Números e reflexões
Por José Nilton Dalcim
12 de setembro de 2017 às 19:17

O título no US Open colocou Rafael Nadal à frente de Roger Federer e Novak Djokovic quando se trata de percentual de aproveitamento em Grand Slam. E isso tanto em vitórias como em troféus.

Rafa ganhou 226 jogos e perdeu 33 (87,2%), acima de Federer (325 e 52, com 86,2%) e bem à frente de Nole (237 e 39, com 85,8%). O recorde permanece com Bjorn Borg, com 141 e 16, portanto 89,8% de aproveitamento.

O canhoto tem 16 títulos em 50 Slam jogados (32% de sucesso) contra 19 em 71 do suíço (26,7%) e 12 em 51 do sérvio (23,5%).

* Nadal tem ainda o maior domínio num Slam (97,5% de vitórias em Paris). Borg lidera em Wimbledon (92,7%), Andre Agassi na Austrália (90,6%) e Pete Sampras no US Open (88,8%). Quanto aos pisos, Rafa é absoluto no saibro (79 vitórias no total), Federer no sintético (169) e Jimmy Connors na grama (107).

* A menos que ocorra uma enorme surpresa, Rafa Nadal e Roger Federer serão cabeças 1 e 2 do Australian Open. Wawrinka corre risco de não estar entre os oito principais cabeças, o que é líquido e certo que acontecerá com Novak Djokovic. Já Andy Murray pode nem estar entre os 16, assim como Kei Nishikori e talvez Milos Raonic.

* Alexander Zverev e Dominic Thiem estão praticamente garantidos no Finals de Londres junto a Nadal e Federer. As outras quatro vagas devem ser duramente disputadas entre Dimitrov, Cilic, Carreño, Querrey e Anderson. A distância entre Dimitrov e Anderson é menor que 800 pontos.

* Pablo Carreño se tornou nesta segunda-feira o 18º diferente espanhol a atingir o top 10 do ranking, juntando-se a nomes como Manuel Orantes, José Higueras, Sergi Bruguera, Carlos Moyá, Juan Carlos Ferrero e Rafa Nadal.

* Garbiñe Muguruza inicia seu reinado no circuito feminino com o menor número de pontos desde que o sistema atual foi adotado em 2008, ou seja, 6.030. E a briga nem de longe está encerrada. No ranking da temporada, Simona Halep está a menos de 300 pontos e Elina Svitolina, a quase 500.

* Com o sucesso alcançado no US Open, o tênis feminino americano tem agora quatro das top 17. E Serena nem está jogando. Ela aliás ocupa o 22º posto e não deve cair além disso até defender seu título da Austrália em janeiro.

* O canadense Felix Auger-Aliassime, 17 anos, conquistou seu segundo challenger neste sábado, no saibro de Sevilha, aproximando-se do top 150. O detalhe muito curioso: no match-point, a bola do tenista da casa Inigo Cervantes teria saído. Muita dúvida, o juiz checou a marca e ficou convencendo Cervantes de que havia saído. O espanhol chamou o árbitro geral, que conversou com o juiz. Felix no fundo da quadra aguardando. Numa atitude incrível, o juiz determina que o ponto seja disputado novamente. O canadense não deu um pio. Pediu as bolas, disparou um foguete e matou o ponto com forehand no contrapé, fechando de vez o jogo. Quando se olha uma promessa, muito mais importante que qualquer golpe é observar a atitude.

Desafio – Apenas dois internautas acertaram o Desafio US Open da partida em que Nadal venceu Del Potro. Ian de Deus e Iury Pinheiros Ximenes foram os únicos a cravar que o espanhol perderia o primeiro set e faria a virada. Por isso, resolvi premiar os dois com um tubo de bolas Spin. Eles devem enviar aqui nome e endereço completo para a remessa.


Comentários
  1. Marco Diogo

    Desculpe Dalcim, por eu ser apaixonado por tênis, me entristece muito o caminho que os comentários do seu blog estão tomando. Me reservo o direito de apenas a partir de agora ler suas análises e não voltar aqui.
    De uma coisa tenho certeza, daqui a poucos anos (menos do que imaginamos) não haverá Federer, Nadal nem Djokovick e o circuito será muito menos interessante (como a maioria se quer pode imaginar). Basta vermos o impacto causado pela ausência de um ou dois destes tenistas por lesões.
    Então há de chegar o dia que não haverá um competidor como Nadal, nem Djoko ou clássico como Federer, onde param meses por lesões e voltam melhores pois se reinventam, não esmorecem nem cansam de ganhar e chorar…
    Há de chegar o dia em que os federistas e djokistas sentirão falta do Nadal que leva seu tenistas favoritos ao limite e a evolução. O mesmo digo à nadalistas a respeito de Federer e Djoko.
    Sem mais além de lamentação por uma sociedade superficial que se julga profunda conhecedora de todos os assuntos e cada vez menos capaz de conviver com a opinião e respeito ao espaço de direito do próximo.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Embora haja muito exagero, Marco, também existem excelentes comentários, com muitos dados bem apurados e análises valiosas. Procure selecionar esses, que valem a pena. Abs!

      Responder
  2. Felipe Gonçalves

    O imediatismo costuma ser regra não apenas no Brasil. Após o título do Nadal no US Open isso ficou claro em diversos sites, tratando o espanhol como um dos grandes nomes da história na quadra dura. Mas apesar dos seus ótimos resultados nesse piso, ele não tem como ser comparado sequer a Djokovic, por exemplo.

    O Sérvio tem 8 GS em quadras duras, além de 5 Finals, enquanto que o Nadal tem 4 e zero, respectivamente. No total, são 51 títulos para o sérvio nas hard courts contra 17. A comparação com o Federer é ainda mais absurda, com 10 GS e 6 Finals para o suíço, além de 63 títulos no geral.

    Responder
    1. Renan Oliveira

      Chora não colega! Vc desconsiderou totalmente o saibro ao fazer comparações entre o espanhol e djoko e federer. Além de ser esmagadora a diferença mesmo nesse piso, Nadal é tri us open, djoko é bi. Nadal tem ouro olimpico, em quadra dura, djoko. O espanhol foi o mais jovem a vencer todos os slams, além de ser o único tenista da história a vencer Todos os GS, ouro simples e duplas e Copa Davis 4 vezes. É muito fácil escolher um critério que nos convém para demonstrar que o nosso tenista favorito é o melhor. Se for assim então vamos desconsiderar o piso duro e fazer comparações só no saibro, o que deixaria Nole e Federer como um amadores perto de RAFA. No entanto, a comparação geral é Federer 19 slams, Nadal 16, Sampras 14, Roy emerson e djoko 12….o resto é conversa fiada.

      Responder
      1. Marcelo Araújo

        Preste a atenção e leia com cuidado antes de tecer seus comentários. O Felipe estava falando sobre quem seria o melhor tenista de todos os tempos em quadras sintéticas. Se Nadal é considerado o rei do saibro, é por conta do seu desempenho em quadras de saibro e não por conta do seu desempenho em outras quadras.

        Responder
  3. Diego Bezerra

    Boa noite Dalcim!
    Há uns , acho q um ex-tenista concedeu uma entrevista falando sobre o Big 3 e N big4!! Sabemos q Murray esteve ali, chegando em finais e ! Vc com expressão Big3?

    Responder
  4. Renato

    O “colega” Rafael faz bons comentários aqui, tenho certeza que muitos gostam. Porém, ele não é melhor que ninguém que escreve aqui e, tenho certeza, nenhum participante precisa da aprovação dele para escrever o que desejar. Claro que sempre tem a “turma do pastor ” pra dizer: Glória a Deus!

    Responder
  5. Pedro

    Dalcim, o que vc acha deste retorno do Federer este ano, em relação a parte física? Em termos de resistência? Que ele voltou voando em janeiro, nós vimos. Que a qualidade técnica existe, nós vimos. Mas, ele parou toda a temporada do saibro, e mesmo assim, depois de Wimbledon e algumas partidas na quadra dura, o físico não aguentou. Sabemos que a idade pesa, também para se recuperar. Na sua opinião, ele ainda terá condições de brigar pelo número 1 ou se isso acontecer será uma combinação de eventos? Temos que lembrar que seus concorrentes do big four são bem mais novos, e nesta faixa etária qualquer ano faz diferença. Neste ano a probabilidade é para o Nadal, a não ser que ocorra algo inesperado. Ano que vem, com o retorno dos grandes e o suiço ainda mais velho, é complicado. Seria este, o último ano em que ele tem alguma margem maior de chegar ao número 1?

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Olha,Pedro, eu nem imaginava mais que ele teria uma chance real de ser número 1, porque isso exige consistência e um calendário completo. No entanto, com tudo que aconteceu até agora, a oportunidade veio e ficou perto. Acredito que esta pode ser sua última oportunidade. Não sei se é uma meta para ele, talvez seja secundário, mas me parece que valeria lutar por isso. Abs!

      Responder
  6. alessandro sartori

    Incrível como o circuito tem todo quanto é tipo de jogador, hoje de manha jogando um challenger na Polonia, D. Brown aquele que um dia “deu aula´´ de tenis pro Nadal vencia o desconhecido J. Zopp no terceiro e decisivo set por 4 x 0 e não é que ele parou por aí, o estoniano deu lhe uma virada e venceu por 6×4, vai entender…

    Responder
  7. André Luiz

    Rafael,

    Devo esclarecer que não considero o Rafa um ”baloeiro”, nem tampouco unidimensional. E discordo veementemente daqueles que o chama de ”dopado”.

    Quando mencionei o tempo que Nadal se encontrava sem vencer na hard court, eu não me referia somente a majors. É mais do que isso. Ele se encontrava há três anos e meio sem vencer qualquer torneio em quadras duras.

    Quantos torneios ele joga por ano? Dezoito, vinte? Desses, uns doze ou treze devem ser sobre hard. E ele não vencia nenhuma desde Doha 2014.

    O Federer possuía um jejum ainda maior em majors [daí o ceticismo de muitos quanto à possibilidade dele voltar a conquistar um GS]. Mas vinha vencendo grandes torneios, e inclusive chegando às fases finais dos GS em que mais possuía chance. Nunca duvidei da capacidade do suíço em vencer em WB ou no USO [embora, confesse que não esperava de modo nenhum vê-lo mais uma vez conquistando o Aussie Open: nesse causo ele se beneficiou também de circunstâncias, como a velocidade média das quadras e as bolinhas mais leves].

    Eu não retiro os méritos do Nadal em sua vitória. Acho merecido; e não só pelas duas semanas, mas pelo ano. Para mim se trata de um dos maiores de todos os tempos, sem dúvida alguma.

    Responder
    1. Henrique

      Grande coisa que ele não ganhava um torneio na hard há 3 anos e meio. Nesse período fez finais de GS e masters 1000 no piso. É evidente que se fossse tão importante não ter esse jejum, era só jogar um torneio pequeno e ganhar.
      Nadal = 3º melhor jogador em hard dos últimos 13 anos

      Responder
  8. Sônia

    Dalcim, esse Darcis pode não ganhar hoje mas que está cansando o Kyrgios, isso está. Incrível como o Kyrgios não consegue impor seu jogo nesse piso lentíssimo e diante da “pressãozinha” da torcida belga. Se continuar assim, não consigo visualizar esse australiano vencendo grandes torneios, pois absorve (negativamente) demais as energias “fora da quadra”. O que voce acha? Beijos.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Eu já disse tempo atrás que Darcis é um tenista bem chato de se encarar. Ele sabe trocar o ritmo do jogo, tem um ótimo slice… É sempre um teste para o mental dos adversários!

      Responder
  9. Rafael

    Andre Luiz:

    Desses comentários enfadonhos (e na maioria, parciais) sobre estatísticas, o seu foi o mais interessante e esclarecedor de ser ler.

    Sobre o outro post, creio que vc usou uma “maneira de dizer”, pois é claro que eu não preciso perceber algo que eu postei conscientemente. Nem muito menos disse que você afirmou o que não afirmou (ou seja, não distorci), ao contrário do que o nobre Mario Fagundes comentou, que “esse cidadão, quando não exagera, distorce”.

    Vamos, resumidamente, à minha visão, de forma geral:

    – Lógico, Marquinhos, Sônia, ad infinitum:

    Federer = gênio, maior e melhor de todos os tempos, amor eterno
    Nadal = baloeiro, careca, unidimensional, dopado, acobertado por complôs de empresas esportivas, pela ATP, pacto com o diabo, etc
    Djokovic = depende da conveniência

    Fato: Nadal tem SEIS slams FORA do saibro. Quantos tenistas na história tem seis Slam? Chamar de unidimensional um tenista assim é passar recibo de ignorante. Quanto MAIS longo fosse o intervalo entre o último Slam de Nadal na hard (argumento usado por boa parte dos haters aqui), AINDA maior seria seu feito, pois quanto mais o tempo passa, menores as probabilidades. Apesar disso, considerando a CARREIRA, Federer ser gênio – que não é – por qquer coisa q faça (como canso de ler aqui) e ler q a conquista de Nadal pode ser considerada circunstancial…. Quer dizer que o AO e o WB de Fed esse ano foram circunstanciais tbém? Vamos manter a coerência, por favor, ou eu comento mesmo.

    Neto:

    Obviamente que quando postei q Djoko é o maior de todos foi uma brincadeira para provocar o grande Marquinhos, e achei muito bem sacada a sua resposta (De longe, pq de perto…).

    Newsflash: na minha opinião, não existe um melhor ou maior de todo(a)s, e GOAT é apenas uma palavra inventada pra vender camisas e outras bugigangas.

    Já quando li seu post de estatísticas, percebi q vc usou o mesmo expediente de outro colega, ou seja, ESCOLHEU uma idade específica que favorecia seu ponto de vista, mesmo sabendo (como espero que saiba), q os três grandes tiveram diversos momentos excelentes em suas carreiras, e pegar uma fatia desses momentos que favoreça a crença que vc deseja enfatizar tem um nome, que é INDUÇÃO.

    Caro Mario Fagundes: Este blog é majoritariamente povoado por federistas, e não sou eu que estou dizendo sobre essa maioria. Uma das coisas que faço aqui quando posto é tirar os mais exaltados da zona de conforto, provocando, oferecendo contestações, exagerando quando vejo exageros, sendo chato, etc. Quando eu não puder mais fazer isso, quando for pra ficar quieto ou postar apenas coisas que agradem a vc, quando o Dalcim mudar o nome pra blog do Federer, me avisa que eu paro, tá? Ou não.

    É impressionante perceber que aqui, um BOM punhado dos postadores, se estivesse no lugar do Dalcim, não exerceria DEZ porcento da democracia que ele defende. Tristes tempos esses. Fanatismo, racismo, ignorância, intolerância…

    Fiquem com Deus, ou o que quer que seja de bom que vcs acreditem na vida.

    Responder
    1. Luiz Fernando

      Vc resumiu bem, alguns aqui não acham q exista tênis, acham q existe Federer, e todo mundo q se contrapõe a essa tese recebe todas as baixarias q existem, assustando os mais sensíveis, como a Alice. Precisa ter estômago forte p encarar essa turma. Maior exemplo disso foi o q ocorreu c o Djoko, q se tornou inicialmente ídolo dos caras, por evitar títulos do Nadal, mas como começou a vencer a bailarina transformou-se em alvo…

      Responder
      1. Nando

        Pra vc, os únicos q “prestam e q falam coisas boas” são só os q não torcem para o Federer né? Kkkkkkkkkkkkk esses aí são mto coerentes e só falam verdades…qnd alguma nadalete fala asneira, vc fica quietinho pq? Ah sim, pq as asneiras “nadaléticas” pra vc, pode.

        Responder
    2. Marcelo-Jacacity

      Rafael,
      Realmente. Unidimensionais tornaram-se os comentários do blog em reverência cega a Federer.
      Os outros tenistas praticamente são um nada. Postar algo contra a corrente pseudo majoritária é uma afronta.
      Triste.

      Responder
  10. Rodrigo S. Cruz

    Muito fraco esse time de simples da Copa Davis.

    Se não ganha nem de tenistas inexpressivos do Japão, é porque não tem lugar mesmo na competição.

    Responder
  11. sandra

    Dalcim. uma curiosidade, apesar da Sérvia ter feito o primeiro ponto, acho pouco provável dela ir adiante, mas caso fosse para final, o Djokovic caso ele quisesse poderia jogar a final, apesar de ter declarado qua não jogaria mais esse ano???

    Responder
  12. Sandra

    Dalcim , em que pese todo esforço do Clezar e do Tiago, não seria melhor colocar o Bruno Soares e o Marcelo Melo para jogar simples, até porque não sei se foi impressão minha mas os japoneses bem fraquinhos. Abs Sandra

    Responder
  13. Helena

    Muito legal essa atitude do Felix, ainda mais se comparada à do Zverev e Coric no US OPEN, e dos garotos da Austrália.
    Sobre os dados do Nadal, só senti falta dos números dele em finais de Slam, acho que ele tem um aproveitamento e tanto, que se não me engano é ainda mais expressivo. Tenho a impressão de que Federer e Nole são mais regulares no sentido de quase sempre atingirem as rodadas finais dos GSs, mas que quando o Rafa chega é pra ganhar mesmo.

    Responder
  14. Luiz Fernando

    As derrotas do Brasil em simples não constituíramo-nos nenhuma surpresa, embora eu acreditasse em vitoria do Monteiro. Hj a noite vamos vencer nas duplas, mas os japas vai levar ao menos uma das simples restantes. Surpresa mesmo esta sendo a performance do magistral Lajovic diante do Pouille…

    Responder
  15. Renato

    Guilherme Clezar é fraquinho, fraquinho, fraquinho. Levando uma surra do japonês. O negócio é torcer para a dupla e para o Monteiro, pois o gaúcho, vai perder as duas.

    Responder
    1. Sônia

      Muito fraco, não o conhecia, mas realmente, muuuuuito fraquinho. E diziam… “vamos cavalo”, mas agora eu sei… “vamos cavalo paraguaio” rsrsrsrsrsrs.

      Responder
    1. Marcelo Araújo

      Nadal realmente não é só o rei do saibro, ele também é o tenista mais forte fisicamente e mentalmente de todos os tempos, o que o faz também ser o mais regular e o mais difícil de ser batido. Se tivesse a técnica de Federer seria praticamente um tenista perfeito e seria provavelmente imbatível!

      Responder
          1. João ando

            Bom o cl3zar foi quebrado ..6/6 .Sugira deve ganhaŕ. Claezar tem que melhorar o jogo de pernas pular corda prreparacao física. E o bachand …muito fraco. No resto os dois se equivalem…concorda dalcim…

          2. José Nilton Dalcim

            O japonês jogou abaixo do que vinha fazendo. Me pareceu sentir a responsabilidade. Clezar só se soltou na metade do segundo set e poderia ter vencido o terceiro.

        1. João ando

          Dalcim. Vc viu a atitude racista do clezar, depois de um acne,onde o juiz errou a marcação e foi para o desafio….clezar deve ser punido…e multado, nunca vi dentro de uma quadra de tênis uma atitude racista de um tenista…um absurdo

          Responder
          1. João ando

            Eu vi o jogo pela espn pois não suporto o Acioli e o nark….como comentaristas…a UOL mostra a cena pelo SporTV…ele puxou os olhos com os dedos …como se fosse para o juiz abrir os olhos…um Escrot …esse clezar,minha opinião sobre ele mudou….racismo nao

  16. Mangostin

    Oi Dalcim, obrigado pelos post. Impresionante os numeros de Nadal. Se tirasemos os 10 RG, os 6 restantes bastariam para colocar ele empatado com o Edberg e Becker, e por cima de muitos jogadores extraordinarios.

    Responder
  17. Geraldo Carvalho

    Dalcim, vc já escreveu sobre isto. Msm assim acredito que seria mt interessante abordar o tema dos FUNDAMENTOS no tênis. Suas eventuais complementaridades . Acredito que contribuiria para o debate. Abs.

    Responder
        1. José Nilton Dalcim

          Olha, não sei se existe uma receita, Geraldo. Normalmente diríamos saque e forehand, mas cansamos de ver jogadores que não são grandes sacadores obterem sucesso, assim como muitos conseguem ir bem tendo o backhand como maior arma. Acho que hoje o tênis é menos golpe e muito mais físico e mental. A proximidade de golpes entre os profissionais é muito grande, pequenos detalhes na verdade.

          Responder
    1. Renato

      Fundamentos? Seria para comparar qual o tenista com melhores golpes? Não acho que vai acrescentar muita coisa, pois Roger é reconhecidamente o mais técnico entre os tenistas. Se for o que vc quer dizer

      Responder
  18. André Luiz

    O confrade Carlos Emerson chamou atenção para um número importante. Segundo o site da ATP, o índice de vitórias/derrotas de Rafael Nadal é de 0,825 [862 vitórias e 183 derrotas até aqui], o terceiro maior da estatística, apenas atrás de Borg [0,827] e de Novak Djokovic [0,828], e à frente do de Connors e Federer, que, diferente do que foi dito, estão empatados com 0,818.

    Claro que Novak e Rafa ainda não tem idade do suíço, a tendência é que a consistência caia com o tempo. De todo modo, a média deles é, por enquanto, superior à do suíço.

    Curioso como sou, resolvi me aprofundar nessa página da ATP, que também destrincha as médias por pisos. E encontrei uma informação interessante. Enquanto Federer está entre os 15 tenistas com melhores médias nas 3 principais superfícies [é o segundo na hard, o sétimo na grama e o décimo quarto no saibro], Rafa Nadal tem desempenho bem mais irregular. Ele é disparado a melhor média no saibro [0,917], mas cai para fora dos dez mais quando falamos de hard court [é o décimo segundo lugar com 0,768] e pra fora das 50 melhores na grama [é o 52° com 0,773]. Quando comparado com Roger, está à frente dele no saibro, mas atrás tanto em duras quanto na grama.

    Se quisermos acrescentar o carpete — superfície que foi proibida pela ATP no final da década passada –, dá pra perceber que Federer se encontra mais uma vez entre as dez melhores médias [é o nono colocado, com 0,754, com 46 jogos e 15 derrotas]. Nadal não aparece sequer entre os cem mais na lista da ATP, mas em outro site encontrei a afirmação de que a média do espanhol nesse piso foi de 0,533, com 16 vitórias e 14 derrotas. Mais uma vez, bem atrás de Roger, e com um desempenho bem longe dos principais tops. Deve-se destacar, no entanto, que Rafa só pôde jogar no carpete até 2007. Ele poderia ter melhorado ali, embora seja difícil acreditar que sua média sofresse algum tipo de ”revolução”.

    O site da ATP também permite comparar o desempenho em quadras indoor. Federer aparece mais uma vez entre as cinco primeiras médias [0,805]. Rafael Nadal cai para 30° lugar, com média de 0,682, e surpreendentemente atrás até de Milos Raonic [!!!].

    Em resumo, por mais espantosa que seja a média geral de Rafael Nadal, ela me parece inflada e sustentada, principalmente, pelo seu magnífico e incomparável domínio do saibro. Em todas as demais superfícies ele se encontra inferiorizado em relação ao suíço, e em algumas não aparece nem mesmo entre os top 15. Dá a impressão, até aqui, que Roger é um jogador bem mais completo.

    Abaixo, a posição de cada um de acordo com o piso:

    SAIBRO
    Nadal — 1°
    Federer — 14°

    GRAMA
    Federer — 7°
    Nadal — 52°

    HARD
    Federer — 2°
    Nadal — 12°

    CARPETE
    Federer — 9°
    Nadal — fora dos cem primeiros

    INDOOR
    Federer — 5°
    Nadal — 30°

    Responder
    1. O LÓGICO

      Obrigado André, obrigado, mil vezes obrigado kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
      Você confirmou a tese do LÓGICO, para desespero das nadalzetes kkkkkkkkkk
      Está provado, por índices matemáticos, kkkkkk, que o robozinho é o UNIDIMENSIONAL dos grandes tenistas da história kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

      Mas só o finals seria suficiente para nos levar a desconfiar disso. O cara já deve ter no mínimo dez participações, e nunca ganhou um título lá kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
      E as nadalzetes quando argumentam que nunca houve um finals na LAJE, KKKK, estão justamente entregando a rapadura kkkkkk: pois essa é uma forma de atestar sua UNIDIMENSIONALIDADE KKKKKK, VISLUMBRANDO-SE QUE LÁ ELE TERIA ALGUMA CHANCE KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK
      O LÓGICO PARA PRESIDENTE 2018
      NÃO PRECISA GOSTAR, BASTA VOTAR KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK
      CHUPA QUE É DE UVA NADALZETES kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

      Responder
    2. Sérgio Ribeiro

      Abrange toda a Era do Tênis Andre’ , digo, também a Amadora ? Como o Suíço e’ o maior vencedor na Grama com direito a 11 FINAIS somente em WiMBLEDON , sua colocação me parece estranha. E o TOP 14 no Saibro , idem. ABS!

      Responder
      1. André Luiz

        Abrange informações da era amadora, também, caro Sérgio.
        Don Budge, Bill Tilden, Fred Perry e Rene Lacoste estão entre os jogadores que se encontram na frente do Federer na média da grama. Aliás, todos os jogadores que se encontram na frente de Federer na lista atuaram na era amadora. Ele é não somente o primeiro entre os profissionais, mas o único tenista da Open Era entre os dez mais nessa lista. McEnroe vem em décimo primeiro lugar.

        Responder
  19. Luiz Fernando

    Prioridade p as federetes sempre será o próximo torneio importante q o cara disputar, se perder A será B e assim por diante. E assim a bailarina tornou-se o tenista com mais prioridades de todos os tempos kkkkk!!!!!!!!!!!!! Como esse pessoal e cara dura…

    Responder
    1. Sérgio Ribeiro

      Quando parece que vai engrenar , o LF Internacional ( até nisso copia o MC rs) volta a suas origens de Passador de Recibo Mor. E da’ pra perceber que o Post do Craque Suíço continua no seu quarto. Vê se ao menos esconde do filhinho rsrsrs … Abs!

      Responder
  20. Oswaldo E Aranha

    Não entro nesta discussão infrutífera de quem é o melhor. Fico na expectativa de que Murray, Djokovic e Wawrinka voltem em forma para engrandecer o tênis. Fico também na expectativa da atuação da nova geração: Shapovalov. Thiem, Zverev e outros que também têm uma importante contribuição a dar ao sucesso do tênis. Vamos apreciar este magnífico segmento do esporte.

    Responder
  21. Nazgul

    Mais um post excelente. Parabéns ao blog pelo conteúdo, quando não há analises esclarecidas e imparciais, há textos informáticos, repleto de estatistas importantes. É sempre bom de ler.

    Mas tenho uma critica a fazer: os comentários não acompanham (nem de perto) o nível do post do blogueiro. Pior, já deixou de ser apenas “um desvio de foco” para rixa entre torcidas (o que, por si só, é constrangedor em se tratando de tennis), tornou-se válvula de escape para frustrações de vida e perturbações mentais. Se um dia foi engraçado, deixou de ser. Como pode um tópico sobre a conquista de um titulo de Slam ter, em 90%, comentários desvirtuados para “guerrinha entre 2 torcidas” – como o próprio blogueiro afirma – repleto de ofensas, insinuações jocosas e atitudes infantis?! Isso é desanimador, além de pouco digno para o espaço.

    Dalcim, acho o seu texto e este site, como um todo, bons demais para dar voz a tamanha “depravação”. Não foi criado um grupo de Whatsapp?! Por sinal, muito movimentado e quase sem moderação. Ora, que as briguinhas, provocações ininteligentes e escape para alivio das frustrações fiquem por lá. Honestamente, como seu leitor há mais de 7 anos, sinto-me desprestigiado ao abrir os comentários e ver tanta porcaria liberada.

    Obrigado.

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Obrigado pelas palavras, Nazgul. Também acho deplorável que a maior parte do tempo as pessoas briguem entre si sem oferecer argumentos realmente valiosos. Acho a discordância muito salutar, mas é duro ficar só vendo provocações. Mas ainda assim, desde que não haja ofensas, temos de conviver com isso. É o preço da democracia. Abraço!

      Responder
  22. marcocam11

    Apenas somando a comentários já publicados, essa análise por percentual não diz muito, afinal de 16 GS de Nadal, 10 são de RG, a matemática aí teria que ser feita de outra forma, o saibro beneficia demais o estilo de jogo lento do espanhol, aliás, o circuito com suas mudanças têm ajudado bastante, e aí temos que dar mais crédito ainda a jogadores velozes como o Federer, que ainda assim continuam chegando em finais, e constantemente vencendo.

    Responder
    1. AKC

      Mas por outro lado, temos que considerar que não existe saibrista que não saiba jogar um tênis completo. Um saibrista pode ser criticado por ser defensivo, jamais por não ser técnico. No saibro deve-se dominar todos os recursos – além de possuir resistência física e mental. Já nos pisos rápidos, é notória a sucessão de tenistas que vivem de saques potentes e com demais fundamentos medíocres, e que não raro fazem carreira figurando por anos seguidos entre o top 20 e se aposentando com boas poupanças. Essas aberrações vc não vê no saibro. Existem saibristas que não se destacam nas rápidas, mas são bons tenistas. Existem especialistas em pisos rápidos que são tenistas bem medíocres. A lista é extensa. Já os gênios do Big 3, são bons em todos os pisos. Federer é o rei da grama e um excelente saibrista, só não levou uns 3 RG por causa do Nadal. Nadal é o rei do saibro e excelente nas rápidas, tanto é que seus 6 títulos nas rápidas o equiparam a lendas como Edberg e Becker – todos com seis títulos nas rápidas.

      Responder
    1. Mário Cesar Rodrigues

      Lógico,olha sinceramente vc não me conhece está completamente enganado a meu respeito cara!Te peço um favor serenidade são para poucos eu tenho!agora por gentileza,não cite meu nome..aqui no Blog me sentia como estivesse numa familia com alguns passando dos limites ou até eu mesmo mas sou do bem quem me conhece sabe!sou humilde ao aceitar as coisas .quando digo não é não!vou ler aqui sempre o Blog os textos os comentários porque me divirto é uma terapia.mas se tem um cara de palavra está falando com um agora ok abs

      Responder
      1. O LÓGICO

        M Complicado kkkk não consigo entender teu texto kkkkkkkkk
        Mas deixa eu te falar uma coisa, você já xingou tanta gente aqui, inclusive mulher, que não dá pra te levar a sério kkkkkkkk Igual ao robozinho, que fala cada cosia …..kkkkkk

        Responder
        1. Mário Cesar Rodrigues

          Nunca neguei!mas acabou!sou ser humano mas mais uma vez pare ok!fale do Rafa que é drogado xingue ele mas limpe sua boca,e seu teclado para escrever meu nome ou direcionar-me a mim!eu tá bom nunca fui ofendido ok !isto foi no passado!passou o ontem passou o hoje vivo amanhã só Deus sabe!

          Responder
  23. Renato

    Nando trouxe ótimas informações para nós. Federer supera o espanhol em % em três dos quatro slam. E não venham me falar que os pisos favorecem Federer, pois nos dias de hoje ,as quadras estão muito mais lentas. E se Nadal é tao bom assim, deveria ter se adaptado melhor para os diferentes tipos de piso, pois ele sabe que a maioria dos torneios é disputado sobre piso duro. Sobre o % de Nadal, hoje, ser melhor que o de Federer, eu acho normal. Se ele continuar jogando por mais dois ou três anos, a tendência é perder cada vez mais. São nove derrotas no ano e contando….Federer perdeu apenas 4 e tem títulos da mesma importância que o espanhol no ano.

    Responder
  24. César Valeixo

    Dalcim, falando em números…olhei hoje a premiação de todos os atps 500 e achei algo bem chamativo: a premiação. Sim, pois quando comparei os números, vi que o atp 500 de Pequim da 623 mil dólares para o campeão, enquanto que o atp 500 do rio por volta de 320 mil dólares. Por isso te pergunto…você já tinha notado isso? E você não acha muito discrepante a diferença de premiação para um mesmo nível de torneio? ( nos masters a diferença é muito menor já que a variação é de 800 mil dólares até 1,1 milhão de dólares). Esse atp numa dessa deveria ser considerado uma nova classe, por exemplo atp 750 de Pequim…abs

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Sim, já tinha visto diferença entre as premiações, mas nunca percebi que Pequim fosse tão alta assim. Realmente, fora de padrão. ATP deveria padronizar mais isso.

      Responder
  25. Daniel Thomas

    É difícil comparar gerações. São muitas condições diferentes. A carreira dos jogadores da geração de hoje está muito mais longa.
    Pode ser uma tendência ou simplesmente por méritos deles, por serem espetaculares. O tempo vai dizer, mas acho que hoje as carreiras são bem mais bem administradas e os jogadores fazem mais breaks durante a temporada, assim podem alongar a vida de jogador.

    Responder
  26. Neto

    Bem legais essas estatísticas, Dalcim.

    Fiz as contas e percebi que, aos 30 anos, idade do Djoko, Federer tinha 16 títulos e um aproveitamento de 32% (djoko tem 12 e 23,5%).
    Já aos 31, idade do Nadal, ele tinha 17 e um aproveitamento de 31,4% (nadal tem 16 e 32%).

    O mais impressionante é quando se olha Federer no auge. Aos 26 anos, idade igual de Borg quando parou, Federer tinha 13 títulos e aproveitamento de 38%, só inferior ao do próprio sueco (11 títulos mas 40%), que é o recordista em porcentagem. Sampras tinha 10 títulos aos 26 anos e 29%.

    Abraços

    Responder
  27. Carlos Emerson

    Boa noite estava lendo como sempre faço e me dirigi até a ATO ranking e tal me deparei com um nùmeros contra números não tem argumentos,Bem o Federer tido pela Imprensa o maior de todos e tem 249 derrotas tem 1358 jogos nivel ATP- =Rafael Nadal 1045 jogos com 183 derrotas.Se é números proporcional Rafa é melhor que Federer.Rafael Nadal 82,5 porcento e Federer 81,7por cento Então acabou se é que existia Rafael Nadalé melhor!

    Responder
    1. Rodrigo S. Cruz

      Pfff.

      Quanta bobagem…

      Quanto mais disputas você tem, mais o seu percentual relativo vai tender a reduzir.

      É igual comparar o Fangio com o Senna, em pole-positions.

      Senna foi o melhor da história em poles, poucos discordam disto…

      E mesmo assim perde do argentino no número relativo, uma vez que o brasileiro correu 110 GP’s a mais do que ele, e nem sempre no melhor carro…

      Pelo fato do Federer ser 5 anos mais velho, e ter disputado muito mais jogos do que o Nadal, esta diferença a favor do espanhol é ilusória.

      Ilusória e desprezível…

      Aliás, digo sem medo de errar que quando o Nadal somar o mesmo número de partidas do suíço, o seu percentual de vitórias ficará abaixo do dele.

      O aproveitamento do Federer em mais 1300 jogos é simplesmente ABSURDO!

      Responder
      1. Edson

        mas sao FATOS!
        ilusório e desprezivel é ficar supondo coisas!
        ilusório e desprezivel é pensar que o tênis gira em torno do que Federer fez ou deixou de fazer. Há 5 anos voces diziam a mesma coisa, que o desempenho do suíço com 1000 jogos era absurdo. É sempre assim!
        ilusório e desprezivel é desconsiderar que o Nadal ja é o 10º da história com o maior numero de partidas disputadas.

        e se for pra pensar assim…
        Connors jogou ate os 39, tem quase 200 jogos a mais, e terminou a carreira com um aproveitamento melhor que o do Federer. 82,03 x 81,79

        Belo “racio-simio”

        Responder
        1. Sérgio Ribeiro

          Realmente o aproveitamento de Jimbo em 200 ATPs 250 na América ( nem existem mais ) , foram excelentes. Não da’ pra comparar com Federer e seu aproveitamento fabuloso em Torneios de Elite. Abs!

          Responder
    2. Marcelo Araújo

      Você deve ser torcedor do Nadal, não é, Carlos? Porque só torcedores do espanhol cometem o equívoco de conssiderá-lo o melhor de todos os tempos. Os que não tem torcida e até mesmo os torcedores de Rafa menos fanáticos reconhecem a superioridade de Federer. Independentemente de números, de títulos, do H2H, simplesmente porque o suíço tem um jogo muito mais vistoso, plástico e completo que Nadal, é quase impossível não perceber isso se entendendo minimamente de tênis, a não ser que o fanatismo esteja cegando a sua análise. Só pra você entender como sua conclusão é precipitada, verifique que todos os tenistas jogaram muito mais partidas no saibro, piso que privilegia o jogo defensivo de Rafa, do que na grama, piso que privilegia o jogo agressivo de Roger. Isto por si só já influencia o percentual de vitórias, fora a qualidade dos adversários que cada um enfrentou, o nível de torneio que eles disputaram, a idade e o momento em que eles enfrentaram cada adversário… Resumindo, a sua conclusão é extremamente equivocada e só se justifica pelo seu fanatismo de torcedor!

      Responder
      1. Rafael

        Você deve ser torcedor de Federer, né Marcelo? Porque só torcedores de Federer cometem o equívoco de chamar gosto ou preferência pessoal ou torcida por outro jogador que não seja Federer de “equívoco”.

        Abs

        Responder
        1. Marcelo Araújo

          Eu torço para o tênis ofensivo, de muitos winners, de Federer, de Djokovic (ele já jogou de forma agressiva inúmeras vezes e você sabe disso), de Sharapova, de Azarenka e torço contra o tênis defensivo, de poucos winners, de Nadal, de Murray, de Wozniacki, de Radwanska. Mas gosto mais do Nole, tenho o livro dele e fui assisti-lo na Olimpíada. Durante um bom tempo, discuti com meu pai que é torcedor do Federer, que Novak seria tão bom quanto Roger, mas hoje não vejo espaço pra essa opinião, principalmente quando escuto os especialistas. Mas ainda acho ele melhor do que o Nadal, embora não saia afirmando isso, principalmente porque vai de encontro com a opinião dos especialistas, quem vive de tênis e entende mais de tênis do que todos nós frequentadores deste blog. Mas quando vejo alguém chegar a conclusões equivocadas por conta de um número ou outro sem levar em consideração o que os verdadeiros especialistas enxergam e, neste caso, o que “salta aos olhos”, não tenho como não externar minha indignação. Como torcedor do Djokovic, queria que ele chegasse ao nível de Federer. Hoje, me contento que ele termine a sua carreira pelo menos no mesmo nível de Nadal Mas os vejo da seguinte forma: RF – Técnica 10 e Mental 8. RN – Técnica 8 e Mental 10. ND – Técnica 9 e Mental 9. O físico melhor era o do Nadal, depois passou a ser o do Nole e depois voltou a ser o de Rafa.

          Responder
    3. Luiz Fernando

      Vc esta parecendo com os torcedores do Federer, q são alienados q postam absurdos sem atentar p isso, desde quando uma diferença abaixo de 1% significa q um seria muito melhor do q o outro kkk…

      Responder
    4. Marcio

      Nadal é excelente, mas abaixo de Federer na opinião de todos q entendem e praticam o esporte.
      Federer é o maior e melhor.
      Nadal top 5 entre os maiores, o que é extraordinário também.
      Abraço.

      Responder
  28. Willian Lopes

    Números extraordinários do Big 3 nos Slams, embora a comparação seja meio que desproporcional, devido ao Federer ter quase 100 vitórias a mais que Nadal e Djokovic e também por estar a menos de 20 derrotas de diferença de Nadal e incríveis 13 derrotas de diferença de Nole. São números impressionantes que demonstram a absurda supremacia do big 3 nos Slams, sendo que tal domínio rendeu 47 troféus de major para o trio dos últimos 60 disputados. O aproveitamento em percentual do Federer apesar de estar semelhante ao de Nadal e Nole dificilmente será alcançado por ambos levando em conta a grande diferença entre as vitórias e derrotas na carreira do suíço, assim como o recorde das 325 vitórias do Rei. É a história sendo escrita diante de nossos olhos.

    Responder
  29. Maria izabel

    Gosto de ver os Grandes.E pude ver vários monstros do tênis. BJORN Borg,Lendel,Sampras,Agassi etc.Agora Federer,Nadal,Djokovic.E os de futuro,Thiem,Zverv,Kyrgios,Docolopov.Aprecio o tênis há muito!Mas não os comparo.Cada um tem seu estilo.Fisico e mental andam lado a lado.Vejo por aqui infelizmente muitos denegrindo um ou outro de uma forma que parece ser algo incontestável!Ora,vamos assistir o tênis sem essa mentalidade de quem é melhor que quem.Isso é coisa de futebol.Admiro todos!!Talento há de sobra.Mas pelo amor né que coisa mais cri cri falar mal de tenistas com mais de 15 Slans!!Prefiro admira-los e me sentir honrada em ver essa Gama de estilos.E viva os Grandes tenistas que continuem a dar seus recitais para o público!!Eu agradeço!!

    Responder
  30. João ando

    Dalcim. Se o Brasil não passar na Davis. O Rogério está indo a Rússia e a China….ele tinha que ser bo reserva imediato…não podia colocar na conta do Marcelo…

    Responder
  31. Marquinhos

    Federer é maior e melhor que Nadal simplesmente pelo fato de ele ter mais títulos que o baloeiro em dois dos três pisos do esporte, além de ter SEIS títulos de masters finals contra ZERO do espanhol e MUITO mais semanas na liderança do ranking, também. Slam em quadras duras: Federer 10 x 4 Nadal. Slam em grama: Federer 8 x 2 Nadal. Roger é maior e melhor que Rafa pelo simples fato de ser mais completo. Tem mais resultados e mais currículo que o espanhol na maioria dos pisos do esporte. Ok, Nadal é muito melhor que Federer no saibro. Mas Roger é muito melhor que Rafa tanto na grama quanto nas sintéticas. Fato!

    Também levo muito em consideração o título no finals, pois é o torneio mais difícil de ser vencido. Não tem pangarés, só tenista top. Pra ser campeão é necessário fazer 5 jogos contra os melhores do ano.

    O papinho de Valmir no post anterior só serviu para encher linguiça. Então Nadal é melhor que Roger porque venceu mais títulos fora do seu habitat natural, o saibro? Quer dizer que Roger tem dois habitats naturais, sintéticas e grama? Só prova que o suiço é mais completo e, somado aos resultados, Federer é MUITO SUPERIOR AO ESPANHOL, com folgas, nadando de braçadas! O tal de Valmir perdeu uma grande oportunidade de ficar calado.

    H2H? Davydenko 6 x 5 Nadal. Dustin Brown 2 x 0 Nadal. Quem é melhor? Kyrgios 2 x 0 Djokovic. Roddick 6 x 5 Djokovic. Karlovic 2 x 1 Djokovic. Quem é melhor?

    Tentem outra! kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Responder
      1. Neto

        De longe. Mas quando você chega perto a coisa muda de figura
        Djoko fez em 2011 a melhor temporada que eu já vi de um tenista.
        Mas na soma do conjunto ele não tem números tão consistentes quanto o Federer.

        Responder
  32. José Eduardo Pessanha

    Estou vendo os comentários agora, pois nos últimos 10 dias estava meio enrolado no serviço. Respondendo ao Chet, sim, o Maratênis morreu. rs. Lembrando que o maratenista por excelência é o Nadal, pois o Djokovic teve (e ainda tem) muitos lampejos de ofensividade, sendo que o sérvio precisará voltar a ser ofensivo para sobreviver no circuito.
    Por exemplo, com todos os tops em forma em 2017, Nadal teria perdido para Djokovic em Roland Garros e nem passaria perto de vencer o US Open. Federer, por sua vez, não teria ganho o Australian Open, pois teria pego o Murray, ao invés do Mischa Zverev, sendo impossível encarar uma massacrante sequência de Berdych, Nishikori, Murray, Wawrinka e Nadal.
    Com toda a galera de volta em 2018, finalmente os Deuses do Tênis proclamarão o épico grito de NADAL ACABOU. Amém. KKKKK
    Abs.

    Responder
    1. José Eduardo Pessanha

      mas mudando de assunto, Nadal é mesmo um mestre no quesito motivação. Queria que o Kyrgios tivesse pelo menos 1% do amor que ele tem pelo tênis. Não só o Kyrgios, mas também outros caras que não alcançaram um patamar compatível com seus talentos (Gasquet, Dimitrov e Tsonga, por exemplo). Abs.

      Responder
      1. Roberto Cerqueira

        Nadal não tem amor pelo tenis, pelo contrário. Basta ver a cara de sofrimento dele durante os jogos, Isto deve ser fruto das maldades que o tio fazia com ele quando novinho.

        Responder
    2. Chetnik

      Mas você tá mudando o conceito. Sempre chamou o Djokovic de maratenista rs.

      Eu não duvido mais de nada. Nem do Nadal, nem do Federer. Não faço ideia do que vai acontecer no ano que vem.

      Responder
    3. Henrique. C

      Acho que Rafa teria vencido de novak , mesmo com Nole em forma . Teve vitórias em 2012 , 13 e 14 . Nole estava muito bem nesses anos ,acho que em 2014 e 13 , ele jogou melhor que em 15 e 16 no saibro de Roland garros . Apesar de ter vencido o ano passado , teve dois jogos épicos em 13 e 14 …

      Responder
    4. Edson

      Federer nao ganharia o AO e nem mesmo WB. E nao so pelo Murray. Citar Nishikori, Berdych e Wawrinka, especialmente no AO desse ano, é piada mais que pronta. Fora que pegou um Nadal com uns 10kg a mais em cada perna depois da semi de 5h contra Dimitrov.

      Responder
    5. Mário Fagundes

      Embora sua resposta tenha sido direcionada ao Chet, peço licença para me intrometer nesse papo. Sou um dos que não aprecia esse tal maratênis. Obviamente gostaria de vê-lo morto, enterrado, pulverizado da história do tênis. Mas não consigo enxergar o fim disso tanto quanto você, sobretudo pela temporada que Nadal vem fazendo em 2017. O espanhol vem destruindo toda e qualquer previsão sobre ele. Lembro que Dalcim, há uns 3 anos, mais ou menos, acreditava que Nadal estacionaria nos 14 slans. Este ano, o espanhol ganhou dois slans ( e poderia ter ganho mais um, no AO). Tudo bem, muitos tops estão fora de combate. Mas isso também é fator favorável ao Federer, como você bem observou. Voltemos ao início do ano. A temporada 2017 tinha tudo pra ser a mais incrível dos últimos anos, e não tem sido, passará longe disso. A velha história do “se” não conta, não é mesmo? Então, pelo fato dos outros cachorrões voltarem, não há como cravar que, em 2018, “finalmente os Deuses do Tênis proclamarão o épico grito de NADAL ACABOU”. Esta é apenas MAIS UMA previsão. E torcida pra tanto não faltará. Abs.

      Responder
  33. Marquinhos

    Bem, bem, bem. Baloeiro venceu o U.S Open? Irrelevante. Ele continuará sendo ZEBRA quando o slam for disputado fora da LAMA. Não acredito que o frango-miura vai conseguir igualar Roger Federer no número de slam conquistados, mas SE acontecer, o número de semanas na liderança do ranking , os títulos de masters finals e a técnica apurada farão a diferença a favor do MAIOR E MELHOR DISPARADO DE TODOS OS TEMPOS e MELHOR TENISTA DO ANO, Roger Federer.

    Existe uma união entre as torcidas do peréba-miura e do cotonete-chiquilento. Normal. O motivo? Recalque, simples assim. Tanto o frango quanto o cotonete praticam um tênis na base da correria, falta de variação, falta de habilidade, jogo SONSO, SONOLENTO…… Então é normal que as torcidas se unam, pois tem o mesmo gosto tenistico. Adoram hamburguer de soja, banana com casca, sorvete de creme…………. O engraçado é que, alguns anos atrás, algumas Djokovetes que chamavam o espanhol de dopado e baloeiro, agora o chamam de touro, monstro e etc, pessoas sem opinião formada e
    personalidade.

    Acredito que dificilmente um peixe-grande será pego no anti-dopping. O dopping sempre estará na frente dos exames. Tenho certeza que boa parte dos atletas olimpicos usam algum tipo de substância proibida. Se não na competição, mas na preparação. Infelizmente para os dopados a ciência-porca ainda não conseguiu solucionar alguns efeitos colaterais provocados pelo uso de esteroides e outras substâncias, a queda precoce de cabelos é um exemplo. Tem tenista de 30 anos careca, que pra disfarçar, fez implante. Pode enganar os outros, eu, não!

    Responder
    1. Rafael

      Não esqueça de falar da Ana Botafogo dos Alpes, do mestre Barishnikov. Parece que ele tem uma grande torcida, também.

      O mestre, que perdeu VINTE E QUATRO break points contra nDjoko na última final de USO que disputaram, além do jogo e o título. Memorável.

      Esse sim é um gênio, hahahahahahaha 😉

      Responder
  34. José Eduardo Pessanha

    Dalcim e colegas,

    Boa tarde. Esse comparativo entre o percentual de GS vencidos e disputados merece um comentário. Ainda que Nadal tenha abdicado de muitos GS por motivos de contusão, Federer também poderia ter optado por esse caminho em diversos GS….,mas por alguma razão ele não o fez. Cito o Australian Open de 2008 (mononucleose), Roland Garros, Wimbledon e US Open 2013 (dores nas costas), e Wimbledon 2016 (dores nas costas). E como o Craque sempre foi misterioso com relação às suas condições físicas, certamente ele disputou alguns outros GS que poderia ter evitado.

    Mestre, o que você acha do Tsitsipas e do espanhol Nicola Kuhn? Pelo pouco que vi do grego, achei que terá um ótimo futuro. Já o espanhol chamou atenção pela boa combinação entre idade (17) e ranking (232). Abs.

    Responder
    1. Edson

      Qual mononucleose ? hahahah
      O suiço fez semi no AO e so perdeu em 3 sets apertados contra djoko na semi, depois fez semi em Indial Wells e Miami, sequer abriu mao do ATP 250 de Estoril (e venceu), depois nao abriu mao de nenhum dos 3 masters do saibro e fez tres finais, final em RG, campeao de Halle, tratorizou todo mundo em WB e so perdeu numa final de 5h, etc
      Tava muito doentinho mesmo.
      Ja em RG, WB e USO 2013 ele nao arrumaria NADA independente da sua condição fisica

      Responder
  35. Daniel

    Dalcin, tudo bem?

    Muito interessante esses números, mas gostaria de complementar com uma análise que considero mais justa, que seria colocar na mesma base temporal, ou seja, comparando Federer e Nadal aos 31 anos, idade do espanhol.

    Aos 31 anos, Federer tinha 17 slans vencidos em 54 (aproveitamento de 31,5%) e 251 vitórias e 37 derrotas (aproveitamento de 87,2%). Ou seja, desempenho praticamente idêntico ao de Rafa.

    Isso leva a algumas conclusões e questões:
    1) Federer teve um declínio muito forte, a partir dos 30 anos, principalmente em aproveitamento de títulos (3 slans em 21, com 14,3%). E queda tbm em vitórias (84,6%);
    2) Esse declínio coincide com os auges de djokovic, murray e wawrinka, que equilibraram a distribuição de slans;
    3) é provável que o aproveitamento de Nadal caia conforme ele estenda sua carreira. Suponho que ele não jogue tantos anos como Federer (já bastante discutido aqui). Mas acredito que ele não tenha uma queda tão acentuada de desempenho, podendo terminar a carreira com mlhor aproveitamento.

    Enfim, desculpe ter me alongado, mas achei interessante compartilhar esses dados.
    Espero ter ajudado com algum insight, Dalcin.

    Abraço

    Responder
    1. Marcio

      O aproveitamento naquela idade, somente olhando para slam não foi praticamente idêntico, foi Superior!
      Se olhar finals 6 a 0 e tempo como número um do ranking, a diferença é abissal e continua praticamente idêntica, aí sim!
      Em termos de ranking temos o maior número um da história e o maior número dois. Veja quem são…
      Abraço.

      Responder
      1. Daniel

        Marcio, tudo bem?
        Calculei somente os dados de Slams, para seguir a linha do Dalcin e os números são muito próximos.
        Sobre Finals e ranking, concordo com você. A diferença é grande e não cabe comparação.
        O intuito foi trazer uma análise adicional e não dizer quem é melhor.
        Abraço

        Responder
  36. Pieter

    Muito legal e emocionante o vídeo de apresentação da bebê da Serena e seu marido Alexis.
    Não deixem de ver.
    Dalcim, ela está decidida a voltar a jogar já no AusOpen. Você duvida?

    Responder
  37. Beto Souza

    Dalcim boa tarde!
    Mestre no inicio da parceria de NADAL com MOYA eu me lembro de você dizer que em pouco agregaria no jogo do Nadal devido terem a mesma forma de jogarem .
    Hoje você continua coma a mesma impressão?
    E se você fosse o técnico do espanhol e com o seu conhecimento tenístico,o que você iria propor a Rafa?
    abraço!

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Continuo achando que Moyá funcionou muito mais na parte emocional do que técnica, Beto. Ele não conseguiu fazer Rafa jogar mais perto da linha, apesar de algumas tentativas, por exemplo.

      Responder
  38. Renato

    O pessoal detonou o tal de Valmir no post anterior. Kkkk Isso que da escrever m… , escrever algo sem pensar. Fica muito fácil rebater. Deveria ter ficado calado. Que pulha!

    Responder
  39. Bolas&grips

    “O canadense não deu um pio. Pediu as bolas, disparou um foguete e matou o ponto com forehand no contrapé, fechando de vez o jogo.”…Dalcin, realmente, no esporte isso que me encanta: jogar, observar, ouvir, acatar e jogar, pois de conversinhas, DIS(simulações) e trapaças o futebol, p. ex. já está cheio. Parabéns ao garoto, Viva o Tênis !

    Responder
  40. Rafael

    Dalcim, você acha que o Djoko e o Murray voltarão com tudo ano que vem? Eu acho que o Djoko, principalmente, tem enormes condições de voltar a dominar o circuito.
    Abraço e parabéns pelo Blog.
    Rafael

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho sim que Nole tem todas as condições e motivações, mas fico com dúvidas sobre Murray. Além de sua contusão ser bem mais séria, ele não tem parece ter a mesma determinação de uma carreira longa, Rafael.

      Responder
  41. Ronildo

    Aproveitando o título do post sobre reflexões e levando em consideração a declaração de Toni Nadal de que acredita, almeja, tem fé, sonha, e deseja ardentemente que seu sobrinho chegue aos 19 do Federer, declaro sem sombra de dúvida que nunca vi o Federer se preparar tão mal para um grand slan. Não que ele venceria facilmente Nadal como fez anteriormente neste ano. Mas acredito que venceria se mantivesse o foco depois de Wimbledon. E acreditem, seria uma das conquistas mais fáceis entre todas as que conquistou, exatamente como foi para Nadal, já que havia grandes rivais na geladeira. Tomara que isto lhe sirva de lição, mas não foi o primeiro grande título que ele perdeu por causa de falta de foco, levando em consideração que Federer é uma pessoa bastante emotiva. Vamos ver o que o futuro trará, já que foco é o que não falta ao Nadal. Este é um ano que Nadal pode faturar o Finals, mas não podemos esquecer que Federer declarou que sabe que pode jogar melhor do que jogou contra Del Potro. Ou seja, se voltar ao nível do primeiro semestre, roubará o doce das mãos de Nadal para desespero de Toni Nadal, o homem que tem fé e sonha.

    Responder
    1. Mário Fagundes

      Comentei a afirmativa de tio Toni “Cara-de-pau” Nadal no post anterior. Não somente ele, assim como todos os outros que sonham alto, falam em chegar nos 19 slans, como se este número fosse absoluto, definitivo, na carreira de Federer. Será? Quanto à preparação e falta de foco de Federer nesse US Open, concordo com você. O cara confirmou sua participação horas antes de começar o torneio. Além disso, avisou que não se via vencendo 3 slans numa temporada, que não estava 100%, etc. Ficou claro que vencer o torneio novaiorquino não era, definitivamente, uma prioridade. Concordo também com quem afirmara que, para Federer, tudo mesmo tenha ficado em Wimbledon. Mas como o suíço nos surpreende sempre, quem sabe não vem um ótimo fim de temporada com mais troféus e mais um título de Finals, junto com a reconquista do número 1? Abs.

      Responder
      1. Renato

        Então, o pessoal esquece que o espanhol ficou quase três anos sem vencer slam. Pode acontecer de novo? Creio que sim. Eu acho que ele vence no máximo mais um, se vencer. E quem foi que disse que Federer vai parar nos 19?

        Responder
        1. Mário Fagundes

          Renato, não sei se alguém teve a audácia de afirmar isso sobre Federer, mas quando leio os comentários e entrevistas, vejo os caras falarem “em chegar nos 19 slans de Federer”. Concluo que, PRA ESSA TURMA, 19 é um número absoluto e definitivo na carreira do craque. Esses caras esquecem que Federer ainda está jogando.

          Responder
    2. Não acredito muito nisso, se ele estava lesionado, existe um período de recuperação onde ele não pode treinar. Provavelmente esse período o impediu de ter uma preparação adequada. Talvez nem estava recuperado 100%. E como ainda vai disputar uns 4 torneios + 1 exibição, é bem provável que não termine o ano 100%. É o problema de se ter 36 anos de idade em um circuito tão competitivo

      Responder
  42. André Luiz

    Quanto as percentagens apresentadas pelo Dalcim, fica difícil ter uma correta noção dado que Rafa tem quase cinco anos a menos do que Federer. Mas a diferença dele pro Djokovic é impressionante.
    De todo modo, nessas médias o Borg me parece praticamente imbatível.

    Responder
  43. André Luiz

    Se Federer e Nadal empatassem em número de majors no fim da carreira, algo que não considero provável, ainda assim Federer teria os melhores números.
    Ele marcas maiores em Grand Slams [finais, finais consecutivas, semifinais, semifinais consecutivas; partidas ganhas etc.], e está na frente de Nadal em três dos quatro majors. É o maior vencedor de jogos em WB e no Aussie Open, e o segundo em RG e USO.
    Além disso, tem muito mais semanas como número um do mundo [uma estatística em que Rafa é o sétimo] e temporadas terminadas na liderança do ranking [5 a 3, por enquanto].
    Pra completar, tem seis masters cup contra nenhum de Rafa. As Masters Cup, ou ATP Finals, são o torneio mais importante da temporada depois dos majors.
    Federer também estaria na frente no total de títulos.
    É possível encontrar números em que Rafa seja o melhor, mas são secundários em relação aos que citei logo acima.
    Ou seja, a diferença entre os dois jogadores é atualmente muito maior do que os três majors [que, convenhamos, também é muito grande].

    Mas não que eu pense que Rafa vá conseguir alcançar o principal recorde de Federer. Acho até que a conquista desse US Open foi bastante circunstancial.

    Responder
        1. André Luiz

          Perceba, Rafael, que o comentário que você chamou ironicamente de ”grande” foi feito unicamente por você.

          Afinal, eu não disse que ”quando Federer vence, é gênio; e que quando Rafa vence, é circunstancial”.

          Eu não acho circunstancial que Rafa vença no saibro. Ele faz isso todo ano. Não considero circunstancial que ele vença Roland Garros. Ele conquistou o torneio em 10 de 13 tentativas.

          Mas no atual momento, acho circunstancial que vença um Grand Slam na hard court. Afinal, o espanhol não conquistava um torneio nesse piso, no qual ele joga durante 60% do ano no mínimo, desde Doha 2014. Eram mais de três anos e meio, e o jejum chegou ao fim justamente nesse major após participações claudicantes nos torneios preparatórios.

          Embora Rafa tenha todos os méritos pela conquista, ela se deu em um momento de brutal esvaziamento do circuito, sem necessidade de enfrentar um só top 25. Não acho que esteja claro que ele vá voltar a vencer de maneira sistemática nessa superfície. Posso estar errado, é claro. Ano que vem teremos mais dois majors em hard courts e saberemos. Mas os sinais são, até onde entendo, de que essa conquista, de um major em hard court nessa altura da carreira do espanhol, foi circunstancial.

          Responder
  44. Eduardo Moura Lima

    Dalcim,

    Com a saída definida do Toni Nadal, e com o Moya assumindo de vez o comando de treinamento do Nadal, vc acha que:
    – Nadal vai continuar como sempre foi, alternando momentos defensivos e ofensivos
    – continuar o processo que vem vivendo, de aos poucos ir se tornando mais e mais agressivo
    – começar de uma vez por todas a se tornar um tenista de fato agressivo

    Apesar de não achar o Nadal defensivo do jeito que mts falam, o Moya parece que foi quem começou a querer mudar o padrão de jogo do Nadal de verdade, com esse ano o treinando, mas o Toni me parece ser quem o trava, mantendo os aspectos defensivos do Nadal. Conforme a notícia da própria tênis Brasil , o principal objetivo do Moya parece ser tornar o Nadal cada vez mais e mais ofensivo, o que eu acho ótimo.

    O que vc acha q irá acontecer agora com Moya sozinho ?

    Abraço

    Responder
    1. José Nilton Dalcim

      Acho que Nadal jogará bem perto do que tem mostrado, Eduardo. Moyá também não era o tenista mais ofensivo do mundo, tinha bom saque e forehand, mas ficava plantado na base. Ele parece ter mexido no backhand, que fez boa diferença, e certamente trabalhou na confiança. Acredito que manterá uma ótima parceria com o Rafa.

      Responder
  45. Sérgio Ribeiro

    BJORN BORG tinha o famoso h2h de 7 X 7 com seu maior Oponente , John McEnroe apenas 3 Anos mais jovem. Este o bate em 3 Finais consecutivas de SLAM ( começando pela quebra da sequência de 5 Títulos em Wimbledon ) e o batendo nas 2 Finais de USOPEN que se enfrentaram. Neste meio Tempo aparece o garoto Ivan Lendl que o leva ao 5 Set em sua última Final de Rolanga. Viriam em série Wilander, Edberg e Becker. O Sueco resolve precocemente se aposentar aos 26 . Qual seria seu percentual de aproveitamento aos 36 ? rs Não houve um caso sequer , em Toda a Era Profissional , que não caísse bastante o percentual de aproveitamento com o adiantamento da Idade. Nem Rod Laver escapou. Todos se surpreenderiam se pegassem o h2h de Connors com o Big Mac , este com Lendl , Becker com Sampras, …. Os números apenas demonstram um aproveitamento absurdo do Titio aos 36, em relação aos seus Sobrinhos com 30 /31 rsrsrs ABS!

    Responder
    1. Na minha opinião, o caso do Borg é parecido com o do Federer, o tênis dele ficou ultrapassado muito cedo, por conta de mudanças de tecnologia, raquete, etc. Basta ver a diferença entre a raquete que ele usava quando parou e as raquetes que os mais jovens usavam. Sem contar que ele tinha um jogo mais apropriado para o saibro, mesmo sabendo se virar no saque e voleio, não dá para comparar com o jogo ofensivo do McEnroe.
      Se ele tivesse feito uma transição de raquete e estilo, poderia jogar de forma competitiva por muitos anos ainda e ganhar muito mais do que 11 títulos de GS

      Responder
  46. Jefe

    Pessoal parem de passar recibo!!
    Nadal é sensacional, um gigante.
    Mas se ficar 2 anos seguidos como número 1, não faz cócegas neste recorde do Federer.
    Com relação a Slams, ficou interessante, mas muito difícil ainda.
    E finals impossível.
    Calma.
    A comparação é Nadal e Djoko.
    Curtamos, enquanto é tempo.

    Responder
    1. Leonardo

      Jefe,
      Eu sou fa dos dois, alias dos 3. Acho que somos afortunados de ter 3 jogadores entre os maiores da historia jogando na mesma epoca e que podemos acompanhar tao de perto. Concordo que o Nadal nao quebra o record de no. 1, e provavelmene encerra a carreira sem ganhar o Finals. Mas se Nadal ultrapassar Roger nos GS (o que eu acho improvavel), considerando a vantage no Masters e no head to head, pode no futuro ser considerado o melhor de todos os tempos, pois o no de GS e o que pesa mais.
      Sempre se comentava na imprensa como seria um jogo (hipotetico) de Federer e Laver ou outros grandes para ver quem seria o melhor, mas sabendo que e incomparavel, porque sao epocas, estilos, material, e competidores diferentes. No caso de Nadal e Federer, temos o maior enfrentamento direto do Tenis, e Nadal da um banho.
      Para mim, como esta hoje, Nadal e o melhor de todos os tempos no Saibro e Federer melhor absoluto. Temos talvez mais 2 ou 3 anos antes da historia desses 2 estar complete no tenis professional. Ate la, devemos desfrutar.
      PS: Perdao pela falta de acentuacao. Teclado Americano.

      Responder
  47. Luiz Evandro

    Bom, Nadal tem 3 Grand Slam a menos que o Federer, mas tem 21 GS a menos jogados.
    Sempre quis saber estes números, Dalcim. São realmente importantes nestas comparações.
    Para ser o melhor, Nadal deve ao menos empatar com o Federer em “majors”.
    Porque aí, com medalha de ouro em simples (Golden Slam), possivelmente mais vitórias no confronto direto e mais Masters 1000, na minha opinião ele estaria na frente. Mesmo com o Finals a favor do suiço.
    O assunto é polêmico!!! São sem dúvida os dois maiores da história.
    Impressionante o Borg em GS, Dalcim.
    Excelente blog.

    Responder
    1. Luis Victor

      Medalha de ouro não conta muito, Luiz, não é um quesito muito olhado pelo circuito em relação a ser o melhor/maior ou não. Em tese, o Finals tem peso maior, pela importância, regularidade e dificuldade do torneio. Quanto ao número no confronto direto / masters, particularmente, acho difícil analisar, se levarmos em conta a ausência de masters na grama. É difícil tentar prever o que aconteceria? Sim, é. Mas, se olhar o domínio de Federer em tal piso, essa conta seria mais relativa, e menor, até, por ex, 2 masters na grama por ano. Agora, alguns números aí são esquecidos, como o lógico mostrou, no caso, aí. Já fizeram uma análise de % GS por GS, quantidade de x alcançadas em final, semi final, etc, se não me engano, o Dalcim em outro post, e aí, os dados são completamente diferentes, difícil igualar o que o Federer fez.

      Responder
      1. Luiz Evandro

        Concordo que não há Masters na grama, o que prejudica o Federer, mas também só um Grand Slam é no saibro, e o Finals nunca foi no saibro, o que prejudica muito mais o Nadal. A quadra sintética ( AO e US Open) tb dá vantagem ao Federer em quesito Grand Slam.
        Enfim, o tênis é do jeito que é, seguindo suas tradições.
        Discordo respeitosamente de vc, Luis, a medalha de ouro em simples vale muito, tanto que o Federer e Djokovic deram prioridade no ano que jogaram, para essa conquista. Tanto que até hj o Agassi e Graf são considerados os únicos com o Golden Slam, uma alcunha criada pela medalha olímpica, mostrando sua importância.

        Responder
    2. Vitor

      Nadal jamais poderia reclamar de lesões por jogar menos torneios, uma vez que escolhe, como sua marca principal, ganharbos pontos na base da intensidade e alongando eles ao máximo. Se ele prefere ganhar jogando todos os pontos como se fossem o último de sua vida, as lesões devetiam fazer parte do seu cálculo…enquanto isso, Federer treina pra ter bola para matar qualquer ponto e de onde e qdo quiser….simples assim.
      E se o argumento é que o Nadal jogou menos slams pq é mais novo, Federer qdo tinha a mesma idade do Nadal, ganhou 1 slam a mais. Pensando assim, e sabendo o qto Nadal depende do físico, não seria normal apostar numa queda do espanhol? Será que ele setia competitivo até os 36 anos? Inclisive, esses números citados pelo Dalcin, devem cair muito. À menos que o Nadal se aposente aos 33 anos por não aguentar perder tanto….

      Responder
  48. Rodrigo S. Cruz

    Comédia.

    Só agora fui ver na outra pasta, o Mário e o ataque de louquice.

    Impressionante o que a falta de INSTRUÇÃO faz ao ser humano…

    Pois nem o bom senso de respeitar o dono do espaço no qual escreve, o cara tem.

    E estranho imaginar como ele raciocina, né?

    Para ele, alguém não achar o merda do Nadal o MÁXIMO, é crime.

    kkkkk

    Piada pronta…

    Responder
    1. Sérgio Cipriani

      O cara não fez por mal. Esse é o jeito dele… Meio sem noção mesmo, mas ele está nesse espaço há anos e já mostrou diversas vezes o quanto respeita e gosta do Dalcim.

      Responder
          1. Rodrigo S. Cruz

            Já tentei não chamar o dito cujo pelo nome dele.

            Até inventei um apelido bem simpático e inofensivo para ele…

            Acontece, que toda vez que escrevo o apelido, vem o Dalcim e bloqueia meu comentário.

            Vou dar uma dica.

            É aquele personagem dos gibis do Maurício de Souza que mora num sítio e atropela Língua Portuguesa.

            Abs.

      1. Renato

        Se o cara não faz por mal, como você diz, então ele que busque um tratamento. Não podemos agir por impulso. O rapaz não demonstrou nenhum arrependimento sobre o que escreveu. Se não sabe se comportar em um blog, não participe. Ninguém é obrigado a tolerar.

        Responder
    2. Luiz Fernando

      Aproveitando seu comentario, da uma olhadinha no post anterior e veja quem teve a sanidade de citar o complo (kkkkkk) da Nike, e agora com o lastro informações de bastidores (kkkkkkk), esse blog sempre será muito divertido kkkkkkkk, finalmente começo a entender as dezenas de (kkkkkkk) postadas pelo Lógico, amigo do luzinha-paz-e-amor kkkkkkkkkkkkk!!!!!!!!!!!!!

      Responder
    3. Edson

      Aqui as pessoas gostam de relativizar as coisas, dependendo da conveniência. Repare como as opinioes vao mudando ao longo do torneio.
      “Sutilezas” desse us open (que na verdade acontece em TODOS os torneios):

      Antes das quartas x depois das quartas (e antes mesmo da semi)

      Sobre Del Potro:
      “argentino que ja foi campeao do us open e que ja foi #4”
      x
      “argentino #28 do ranking e que está voltando de cirurgia”

      Sobre Kevin Anderson:
      “ex top 10 ao final de 2015”
      x
      “tenista mediocre”

      Sobre o Torneio:
      “torneio diferente e tao especial”
      x
      “torneio sem graça”

      Wimbledom:
      ninguem lembrou das campanhas mediocres e/ou tenistas em frangalhos: zverev, dimitrov, murray, wawrinka, djokovic, kyrgios, etc

      Us open:
      torneio esvaziado

      Concordo totalmente com o Mario Cesar.

      Responder
    4. Leonardo

      Imagino que voce deve jogar muito, Rodrigo, para achar Nadal um merda. O cara tem 16 GS, sendo 06 fora do saibro. Imagino que por esse criterio Becker, Edberg seriam super M, porque so ganharam 6 ao todo. John McEnroe so ganhou 3 fora do US Open, Borg so 5 fora de RG. Pete Sampras, otro M, ganhou 7 fora de Wimbledom e so em quadra rapida. E tadinho do nosso Guga, so 3GS, e tudo RG, pelo seu criterio, imagino, abaixo do coco do cavalo do bandido. Existe alguem no tenis pra voce alem do Federer que nao seja um M?

      Responder
      1. Rodrigo S. Cruz

        Existe.

        Na verdade, existe muita gente cujo jogo eu não acho uma merda…

        Alguns dos citados por você, e eu poderia citar vários outros.

        A minha simpatia por um tenista A, ou um tenista B, independe dos seus resultados.

        Avalio a qualidade técnica dele, a conduta, a forma de jogar, o carisma, etc.

        E eu acho que o Nadal é carrancudo, raivoso, ultra-defensivo, transgressor de regras, cheio de TOC’s e cheirador de CUECAS…

        Não o curto.

        Abs.

        Responder
        1. Edson

          Cara, isso é relativo.
          Veja, ainda que seja plástico e bonito, tambem acho o tênis do Federer uma merda no que diz respeito a competitividade. Sempre precisa de uma série de combinações para que ele vença alguma coisa.
          Sobre conduta, sempre o achei extremamente arrogante, sempre desmerecedor, e por diversas vezes ja tentou ludibriar os arbitros (posso citar quantas voce quiser), gritando palavroes dentro de quadra ou ate mesmo para a torcida ou familiares de tenistas, etc

          Vou lançar duas aqui por enquanto:

          veja o nivel de pilantragem nessa jogada (esse foi o mesmo jogo que ele ficou gritando palavroes para o Murray):

          https://www.youtube.com/watch?v=dIclQEoKxR8

          https://www.youtube.com/watch?v=XPBwjZwpOKw

          Responder
          1. Rodrigo S. Cruz

            Será que eu li direito?

            Não é possível, preciso de um oculista urgente.

            Quer dizer que a competitividade do Federer é uma merda, que precisa que tudo conspire a favor, pra ele ganhar?

            KKKKK

            PUTA QUE PARIU!

            Cara, será que você tem noção, a mínima noção, do quão idiota é o que você afirmou?

            Eu não gosto da forma que o espanhol ganha, agora é inegável que ele ganha pra cacete!

            E , se ganha tanto. Impossível ser só por sorte…

            Você já jogou alguma vez na mega-sena?

            Sim, porque baseado no que você escreveu, o Federer poderia jogar na mega toda semana, e toda semana , ele iria ganhar…

            Quem é que conseguiria ganhar tanto como o suíço (+1100 vitórias em 1300 jogos), se a sua “competitividade fosse uma merda” (sic)?

            Vergonha alheia o teu post, rapaz.

            Uma obra-prima do medo!

            Sem dúvida a mais ridícula piada que eu já ouvi, em 40 anos…

          2. Edson

            Não, apenas escrevi sandices, propositalmente, misturadas com verdades (sobre a parte da “conduta esportiva” e arrogancia) justamente para que voce sinta na pele como é o nível das tuas postagens, tanto é que rapidinho saiu do eixo. Vergonha alheia ad aeternum.
            Simples assim.
            Aliás, diga-se de passagem, nem sou torcedor do Rafael Nadal.

            obs: o desafio sobre “conduta esportiva” continua de pé.

        2. Edson

          acabei esquecendo de um detalhe importante.
          voce diz que se importa com essa coisa de puxar cueca, toc, etc ok, eu tambem, mas sinceramente prefiro nem dizer o que penso sobre a forma que o Federer ajeita o cabelo entre TODOS os pontos.
          No fim das contas , o apreço que voce tem pelo Nadal, é o mesmo que tenho pelo Federer.

          Responder
          1. Rodrigo S. Cruz

            Comparar ajeitada de cabelo com puxada de cueca é o fim da picada.

            Kkkkk

            Toma vergonha, Robolito-Minion…

            (rs)

  49. julio

    De uma coisa eu tenho absoluta certeza, ainda vai aparecer alguém para contestar estas estatísticas, com as costumeiras preposições alternativas(SE.
    Faz parte do psique humanoide reptiliano, sempre achando uma desculpa.
    Algumas pessoas assistem a isso para dar risadas, que é o que bom né, outras ficam rebatendo os questionamentos absurdos.
    È a história do macaquinho que fica em cima da árvore vendo a macacada quebrando coco na cabeça do vizinho.
    Eu, na minha humilde opinião, que tenho certeza de que não interessa a ninguém, e que também não vai repercutir em nada especial, a um ou outro comentário, a favor ou contra, digo o seguinte.
    A vida é bela, e a maioria acha que a vida e o mundo é injusto, mas a única certeza é que cada um tem a vida que merece, como cada tenista tem os títulos que merecem, pois quem mais ganha títulos, com certeza fez muito mais esforço, e se privou de muita coisa para se divertir, ganhar dinheiro e usufruir do mesmo, ou não.
    Torço para Murray, Nole, Stan e todos os outros voltarem e dar muito trabalho ao Nadal e companhia, pois por mais que eu torçe pelo Nadal, Federer, Murray, ou outro tenista, dependendo do dia, eu quero que cada um faça por merecer cada título, ou dólar amealhado, que seja com muito esforço, pois estes esportes foram criados justamente para isso, para fazer a diferença, criar companheirismo, ensinar humildade, nos ensinarmos a tentar nos amar nus aos outros, apesar que muita gente prefere quebrar o coco na cabeça do vizinho.
    Mas aí, é problema de cada um.
    Abraço a todos.

    PS.: quem acha que está certo, já está completamente errado, o amanhã só a DEUS pertence.

    Responder
  50. O LÓGICO

    Nem os números, nem a LÓGICA e o LÓGICO mentem…ROGER É BEM ACIMA DA MÉDIA KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

    Claro que a intenção do Guru não foi apresentar esse dados e, tomando-os como premissa maior, apresentar a conclusão de que, portanto, O NADALISCO é melhor que o REI. Mas como eu sei que as frenéticas nadalzetes kkkk já estão soltando fogos na beira-mar kkkk e celebrando, vou apresentar uma refutação dessa conclusão espúria aos cânones da LÓGICA KKKKKkkkkkkk

    Na verdade, o sofisma se configura porque se toma em consideração ontologias diferentes dos slams como sendo uma só, ou seja, como se houvesse O SLAM, composto de quatro slams kkkkkkkkk Captaram, Nadalzetes? kkkkkkk. Mas sabemos que não é isso nadalzetes kkkkkkk. E para se aferir quem é melhor, levando-se em conta tanto aspectos quantitativos quanto qualitativos, a apreciação tem que ser individual, pois cada slam possui características próprias, com nível de exigência e adaptação próprias que vão exigir dos tenistas “qualidades” técnicas especificas para o sucesso em cada um deles. Me seguem no raciocínio, robozetes ? kkkkkkkk

    Então, consideremos que os SLAMS e o FINALS, que acontecem todos os anos, são os principais torneios do circuito – sinto muito, mas as Olimpíadas se tornam eclipse do sol kkkkkk. Temos os seguintes dados:
    AO (REI 5 – ROBOZINHO 1)
    W (REI 8 – ROBOZINHO 3)
    USO (REI 5 – ROBOZINHO 3)
    LAJE KKKK (REI 1 – ROBOZINHO 10)
    FANALS (REI 6 – ROBOZINHO 0)

    Faça-se agora a mesma análise para se aferir o percentual de aproveitamento em cada torneio, e então ter-se-á uma análise tanto qualitativa quanto quantitativa mais precisa. Veja-se, pois, quantas vezes cada tenista participou de cada torneio e extraia-se o percentual de conquistas e de partidas ganhadas, e teremos uma análise mais precisa sobre quem é o melhor e o maior.
    A análise dos percentuais em cada slam mostra quem é mais vencedor e tem mais capacidade técnica para adaptação.

    Você me ajudam nesse cálculo, L F, M C e demais nadalzetes iludidas?

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Responder
      1. O LÓGICO

        Veja que minhas análises são tão imparciais que até ajudam o robozinho demoníaco kkkkkkkkkk
        E as nadalzetes não me enfrentam nos argumentos. Por que, hein?
        kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

        Responder
      1. O LÓGICO

        Infelizmente as nadalzetes não compreendem sequer a “natureza” do argumento kkkkkkkkk

        Mas, mudando o foco, então, segundo sua lógica kkkk, aff kkkk, Djokão, zoofilista kkkk de tourinho mixuruca kkkkkk é melhor que o marombeiro: tem h2h favorável e o venceu na laje kkkkkkkkkkkkkkk

        Responder
    1. Diego Rodrigues

      Que perfil fake mas mala. O cara desemerece o talento do nadal de um jeito. Isso aqui é coisa de Brasileiro mesmo. La fora isso não ocorre.

      Responder
      1. O LÓGICO

        Não desmereço, isso é apenas consequência de minhas análises lógicas kkkkkkkkkkkkkkkkkk
        Reconheça que os números apontam para um tenista UNIDIMENSIONAL quando o comparamos
        com os demais grandes kkkkkkkkkkkkkkkk Ele é excepcional somente na LAJE kkkkkkkkkk
        Fora dela ele é patético, e não fosse a fortuna, que lhe acolheu nesse USOCO kkkk, jamais teria ganho kkkkkk Se você acha que me confunde, me responde uma questão bem simples: como você explica que um tenista excepcional passe 3 anos e 8 meses sem ganhar um título nas duras?kkkkkkkkkk Recorde excepcional, sem dúvidas kkkkkkkkk Vamos rezar para ele tirar outra sombra dos ombros: será que ele vai conseguir defender esse título ano que vem? kkkkkkkk Esse é mais excepcional ainda, visto que está incólume kkkkk desde o início de sua carreira kkkkkkkk
        Tem mais, kkkkkk: será que o UNIDIMENSIONAL vai conseguir se manter como n1 ano que vem, mesmo que seja da 25 dos OUTLETS DE ORLANDO kkkk, (elevei o nível do robozinho kkkkkkk)?
        No ano em que ele alcançar esse posto e defendê-lo no seguinte eu começo a levemente pensar em compará-lo com Roger e Sampras kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

        Responder
  51. Alexandre

    Oi Dalcim,

    Seia interessante montar uma estatística como essa, mas dividida por slams específicos.
    Daria para ter uma ideia melhor quanto ao aproveitamento pontual de cada tenista em cada slam.

    Responder
    1. Nando

      AUSTRALIAN OPEN
      1.Andre Agassi 90.6% 48–5
      2.Novak Djokovic 89.2% 58–7
      3.Guillermo Vilas 88.5% 23–3
      4.Roger Federer 87.0% 87–13
      5.Stefan Edberg 84.8% 56–10
      6.Mats Wilander 83.7% 36–7
      7.Pete Sampras 83.3% 45–9
      8.Ivan Lendl 82.8% 48–10
      9.Rafael Nadal 82.3% 51–11
      10.Jim Courier 81.4% 35–8

      ROLAND GARROS
      1.Rafael Nadal 97.5% 79–2
      2.Björn Borg 96.1% 49–2
      3.Mats Wilander 83.9% 47–9
      4.N. Djokovic 83.1% 59–12
      5.G. Kuerten 81.8% 36–8
      6.Jim Courier 81.6% 40–9
      7.Ivan Lendl 81.5% 53–12
      8.Roger Federer 80.2% 65–16
      9.Andy Murray 79.6% 39–10
      10. Jan Kodeš 78.0% 39–11

      WIMBLEDON
      1.Björn Borg 92.7% 51–4
      2.Pete Sampras 90.0% 63–7
      3.Roger Federer 89.2% 91–11
      4.Rod Laver 88.0% 22–3
      5. J. Newcombe 86.5% 32–5
      6.Boris Becker 85.5% 71–12
      7. N. Djokovic 85.3% 58–10
      8. Andy Murray 85.1% 57–10
      9. John McEnroe 84.3% 59–11
      10. J. Connors 82.4% 84–18

      US OPEN
      1.Pete Sampras 88.8% 71–9
      2.Roger Federer 87.2% 82–12
      3. N. Djokovic 86.1% 62–10
      4.Jimmy Connors 85.2% 98–17
      5.Ivan Lendl 84.9% 73–13
      6.John McEnroe 84.4% 65–12
      7.Rafael Nadal 84.1% 53–10
      8.Ken Rosewall 83.3% 30–6
      9. J. Newcombe 81.8% 27–6
      10.Björn Borg 81.6% 40–9

      Desculpe me alongar, Dalcim.

      https://en.m.wikipedia.org/wiki/Open_Era_tennis_records_–_men%27s_singles

      Esse site acima tem mta coisa boa…recomendo a tds.

      Responder
      1. O LÓGICO

        Valeu Nandão kkkkkk se você por agora a percentagem que diz respeito às conquistas de títulos, aí que a coisa fica feia pro robozinho kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

        Responder
      2. O LÓGICO

        Valeu, Nandão kkkkk, agora se você pôr a percentagem em relação às conquistas de título a coisa fica mais feia pro robozinho kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

        Responder
      3. O LÓGICO

        E tem mais kkkkkkk Olhem que no AO e W Roger mesmo sendo terceiro e quarto, ele tem quase o DOBRO kkkk de partidas jogadas no torneio. Isso mostra que o REI é um fenômeno parecido como o vinho, kkkkkkk, que vai ficando velho e mesmo assim não perde sua qualidade. Vamos ver os índices robozinho cangalechéu kkkkkk, que já são ruins, kkk, com trinta e seis ano kkkkkkkkkkkk

        Responder
  52. Pieter

    Muito legal e promissora a atitude do Felix Aliassime. Denota uma extrema auto-confiança: para que contestar o árbitro e criar uma polêmica se ele sabe, que na quadra, é superior ao adversário e a vitória lhe pertence, por mérito?!!

    Responder
    1. João ando

      Pieter.não querendo criar polêmica mas o juiz deve ser afastado. ..e o Félix auger não deveria repetir o ponto e sim chamar o árbitro geral ja que o juiz ja havia decidido …

      Responder
  53. Rafael Wuthrich

    Mais que esse fim de temporada, esse Australian Open tende a ser épico, com tanta gente solta no meio da chave e Nadal e Federer em lados opostos.

    Responder
  54. Henrique

    O objetivo de Nadal agora é ganhar GS depois dos 40.
    Aí vai ter ganhado com menos de 20, entre 20 e 30, entre 30 e 40, e com mais de 40
    Quem viver verá.
    Aquele recorde de ganhar slam todo ano já dele (10 anos)
    Negócio agora é jogar bem uns anos sim, outros não, pra ter mais longevidade e ganhar depois dos 40

    Responder
      1. Rafael Wüthrich

        Sempre fico impressionado é com a quantidade de jogos. São 377, em 71 Slams jogados. Pra efeitos de comparação, o 2º é Connors, com 282 jogos. É muita coisa. Mais do que vencer tanto, ninguém jogou tanto tênis quanto Roger Federer. Te impressiona essa quantidade, Dalcim? Acho que não tem parâmetros no esporte. É um recorde até incluindo as mulheres, coisa rara nos Slam, com quase 40 jogos a mais que Vênus e Serena, as recordistas. Um assombro.

        Responder
    1. Mário Fagundes

      Se em Novak ainda existirem motivação e espírito de luta daquele campeão que vimos nos últimos anos, imagine o quanto ele deve estar ansioso pra voltar e recuperar o “tempo perdido”.

      Responder
    1. O LÓGICO

      “Rafa ganhou 226 jogos e perdeu 33 (87,2%), acima de Federer (325 e 52, com 86,2%)”

      L Feliz kkkkkk podes me responder uma perguntinha simples? kkkkkkkkkk
      Analisando os dados, mesmos tendo o REI jogado “100” partidas a mais que o robozinho, a diferença de percentual entre eles, a favor do UNIDIMENSIONAL, é de apenas “1 por cento” kkkkkkkkkkk Isso não te revela nada? Nem desperta tua capacidade de análise? kkkkkkkk

      Tens até a hora do julgamento do lulinha-me-engana-que-eu-gosto kkkkk pra matar a charada kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

      Responder
        1. Marcelo Araújo

          A diferença foi toda construída no saibro, piso que favorece o jogo do Nadal. Se eles tivessem jogado na grama na mesma proporção que jogaram no saibro, o H2H estaria equilibrado.

          Responder
      1. Marcelo

        O fato não do Rei ter jogado 100 partidas a mais não influência basicamente no percentual de comparação, já que a conjunto de jogos do “baloeiro unidimensional” ´já é bastante elevado.

        Responder
        1. considerando que um tem 36 e o outro 31, é claro que faz diferença. Imagina o Connors jogando aos 40, você acha que a % dele ia se manter ao longo do tempo? Bobagem

          Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *