kkkkkkkkk

        Responder
        1. Anderson (Not Kevin)

          Coisa de emergente? HAHAHA
          E mesmo assim o GOTE (Greatest Of The Entressafra) só levantou um graças ao Soderling, e teve até choro: https://youtu.be/x-uqnRjRYRE?t=55

          Não esqueça Medalhas de Ouro: Nadal 2 x 0 Federer (sim, eu sei, uma foi em duplas, eu sei)
          Mas não esqueçamos (por favor, nunca se esqueçam, por favor) H2H: Nadal 23 x 14 Federer rsrs

          (aos outros fãs do suíço: brincadeiras à parte, sou fã do Federer e também o considero the GOAT, mas antes de tudo sou fã do Touro)

          Responder
      1. ROMÁRIO

        Olha pessoal, acho que vocês deveriam rebater os argumentos do LÓGICO. Tem provocação, mas tem pontos importantes que ele coloca. O que aconteceu nesse USO para o Nadal foi algo de muita sorte. Coisa de Deus? rssrs pro LÓGICO.

        Responder
  74. João ando

    Vendo David Ferrer com 35/36 anos jogando e correndo muito.então podemos achar que rafa pode jogar mais 3/4 anos…Roger tem 36 …pode jogar mais uns 3 em alto nível ….isso sem contar que pode de uma hora para outra aparecer um fenômeno. …para o bem do tenis de alto nível acho que Roger ganha mais três Wimbledon. O que da 22 slans para Roger .rafa ganha mais uns três rg…
    Ou seja rafa não alcança Roger …então podemos concluir no fim da carreira dos dois que Roger junto com laver serão os maiores de todos os tempos

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Meu Caro Ando, Ferrer e’ a prova. Perto dos 35, 36 pode-se até correr e competir. Mas o eterno TOP 10, sua pra se aproximar do Top 20. E tome de derrotas na primeira rodada para inexpressivos. Coisa que não passa pela cabeça do Big Four. Não se surpreenda se algum deles já largar agora. Não vai ser Roger enquanto se ver com possibilidades de SLAM. Mas o próprio sabia que não daria para enfrentar Nadal, do jeito que reapareceu após Wimbledon. Procure pesquisar quantos venceram SLAM acima dos 31. ABS!

      Responder
      1. João ando

        Sergio .prefiro que vc me dé essas informações pois não tenho mais cabeça para pesquisar isso. …acompanho tenis há mais de 40 @nos e não tenho saco para isso….abco

        Responder
  75. Vitor

    Importantíssimo se lembrar que Nadal disputou, nada menos que, 5.000 (3 Master e 1 Grand Salm – todos no saibro) pontos a mais que Federer e está “apenas 1.900” na frente. Some esse fato à freguesia de um sonoro 3×0 em confrontos diretos, não acho que Nadal tirou o protagonismo de Federer. Sem contar que Nadal ganhou um Slam extremamente vazio, ele mesmo não tinha enfrentado um top 50 até a semi….assim fica fácil…ah se o Federer não tivesse tido a lesão nas costas…mas não quero usar isso como desculpa.

    Responder
    1. Henrique

      O cômico é que em 2009 e 2012 Nadal teria chances de ser número 1 se não tivesse deixado de jogar certos torneios, mas isso os federetes não gostam de lembrar….rsrs

      Responder
    2. Rafael

      Não quer usar já usando? Kkkk
      Não não tem culpa da falta de competência da concorrência no usopen deste ano, inclusive do próprio Federer em não cumprir seu papel e ir a Semi!

      Responder
    3. Luiz Fabriciano

      Engraçado que o h x h entre Nadal e Federer até o ano passado não valia nada. Agora toda hora fala em 3 x O para o Federer esse ano.
      O que importa mesmo ainda é o total. Se Federer vai descontar mais ou Nadal vai ampliar novamente, ai são outros 500. Ou 1.000 ou GS, tanto faz.
      E se Nadal disputou 5.000 no saibro e faturou quase 100%, méritos meu, de Federer ou dele?

      Responder
  76. Sergio Ribeiro

    Independentemente da ” atuação” de Anderson , não se pode negar a incrível capacidade do Espanhol em se reinventar como foi muito bem colocado no Post. A meu ver, o Titio não conseguiria sozinho sem Moya. Mas os méritos são todos do Espanhol. Se Federer não compareceu à Semi, Del Potro afirmou que este Nadal e’ o melhor que já enfrentou. Depois de uma difícil Final no AOPEN e uma boa participação na Gira das duras, percebeu que com alguns ajustes poderia mirar no N 1. E não seria o Suíço aos 36 , que iria impedi-lo. Sem Novak, Andy e Stan,( todos vimos o Craque Suíço já sem pernas nesta altura) somente lesões o tiram do Posto até ao menos Rolanga. Acredito que Roger Federer não vai correr atrás do improvável. Alguns MASTERS 1000 e o FINALS devem ser o seu limite. E o de Rafa Nadal parece não existir. Abs!

    Responder
  77. Juscelino Júnior

    Dalcim, me diga com sinceridade, o que você diria a um ano atrás se te dissessem que Federer e Nadal dividiriam os quatro Slams de 2017??
    Fale quem quiser, mas pra mim, inegavelmente, são os dois maiores monstros da História do Tênis (com todo o respeito a Borg, Laver e Sampras)!!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sem dúvida, algo espetacular. Mas não vamos esquecer que os dois maiores concorrentes estiveram praticamente fora de combate, Juscelino. Acredito que se Novak, Murray e talvez Wawrinka estivessem inteiros, poderíamos ter uma distribuição diferente.

      Responder
      1. Renato

        Yeah! Really… bar if Natalia n Federer could.play in another time they could be better them now and Djokovic maybe “just” win 6 grand slam… this “maybe” don’t work, really… But I can understand u n think about bit it’s not justice to say that…

        But, what I really think is: when 5 ‘personajes’ can win thr most important championships they really can make a result … maybe to the tennis continues be interesting to us… like a big better … because (think I didn’t say that before) they r like (2 of us r tired, now the other of two, now we r 3…) it’s really extrage but I can believe too because they are people like us n it’s really difficult to be all the time on the top!

        What I wanna say is: they r the best I saw (in whit 31 years old) n they make a show to us … thank u all, Nadal, Federer, Djokovic, Murray, Warinka, Del Potro… n why not; The best, GUGA kkkkk I really like him!!!! Thank u everybody, let’s ‘pray’ to Sverev (?) N other make good plays and find each one your way too. Gehehehe brigado dalcim.!

        Responder
      2. Rafael

        Sendo assim, vc não pode esquecer da baixa no rendimento do espanhol por 2 anos, o que abriu terreno fértil para que Novak fizesse o que fez. A também enorme baixa de rendimento por parte do Federer por tempo até maior que o espanhol.
        Nadal não conseguia nem jogar Tennis na verdade é Federer parecia realmente um aposentado. Então, creio que a não presença deles faz parte do Show e não valoriza e nem desvaloriza nada.

        Responder
        1. Henrique

          Com certeza. Se quiserem falar dos benefícios que o espanhol teve, teríamos que começar falando dos benefícios que os outros tiveram das lesões do espanhol. Us open 2012 e 2014 por exemplo, ele teria boas chances em tese.
          Ah, sem falar que quando federer ganhou wimbledon, também n jogou com djoko, murray ou stan

          Responder
  78. César Valeixo

    Dalcim, você comentou certa vez que a ordem de importância dos slams era : wb, us, rg e ao. Baseado nisso, rafa ter conquistados o segundo e terceiro em importância se equivaleria a federer que ganhou o primeiro e o quarto nesse quesito… Mas na pratica você considera com o mesmo peso as conquistas de rafa e roger ou na sua opinião uma combinação de uma dupla de slams seria mais importante que a outra? Abs

    Responder
      1. Marcos Ribeiro

        Cada um coloca a importância dos slams na ordem que quiser, mas uma coisa é certa: todos os tenistas se esforçam ao máximo para ganhar qq um deles. Isto significa que, estando presentes os mesmos tenistas em cada um, a concorrência a ser superada para vencê-los é a mesma e o tamanho esportivo da conquista idem.

        Responder
    1. Pedro

      Este Ranking dos GS, mudou bastante ao meu ver. O Australian Open carregou por muito tempo este estigma de ser um torneio menor, e em uma certa época boa parte dos melhores jogadores nem se dava ao luxo de participar do torneio. Nos último anos, porém, vejo que o interesse no AO cresceu cada vez mais, com jogadores mais em forma, schedules mais bem feitos, ao passo que o US Open se viu esvaziado de jogadores devido a lesões.

      Responder
  79. Marcelo-Jacacity

    Enquanto todos aplaudiam de pé a histórica temporada de Federer, eis que Nadal resolve não só igualar a quantidade de Slams conquistados do suíço este ano como também abrir larga vantagem no ranking para fechar a temporada como nº 1.

    De fato, em 2017, o espanhol eclipsou Federer, como bem comentou Ramon Assis no último post.

    Cinco anos mais jovem, é plenamente factível o espanhol chegar nos 19 Slams de Federer. O suíço pode ganhar mais Slams? Eu não duvido mais, porém, será que o corpo permitirá com o avançar da idade?

    Amigos meus, torcedores do Federer, confidenciaram que será necessário que Djokovic volte a jogar a bem em 2018, para dificultar a vida do espanhol nos Slams.

    Nos últimos anos a ameaça era o Djokovic, entretanto, agora os fãs do Federer, voltarão a torcer para que o sérvio volte a tirar Slams do Nadal, assim, como ocorreu no passado.

    O sérvio voltou a ser, por ora, aliado de Basiléia.
    O alvo agora é Nadal.

    Responder
    1. André Barcellos

      Não acho que o termo “eclipsou” seja a expressão da verdade, afinal RF E RN ganharam o mesmo número de Slams.
      E ainda tem o fato de o suíço estar invicto contra o mesmo Nadal neste ano.
      É de se ver, portanto, como cada um termina a temporada pra ver quem teve o ano mais surpreendente.
      Pra mim os dois surpreederam, mas a volta do suíço foi ainda mais impactante com 35/36 anos, e tendo se afastado por 6 meses.

      Responder
    2. Pedro

      Não vejo exatamente desta forma. Tomemos 2015/16 como exemplo…. Não fosse Djokovic, Federer poderia ter ganhado 3 GS. O Retorno do Murray e Djokovic irá dificultar tanto para Nadal quanto para Federer.

      Responder
    3. Rodrigo S. Cruz

      Eclipsou coisa nenhuma…

      Tomou 3 ENFIADAS do Federer em 2017, e ambos tiveram 2 títulos de Major.

      O Nadal só tem mais pontos, porque a idade do suíço o faz ser seletivo ao extremo quanto aos torneios que disputa…

      Tivesse o Federer jogado ao menos em Roland Garros e mais algum Masters no saibro, os dois estariam praticamente empatados.

      Mas o Nadal deve terminar o ano como número 1, mesmo.

      Ele tem MUUUUUUUUITO mais físico do que o suíço, que vira e mexe passa a jogar um tênis meia-boca, por causa da dor nas costas.

      Pra mim, nesse segundo semestre, o verdadeiro e bom Federer não apareceu ainda para jogar….

      Responder
          1. José Nilton Dalcim

            Evite se dirigir aos outros participantes do Blog de forma tão pejorativa, Rodrigo. Não estou admitindo isso faz tempo. Em alguns casos, até editei. Mas me cansei. Agora eu simplesmente bloqueio.

      1. O LÓGICO

        Eu sempre fui fã do Dojkão kkkk, fã interesseiro kkkkk Pra mim, deveria ser construída uma estátua dele na entrada da Felipe Chatatrier, ao lado da do robozinho com o seguinte dizer: AQUELE QUE ENTUBOU O UNIDIMENSIONAL EM 7 FINAIS SEGUIDAS KKKKKKKKKKKKKKK

        Responder
    4. Marcos RJ

      Que eclipse é esse companheiro? Nadal perdeu todas as partidas contra Federer na temporada, incluído AO, Miami e IW. Nessa sua galáxia imaginaria, o sol é que gira em torno da terra.

      Responder
    5. Mário Fagundes

      Marcelo, como pode Nadal ter “eclipsado” Federer, se os dois venceram a mesma quantidade de slans, sendo que num deles Federer venceu Nadal na decisão? E isso sem contar as duas vitórias do suíço nos outros dois confrontos em 2017. Sem exageros, por favor.

      Responder
      1. José Viana

        Eu diria que o ano é dos dois!!!
        Mas o ano do Nadal é melhor!! Não inventem desculpas… Dominou o saibro, onde o suiço nem quis ir!!! Méritos pro Nadal que foi e ganhou!

        No começo do ano ninguém imaginaria isso!! Brilhantes: os dois!!!

        Mas por enquanto o ano é do Miúra!!! Ainda tem água pra passar debaixo da ponte e isso pode mudar!!!
        Esperemos o Finals!!! Imaginem uma final decidindo o número 1 entre os dois!!!
        Seria demais!

        Responder
    6. Bruno

      Vamos ver como voltará o sérvio após a punição velada da atp.
      Como explicar uma parada tão longa sem ser realizado um procedimento cirúrgico?
      E outra colega,2 slans e 2 m1000 por enquanto…..

      Responder
    7. Emílio

      Ninguém eclipsou ninguém. Na real, os dois estão tendo uma temporada muito, mas muito superio,, ao que sequer sonharam antes dela começar.
      E é certo que terminarão o ano nos dois primeiros lugares.
      Claro q vão tentar ganhar o que der até o final de ano, mas acredito q se permanecerem saudáveis já estarão bem satisfeitos. O famoso o que vier é lucro.

      Responder
    8. GILDOKSON

      Marcelo, Djokovic ajudou muito sim a proteger o recorde do Federer, porém o sérvio também tirou do gênio 3 títulos Grand Slam. E Federer mesmo protegeu a sua liderança ao bater o espanhol no primeiro Major do ano, ja que se Nadal vencesse a diferença agora seria de apenas 1.

      Responder
    9. Sérgio Ribeiro

      Na boa, Marcelo . Essa foi uma das suas mais infelizes. Digna da Turminha do grupo da Whatzapp. Novak tirou no mínimo dois SLAM do Suíço nas Duras. E também na Grama. Seu retorno e’ mais um na briga pelos SLAM. Tem uns Manes de volta ao Blog ( só aparecem na boa ) , que falavam em torcida terceirizada. Somente contra Rafa , a meu ver, e’ mais viável pro Suíço vencer ao menos o *20. Todos de volta , vamos combinar, complica mais. Abs!

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *