Arquivo da tag: Bjorn Borg

Coração embala Laver Cup
Por José Nilton Dalcim
24 de setembro de 2017 às 19:54

A Laver Cup está aprovada como exibição de gala. Não bastassem a presença de Roger Federer e Rafael Nadal, o que por si só já seria suficiente para lotar qualquer ginásio, a seleção de estrelas foi bem feita, o sistema inovador mais ajudou do que confundiu e ficou bem claro o empenho de todos os envolvidos em jogar o melhor que pudessem nos três dias de competição.

Duas cenas resumem muito bem o que foi o evento organizado pela empresa do suíço: a cara de choro de Nick Kyrgios ao perder de Federer em partida muito equilibrada e a comemoração empolgada de Rafa ao final desse jogo decisivo, saltando ao encontro de Roger. O clima foi incrivelmente alegre, cheio de brincadeiras fora da quadra, sem perder jamais o caráter competitivo.

A sacada de colocar Federer e Nadal para disputarem juntos a dupla de sábado se provou brilhante. Ainda que não tenham jogado seu melhor – aliás, nenhum deles chegou perto disso em todo fim de semana -, foi um momento histórico para o tênis. Não eram apenas os líderes do ranking lado a lado, mas dois dos mais ferrenhos adversários da história do esporte, estilos antagônicos em todos os sentidos. Era fácil perceber a diferença na intensidade do espanhol perante a descontração maior do suíço. Ainda assim, foi muito legal ver o sorriso largo de Rafa em meio ao jogo, coisa extremamente rara de se ver no circuito tradicional.

GS

A presença de Bjorn Borg e John McEnroe como capitães dos times selou uma homenagem justíssima a verdadeiros ícones do tênis, e curiosamente também dois rivais do circuito de jogo tão diferente, porém grandes amigos. Juntar Laver com Federer, Nadal, Borg e McEnroe é quase como mixar capítulos espetaculares do tênis em todos os tempos.

A competição se provou muito mais interessante que a IPTL, a Liga Asiática. Não inventou moda, manteve os padrões básicos do calendário e talvez por isso tenha tido bons jogos todos os dias. Está garantida para 2018, mas é difícil se apostar na sua perpetuação, porque sabemos que a presença de Kyrgios, Alexander Zverev, Dominic Thiem e Marin Cilic se deveu muito ao empenho pessoal de Federer e ao compromisso assumido desde logo por Nadal. Sem os dois, talvez o futuro não seja tão promissor.

Bia, vice com louvor
Em sua primeira decisão de nível WTA, Bia Haddad Maia perdeu mas nem de longe decepcionou. Saiu atrás do primeiro set e continuou insistindo no plano tático, até começar a capitalizar os erros do jogo forçado da campeã de Roland Garros e, depois de desperdiçar dois set-points, ainda ganhou o tiebreak, um momento sempre muito emocional no tênis, diante de Jelena Ostapenko. E olha que a top 10 liderou até 4-3.

Aí naturalmente perdeu um pouco da intensidade e isso é geralmente fatal diante desse nível tão alto de adversária. Ostapenko pegou a oportunidade e disparou no placar, não fazendo a menor cerimônia para pedir apoio do público que lotava o estádio. O terceiro set foi uma gangorra incrível, com as duas tendo dificuldade com o saque e jogando bem melhor como devolvedora. Foram sete quebras em dez games, num misto de erros não forçados, ousadia e nervosismo.

Muito animador ver Bia jogando sempre perto da linha de base, tentando não abrir ângulos, e encarando pancadaria. Claro que a força dos golpes de Ostapenko é extraordinário, com difícil defesa quando ela pega em cheio. Falta à brasileira certamente um segundo saque mais intimidador, mas a semana em Seul foi outro grande passo no necessário e paulatino acúmulo de experiências.

Números e reflexões
Por José Nilton Dalcim
12 de setembro de 2017 às 19:17

O título no US Open colocou Rafael Nadal à frente de Roger Federer e Novak Djokovic quando se trata de percentual de aproveitamento em Grand Slam. E isso tanto em vitórias como em troféus.

Rafa ganhou 226 jogos e perdeu 33 (87,2%), acima de Federer (325 e 52, com 86,2%) e bem à frente de Nole (237 e 39, com 85,8%). O recorde permanece com Bjorn Borg, com 141 e 16, portanto 89,8% de aproveitamento.

O canhoto tem 16 títulos em 50 Slam jogados (32% de sucesso) contra 19 em 71 do suíço (26,7%) e 12 em 51 do sérvio (23,5%).

* Nadal tem ainda o maior domínio num Slam (97,5% de vitórias em Paris). Borg lidera em Wimbledon (92,7%), Andre Agassi na Austrália (90,6%) e Pete Sampras no US Open (88,8%). Quanto aos pisos, Rafa é absoluto no saibro (79 vitórias no total), Federer no sintético (169) e Jimmy Connors na grama (107).

* A menos que ocorra uma enorme surpresa, Rafa Nadal e Roger Federer serão cabeças 1 e 2 do Australian Open. Wawrinka corre risco de não estar entre os oito principais cabeças, o que é líquido e certo que acontecerá com Novak Djokovic. Já Andy Murray pode nem estar entre os 16, assim como Kei Nishikori e talvez Milos Raonic.

* Alexander Zverev e Dominic Thiem estão praticamente garantidos no Finals de Londres junto a Nadal e Federer. As outras quatro vagas devem ser duramente disputadas entre Dimitrov, Cilic, Carreño, Querrey e Anderson. A distância entre Dimitrov e Anderson é menor que 800 pontos.

* Pablo Carreño se tornou nesta segunda-feira o 18º diferente espanhol a atingir o top 10 do ranking, juntando-se a nomes como Manuel Orantes, José Higueras, Sergi Bruguera, Carlos Moyá, Juan Carlos Ferrero e Rafa Nadal.

* Garbiñe Muguruza inicia seu reinado no circuito feminino com o menor número de pontos desde que o sistema atual foi adotado em 2008, ou seja, 6.030. E a briga nem de longe está encerrada. No ranking da temporada, Simona Halep está a menos de 300 pontos e Elina Svitolina, a quase 500.

* Com o sucesso alcançado no US Open, o tênis feminino americano tem agora quatro das top 17. E Serena nem está jogando. Ela aliás ocupa o 22º posto e não deve cair além disso até defender seu título da Austrália em janeiro.

* O canadense Felix Auger-Aliassime, 17 anos, conquistou seu segundo challenger neste sábado, no saibro de Sevilha, aproximando-se do top 150. O detalhe muito curioso: no match-point, a bola do tenista da casa Inigo Cervantes teria saído. Muita dúvida, o juiz checou a marca e ficou convencendo Cervantes de que havia saído. O espanhol chamou o árbitro geral, que conversou com o juiz. Felix no fundo da quadra aguardando. Numa atitude incrível, o juiz determina que o ponto seja disputado novamente. O canadense não deu um pio. Pediu as bolas, disparou um foguete e matou o ponto com forehand no contrapé, fechando de vez o jogo. Quando se olha uma promessa, muito mais importante que qualquer golpe é observar a atitude.

Desafio – Apenas dois internautas acertaram o Desafio US Open da partida em que Nadal venceu Del Potro. Ian de Deus e Iury Pinheiros Ximenes foram os únicos a cravar que o espanhol perderia o primeiro set e faria a virada. Por isso, resolvi premiar os dois com um tubo de bolas Spin. Eles devem enviar aqui nome e endereço completo para a remessa.

Sede por recordes continua para Federer
Por José Nilton Dalcim
17 de julho de 2017 às 17:49

Perto dos 36 anos e de volta ao top 3 do ranking, Roger Federer já se habituou à chance de quebrar alguma marca ou estabelecer façanhas praticamente toda vez que entra em quadra. Novamente em excepcional forma, começa a tornar algumas de suas grandes marcas cada vez mais difíceis de ser batidas.

Nos Slam, além de ter agora quatro troféus acima de Rafael Nadal, soma sete finais a mais que o espanhol, 11 semis e 11 quartas sobre Novak Djokovic. A quantidade de vitórias também é muito superior, com 84 acima do sérvio. Suas séries consecutivas de finais, semis e quartas não sofrem qualquer ameaça.

E Federer pode fazer ainda mais no US Open. Será o tenista com mais Slam na carreira, deve superar Andre Agassi no número de vitórias no torneio e luta para se tornar o maior campeão da Era Aberta em Nova York caso consiga o hexa. De quebra, ainda poderá lutar pela liderança do ranking e também ampliar seus números excepcionais.

Veja a lista dos atuais principais recordes e façanhas do suíço por categoria e perceba que há muita coisa plausível de ser alcançada:

Grand Slam
– Recordes de títulos (19), finais (29), semis (42) e quartas (50).
– Maior número de vitórias (321) e de participações (70, com Santoro).
– Entre os tenistas com mais de 200 jogos, só fica atrás de Nadal em percentual de aproveitamento de vitórias (86,3% contra 86,9%).
– É lider absoluto em finais seguidas (10), semis consecutivas (23) e quartas seguidas (36).
– Ganhou sete finais seguidas (superado por 8 de Sampras), tem duas séries de 27 vitórias consecutivas (Djokovic chegou a 30).
– Lidera com 36 sets vencidos seguidos e 65 Slam disputados em sequência (Feli López está com 62).
– É o maior campeão de Wimbledon (8) e do US Open (5, com Connors e Sampras) e segundo na Austrália (5, atrás dos 6 de Djokovic).
– Ganhou cinco troféus seguidos em Wimbledon, igualado a Borg, e no US Open.
– Recordista em finais na Austrália (6, com Djoko) e Wimbledon (11). Está em segundo no US Open (7 contra 8 de Lendl e Sampras).
– É quem mais ganhou na Austrália (87) e Wimbledon (91), segundo em Paris (65) e terceiro no US Open (78, a um de Agassi).
– Tem recorde de vitórias seguidas no US Open (40) e segundo em Wimbledon (40) e de sets seguidos na Austrália (30) e em Wimbledon (34).
– Segundo mais jovem a completar o Carrer Grand Slam, aos 27 anos.
– Dois Slam diferentes vencidos sem perder sets (Australian-2007 e Wimbledon-2017). Borg e Nadal somam três.
– Único da Era Aberta a disputar todas as finais de Slam de um mesmo ano por três temporadas (2006-07, 2009) e todas as semis por cinco temporadas.

Carreira
– Chega a 93 títulos, um a menos que Lendl e a 16 de Connors.
– Fez 141 finais, 5 atrás de Lendl e 23 distante de Connors.
– Está em segundo em partidas partidas (1.358) e vitóris obtidas (1.111).
– Tenista que mais derrotou adversários top 10 (207).
– Líder em títulos na quadra sintética (63) e na grama (17). Empata com Nadal em quadras abertas (71).
– Maior vencedor sobre quadras sintéticas (687 jogos) e segundo em grama (164, a seis de Connors).
– Detém recorde de invencibilidade no sintético (56) e na grama (65).
– Maior invencibilidade contra top 10 (26 jogos)
– Maior número de finais disputadas e vencidas em sequência (24)
– Recorde de títulos (6), vitórias (52) e participações (14) no ATP Finals
– Lidera vitórias em torneios Masters 1000 (341) e é terceiro em títulos (26).
– Chega a US$ 104 milhões de premiação oficial e está US$ 2,5 mi atrás de Djokovic.
– Terceiro tenista a superar a marca de 10 mil aces desde que ATP iniciou contagem em 1991.

Ranking
– 302 semanas como número 1, sendo 237 consecutivas, marcas absolutas
– É quem mais figurou no top 2 (471 semanas) e top 3 (inicia a 628ª). Faltam oito para assumir a ponta também do top 4 e nove para o top 5. Está 48 semanas atrás de Connors como top 10.
– Terminou cinco temporadas como líder, um a menos que Sampras. Lidera com 10 no top 2 e 12 no top 3.

Desafio Wimbledon
O internauta Wendell Assis, que votou através do Facebook, foi incrivelmente preciso e cravou o exato placar da vitória de Federer sobre Cilic: 6/3 6/1 6/4. Em segundo lugar, ficaram outros dois únicos que palpitaram apenas oito games para Cilic: Victor Rolemberg França e Eric Magalhães. Os três devem enviar endereço completo para envio do tubo de bolas Spin. Parabéns!