Arquivo da tag: Milos Raonic

Dia australiano
Por José Nilton Dalcim
20 de junho de 2017 às 19:29

A Austrália já foi uma potência no tênis, ainda mais quando se fala em quadras de grama. Esse passado tão rico de troféus pôde ser relembrado nesta terça-feira com dois feitos da nova geração. Jordan Thompson, 23 anos, e Tanasi Kokkinakis, de 21, eliminaram justamente os dois finalistas do Queen’s Club do ano passado.

Thompson talvez seja até mais surpreendente, ainda que seja um jogador em evolução. Está longe de ser um gigante das quadras, com 1,83m, e apesar do saque afiado é um jogador que gosta mais de trabalhar no fundo de quadra. E foi justamente ali que ele derrotou o pentacampeão Andy Murray. Firme nas trocas, muito veloz para defender, inteligente para contraatacar.

Kokkinakis é 13 centímetros mais alto e sempre se mostrou um tremendo sacador, ainda que se mexa mal no fundo e seja inconsistente. Não obteve um único break-point, mas ganhou os dois tiebreaks disputados contra Milos Raonic, sua primeira vitória sobre um top 10. Todo mundo sabe que o garoto passou maus bocados depois da cirurgia no ombro no final de 2015 que o tirou do circuito praticamente por 19 meses, somando-se ainda a dois estiramentos musculares sérios, o mais recente no abdômen.

Se para Raonic a temporada é de altos e baixos, mas com algumas campanhas dignas, para Murray a derrota inesperada é uma ducha gelada, justamente quando ele vinha de um Roland Garros decente e animador. Esperava-se que a volta à grama lhe trouxesse de volta a confiança, porém o que vimos foi novamente um escocês cheio de dúvidas, preso no fundo de quadra vitimado por um forehand pouco produtivo.

Murray será o cabeça 1 em Wimbledon e terá de fazer uma campanha idêntica a Rafael Nadal para não perder a liderança, já que os dois começarão o Grand Slam separados por míseros 105 pontos, ao retirarmos os 2 mil que o escocês tem de defender. A perda da liderança parece cada vez mais uma questão de tempo. Até aqui, Murray somou menos da metade dos pontos de Roger Federer (1.930 a 4.090) e 29% do que Rafa acumulou desde janeiro (6.915).

E por falar em Federer, uma vitória rotineira na estreia de Halle. Sacou bem, se mostrou firme na base e dominou como quis o japonês Yuichi Sugita, que não tem cacoete para a grama. Agora, vem um teste dos bons: o canhoto e voleador Mischa Zverev, que acaba de entrar para o top 30. A vitória tem importância dobrada, já que poderá dar ao suíço a condição de cabeça 4 em Wimbledon, derrubando Stan Wawrinka, segundo projeções do ‘ranking da grama’.

Stan, aliás, teve a dificuldade imaginada contra Feliciano López. Não jogou de todo mal, mas ficou claro que depende demais do primeiro saque na grama. A devolução não funcionou jamais e foram poucas as tentativas de fazer voleios improvisados. Não sei se Paul Annacone conseguirá corrigir isso em duas semanas. Não entendi o motivo de ele usar tão pouco o slice, um golpe valioso nesse piso.

Nos torneios femininos, vimos a queda de Bia Haddad para uma esperta Shelby Rogers. A brasileira fez um bom primeiro set, muito firme no saque e bem agressiva, e deu um mínimo vacilo no tiebreak. A americana tem predicados na grama, com serviço e golpes com pouco efeito e muito bem colocados. Boa experiência para Wimbledon. E que o sorteio nos ajude.

Já o retorno de Vika Azarenka vinha bem no primeiro set, mas esbarrou em alguns erros e agora ela está à beira da derrota diante de Risa Osaki, que vai sacar para fechar o placar nesta quarta-feira. Claro que a grama nunca é o piso ideal para um retorno, ainda mais tão longo, pela dificuldade em se achar o ritmo ideal. Vika precisa de paciência.

Déjà vu
Por José Nilton Dalcim
18 de maio de 2017 às 19:22

As quartas de final do Masters 1000 de Roma tem um forte clima de ‘já visto isso antes’. Teremos um terceiro duelo consecutivo entre Rafael Nadal e Dominic Thiem no saibro europeu e o reencontro sempre eletrizante de Novak Djokovic com Juan Martin del Potro. Nunca é demais lembrar que, caso justifiquem o favoritismo, o espanhol e o sérvio duelarão outra vez na semifinal de sábado.

Depois de fazer duas finais contra Thiem em Barcelona e Madri, que valeram importantes títulos, o austríaco pode ser coadjuvante de mais um feito de Rafa na temporada. Com a (inaceitável) derrota de Stan Wawrinka para John Isner, Nadal tem a chance de retomar já o terceiro lugar do ranking e colocar ainda mais pimenta no eventual duelo com Nole.

Nos jogos desta quinta-feira, pouca novidade para Rafa, que dominou como quis Jack Sock, e um dia animador para Djokovic, apesar de os dois terem perdido um game de serviço no segundo set. Ainda que tenha cometido alguns erros, o sérvio foi muito firme diante de Roberto Bautista no fundo de quadra e conseguiu ser agressivo no momento certo.

Thiem é quem deu um tremendo susto e precisou evitar três match-points contra Sam Querrey. Parece um tanto desgastado com o esforço das últimas semanas, ainda que Querrey seja um adversário que mereça respeito também no saibro.

Delpo é um problema e uma solução para Djokovic. O argentino jogou muito bem até agora em Roma e já bate muito mais o backhand. Por isso, ganhar de Delpo pode ser a injeção de ânimo que ainda falta a Novak. Embora seja o 18º duelo entre eles, é o primeiro no saibro desde Roland Garros de 2011, ou seja 13 confrontos atrás.

O lado de cima da chave tem todos os olhares em cima de Alexander Zverev, que atropelou um irreconhecível Fabio Fognini e terá pela frente Milos Raonic. A chance de chegar à final é grande para o alemão de 20 anos. O adversário de quem ganhar sai de Isner e Marin Cilic, ou seja, ele só tem grandes sacadores instáveis no fundo de quadra pela frente. Um título em Roma, sonhemos, levaria Zverev ao top 10.

As quartas femininas também chamam a atenção, especialmente porque a veteraníssima Venus Williams continua muito firme no saibro romano e desafia nada menos que a irregularidade de Garbiñe Muguruza. Quem ganhar, pega Katerina Pliskova ou Elina Svitolina.

A oportunidade parece muito boa para Simona Halep reafirmar sua boa fase e ganhar favoritismo para Roland Garros, já que é candidata natural à vitória contra a quali Anett Kontaveit e depois frente Kiki Bertens ou Daria Gavrilova.

Nadal contra o backhand de uma mão
Por José Nilton Dalcim
25 de janeiro de 2017 às 11:13

Promessa cumprida, o Rafael Nadal 2017 é mesmo outro. Saque afiado que permite o ataque constante logo na segunda bola e devolução mais perto da linha que tira o tempo do sacador se juntam à costumeira habilidade de contraatacar e ao conhecido preparo físico excepcional que o permite jamais desistir dos pontos. Toda essa receita funcionou muito bem diante de Milos Raonic e recoloca Nadal na semi de um Grand Slam depois de duas temporadas frustrantes.

Apenas os backhands de uma mão o separam agora do 15º troféu de Slam e da façanha única de ter dois títulos em cada um dos grandes torneios. Primeiro, vem o búlgaro Grigor Dimitrov, que encerrou a freguesia em Pequim do ano passado depois de perder sete vezes seguidas. Se passar, pega então os experientes: Stan Wawrinka ou Roger Federer. Nos dois casos, também tem largo histórico favorável.

Na sua luta para voltar à melhor forma, Nadal vem quebrando jejuns incômodos e isso certamente vai influenciando na confiança crescente. Venceu enfim um quinto set após três derrotas seguidas contra Zverev, bateu um top 10 após quatro frustrações e retornou às quartas, o que não acontecia desde Roland Garros de 2014, frente a Monfils.

Com tudo isso, usou um plano tático perfeito diante de Raonic. Fez o saque voltar sempre, muitas vezes com devoluções arriscadas e um backhand muito seguro, e o canadense foi colecionando erros. Raonic deveria ter levado o segundo set, mas não mereceu porque faltou o elemento essencial dos gigantes: a coragem. Falhou no 4/5 com um forehand no meio da quadra que preferiu só jogar do outro lado, entregou o mais terrível deles com dupla falta no tiebreak. Estatística essencial mostrou que Nadal ganhou 83% dos pontos em que acertou o primeiro saque diante de 68% do adversário. Não deveria ser o contrário?

Nadal é assim o terceiro ‘trintão’ nestas semifinais, algo que só aconteceu uma vez em toda a Era Profissional, justamente no primeiro deles, em Roland Garros de 1968.

Dimitrov tem chance contra Nadal? Sim, mas terá de jogar ainda mais do que fez diante de David Goffin, onde foi muito agressivo, com bons golpes da base, ótima transição à rede e firmeza no saque. Precisará se lembrar de tudo que fez tão direitinho três meses atrás quando bateu o ‘velho Rafa’ num piso que era um pouco mais lento do que o de agora.

O búlgaro é mais consistente no fundo do que Raonic e depende menos do saque, mas também tem a instabilidade emocional como maior barreira. Vai pesar certamente o fato de fazer apenas sua segunda semifinal desse nível, mas Dimitrov também está correndo atrás da recuperação na carreira e evoluiu muito nos últimos tempos. Se vencer, volta ao top 10.

A última vez que um Grand Slam viu três semifinalistas com backhand de uma mão foi lá mesmo em Melbourne, na edição de 2007, com Federer, Fernando González e Tommy Haas.

Quanta emoção
Talvez o momento mais tocante desde Australian Open até agora tenha sido a emocionada reação de Mirjana Lucic ao se classificar para a semifinal em cima de Karolina Pliskova, marcando uma volta à glória depois de 18 anos e uma longa história de superação. Aliás, foi essa incrível vontade que mostrou nos games finais. Atendida no vestiário com 3/4 no terceiro set, voltou e ganhou 12 dos 14 pontos seguintes com um tênis agressivo e preciso.

Claro que é bem difícil imaginar que ela tenha chances diante de Serena Williams, desde que Serena jogue no padrão que a levou a tremenda vitória em cima de Johanna Konta. Sacou muito, bateu demais na bola, colocou pressão o tempo todo. Um volume de jogo sufocante. Lucic joga também em cima da linha, golpeia tudo na subida e tem notável garra. mas ela mesma confessa estar no limite da condição física.

As duas semifinais já acontecem na madrugada desta quinta-feira e a expectativa é grande. Podemos ter uma nova decisão de Slam entre as Williams depois de oito anos ou uma nova finalista se Coco Vandeweghe mantiver seu incrível embalo em cima de Venus. Em seguida, entram Serena e Lucic, a semi com maior soma de idade da Era Aberta. Note-se que três das semifinalistas estão cima dos 34 anos, a mais alta média da fase profissional.

Quinta-feira quente
Além das duas semifinais femininas, que acontecem a partir de 1h, a quinta-feira tem o imperdível duelo suíço entre Stan Wawrinka e Roger Federer, às 6h30. Se o número 4 do ranking está em melhor ritmo de competição e tem feito um torneio bem consistente depois da estreia tensa, Federer tem vantagem de 18-3 nos duelos diretos, com derrotas apenas no saibro. São 5-1 para Roger nos Slam e 13-0 nas quadras duras, com apenas quatro sets perdidos.

Dois multicampeões de Grand Slam, o que não faltam são feitos e números. Federer busca a 28ª final e sonha com o 18º título de Slam, enquanto Stan tenta a quarta final com a notável façanha de ter vencido todas as três.

Eles têm números parecidos em cinco sets (25-20 Federer e 25-19 Stan) e nem mesmo ganhar dois pode ser garantia, já que Roger já obteve 10 viradas e Wawrinka, 6. A estatística de tiebreaks favorece Federer: 396-216, bem superior a 186-172 do amigo.

Caso atinja a final, Federer torcerá por Dimitrov (5-0), já que tem saldo negativo contra Rafa (11-23). Wawrinka está atrás dos dois: 3-15 para o espanhol e 2-4 para o búlgaro. Federer e Nadal decidiram Melbourne em 2009, Stan e Nadal fizeram a final de 2014.

Aos 35 anos, Federer por fim pode ser o mais velho tenista a atingir uma final de Grand Slam desde Ken Rosewall, no US Open de 1974, quando tinha 39. Ao mesmo tempo, tenta vencer primeira semi na Austrália desde 2010, tendo perdido cinco em seis anos desde então. De suas 13 derrotas em semi de Slam, nada menos que sete foram em Melbourne.